terça-feira, 24 de junho de 2014

Igreja "pós-conciliar" e Maçonaria.

1962 – Revolução na Igreja – A Aproximação da “Igreja Conciliar” à Franco-Maçonaria*

Agora deve aparecer mais claramente a cada um por qual razão, à morte de Paulo VI, o Grão-Mestre do Grande Oriente italiano (e ‘bispo’ da esotérica ‘igreja gnóstica’ na Itália) Giordano Gamberini pode escrever, a guisa de elogio fúnebre ao Papa Montini: “Para nós é a morte daquele que fez cair a condenação de Clemente XII e de seus sucessores. É, pois a primeira vez – na história da Franco-Maçonaria moderna– que morre o chefe da maior religião ocidental sem estar em estado de hostilidade com os franco-maçons. [...] Pela primeira vez na história, os franco-maçons podem render homenagem à tumba de um papa, sem ambiguidades nem contradição.”1

De resto, a abertura feita pelo Concílio Vaticano II aos “valores” do iluminismo e de “dois séculos de cultura liberal”com a política da mão estendida para a Franco-Maçonaria, que é sua guardiã e a representante mais importante, tinha sido programada com alguma antecedência. É o que nos ensina o celebre religioso P. Rosário Espósito (abertamente pro-maçon), que em uma carta enviada ao Grão-Mestre Gamberini e publicada na Rivista Massonica, escrevia: “Caro Gamberini, eu gostei, mesmo em sua frieza cartesiana, do teu edital sobre a morte do papa (Paulo VI – Ndr). Eu creio que ele teria apreciado; ele jamais teve medo de algo. [...] O dominicano P. Felix Morlion, conhecidíssimo enquanto fundador da Universidade Internacional “Pro-Deo” [...] me confiava um dia ter falado com aquele que era então Mons. G.B Montini entre as relações desastrosas existentes entre a Igreja e a Franco-Maçonaria. Montini lhe disse: “Não passará uma geração e entre as duas sociedades uma paz será feita”. O episodio já me foi contado, sem citar o nome do pontífice em um artigo publicado na “Vida Pastoral” do mês de dezembro de 1974. Agora que o pontífice faleceu, não há maiores razões para continuar com o segredo. E a previsão – eu iria dizer a decisão – se verificou plenamente2...”.

A “paz”, nós vimos, foi efetivamente feita, mas com a rendição sem condição da Igreja Católica, em nome da qual, depois da obra de demolição começada por João XXIII, Paulo VI e os homens do Vaticano II, abusando de sua autoridade, aceitaram e impuseram aos fiéis este liberalismo e este laicismo do Estado (Dignitatis Humanae), este falso ecumenismo (Lumem Gentium I, 8; Unitatis Redintegratio; Nostra Aetate) e esta mentalidade democrática antropocêntrica (Lumem Gentium III, 22) que sempre tinha sido o estandarte da ideologia laico-maçônica.

O estandarte dos filhos da viúva, como gostam de se definir os francos-maçons, tinha sido içado triunfalmente sobre a cúpula de São Pedro.

O vírus da AIDS iluminista e neomodernista tinha sido inoculado nas veias do mundo católico e todas as suas defesas imunitárias tinha desaparecido umas após outras.

Notas:

1 -. La Rivista Massonica, julho de 1978, n° 5, p. 290.
2 -. La Rivista Massonica, agosto de 1978, n° 6, p. 371-372.
* - 1962 - Révolution Dans L'Église - Brève Chronique de L'Occupation Néo-Moderniste de LÉglise Catholique - Dom Andrea Mancinella.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: