sexta-feira, 15 de julho de 2011

Filosofia do Esporte.


A nobre filosofia do Esporte
http://catolicostradicionais.blogspot.com/2011/07/nobre-filosofia-do-esporte.html

Será imperfeita e mesmo prejudicial qualquer consideração filosófica, pedagógica ou esportiva que não considere o homem na sua realidade completa, na sua dimensão corporal e espiritual. Espírito e matéria, corpo e alma, assim Deus nos criou, e nos quer sadios corporal e espiritualmente. Se a alma é mais importante, nem por isso podemos descurar a saúde do corpo: "Mens sana in corpore sano", alma sã num corpo sadio, já diziam os romanos. E a palavra de Deus na Bíblia Sagrada mostra como não lhe agrada um corpo frouxo e como um corpo vigoroso e saudável colabora imensamente para a sanidade espiritual: "A saúde e a boa compleição valem mais que todo o ouro da terra. E um corpo vigoroso é preferível a uma imensa fortuna". (Ecli XXX, 15).


São Paulo Apóstolo, partilhou a admiração das multidões helenas pelas proezas dos atletas nos Jogos Olímpicos. A agilidade dos corredores, estimulada no estádio pelo triunfo, pela perspectiva de uma coroa de oliveira, sugeria-lhe a beleza moral do combate espiritual, onde se trata também de desenvolver todas as energias para alcançar uma coroa incorruptível no Reino dos Céus.


E essa é a finalidade do verdadeiro esporte: tornar o corpo sadio e dócil para que paralelamente a alma possa se robustecer e enobrecer.


Assim compreendemos como o espírito cristão é altamente eficaz para dar ao esporte o seu verdadeiro sentido e finalidade.


Na alta Idade Média, - a verdadeira, e não a falsa que muitas vezes historiadores superficiais tentam nos impingir, - época em que a "filosofia do Evangelho governava os povos" (Leão XIII), houve uma florescência ideal do verdadeiro desporto cristão.

Pedro de Coubertin, o renovador dos Jogos Olímpicos, assim escreve: "A Idade Média conheceu um espírito desportivo de intensidade e vigor provavelmente superiores aos que conheceu a

própria antigüidade grega". E ele atribui isso à influência primordial da religião que criou uma atmosfera das mais favoráveis a eclosão e desenvolvimento do espírito cavalheiresco que consiste na "lealdade praticada sem hesitação" (Pierre de Coubertin, La Pédagogie Sportive).


Esta sadia e nobre concepção influenciava favoravelmente os torneios de então. Só homens de honra aí eram tolerados; os relaxados, os perjuros, os alteadores, caluniadores, os que tinham faltado respeito às damas, eram implacavelmente afastados. Mesmo no ardor da luta não se podia conceber, e ainda menos tolerar, que um cavaleiro ousasse violar as regras do combate leal.


Esse era o verdadeiro jogo limpo, o "fair-play", como dizem os ingleses. O cristianismo conseguira assim disciplinar e adoçar os costumes de guerreiros belicosos que, sem ele, teriam feito lei de sua força física e cedido aos instintos desenfreados da violência.


Foi isso infelizmente o que ocorreu quando a religião cessou de fazer parte da vida. Quando a cavalaria entrou em decadência por falta do verdadeiro espírito cristão, os cavaleiros esqueciam o seu juramento de honradez e logo os torneios se aviltavam, dominados por instintos de brutalidade.


Com a progressiva decadência, chegamos à Renascença, onde a repugnância pelo esforço físico acompanhava naturalmente a negligência própria da vida fácil, a maré alta dos costumes dissolutos que caracterizavam esta época.

Fica patente que o esporte, sem a salutar dependência das diretivas da religião e das regras morais está fadado à decadência. Esquecendo-se a nobre finalidade do esporte cai-se no embrutecimento e no mercantilismo. Os profissionais tornam-se vulgar mercadoria de negócio, sujeitos à compra de quem mais oferece. As transações e intrigas de bastidores põem em perigo a personalidade do atleta. Toda a idéia educativa, todo o objetivo moral, todo o ideal superior ao do ganho imediato ficam esquecidos. Aí então o esporte deixa de ser esporte; torna-se batalha, espetáculo,

comércio. O jogador deixa de ser esportista para ser mercenário, acrobata, qualquer coisa parecida com um gladiador hipócrita.


Quem vê nos noticiários as loucuras do esporte moderno, as falcatruas, a deslealdade, a falta de nobreza dos atletas, a ausência total de fraternidade cristã, o mercenarismo, as trapaças, a violência e brutalidade das torcidas etc., tem uma idéia de como o esporte se degrada quando se desprezam os valores morais.


Para vergonha de nossa época "civilizada", vai ficar na história do esporte o triste espetáculo ocorrido em 29 de Maio de 1985, no Estádio Heysel de Bruxelas, poucos minutos antes do início da decisão da Copa Européia de Clubes Campeões (Liverpool X Juventus): os "hooligans" (torcedores fanáticos do Liverpool) foram os autores do massacre. Além dos 39 mortos (34 italianos, dois belgas, dois franceses e um inglês), 450 pessoas ficaram feridas e algumas delas sofrem ainda hoje as seqüelas físicas e morais daquela noite de horror.


Que todos, especialmente os jovens, tenham sempre presente o princípio de que o esporte é meio e não fim, meio para se alcançar a saúde do corpo e da alma, e não fim ao qual se deva sacrificar a saúde do corpo e os valores da alma.


Já dizia o filósofo grego Platão (República): "Nos exercícios do corpo os jovens propor-se-ão sobretudo aumentar a sua força moral, de preferência a desenvolver o seu vigor físico".


Assim entendido, o esporte será um meio poderoso de restabelecimento moral da juventude, segundo a afirmação de Borotra, famoso campeão francês de tênis, quando foi Ministro dos Desportos.


O Papa Pio XII propõe esta máxima sadia: "Cuidado do corpo, robustecimento do corpo, sim; culto do corpo, divinização do corpo, não". São Pio X já havia dito: "Os jovens devem amar o esporte; faz-lhes bem ao corpo e à alma; nós mesmos nos sentimos remoçar, quando os vemos correr, saltar e recrear-se".


Num discurso ao Centro Desportivo Italiano, em 09/10/1955, o Papa Pio XII enumera as virtudes próprias que a educação desportiva deve formar nos jovens atletas: "Essas são, entre outras, a lealdade que proíbe recorrer a subterfúgios, a docilidade e obediência às sensatas ordens de quem dirige um exercício de equipe, o espírito de renúncia quando é preciso esconder-se a favor das próprias cores, a fidelidade aos compromissos, a modéstia nos triunfos, a generosidade para com os vencidos, a serenidade na derrota, a paciência para com o público nem sempre moderado, a justiça se a competição esportiva está ligada a interesses financeiros livremente pactuados e, em geral, a castidade e a temperança já recomendadas pelos antigos. Todas estas virtudes, embora tenham como objetivo uma atividade física e exterior, são genuínas virtudes cristãs, que não podem adquirir-se e exercitar-se em grau exímio sem um íntimo espírito religioso e, acrescentemos, sem o freqüente recurso à oração".


Já dizia o nosso Didi (Waldir Pereira, do Fluminense, do Botafogo e da Seleção): "A vida moral e disciplinada favorece muitíssimo o rendimento do jogador. Na minha opinião, é o fator principal na vida do jogador que se preza... O primeiro objeto do meu pensamento é Deus. Recorro a Ele e confio Nele".


Gostaria de encerrar com uma história real, ilustrativa e exemplar:


Em certa prova de ciclismo, correm os dois grandes campeões italianos: Gino Bartali e Fausto Coppi.
Fausto procura crescer em velocidade e Bartali persegue-o, ficando muito para trás o pelotão.Em correria louca, os dois vão galgando quilômetros e quilômetros de estrada, descendo vales e subindo íngremes ladeiras.Aproximam-se da meta os dois campeoníssimos, banhados em suor, pelo esforço dispendido ao longo da caminhada.

Coppi arde em sede, e já não tem gota de água para os lábios ressequidos, pois se lhe esgotaram as provisões.

Dilema terrível se lhe põe ao espírito: ocultar a Gino o estado que se encontra e ir perdendo terreno, ou recorrer ao adversário e expor-se a que ele se aproveite de tal...
Fausto Coppi, a arder em sede, aproxima-se do Monge Voador, Gino, e segreda-lhe com os lábios secos, muito secos:
- Gino, tenho sede. Deixas-me beber da tua água?E Gino responde, perguntando:

- Já não tens nenhuma água, Fausto?

- Nenhuma, Gino, diz Fausto com voz sumida.

- Então, dá-me a tua "bottiglia" – acrescenta o companheiro.

E, em plena estrada, o grande Gino Bartalli divide generosamente com o seu rival a pequena porção de água de que ainda dispõe e diz:

- Olha, Fausto, se precisares mais, pede-me...

- Obrigado, Gino, - responde Fausto, cheio de gratidão.

Este sofregamente se refresca, e eis que ambos partem velozes para o final da tirada.

Os dois gigantes da estrada embalam vigorosamente. E Fausto, com as forças renovadas pela água que bebera, vence a corrida.

A multidão aclama-o com indescritível entusiasmo. Fausto, porém, logo que salta da bicicleta, corre a abraçar o generoso adversário e lhe diz:

- Obrigado, Gino. Tu és um grande Desportista.

- Tenho a certeza de que tu farias o mesmo, Fausto, murmura Gino Bartalli.
A beleza espiritual desta cena maravilhosa, desenrolada em plena estrada, demonstra como o verdadeiro esporte enobrece o homem.

Para que todos saibam, Gino Bartalli, ciclista italiano de renome mundial, foi várias vezes campeão de ciclismo, e é considerado o maior ciclista de todos os tempos.

Onde estava a força deste jovem campeão? Deixemos que ele mesmo nos conte:

"Só com as qualidades técnicas e físicas, e mesmo atléticas, não se dura muito e não se avança com continuidade. São necessárias as qualidades morais, que podem ser inatas, mas também se adquirem e que, num e noutro caso, só pela vontade se conservam. A par do vigor muscular, é mister possuir a força do espírito, o conhecimento do valor do sacrifício, a generosidade, o amor do desporto, o respeito pelo público. E sobretudo a Fé... Os princípios cristãos valeram-me na vida desportiva como na vida privada. A moral cristã indicou-me uma conduta que, além do seu valor espiritual, possui também um valor prático. E é o melhor, acreditai. Finalmente, devo dizer que a vida da Graça ajuda verdadeiramente o homem a ser desportista integral. Sempre comecei as minhas competições com o sinal da Cruz e, quando podia com a Comunhão. Ao passar junto de qualquer santuário de Nossa Senhora ou perto de algum Cruzeiro, sempre me benzia ou lhes dirigia uma saudação e ficava mais fortalecido e amparado no meio dos muitos perigos que corri".
Que a nossa mocidade, vibrante e sadia, saiba copiar os bons exemplos. Avante! Alma sã num corpo sadio!

(Quer Agrade, quer desagrade - Pe. Fernando Rifan)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: