sexta-feira, 19 de abril de 2013

Legenda Perusiana 70-75.

[75]

Certa ocasião, o bem-aventurado Francisco pregava na praça de Perusa, com grande ajuntamento de povo. E eis que cavaleiros de Perusa começaram a correr pela praça, brincando, de armas na mão, de modo que impediam a pregação. E embora fossem repreendidos pelos homens e mulheres que estavam prestando atenção na pregação, não pararam por causa disso.

Virando-se para eles, o bem-aventurado Francisco disse, com fervor de espírito: “Ouvi e entendei o que o Senhor, por mim seu servo vos anuncia, e não digais que este é um assisiense”. O bem-aventurado Francisco disse isso porque havia um ódio antigo entre pessoas de Assis e de Perusa. Por isso, disse o seguinte: “O Senhor vos exaltou e voz fez grandes acima de vossos vizinhos; por isso deveis reconhecer até mais o vosso Criador, e deveríeis humilhar-vos mais não só diante do próprio Deus Onipotente mas também dos vossos vizinhos. Mas o vosso coração elevou-se na vossa arrogante soberba e força, e devastais vossos vizinhos, matando a muitos. Por isso eu vos digo: se não vos converterdes depressa, e derdes satisfação aos que ofendesteis, o Senhor, que não deixa nada sem pagar, para voz fazer uma vingança maior e para vossa punição e impropério, vai fazer com que vos levanteis uns contra os outros, e quando moverem a sedição e a revolução, sofrereis tamanha tribulação que vossos vizinhos não vos poderiam causar”.

Pois o bem-aventurado Francisco, em sua pregação, não calava os vícios do povo, nas coisas em que ofendiam publicamente a Deus ao próximo. Mas o Senhor lhe dera tanta graça, que todos que o viam ou ouviam, pequenos e grandes, tinham tanto respeito e o veneravam poro causa da graça abundante que recebera de Deus, que por mais que fossem repreendidos por ele, ainda que se envergonhassem, ficavam edificados. Nessas ocasiões, algumas vezes até se convertiam ao Senhor nessas ocasiões, para que rogasse mais atentamente a Deus por eles. E aconteceu que, por permissão divina, depois de poucos dias, surgisse um escândalo entre os cavaleiros e o povo, de modo que o povo expulsou da cidade os cavaleiros. E os cavaleiros, com a Igreja, que os ajudava, devastaram muitos campos, vinhas, e árvores deles, e lhes fizeram todos os males que puderam. Mas o povo também devastou os campos, vinhas e árvores deles, e dessa forma o povo teve uma punição maior do que a de todos os seus vizinhos, a quem tinha ofendido. Por isso, o que fora predito sobre eles pelo bem-aventurado Francisco foi cumprido à letra.



[76]

Quando o bem-aventurado Francisco ia por um certa província, veio ao seu encontro o abade de um mosteiro, que tinha muita veneração por ele. O abade desceu do cavalo e falou com ele sobre a salvação de sua alma, aí por uma hora. Quando quiseram separar-se, o abade pediu ao bem-aventurado Francisco, com toda devoção, que rogasse ao Senhor por sua alma. Respondeu-lhe o bem-aventurado Francisco: “Vou faze-lo de boa vontade”.

E quando o abade se havia afastado um pouco do bem-aventurado Francisco, disse o bem-aventurado Francisco a seu companheiro: Irmãos, esperemos um pouco porque quero rezar pelo abade, como prometi”. E orou por ele. Porque era costume do bem-aventurado Francisco, quando alguém lhe pedia por devoção que orasse ao Senhor por sua alma, derramava a oração por ele logo que podia, para não se esquecer depois. E andando o abade por seu caminho, não muito longe do bem-aventurado Francisco, o Senhor visitou-o de repente em seu coração, sentiu um certo calor suave ao redor de seu rosto, sendo elevado no excelso da mente, mas por um pouquinho de tempo.

Quando voltou a si, logo soube que o bem-aventurado Francisco tinha rezado por ele. E começou a louvar a Deus e a ter por isso uma alegria interior e exterior. A partir daí teve uma devoção maior pelo santo pai, considerando a grandeza de sua santidade, e teve consigo mesmo esse fato, enquanto viveu, como um grande milagre, e o contou muitas vezes aos irmãos e aos outros como lhe tinha acontecido.



[77]

Como o bem-aventurado Francisco teve durante muito tempo doenças do fígado, do baço e do estômago, e as teve até o dia de sua morte, e desde o tempo em que esteve no ultramar para pregar ao sultão da Babilônia e do Egito, teve a maior doença dos olhos por causa do muito trabalho e do cansaço da viagem, pois indo e voltando suportou o maior calor, mas nem por isso quis ter o cuidado de se fazer curar de alguma dessas enfermidades, ainda que, por seus frades e por muitos, com pena e compaixão dele, tivesse sido rogado a isso, pelo fervoroso espírito que teve desde o início de sua conversão para Cristo: porque, por causa da grande doçura e compaixão que colhia da humildade e dos vestígios do Filho de Deus, tomava e tinha como doce o que era amargo para a carne. Até mais: condoia-se tanto, todos os dias, das dores e amarguras de Cristo, que ele tolerou por nós, e por causa delas afligia-se tanto interior como exteriormente, que nem se importava com as suas próprias.



[78]

Por isso, certa ocasião, poucos anos depois de sua conversão, quando estava andando um dia sozinho não muito longe da igreja de Santa Maria da Porciúncula, ia chorando em voz alta e soluçando. Quando ia passando assim, um homem espiritual, que nós conhecemos e de quem ouvimos isto, que lhe tinha prestado muita misericórdia e consolação antes que tivesse algum frade e também depois, encontrou-se com ele. Movido de piedade por ele, perguntou-lhe: “Que tens, irmão?”. Pois achava que estava com a dor de alguma doença. Mas ele disse: “Assim deveria eu ir chorando e soluçando sem vergonha por todo o mundo a paixão do meu Senhor”. E o homem começou a chorar e a derramar muitas lágrimas com ele.



[79]

Em outra ocasião, no tempo de sua doença dos olhos, como estava tendo muitas dores por causa disso, disse-lhe um dia a um ministro: “Irmão, porque não fazes que seja lida por teu companheiro alguma passagem dos Profetas ou das outras Escrituras? Tua alma se exaltará e tirará daí a maior consolação”. Pois sabia que se alegrava muito no Senhor quando ouvia ser as divinas escrituras. Mas ele respondeu: “Irmão, encontro todos os dias tanta doçura e consolação na minha memória pela meditação dos vestígios do Filho de Deus, que mesmo que vivesse até o fim dos séculos, não me seria muito necessário ouvir ou meditar outras escrituras”. Daí, recordava e dizia muitas vezes aos frades aquele verso de Davi: Minha alma não quer outra consolação (Sl 76).

Por isso, como dizia muitas vezes aos frades que ele devia ser a forma e o exemplo de todos os frades, não queria usar em suas enfermidades não só os remédios mas mesmo os alimentos necessários. E como leva em conta isso que foi dito não só quando parecia estar são , ainda que sempre estivesse fraco e doente, mas também em suas enfermidades, era austero com o seu corpo.



[80]

Por isso, certa vez, quando tinha sarado um pouco de uma de suas maiores enfermidades, achou e ficou convencido de que tinha comido um pouco de iguaria naquela doença, ainda que comesse pouco, porque por causa das muitas, variadas e longas enfermidades não podia comer. Levantando-se um dia, como não estava libertado da febre quartã, mandou convocar o povo de Assis na praça para a pregação. Quando acabou a pregação, mandou-lhes que ninguém se afastasse enquanto ele não voltasse. Entrou na igreja de São Rufino para se confessar com Frei Pedro Cattani, que foi o primeiro ministro geral escolhido Poe ele, e com alguns outros frades, e ordenou a Frei Pedro em que tudo que ele quisesse dizer e fazer de si mesmo, obedecesse-o e não o contradissesse. Frei Pedro disse: “Irmão, nem posso nem quero querer outra coisa se não o que te agrada, de mim e de ti”. Tirando a sua túnica, o bem-aventurado Francisco ordenou a Frei Pedro que o levasse com um corda que tinha no pescoço nu diante do povo, e a outro frade ordenou que pegasse uma tigela cheia de cinza e subisse ao lugar onde tinha pregado e jogasse a cinza espalhando-a sobre a cabeça dele.

Mas o frade não obedeceu, pela piedade e compaixão que se moveram sobre ele. Frei Pedro levantou-se e o conduziu, como lhe tinha sido mandado, chorando muito; e os outros frades com ele. E aconteceu que, quando voltou assim despido diante do povo ao lugar onde tinha pregado, disse: “Vós e outros, que por meu exemplo deixam o século e entram na Religião e vida dos frades, credes que eu sou um homem santo, Mas eu confesso a Deus e vós que, nesta minha enfermidade, comi um caldo temperado com carne”. Quase todos começaram a chorar de piedade e compaixão por ele, principalmente porque estava fazendo muito frio, era tempo de inverno, e ele ainda não estava curado da febre quartã.

E batiam em seus peitos, dizendo: “Se esse santo se acusa de uma necessidade manifesta com tanta vergonha do corpo, e conhecemos a vida dele, que vemos vivo na carne com uma carne já meio morta por causa da superfluidade da abstinência e da austeridade que teve contra seu corpo desde o início de sua conversão a Cristo, que vamos fazer nós, miseráveis, que todo o tempo de nossa vida vivemos e quisemos viver segundo a vontade e os desejos da carne?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: