segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Fioretti de São Francisco: capítulos 31,32,33,34,35,36,37,38,39.

data:image/jpeg;base64,/9j/4AAQSkZJRgABAQAAAQABAAD/2wBDAAkGBwgHBgkIBwgKCgkLDRYPDQwMDRsUFRAWIB0iIiAdHx8kKDQsJCYxJx8fLT0tMTU3Ojo6Iys/RD84QzQ5Ojf/2wBDAQoKCg0MDRoPDxo3JR8lNzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzc3Nzf/wAARCACxAG4DASIAAhEBAxEB/8QAHAAAAgIDAQEAAAAAAAAAAAAABAUDBgACBwEI/8QAPxAAAgEDAwEFBAgEBAYDAAAAAQIDAAQRBRIhMQYTQVFhFCJxkQcyM3KBobHBI0LR8BU0NVJDc4Ky4fEkY8L/xAAYAQADAQEAAAAAAAAAAAAAAAABAgMABP/EACIRAAICAgMAAgMBAAAAAAAAAAABAhESIQMxQRMiMkJRYf/aAAwDAQACEQMRAD8AksrV5WCopJPTFWCHs7EqK1xIQx5IrXR5ljQBEAYeOKPkuC3U8mpVYzbMNpCYBBHKqQjrnqa1S3shiMJvUdSepqLPPWsBAJ9aahRjawWFs++O33P1BY5ANOdMJuHdmquK6D6xqw9nZFkjl2KRjGSaSWkZDURACh71Slu7DqKMAobU2MVjK4BbAzgDPjSoLEjzQ3cLQXf1WH1sDIoaLT9N09/aI3aWRfqg9M0O81tLISruuf5SPH41pA6yEo5C+tVSQtsnlvnJJLECsi1IA4dsqfOtBFDuIkfPHGKAuLfYSwPBogCNXsba8gMkKDf1JFUu4tmSQjGKtVvdd2drZwa1vLKGciRWxnwpWh4uiPS49j5JppqcAQRTIB7w5AoV42iEcijAam1k6XSKjrkrnwrKgNWIy/4VqZKtMmm2gMb9xuDHBXyNKdU0eWK7ZbWF2j6jA6UWxUCWa9/NtJwoBLMfACrToVxGbWZlCxwxnjPHHmTSGDTbxLSQezuGdlGNvh1P7VV+1eoXsF/Z6EvexLcESzbAQxGTx68A1Ob1ZSCt0XC87f6bFcmCzilvADgyRKSpPoQDRFj2sstb02drGQxXMY96Jzhhz5VXtF1m9gE0baSILZIe8iIPLgeHx6Uk1/XYLm0XVbezezvreVQwdcEgnx6ZBrnjySy2WfGqLNeItzCbqFQkyH+Mi9Of5h+9BK5xyTmm+mWz3Hc3EUbGC4j5IGRhhQkdhchyJLSQjPXBrqs5gcO6hTzg1Lellhi3ZBKkkfjRdvZSfYSQNsLZVsHINR6pZSNtl2vuPBGPKjkYTKS71IQ4Hjjwqe0tZPaAGjOCfKvNTvkin7mNA2zgnwz6VrsZK2FuXktYnJyqnaB5U50e3XujIB748TSiykjktnibI2ZdW9fWrBZXVuNPB4XHU4oMwxijWSPYw5HIIqZRuQbuSKDt7+2AJ7wY+Fb/AOKWWPt1+RpJNmDBxVS7eWrJ7LqsIQNbkq7leQCDj8/1qxDUrPr361yD6U+1lzfa3HpOnXjJpsWxZjExHeSZ5BI6gDHHSkayVFIalYfJ2kurm7ifEywRgCQiIN3gyCSB1HTrUmqbe1EI060tV3O4zJGOceZ8h0qoRXeqWrNaRKXQnjpx5dea20251nRO0sDWV6V2qrTIv1GHPukeNRUN9nVJ6O/WVsllZw2sQxHDGqKPQDFS45oS11O0u7ZJ45lCuucE8g+VT+0wA4Mq5PTBqt2cZsyA5wBQlzEjR4cZ64AqSe7jVu770A45pfeXaG3YJJhm4B9KZd6AI9V1NIGaK2Vd3i58KrcuZXLnknxpnqVm8BDHDI3Rl6Gl64FUSDrwcKDG2BnB60UHJh2LkDyqdrQ5zipI7anEB4WYcAmseOMHdjk0ctttPSq12+vTpnZ+bu22zTnuo8dRnqfwGaV0ZJtiXX+1JieS20hVlePiSdj7qnyHmfyqivp1/bWve3lo/dSjvFmXnknOWxyM+vnRtigWyIjHu4ww8QfOt7bXL+z9wDvQG2lX5qKm22jpxpaHHZm9tr6UzzRtGLVN0rnp08KrM+pSXmpPLBGdzuWVAfln4CrPJ7BNYG0uCLF70b2CYVs8Z8MeVLv8Bn0uMywvFLASMuDhuvGaH1SCm29jfs/qmpaUXNwyyrK25kfjHwx0q96Nq9rfKZYPelTkox5X41y64u2faoP82B8Kk0fVJdP1FbmAEuMxuufA+B/I0kJt9mlCzo+rG8k2SQTCKHvcSzFc4/D48VHb3bXd4Mo6LHHhwTxvBYMP0NKoe0Frezw6ZZrKtxNlVedyEJwc8eJpzDbNbWywl+8kAG+TH1j0z8qbjylK30DkUYKvSLVrhp3MQP8ACThVHSk6wnNNpIfIc1A0DBuldNEEy8PajNRtb4PFD6Dr0GtKxG2ORT9n0P59abFCRzS2CqF7LtBJ8BXDu3naFda7QssLhrS0Vo4eeGbjc3zHHwroP0ma/NZwNo+nrieePM0xfaIYzx8cnmuQewJuEk9wVj6BlXBPwHlS5L0rCD7DtFujLcw20ZHeMdqq3/EbrgVfbvsKJooLuVu4ZMO0QXLn0xn4Ul7Gazo2ixyG47iCUqCk0o976vhTe87ZWl/uit5DdO4PgDgf9XGK5p3lcUXS/pT+1Vq66mdyzoNgAWZQGA58iRQ+nQTSv7O8z9wo3lM8ZqbUbmOS4JCRZbAHdqF6+JA4rWO6WG8nOOm1ePlTZScaDiiAMQxJYBwisq+fJP71liHka/nBJBT3Mnxz/wCKWX0m+VnX+Urj0ovT5sxTKWA3W+Vz5hs/vVHCoi3sO1O93TWMsBxLChlUjwYdK612cv113R4b4IqyOMSIDnaR1/rXE7VkkvEJOEOc58Bg1cfopluX7VGC1VhA8Ba4wfdwBxn1zimisdE+RWrOjva+90qJ7XLdKsZtRnkVE9uuelVs5zk8N1f6fqEd5Zt7ynnCA5HqK6j2d12HWYMEd3cL9ZP3Fcsku3jZi6jHnjFHaN2h/wAP1q0kjAEcqkOxxj4fLPPpXJxTfTOicbWif6Z7aG2vdNvhETJOkkMjZPIUAr8smuV3Vy00a7uW3cH08q+hu3vZsdqdB7mFgt1E3e27HoTjofQivnm8sbuxuza31vLFMjkFGQgsfTz/AAroSV2CMvrRksZluI1bptA5+H/qvIGWG8ypO2MYyPHjmjLuyvrCIXF7HJbCVAUjkTDlT0JB5FCgWMbyRztOXUkEoBg0V1QX2eJJtmyWzsOR+1bmYjLA+AJ/v40Zbx6KXHfrekMB9XH9fSpe97Px3rZtb2S02rhd+H3Z58emMUrr+DJsUxW817MtrbLunnkWNB5k8D866l9JPYqGy0KLUdNjcTWyRx3IQZDIBjcR6cc+VB/RRHoN12pkMNnJHcRI8tt3shbC+6MYzjdyefWuzPErqyuqsrAggjqKzbZOUmmfJwGD0J48Diuw/QfpsqQ6lqUqERzFIoiejbck4+YFWBvoz7MPqHtfsrj3t3ciVu7z93y9KuFvBFbQrDBEsUSDCoowBRuxZStUbFaiaPJogV5jNNQhwmSN353FvTNQTqqqpxhlORx0NBWmspbW7LKS0qM3jxx0pRLq91PMuOm7hfP0rjhxys6cjvvYHVjqugQGXImhzG/rg4Bp/NDD9rJEjlOQSoJHwrmP0ca4be1uooYcxl8rIx4z4/nVkm1u9kyRNt+6orsStHPLTOQ9s72XWO0iSzBwtxOdqsMYVWAA+X71XXw90zHo0z/I1ZO0t3Jqnb3fIxfugqc+ikn8zVZUHg//AGUOisRnZhUDo4BKxDHyNBSqTLMQMhCP2qe4k2TSEf7VA+RreFQ012o64GPyqfVspV6CeyWoy6J2osrxP5Je7dSf5WGDn55rtcurXlxkGQIp8EGK4XfRFJrllBBQqwrsFnIbmygmX+eMNn8KpBpkeRUGC4dDkyNn40Xa6lcITtlbHkeaWBeeetTwkDpxTpkrH8GryEgSRhvVeKYpdwuM79p8m4qtRzovBkCkg4GcE1BpdyYWmj1C9BwQVMrAEZzxQ0FI4NMTIzMF2qzEhfKvbK0lubqOKMkMTncB0HnXsxCvtHhTjssxTUVk4A6bj4VOUqjZdIvPZywWyimG1Qxk97aMDOBk/Pmmknu5pEss7M8gnb3mycHx6VHe3s8NjLOZSUWMtyfKprnVUJ8dspcE6vr2o3rngT7M+W6QKPyzUGu6edN1S6g3blWYOrejcj9aiiwmmFm+0nnLH1Cj+rUVrnviKcj3pLW3kPqcEH9Ke9lEqF92MiVvIJ+9MbMBL6ZTyHUY/Kl02XjufE92rfnTa2gMk6OhCuEVwT0PHSknqI8ez2dd8l8OvuD8hXRex1z3vZKxmKlike048wSKoVkm/vGfBaTdux0HOP2pv2Q1a5ttK9nj27IpWGCPXNJGeKYvJDJF29oIG54So68yJ0+demZsDLQQ55G9yxIPTp/WkQ7QIid3c7lZmARRJy5PHQmjxqluIcGQYxtG/d1z8qK5rF+BpZeBcoQ8yXAYeIjiPORjnNBvFFdyGRkfdgcnB/TOKySYSqoiiGCMZVFwfH1rR7t7YjedgIwBuz/fWs57sF0crubGSKYRu3vE4Ix0NPdJgitrVp3G8RgseCCp8KA1C4W4kBDyLITuZcZGPKmOh3UEkxjmgXugMkD+hoTcnECsazXjw2kSQqB7rbiuAFyMjAoTXWePs1P9UglYlwfMjP70Y7QdzEkaqItwBVUACAnP64pdrk76xBb6fYKZZJZwoVR1wD1FSh+SMIJo9kUMf+yEE/Fsk/qKK1FQ2n2mep09MH4M1M73sxre+VjYthumDjp8cVBd6bfC201GtJCVgMT4wcHcx/eruae7KUyvxHe0i4+vAR+VPNKw8NtJ4mMKaRwwXFrcxe0wSRjp76kZprosmyNoTy0TkYrc242hoBtmMll8VZwfnU/ZqPat4uM/xC2P7+FZGxZlbbtxuz72ecn0oSz1FrC4ldQSMnco8R6VBW7QZ9DK5njkvkRVVoMBjK54U+XrTNLUSQKqOGXzAqtaebO6lkebdFb71ZpN+dvAHvemc1ZBeW8cQS3kXuAAI5UGQMZ6+X/mhKNCQjOS0SCxSFVIZxk4wrH9BUpsIHzvBJHUZ5qC4uoprIsJ+7G4BZR4EkYzkfCpOzjxy9+rPLLIhw8snOW8f7FZBmlFNPsrhu4bu1dYYXR/qAqN3XrSy+kks1MLZYsOcDBoOcS25ZYZOAc5XOCfOp7O4mnuGuZ41cFQu5ieOPCrqGLtdEltA0epT2sr92zcL/tzt9ceB9atX0Xhr/tvY7slYYJJWPqAFH/dSK80xpnaWBHQuSGwfr88mnvZjRNc0i6lu7G2kkEsRjQpnOOpOcfh8afKNWCqO3hWZ2IkcZJxg8AdK8kh3octnjjKg+PrVZ7NrrzxOl/CVb6wZ265HQH04p3L7fHGQIt2fEMDjistqxTkX0uyKnaW1tI1VVW3BYIoGWPjxVPE5tr1ZOcSIHPx6H9Ksv0o213ca1NqsQV4oSIZNpyYyviR4CqjqEyzRWzp4qQQPPNGCtIsnRZ4Z4xbtJuUDk5z08ar+bi8vXW1jlkBbDd0mTgjH6E0BHNK22HccMcdatmoTnQ7WCKzlIO0MJFHjnxPj40qh8b/ALZpTtC72hbXdb2qsilMyJLnnHp51s87WtuY13iOVSVTcdpzjgfKibeebVr18JuEoziJSe7GMAZ+HPxzWmmX9rcRNYXsLz5CrCq9d/I60Gv8NG/Am0uJ7aSG3jlie3ZM90Rxs8h+lb5ZrOJbYtEqEqWTnPJIGPTJ5oLU9El0pYppX76KQkFRnMZGSBnxoGIyQwoqXAUEZCr1/vmlUE9pgarTD47OGef3N5TPj1I86sFro5Bjk2Kq8DDDOBVc2TREsP4JYZJPh8KOh7RalaxKo7qZVHLMOtNVi78LdPp5a3CQgKwxgsMjg17F2l1/R4hH7FFPEvQxyFT8sEVX17XX0lszLaxhwp5JwKBTtVqNz/CKwRnOS+PD4UZRTCrRdoPpQdT/APN025QDqQm79MUVd/Sjpy2Eptkka6KERIyFfe8Ooqpy67pZt/8AhSzEcIh6n9qUalq0EUG9NOZJm6F2UqPxHWhjJem0+0Q3skWl6b7QbiSTUrjJfcciTJyxZTxj+xVadkmYGKMICcmIHI/6f6VNdTSXLd7M5dgvBIqw6ZYaXBYJJewtJMBkjB59BirWoLfZqbKo5WNwQrowOdrDBFNLuSK8mLNIzRsAy+A8Mg+XjTTVoY54S9jEGjDdZhkg46DIyeMcZ4pItvI1nujjYKsgYnw9CPhnFZSUtittKhtaT21rN7TCZEM4ZBCTwpPB6deR5eNKbWS807UFuokO+JzhmHBPjWSbXCmOQs3l1wfPPnTPT7FWUG4k3ccBmOB8KVtRVsMW2zfUtWv9XiSP2burdMEIuWAI9fLrx4V5Z9n7rUo+9V1iUcLvYDI9B5U5jCWsOTbELwS+M8f+q3nutRikVNLs1kgKb/eVWHJ8PlUlPyOi6cb+5Fd/Zv8A8s0qi+x/GsrKZHOjZ/sPxpfc/bP901lZTL0oa6dTHXf9Li+8KysrS/JExCPqD4VedO+zWsrK3N4NEm1X/Iaj92P/ALWpHovQf8mT9RWVlJ+rJyE5+3f7371Y7r/N2v3ErKyn5PBuMsN5/p9x9z/8mhOxX+mL9xP0rKyospLo/9k=

Capítulo 31
Como S. Francisco conhecia os segredos das consciências de todos os seus irmãos, um por um

Como Nosso Senhor Jesus Cristo disse no Evangelho: "Eu conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem a mim", etc., assim o bem-aventurado Pai S. Francisco, como bom pastor, sabia por divina revelação de todos os méritos e virtudes de seus companheiros, e assim conhecia seus defeitos; razão pela qual ele sabia prover com ótimo remédio, isto é, humilhando os soberbos e exaltando os humildes, vituperando os vícios, louvando as virtudes; como se lê nas admiráveis revelações que tivera daquela sua primitiva família.

Entre as quais se fala que uma vez estando S. Francisco com a dita família em um convento a tratar de Deus, e Frei Rufino não estando com eles naquela conversação, mas estava na floresta em contemplação; continuando a conversação sobre Deus, eis que Frei Rufino sai da floresta e passa um pouco diante deles. Então S. Francisco, vendo-o, voltou-se para os companheiros e lhes perguntou dizendo-lhes: "Dizei-me qual acreditais que seja a mais santa alma, a qual Deus tenha agora no mundo?" E respondendo-lhe acreditarem que fosse a dele, S. Francisco lhes disse: "Caríssimos irmãos, eu próprio sou o homem mais indigno e mais vil que Deus tem neste mundo; mas vedes aquele Frei Rufino, o qual sai agora da floresta? Deus me revelou que a alma dele é uma das três mais santas almas que Deus tem neste mundo; e firmemente vos digo que não duvidarei de chamar-lhe em vida S. Rufino, porque sua alma está confirmada em graça e santificada e canonizada no céu por Nosso Senhor Jesus Cristo".

E estas palavras não dizia S. Francisco em presença do dito Frei Rufino. Igualmente, como S. Francisco conhecia os defeitos de seus frades, compreende-se claramente em Frei Elias, ao qual muitas vezes repreendia pela sua soberba, e em Frei João da Capela, ao qual predisse que se devia enforcar, e naquele frade a quem o demônio apertava a garganta ao ser repreendido por desobediência, e em muitos outros frades, cujos defeitos ocultos e virtudes conhecia pela revelação de Cristo bendito. Amém.

Capítulo 32
Como Frei Masseo impetrou de Cristo a virtude da humildade

Os primeiros companheiros de S. Francisco empenhavam-se com todo o esforço em ser pobres das coisas terrenas e ricos das virtudes pelas quais se chega às verdadeiras riquezas celestiais e eternas. Sucedeu um dia que, estando juntos a falar de Deus, um deles disse este exemplo: "Havia um homem que era grande amigo de Deus e tinha grande graça de vida ativa e contemplativa, e com isto tinha tão excessiva e tão profunda humildade, que se reputava grandíssimo pecador: a qual humildade o santificava e confirmava em graça e fazia-o continuamente crescer em virtude e dons de Deus, e não o deixava jamais cair em pecado".

Ouvindo Frei Masseo tão maravilhosas coisas da humildade e conhecendo que ela era um tesouro de vida eterna, começou a ficar tão inflamado de amor e desejoso desta virtude da humildade, que com grande fervor, levantando a face para o céu, fez voto e firmísimo propósito de não mais se alegrar neste mundo, enquanto não sentisse a dita virtude perfeitamente em sua alma. E desde então estava quase continuadamente encerrado na cela, macerando-se com jejuns, vigílias e grandíssimos prantos diante de Deus, para impetrar dele esta virtude sem a qual se reputava digno do inferno, e da qual aquele amigo de Deus, de quem lhe havia falado, era tão bem dotado. E ficando Frei Masseo por muitos dias com este desejo, adveio que um dia entrou na floresta, e no fervor do espírito andava por ela derramando lágrimas, suspirando e falando, pedindo a Deus com fervorosos desejos esta virtude divina.

E porque Deus de boa vontade ouve as orações dos humildes e contritos, estando assim Frei Masseo, veio uma voz do céu, a qual chamou duas vezes: "Frei Masseo, Frei Masseo"; e ele conhecendo, em espírito, que aquela era a voz de Cristo, respondeu: "Senhor meu, Senhor meu". E Cristo a ele: "Que queres dar para ter esta raça que pedes?" Respondeu Frei Masseo: "Senhor, quero dar os olhos do meu rosto". E Cristo a ele: "E eu quero que tenhas a graça e também teus olhos". E dito isto, a voz desapareceu e Frei Masseo ficou cheio de tanta graça da desejada virtude da humildade e do lume de Deus, que daí em diante estava sempre em júbilo; e freqüentes vezes, quando orava, soltava um murmúrio de júbilo com um som abafado, à semelhança das pombas: "Hu, hu, hu"; e com semblante alegre e coração jucundo, ficava assim em contemplação; e com isto, tendo-se tornado humilíssimo, se reputava o mínimo de todos os homens do mundo.

E perguntado por Frei Tiago de Fallerone por que em seu júbilo não mudava o canto, respondeu com grande letícia que quando em uma coisa se encontra todo o bem não é preciso trocá-la por outra.

Em louvor de Cristo. Amém.

Capítulo 33
Como S. Clara, por ordem do papa, benzeu o pão que estava na mesa:
pelo que em cada pão apareceu o sinal da santa cruz

S. Clara, devotíssima discípula da cruz de Cristo e nobre planta de monsior S. Francisco, era de tanta santidade, que não somente os bispos e os cardeais, mas o próprio papa desejava com grande afeto vê-la e ouvi-la e freqüentes vezes a visitava pessoalmente.

Entre outras veio o padre santo uma vez ao mosteiro dela para ouvi-la falar das coisas celestiais e divinas; e estando assim juntos em divinos colóquios, S. Clara mandou no entanto preparar a mesa e pôr nela o pão a fim de que o santo padre o benzesse. Pelo que, terminado o entretenimento espiritual, S. Clara, ajoelhando-se com grande reverência, pediu-lhe que se dignasse benzer o pão posto na mesa. Responde o santo padre: "Soror Clara fidelíssima, quero que benzas este pão e faças sobre ele o sinal da cruz de Cristo ao qual te deste inteiramente"- S. Clara disse: "Santíssimo padre, perdoaime; que eu seria digna de muito grande repreensão se diante do vigário de Cristo, eu, que sou uma vil mulherzinha, tivesse a presunção de dar tal bênção". E o papa responde: "A fim de que isto não seja imputado à presunção, mas ao mérito de obediência, ordeno-te pela santa obediência que sobre este pão faças o sinal-da-cruz e o benzas em nome de Deus".

Então S. Clara, como verdadeira filha da obediência, aqueles pães devotíssimamente benzeu com o sinal da santa cruz. Admirável coisa de ver-se! Subitamente em todos aqueles pães apareceu o sinal-da-cruz belíssimamente gravado, e então daqueles pães uma parte foi comida e a outra conservada por causa do milagre.

E o santo padre, tendo visto o milagre, tomando do dito pão e agradecendo a Deus, partiu-se deixando S. Clara com a sua bênção. Naquele tempo vivia naquele mosteiro Soror Hortolana, mãe de S. Clara, e Soror Inês, sua irmã, ambas, com S. Clara, cheias de virtude e de Espírito Santo, e com muitas outras santas religiosas.

As quais mandava S. Francisco muitos enfermos; e elas com as suas orações e com o sinal da santa cruz a todos restituíam a saúde.

Em louvor de Cristo. Amém.

Capítulo 34
Como S. Luís, rei de França, em pessoa, com o hábito de peregrino,
foi a Perusa visitar o santo Frei Egídio

Indo S. Luís, rei de França, em peregrinação visitar os santuários pelo mundo, e ouvindo a fama grandíssima da santidade de Frei Egídio, o qual fora dos primeiros companheiros de S. Francisco, pôs no coração e determinou por tudo visitá-lo pessoalmente.

Pela qual coisa veio a Perusa, onde habitava então o dito Frei Egídio. E chegando à porta do convento dos frades, como um pobre peregrino desconhecido com poucos companheiros, chamou com grande insistência por Frei Egídio, nada dizendo ao porteiro sobre quem fosse aquele que o chamava. Foi, pois, o porteiro a Frei Egídio e disse-lhe que à porta havia um peregrino que o procurava: e por Deus lhe foi revelado em espirito que aquele era o rei de França; pelo que subitamente ele com grande fervor sai da cela e corre à porta e sem mais pergunta, ou sem que jamais tivessem estado juntos, com grandíssima devoção ajoelhando-se abraçaram-se e beijaram-se com tanta familiaridade como se há longo tempo tivessem tido grande amizade.

No entanto, nenhum falava com o outro, mas estavam assim abraçados em silêncio com aqueles sinais de amor caritativo. E ficando como ficaram por grande espaço de tempo por esta forma, sem dizer palavra, partiram-se um do outro; e S. Luís continuou sua viagem e Frei Egídio voltou à sua cela. Partindo o rei, um frade perguntou a algum dos seus companheiros quem era aquele que se tinha abraçado tanto com Frei Egídio; e ele respondeu que era Luís, rei de França, o qual tinha vindo para ver Frei Egídio.

O que dizendo este frade aos outros irmãos, houveram eles grande melancolia porque Frei Egídio não lhe tinha dito palavra; e lamentando-se lhe disseram: "Ó Frei Egídio, por que foste tão vilão; que a um tão grande rei, o qual veio de França para ver-te e para ouvir alguma boa palavra, não disseste nada?" Respondeu Frei Egídio: "Caríssimos irmãos, não vos maravilheis por isto; porque nem ele a mim nem eu a ele podia dirigir palavra, pois logo que nos abraçamos a luz da divina sapiência revelou e manifestou a mim o coração dele e a ele o meu; e assim por operação divina olhando nos corações, o que eu queria dizer-lhe e ele a mim muito melhor ficamos conhecendo, do que se o tivéssemos falado com a boca, e com maior consolação, e se nos quiséssemos explicar com a voz o que sentíamos no coração, pelo defeito da língua, a qual não pode claramente exprimir os mistérios secretos de Deus, ternos- ia sido antes desconsolo do que consolação.

E portanto tende como certo que de mim se partiu o rei admiravelmente consolado".

Em louvor de Cristo. Amém.

Capítulo 35
Como, estando enferma, S. Clara foi miraculosamente transportada,
na noite de Natal, à igreja de S. Francisco e aí assistiu ao ofício

Estando uma vez S. Clara gravemente enferma, tanto que não podia ir dizer o oficio na igreja com as outras freiras, chegando a solenidade da Natividade de Cristo, todas as outras foram a Matinas; e ela ficou sozinha no leito, malcontente por não poder juntamente com as outras ir- e ter aquela consolação espiritual.

Mas Jesus Cristo, seu esposo, não querendo deixá-la assim desconsolada, fê-la miraculosamente transportar à igreja de S. Francisco e assistir a todo o ofício e à missa da meia-noite; e além disto, receber a santa comunhão e depois ser trazida ao leito.

Voltando as freiras para junto de S. Clara, acabado o oficio em S. Damião, disseram-lhe: “Ó nossa mãe, Soror Clara, que grande consolação tivemos nesta noite de santa Natividade! Prouvesse a Deus que houvésseis estado conosco!" E S. Clara responde: "Graças e louvores rendo ao meu Senhor Cristo bendito, irmãs minhas e filhas caríssimas; porque a todas as solenidades desta santíssima noite e maiores do que as que assististes, assisti eu com muita consolação de minha alma; porque, por procuração do meu Pai S. Francisco e pela graça de meu Senhor Jesus Cristo, estive presente na igreja do meu Pai S. Francisco; e com as minhas orelhas corporais e mentais ouvi o canto e o som dos órgãos que aí tocaram; e lá mesmo recebi a santa comunhão.

E por tanta graça a mim concedida rejubilai-vos e agradecei a Nosso Senhor Jesus Cristo". Amém.

Capítulo 36
Como S. Francisco explicou a Frei Leão uma bela visão que este havia visto

Uma vez em que S. Francisco estava gravemente enfermo e Frei Leão o servia, o dito Frei Leão, estando em oração perto de S. Francisco, foi arrebatado em êxtase e levado em espírito a um rio grandíssimo, largo e impetuoso. E estando a olhar quem o atravessava, viu alguns frades carregados entrar naquele rio, os quais eram subitamente abatidos pela Impetuosidade da corrente e se afogavam, outros iam até um terço, outros até ao meio do rio, outros ainda até à outra margem; todos no entanto, pela impetuosidade do rio e pelo peso que levavam às costas, finalmente caíam e se afogavam.

Vendo isto, Frei Leão tinha deles grande compaixão, mas subitamente, estando assim, eis que vem uma grande multidão de frades sem nenhuma carga ou peso de coisa nenhuma, nos quais reluzia a santa pobreza; e entraram no rio e passaram além sem nenhum perigo. E vendo isto, Frei Leão voltou a si. E então S. Francisco, sentindo em espírito Frei tinha alguma visão chamou-o que Leão visto a si e perguntou-lhe que era o que tinha visto: e logo que lhe disse Frei Leão, por ordem, toda a visão que tivera, disse S. Francisco: "O que viste é verdade. O grande rio é este mundo; os frades que se afogavam no rio são os que não seguem a profissão evangélica e especialmente quanto à altíssima pobreza; mas os que sem perigo passaram são aqueles frades que nenhuma coisa terrena nem carnal buscam nem possuem neste mundo; mas, tendo somente o viver moderado e o que vestir, estão contentes em seguir ao Cristo nu na cruz; e o peso e o jugo manso de Cristo e da santa obediência levam alegremente e voluntariamente; e assim facilmente da vida temporal passam à vida eterna"-

Capítulo 37
Como Jesus Cristo bendito, a pedido de S. Francisco, fez converter-se um rico
e gentil cavaleiro e fazer-se frade, o qual tinha feito grande honra e oferendas a S. Francisco

S. Francisco, servo de Cristo, indo uma vez à tarde à casa de um grande gentil-homem poderoso, foi por ele recebido e hospedado, com o companheiro, como anjos do paraíso, com grandíssima cortesia e devoção.

Pelo que S. Francisco lhe tomou grande amor, considerando que ao entrar em casa o tinha abraçado e beijado amigavelmente, e depois lhe havia lavado os pés e acendido um grande fogo e preparado a mesa com muito boas iguarias; e enquanto comiam, ele com semblante alegre os servia continuamente. Ora, tendo acabado de comer S. Francisco e o companheiro, disse este gentilhomem: "Eis, meu pai, ofereço-me a vós e as minhas coisas; quando precisardes de túnica ou de manto ou de outra coisa qualquer, comprai que eu pagarei; e vede que estou pronto a prover-vos em todas as vossas necessidades, porque pela graça de Deus eu o posso, porquanto tenho em abundância todos os bens temporais, e por amor a Deus que mos deu, eu os dou de boa vontade aos seus pobres".

Pelo que, vendo S. Francisco tanta cortesia e afabilidade nele e os grandes oferecimentos, concebeu tanto amor por ele que, tendo depois partido, ia dizendo ao seu companheiro: "Em verdade este gentil-homem seria bom para a nossa companhia, o qual é tão grato e reconhecido para com Deus e tão amorável e cortês para com o próximo e os pobres. Deves saber, irmão caríssimo, que a cortesia é uma das propriedades de Deus, o qual dá seu sol e sua chuva aos justos e aos injustos por cortesia, e a cortesia é a irmã da caridade, a qual extingue o ódio e conserva o amor.

E porque reconheci neste bom homem tanta virtude divina, de boa vontade o quereria por companheiro: por isso quero que tornemos um dia a ele, se talvez Deus lhe tocar o coração e ele quiser ser nosso companheiro no serviço de Deus; e entretanto pediremos a Deus que lhe ponha no coração este desejo e lhe dê a graça de pô-lo em prática". Admirável coisa! Daí a poucos dias, feita que foi a oração por S. Francisco, Deus pôs o desejo no coração daquele gentil-homem; e disse S. Francisco ao companheiro: "Vamos, irmão meu, ao homem cortês; porque tenho certa esperança em Deus de que, com a sua cortesia das coisas temporais, ele se dará a si mesmo para nosso companheiro".

E foram, e chegando perto da casa dele, disse S. Francisco ao companheiro: "Espera-me um pouco, porque quero primeiramente pedir a Deus que torne próspero nosso caminho; e que a nobre presa, a qual pensamos de arrancar ao mundo, seja por vontade de Cristo concedida a nós pobrezinhos e débeis pela virtude de sua santíssima paixão". E dito isto, pôs-se em oração, num lugar em que pudesse ser visto pelo dito homem cortês; de onde, como prouve a Deus, olhando ele distraído para aqui e para ali, viu S. Francisco estar em oração devotíssimamente diante de Cristo, o qual com grande caridade lhe aparecera na dita oração e estava diante dele.

E via S. Francisco ser por bom espaço de tempo levantado da terra corporalmente. Pelo que ele foi tão tocado por Deus e inspirado para deixar o mundo, que no mesmo instante saiu do palácio e no fervor de espírito correu para S. Francisco e, aproximando-se dele que estava em oração, ajoelhou-se-lhe aos pés e com grandíssima instância e devoção rogou-lhe que permitisse recebê-lo para fazer penitência juntamente com ele. Então S. Francisco, vendo que sua oração era atendida por Deus e o que ele desejava aquele gentil-homem pedia com instância, pôs-se em pé e em fervor e letícia de espírito o abraça e beija devotamente, agradecendo a Deus, o qual tinha aumentado sua companhia com um tão perfeito cavaleiro.

E dizia aquele gentil-homem a S. Francisco: "Que ordenas que eu faça, pai meu? Eis, estou pronto para dar aos pobres, por tua ordem, o que possuo e a seguir contigo a Cristo, descarregado de todas as coisas temporais". E assim fez que, segundo a ordem de S. Francisco, distribuiu seus bens aos pobres e entrou na Ordem e viveu em grande penitência e santidade de vida e conversação honesta.

Em louvor de Cristo. Amém.

Capítulo 38
Como S. Francisco conheceu em espiritoque Frei Elias estava danado e devia morrer fora da Ordem: razão por que, a pedido de Frei Elias, fez oração a Cristo por ele e foi atendido

Habitando uma vez juntos, de família, em um convento, S. Francisco e Frei Elias, foi revelado por Deus a S. Francisco que Frei Elias estava danado e devia apostatar da Ordem e finalmente morrer fora da Ordem. Pela qual coisa S. Francisco concebeu um tal desprazer para com ele, tanto que lhe não falava nem com ele conversava; e se advinha alguma vez que Frei Elias se dirigisse ao seu encontro, ele torcia o caminho e ia para o outro lado, a fim de não se encontrar com ele.

Pelo que Frei Elias começou a perceber e compreender que S. Francisco estava desgostoso com ele; e querendo saber a razão, um dia procurou S. Francisco para falar-lhe; e esquivando-se S. Francisco, Frei Elias reteve-o cortesmente por força e começou a rogar-lhe com instância que se dignasse explicar-lhe o motivo pelo qual se esquivava assim de sua companhia e de falar com ele. E S. Francisco lhe respondeu: "A causa é esta; porque me foi revelado por Deus que tu pelos teus pecados apostatarias da Ordem e morrerias fora da Ordem; e ainda Deus me revelou que tu estás danado".

Ouvindo isto Frei Elias, disse assim: "Meu venerando pai, peço-te pelo amor de Jesus Cristo que por isso não me evites nem me expulses de ti; mas, como bom pastor, a exemplo de Cristo, busques e recebas a ovelha que perecerá se não a ajudares; e pede a Deus por mim que, se puder ser, revogue a sentença da minha danação; porque está escrito que Deus fará mudar a sentença, se o pecador se arrepender do pecado; e eu tenho tanta confiança em tua oração, que, se estivesse no meio do inferno e tu fizesses oração a Deus por mim, sentiria algum refrigério; e ainda te peço que me recomendes a mim, pecador, a Deus, o qual veio para salvar os pecadores, que ele me receba em sua misericórdia" - E isto dizia Frei Elias com grande devoção e lágrimas.

Pelo que S. Francisco, como pai piedoso, lhe prometeu pedir a Deus por ele e assim fez. E rogando a Deus devotíssimamente por ele, conheceu pela revelação que a sua oração era por Deus atendida quanto à revogação da sentença da danação de Frei Elias e que finalmente a alma dele seria salva, mas que com certeza ele sairia da Ordem, e fora da Ordem morreria- E assim aconteceu; porque, rebelando-se contra a Igreja Frederico, rei da Sicília, e sendo excomungado pelo papa ele e todo aquele que lhe desse ajuda e conselho, o dito Frei Elias, o qual era reputado como um dos homens mais sábios do mundo, chamado pelo dito rei Frederico, acompanhou-o e tornou-se rebelde contra a Igreja e apóstata da Ordem: pela qual coisa foi excomungado pelo papa e privado do hábito de S. Francisco. E estando assim excomungado enfermou gravemente: de cuja enfermidade sabendo um seu irmão frade leigo, o qual tinha ficado na Ordem e era homem de boa e honesta vida, foi visitá- lo e entre outras coisas disse-lhe: "Irmão meu caríssimo, muito me aflijo por estares excomungado e fora da Ordem e assim morrerás; mas se sabes do meio ou modo pelo qual eu te possa tirar deste perigo, de boa vontade não pouparei por ti qualquer fadiga".

Respondeu Frei Elias: "Irmão meu, não vejo outro modo, se não que vás ao papa e lhe peças pelo amor de Deus e de S. Francisco seu servo, por cujos ensinamentos abandonei o mundo, que me absolva da excomunhão e me restitua o hábito da religião". Disse aquele seu irmão que de boa vontade trabalharia pela sua salvação: e partindo-se dele, foi aos pés do santo padre, pedindo-lhe humildemente que fizesse graça ao seu irmão pelo amor de Cristo e de S. Francisco seu servo. E como prouve a Deus, o papa permitiu que ele voltasse, e encontrasse Frei Elias vivo, o absolvesse de sua parte da excomunhão e restituísse o hábito.

Pelo que ele alegre e com grande pressa voltou a Frei Elias e achou-o vivo, mas quase a morrer, e o absolveu da excomunhão; e ao entregar-lhe o hábito, Frei Elias passou desta vida, e sua alma foi salva pelos méritos e a oração de S. Francisco, na qual Frei Elias tinha tido tão grande esperança.

Em louvor de Cristo. Amém.

Capítulo 39
Da maravilhosa prédica, a qual fez S. Antônio de Pádua em consistório

O maravilhoso vaso do Espírito Santo, monsior S. Antônio de Pádua, um dos discípulos escolhidos e companheiros de S. Francisco, ao qual S. Francisco chamava seu vigário, pregando uma vez em consistório diante do papa e dos cardeais (no qual consistório havia homens de diversas nações, isto é, gregos, latinos, franceses, alemães, eslavos e ingleses e de outras diversas línguas do mundo); inflamado do Espírito Santo tão eficazmente, tão devotamente, tão sutilmente, tão docemente e tão claramente e intuitivamente expôs e falou a palavra de Deus, que todos os que estavam em consistório, conquanto usassem línguas diversas, claramente lhe entendiam as palavras distintamente como se ele tivesse falado na lingua de cada um, e todos estavam estupefatos e lhes parecia que se havia renovado o antigo milagre dos apóstolos no tempo de Pentecostes, os quais falavam por virtude do Espírito Santo em todas as línguas.

E diziam juntos um para o outro com admiração: "Não é de Espanha este que prega? E como ouvimos nós em seu falar o nosso idioma?" O papa semelhantemente considerando e maravilhando-se da profundeza das palavras dele, disse: "Este é verdadeiramente arca do Testamento e armário da Escritura divina".

Em louvor de Cristo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: