sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Cuba e o atraso causado pelo comunismo.

Cuba retrocedeu após a revolução comunista
Muitos vivem em extrema pobreza

Assim Fidel Castro impôs a "Revolução" Comunista em Cuba e colocou o País na esfera da influência da antiga URSS. Com o fim desta, em 1989, e o fracasso do comunismo-marxismo, Cuba foi praticamente abandonada pela Rússia que, em crise, passou a sofrer a terrível falta de petróleo e de outros bens.

As pessoas que sempre tentaram deixar Cuba, para viver em liberdade em Miami e em outras cidades nos EUA, sempre foram proibidas de fazê-lo, e muitas foram mortas ao tentar fugir do País. Ainda hoje, os cubanos, que tentam implantar um regime democrático em Cuba, são perseguidos.

Há uma massificação para uma sociedade marxista; as pessoas são levadas a pensar que a única saída é o comunismo. Ressalta-se como tática, a filosofia dos heróis nacionais, atuais e do passado, que fizeram a "Revolução", usada como palavra mágica. Por "revolução" pode-se entender o mesmo que bem-aventurança para o cristão. O pensamento do regime afirma que, como disse um médico que lá esteve: "felizes os revolucionários (marxistas), porque criarão o paraíso terrestre para o homem, prescindindo da ilusão de um Deus e de uma vida sobrenatural".

Por outro lado, noticiou o jornal "Folha de São Paulo" de 06 maio 2006, que o presidente de Cuba, Fidel Castro, tem uma fortuna avaliada em US$ 900 milhões, e é o chefe de Estado não-monárquico mais rico do mundo, ficando à frente das rainhas da Inglaterra e da Holanda. E segundo a revista de negócios "Forbes", o ditador ocupa o sétimo lugar da lista dos dez chefes de Estado mais ricos do mundo. No ano passado, Fidel já havia aparecido na lista da revista. O ranking é liderado pelo rei saudita Abdula Bin Abdulaziz (US$ 21 bilhões), seguido pelo sultão de Brunei (US$ 20 bilhões) e vários outros monarcas de países do golfo Pérsico. Fecham a lista a rainha Elizabeth (US$ 500 milhões) e a rainha Beatriz, da Holanda (US$ 270 milhões). É muito difícil compreender como o ditador acumulou esta riqueza imensa em 40 de ditadura, num País onde o povo tem falta de muitos bens e não tem liberdade.
Segundo o bispo Dom Emilio Aranguren Echeverría, bispo de Cienfuegos e secretário-geral da Conferência de Bispos Católicos Cubanos, 10% da população vive em um estado de bem-estar; 40% «sobrevive»; 30% vive na necessidade e 20% na pobreza extrema. (Zenit, 12maio 2004).

E segundo a Revista "VEJA" ('A revolução no escuro – 18 maio 2003'): "Cuba vive hoje uma crise de energia elétrica como não se vê desde os anos 90, quando o fim da mesada soviética deixou os cubanos literalmente no escuro. Cada bairro de Havana fica sem energia das 19 horas à meia-noite pelo menos três vezes por semana. Nos demais dias, falta luz de manhã ou à tarde. Com suas cinco horas diárias de blecaute, a capital é favorecida, pois em cidades do interior o período sem eletricidade chega a 18 horas por dia. Hotéis estatais e 120 fábricas espalhadas pela ilha simplesmente fecharam as portas. A jornada de trabalho diária foi reduzida em meia hora e o horário de verão, esticado por mais um ano. A falta de luz evidencia a precariedade da economia cubana, quase meio século depois da revolução comunista. Nesse período, Cuba caiu da oitava para a 11ª posição entre os países latino-americanos em produção de energia elétrica por habitante. A propaganda cubana alardeia certas "conquistas da Revolução" e costuma descrever a Cuba pré-revolucionária como um País miserável.

A comparação entre os índices sociais e econômicos das Nações Unidas dos dois períodos, antes e depois da revolução, mostra que, na maioria deles, na verdade, Cuba andou para trás. Fulgencio Batista, derrubado por Fidel, havia expandido o sistema educacional, promovido um grande programa de obras públicas e, com isso, alimentado o crescimento econômico. O ditador herdou um País com indicadores sociais e econômicos relativamente avançados para os padrões latino-americanos. Cuba tinha a quarta renda per capita da América Latina, maior que a do Chile, e uma economia vibrante. Hoje, a ilha ocupa uma modesta 15ª posição no ranking da América Latina, e a renda per capita dos chilenos é quatro vezes maior.

Mesmo nos aspectos em que melhoraram, como a alfabetização, o ritmo do avanço foi, em geral, menor que o registrado no restante do continente. "Nas regiões rurais, o único meio de transporte disponível para a população é a carroça, o que era comum na época da II Guerra", informou à "VEJA" Oswaldo Payá, o mais respeitado dissidente cubano. Algumas melhorias sociais nas áreas de saúde e educação, que de fato existiram, foram perdidas depois que a antiga União Soviética parou de pagar as contas. Faltam medicamentos e equipamentos nos hospitais, e apenas quem tem dólares para comprar os próprios remédios e pagar propinas recebe um tratamento digno. Na educação, a situação é pior, pois houve uma debandada dos professores da rede pública. "Quem vai querer ganhar uma miséria para dar aulas se consegue faturar dez vezes mais na economia informal?", pergunta Payá. "Ao tomar o poder, Fidel prometeu pão e liberdade aos cubanos", afirmou à "VEJA" o escritor cubano Carlos Alberto Montaner, exilado em Madri. "Os cubanos, que nunca tiveram liberdade, não têm mais pão", acrescenta.

A realidade de Cuba
Profecia de Santo Antonio Claret anunciava queda da ditadura

O anúncio oficial de que o ditador Fidel Castro, 79 anos, foi operado às pressas de uma hemorragia intestinal – (ACI - Havana 01ago06), e passado o governo a seu irmão Raul de 75 anos, fez o povo cubano relembrar a famosa profecia de Santo Antônio María Claret, que profetizou, em meados do século XIX, que Cuba se inseriria novamente no 'Concerto das Nações' logo após a morte de Fidel Castro, com um breve período de violência interna. O santo espanhol foi Arcebispo de Cuba entre 1851 e 1857. E de acordo com uma forte tradição oral e com escritos conservados pela Congregação que ele fundou, a Virgem da Caridade do Cobre lhe revelou que a Ilha sofreria uma ditadura de mais de 40 anos, e que terminaria com a morte do líder [Fidel Castro] em sua cama.

A profecia falava de um jovem líder muito ousado, barbudo e acompanhado de outros homens também barbudos, e que seria aclamado por todos e que se apoderaria do poder pouco a pouco, submetendo o povo cubano a uma férrea ditadura que duraria 40 anos, durante os quais Cuba sofreria numerosas calamidades e penúrias. E que finalmente esse homem morreria na cama.
O povo tem esta profecia em alta conta, e o mundo espera que, de fato, haja uma volta da democracia a Cuba. Desde que pelas armas o ditador Fidel Castro derrubou o presidente Fulgêncio Batista, aos 8 de janeiro de 1959, e implantou, ali, uma férrea ditadura comunista, e desde então, o povo cubano não soube mais o que é liberdade e democracia. Não há imprensa livre e nem eleições. A partir daí, o País viveu sob regime exclusivo do Partido Comunista de Cuba (PCC), conduzido com mãos de ferro pelo ditador, Fidel Castro, eliminando os adversários.

Diz o insuspeito "Livro Negro do Comunismo", escrito pelo historiador francês Stéphane Courtois, e uma equipe de seis colaboradores, que:

"Havana e Santa Clara foram palco de execuções em massa. De acordo com a imprensa estrangeira, essa depuração sumária fez 600 vítimas entre os partidários de Batista, em apenas cinco meses. Organizaram-se tribunais de execução, criados unicamente para pronunciar execuções... Em maio de 1958 todos os colégios religiosos foram fechados, os respectivos edifícios foram confiscados, inclusive o colégio jesuíta de Belen, onde Fidel fizera os seus estudos. Envergando o seu uniforme, o Líder Máximo declarou: 'que os padres falangistas se preparem para fazer as malas'. A advertência não era gratuita, já que em 17 set 1961, 131 padres diocesanos e religiosos foram expulsos de Cuba. Na prisão de La Loma de los Coches, mais de mil 'contra revolucionários' foram fuzilados". (Ed. Bertrand Brasil, 3ª. Ed. RJ, 2001, pg 770)

Foi enorme a perseguição religiosa em Cuba, como aconteceu também em todos os países comunistas, Rússia, China, Vietnam, Cambodja, entre outros. As igrejas foram fechadas; religiosos e religiosas foram presos, exilados ou mortos; e a religião só podia ser praticada sob a tutela do Estado. As crianças e os jovens, nas creches e nos colégios, recebem forte e constante doutrinação marxista, enaltecendo a ”Revolução” e seu “comandante” Fidel.

Segundo o mais respeitado dissidente cubano, Oswaldo Payá, Fidel não foi preso por ser uma celebridade internacional, e afirma: "O fim do comunismo em Cuba depende apenas do fatalismo biológico: a morte do ditador" (VEJA, 18 maio 2003). Em 2003, o dissidente esteve com o Papa no Vaticano, encontrou-se com o Secretário de Estado, Colin Powell, em Washington, e teve seu nome incluído entre os candidatos ao Prêmio Nobel da Paz. É um católico praticante, que fundou e dirige o "Movimento Cristão Libertação", e uma referência para o futuro de Cuba é sua bem articulada proposta de uma transição pacífica para a democracia. Payá é também o mentor do Projeto Varella, o abaixo-assinado pedindo abertura política. Em Havana, onde trabalha como engenheiro de manutenção de equipamentos hospitalares, ele não dá um passo sem ser seguido pela polícia. Mas não se deixa intimidar. Ainda menino, foi o único aluno de sua escola primária que se recusou a entrar para a Juventude Comunista. Adolescente, liderou uma manifestação contra a invasão soviética da Checoslováquia, em 1968.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: