sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Pecado original x relações matrimoniais.

Sem o pecado original, dar-se-ia da mesma forma a reprodução do gênero humano?



Antes do mais, é preciso frisar bem que pouca ou nenhuma probabilidade tem a tese segundo a qual a falta de Adão e Eva foi pecado sexual. Esta sentença carece de fundamento no texto bíblico (cf, Gên 2-3). Os principais argumentos induzidos para defendê-la seriam :



a) a expressão “do conhecimento do bem e do mal”, que designa o fruto proibido (cf. Gên 2,17). Visto que “conhecer sua esposa” em Gên 4,1.17.25 significa “ter relações conjugais”, julgam alguns que o conhecimento vedado em Gên 2-3 tem o mesmo sentido.



Como se vê, a hipótese é gratuita ; porque se teria o autor sagrado expresso tão veladamente se as relações matrimoniais de fato ocasionaram a catástrofe do gênero humano? De resto, o consórcio conjugal foi particularmente abençoado por Deus logo após a criação do primeiro casal (cf. Gên 1,28).



Além disto, observe-se que a proibição de ter relações matrimoniais seria totalmente incompreensível a Adão quando o Senhor lhe impôs o preceito paradisíaco, pois então ainda não fora criada a primeira mulher (cf. Gên 2,17.21-22) ;



b) antes da queda, Adão e Eva estavam nus e não se envergonhavam (cf. Gên 2,25); depois do pecado, porém, recobriram-se (cf. 3,7).



O “revestir-se” dos primeiros pais, após a transgressão, significa certamente que com o pecado se despertou a concupiscência desregrada ; não se pode esquecer, porém, que este despertar se seguiu à culpa, não a precedeu. O fato de se seguir à transgressão explica-se simplesmente pela ruptura da harmonia que o pecado (qualquer que tenha sido a sua matéria) acarretou entre Deus e o homem e, dentro do próprio homem, entre as diversas tendências de sua natureza; o corpo humano, tendo perdido o esplendor da graça que o recobria no estado de inocência, é agora desregrado, excitante, e pode ser objeto de um olhar desregrado; daí a necessidade de o revestir artificialmente.



Não se sabe, pois, com precisão qual o objeto da transgressão de Adão e Eva. É certo, porém, que pecaram por orgulho, orgulho que os levou a desobedecer a um preceito do Senhor Deus (o fruto “do conhecimento do bem e do mal” pode ser interpretado em sentido meramente simbólico).



É preciso agora acrescentar que a falta cometida pelo primeiro casal não alterou a fisiologia nem a natureza dos seres vivos ; os carnívoros, por exemplo, não se tornaram tais por causa do pecado de Adão. Por conseguinte, a reprodução da espécie humana no estado de inocência se teria dado segundo as leis fisiológicas ainda hoje vigentes; apenas haveria sido isenta da concupiscência que atualmente a costuma anteceder e acompanhar; os apetites e movimentos da sensibilidade estariam perfeitamente subordinados à razão, de sorte que o ato conjugal só se exerceria nas circunstâncias devidas, sob o pleno domínio do espírito.





Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: