sexta-feira, 6 de maio de 2011

Festas ou dízimo: o problema de arrecadar fundos para a paróquia...


FESTAS DA IGREJA

Umas das conseqüências mais funestas do processo de mundanização pelo qual passaram e estão passando o mundo e a Santa Igreja de Deus é a degradação das chamadas “festas de Padroeiros”. Os que ainda conservam, por graça de Deus, a capacidade de indignação, assistem hoje atônitos, em tantos lugares, a derrota do sentido sagrado das “festas de Padroeiros”. Novenas, festas e celebrações que deveriam elevar espiritualmente toda a comunidade tornaram-se a mais viva expressão de materialismo, mundanismo e perda de valores. De fato, onde e quando, Deus deixa de ser o centro, perde-se o sentido do que se busca e do que se celebra.

As festas de padroeiro deveriam levar as nossas comunidades paroquiais a meditarem de maneira mais profunda as virtudes praticadas pelo santo (a) festejado (a) a fim de receberem um impulso para viverem melhor sua fé, imitando seu patronos no seguimento de Cristo.

Estas festas deveriam glorificar a Deus promovendo a conversão e santificação da comunidade que celebra, deixando o povo menos apegados à terra é mais comprometido com os irmãos, sobretudo os mais necessitados. Ao mesmo tempo no campo da confraternização, deveria ser um modelo de festa cristã para as nossas famílias.

O grande problema é que em muitas comunidades paroquiais as festas deixaram de ser um momento forte de conversão e santificação para se tornarem simplesmente um meio para arrecadar dinheiro. Daí a razão pela qual muitos justificam a venda de bebidas alcóolicas, uso de músicas mundanas e lasciva e muitos outros comportamentos deploráveis que obscurecem e degradam o sentido da comemoração e em muitos casos tornam-se um contra-testemunho para as famílias e para a sociedade em geral.

Há poucos anos os Bispos brasileiros lançaram uma Campanha da Fraternidade com o tema “vida sim, drogas não”, na qual se refletiu longamente sobre o perigo das drogas, especialmente do álcool, para a vida de nossos jovens e de nossas famílias, entretanto, para uma grande parte, essas meditações não surtiram muito efeito.

Infelizmente são muitos os jovens que aprenderam e ainda hoje aprendem a beber nas “festas de Igreja”. Foi também aí que muitos jovens e seus pais perderam a consciência do perigo e da malignidade dos bailes mundanos, discotecas e carnavais, pois tantas vezes os ambientes de nossas “festas de Igreja” se assemelham aos destes eventos. Vivemos uma situação dramática e contraditória dentro da Igreja: uns lutam para tentar recuperar os dependentes do álcool e das drogas enquanto outros ajudam a “fabricá-los” através de suas festas mundanas e de uma pregação permissiva e omissa. Até quando teremos que suportar esta incoerência?… É absurdo ter que pensar que a Igreja que foi feita para salvar as pessoas, se torne para muitos causa de queda.

Que Deus dê aos nossos Pastores e Sacerdotes um maior amor a alma de cada um dos fiéis confiados aos seus cuidados para que possam ajudá-los a abraçar o que é bom e rejeitar o que é nocivo a sua vida e à sua salvação.

Pe. Rodrigo Maria
Fonte: A Jesus por Maria -
Carta circular aos amigos da Arca – n° 04\
De fato, o dízimo é a forma instituída por Deus para a manutenção das atividades da Paróquia e da Igreja em geral. Mas as pessoas preferem gastar 200 reais numa festa com bebidas, do que dar 20 de dízimo, com amor e fé. Eis que milhares das nossas capelas são construídas a custa de comilanças, cigarros e cerveja... E acham que Deus aprova!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: