sexta-feira, 27 de abril de 2012

Misandria: o que é?


O que é a misandria e o que é a anti-misandria?

Misandria é o ódio ou desprezo dirigido ao sexo masculino (homens ou meninos). A palavra vem do grego misos (μῖσος, "ódio") e anēr, andros (ἀνήρ, caso genitivo ἀνδρός; "homem"). É paralelo à misoginia, o ódio para com o sexo feminino. Misandria é o antónimo de filandria, que é o apreço, admiração ou amor aos homens.


Os adeptos da misandria podem ser tanto homens como mulheres, mas na maioria são mulheres mentalmente perturbadas adeptas do feminismo. Anti-misandria é, portanto, o esforço que é feito de modo a remover a misandria da sociedade e da cultura.

Podes me dar um ou mais exemplos de misandria?


Claro. Basta levar em conta à visão que a segunda vaga feminista tem do homem. Valerie Solanas, a feminista radical que atirou contra Andy Warhol em 1968, ofereceu-nos um exemplo claro de misandria no seu manifesto SCUM.


Se estás em dúvida em relação ao significado de SCUM, o mesmo quer dizer 'Society for Cutting Up Men'. Ou seja, um apelo ao generocídio, a eliminação do homem. De modo literal, Sonalas expressou o desejo de "destruir o sexo masculino".

Impressionante como um livro que apela ao generocídio possa ter sido publicado tão recentemente.


Se não fosse a utilidade do feminismo na destruição da família e no aumento do poder do governo, este livro provavelmente nunca teria sido publicado.

Isso é mau demais! O que é que podemos fazer para combater a misandria?


Para começar, podemos rejeitar essa ideologia como um "estilo de vida".

Há muitos anos atrás o respeito era uma via de dois sentidos. Hoje em dia o respeito é uma via com um só sentido onde aos homens é exigido que respeitem as mulheres - mesmo aquelas que não merecem e nem tentam merecer - ao mesmo tempo que o desrespeito ao homem é aceite, perpetuado, esperado e ensinado.


Nós podemos fazer a diferença recusando viver assim. Se as mulheres querem o respeito dos homens, elas têm que merecê-lo. Graças ao feminismo, o tempo do respeito automático pelo "sexo fraco" acabou.

Espera lá. Disseste "ensinado"? A misandria é ensinada como algo normal e aceitável?


Exactamente. Da próxima vez que ligares a televisão, conta as vezes que os programas caracterizam os homens como estúpidos, esquecidos, ignorantes, abusivos ou pedófilos.


Muda o canal para o emissora infantil e repara quantas vezes os desenhos animados reflectem o estereótipo "pai idiota" ou o "irmão intimidador".

Ao mesmo tempo que fazes isso, repara como quase todas as mulheres são inteligentes, sexy, bem humoradas e cheias de luminosidade, capazes de conjugar um estilo de vida profissional com os filhos, o marido e o círculo de amigos. Não te esqueças de notar que ela é sempre uma excelente cozinheira e nunca se esquece dos aniversários dos amigos e familiares.


Se este tipo de imagens são constantemente emitidas pelos órgãos de informação , qual é a mensagem que passa? Que os homens são estúpidos, abusivos e inúteis.


Isto é culpa do feminismo ou dos órgãos de informação?


É culpa de ambos, mas nenhum deles teria o poder que tem se não fosse o . . . . . governo.

Sim, a destruição da família fomentada pela marginalização da figura paterna serve os interesses dos governos uma vez que, com a figura paterna removida, o governo pode justificar o aumento de impostos como forma de "tomar conta" das mães solteiras.


O que os governos não dizem é que, muitas vezes, são as políticas do governo que criam condições para o aumento das mães solteiras. A destruição da instituição do casamento, a normalização de comportamentos sexuais auto-destrutivos e a legalização da matança de bebés intra-uterinos (tudo com o apoio do governo) são medidas que, a longo prazo, aumentam o poder do governo mas fragilizam os relacionamentos.


O feminismo é uma ferramenta útil para os governos que tenham planos para tomar conta de toda a sociedade de forma opressiva. Ambos positivamente se aliam na criação de projectos feministas de teor anti-homem.

Como assim?


Pensem em coisas como "Projecto Contra a Violência Dirigida às Mulheres". Reparem como a violência contra os homens ou contra as crianças não é mencionada. Agora vamos pensar assim: se há violência contra as mulheres, quem é que leva a cabo tais actos? Exactamente.

O título em si é suficiente para criar um grupo agressor (os homens) e um grupo protegido (as mulheres), pese embora os dados empíricos recolhidos nos últimos 30 anos demonstrarem que a violência entre casais é practicamente mútua.

Estudo após estudo revela esta verdade - que os homens são tão violentos contra as mulheres tal como estas o são contra os homens - no entanto sempre que as feministas exigem tratamento preferencial ou "direitos" adicionais, o governo confere-os rapidamente.


Por isso é que para se lutar contra o ódio que as feministas vomitam na sociedade é importante cortar o seu financiamento. Sem dinheiro, o feminismo vai-se tornar em algo análogo aos movimentos neo-nazis: largamente e felizmente marginais e sem grandes hipóteses de serem aceite pela sociedade.

FONTE: http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2011/11/o-que-e-misandria-e-o-que-e-anti.html

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: