sábado, 9 de outubro de 2010

Liturgia do Pai-Nosso.


«A Tradição Litúrgica do Pai-nosso»
Monsenhor Jean de St. Denis
Trad.: Pe. André Sperandio

o final do período do catecumenato (período que na Igreja primitiva se estendia por vários anos), o catecúmeno que se prepara para o Batismo recebia da Igreja a "Tradição", ou a transmissão, da Oração do Senhor, durante o transcurso da seguinte cerimônia.
Durante a Liturgia, depois das Litanias, e antes do Prefácio do Ofertório, o bispo (ou o presbítero oficiante) dirige-se às Portas Reais, enquanto o diácono se instala na tribuna do Evangelho. Os catecúmenos (ou Eleitos) ao chamado do diácono aproximam-se e ficam de frente para o bispo (ou presbítero) no meio da nave.
Diácono: Catecúmenos, aproximai-vos!
Bispo (ou presbítero): Nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo entre outras instruções para a salvação, deixou a seus discípulos - que lhe perguntaram como deviam orar - esta fórmula de prece que a leitura do diácono os fará conhecer melhor.
Sem anúncio prévio, em reto tom, o diácono lê Mt 6, 5-15.
Bispo (ou presbítero): Escutai, amados meus, escutai agora como Nosso Senhor Jesus Cristo ensina seus discípulos a orar a Deus, Pai Todo-poderoso: "Quando orares, entra em teu quarto, fecha a porta e ora a teu Pai que está no segredo". Esta palavra "habitação", que Ele emprega, não designa um lugar oculto ou retirado, mas recorda que os segredos de nosso coração são acessíveis só a Ele. Devemos adorar a Deus a "portas fechadas" , ou seja, fechando o coração com uma chave mística e falando a Deus com a alma pura. Que pela chave da fé, nosso coração - que é o templo de Deus, de modo que ao habitar Ele em nosso coração, nos assista em nossas preces. O Cristo, Nosso Senhor, Verbo de Deus, nos ensinou esta oração, para que oremos desta maneira:
Depois desta exortação, o diácono proclama, uma por uma, as fórmulas da Oração do Senhor e o bispo (ou o presbítero) as comenta.
Diácono: «Pai nosso que estás nos céus!»
Bispo (ou presbítero): Amados meus, eis aqui um grito de liberdade, de esperança. Um grito de liberdade porque vossa vida se arraiga de agora em diante no único Pai que é plenamente Pai, ou seja, generoso, cuja geração paterna é um dom gratuito e puro. Pois Ele é o único Pai que, não tendo pai nem mãe, não pode projetar sobre vós, seus filhos, a sombra de uma herança mesclada de luz e trevas, de mal e bem. É o Pai luminoso e amoroso que os liberta de todo apego fatal à cadeia de condicionamentos, hereditários ou sociais. "Pai-nosso" é também um grito de esperança, pois uma vida nova começa para vós, que os converteu realmente em seus filhos, uma vida que os permitirá cumprir em plenitude vossa natureza, curar e transformar tudo o que haveis recebido da natureza. Unidos a Ele, crede n'Ele, uni-vos a Ele em tudo, pois está escrito: "A todos os que crêem em seu Nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus" (Jo 1,12).
Diácono: «Santificado seja o teu Nome!»
Bispo (ou presbítero): O nome designa a realidade íntima e fecunda de um ser. O Nome de Deus Pai é Deus Filho pois, Ele só é Pai por seu Filho a Quem dá a divindade, toda a vida divina. "Santificado seja teu Nome": isto não quer dizer que Deus vai ficar mais santo por nossas preces, pois Ele é sempre santo, e o único Santo. Pedimos que seu Nome seja santificado, ou seja, que sua Presença imensa, sua Luz inacessível, sua Majestade infinita, se manifeste, se transmita, nos transforme a nós pecadores e transfigure a terra, assim como brilha nos céus nos exércitos inumeráveis dos Anjos. Santificados pelo batismo, transformados, no Nome três vezes Santo da Trindade, perseverareis no que haveis começado a ser: filhos nomeados pelo Pai, filhos do Pai e não órfãos, "não estrangeiros, senão concidadãos dos santos, pois sois da Casa de Deus" (Ef 2, 19).
Diácono: «Venha o teu Reino!»
Bispo (ou presbítero): O Reino de Deus é a irradiação do Espírito Santo e das Energias Divinas, é a respiração vivificante de Deus em nós. Que seu Reino venha a vós, e sobre vós, homens da terra, tão plenamente e naturalmente veio e vem sem cessar aos céus, nos Anjos e nos santos, pois São Paulo nos diz: "O Reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo" (Rm 14, 17)
Diácono: «Seja feita a tua Vontade!»
Bispo (ou presbítero): A Vontade de Deus é a realização plena da Criação, a deificação do homem, a transfiguração do mundo. Sua Vontade só pode se realizar com a colaboração consciente e livre de vossa vontade humana. "Seja feita a tua Vontade" significa: que a vossa vontade, limitada e inconstante, se una fortemente a vontade amorosa de Deus, que cultiveis na terra a Árvore do Conhecimento e da Vida, como os santos o fazem frutificar no Paraíso celestial ao unir-se a Deus para crear o mundo novo. Pois o salmista canta: "O Senhor está perto dos que O invocam com verdade, cumpre a vontade dos que n'Ele vibram, escuta seu clamor e os salva" (Sl 145 18,20).
Diácono: «O Pão nosso Substancial dá-nos hoje!»
Bispo (ou presbítero): Nosso Senhor Jesus Cristo disse: "Não só de pão vive o homem, mas de toda Palavra que sai da boca de Deus" (Mt 4,4; Dt 8,3). Revela-nos qual é o alimento essencial quando diz: "Eu sou o Pão vivo que desceu dos Céus ... Vim para que tenhai vida em abundância ...; Eis que estou a tua porta e bato. Se me abres a porta, entrarei em tua casa e cearei contigo, e tu comigo" (Jo 6, 1; 10;10; Ap 3,11-2;20). Por esta prece, pedis todos os dias que venha a vós o Pão da Palavra de Deus, o Pão da Vida, ou seja, o Filho do Pai que se fez homem, o Cristo que se dá em alimento por seu Evangelho, seu Corpo e Sangue nos Mistérios eucarísticos. Tende fome deste alimento substancial, o alimento do mundo vindouro, que vem já hoje para nutrir em vós a Vida eterna, a Vida de Deus.
Diácono: «Perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores!»
Bispo (ou presbítero): Por esta regra de vida, Cristo nos oferece o caminho do progresso espiritual, graças ao sacramento do perdão. De mil maneiras nos repete em seu Evangelho: "O que fazeis ou deixais de fazer ao menor de meus irmãos, a Mim o fazeis, ou não fazeis" (Mt 25, 40-45). Pois se identificou com cada homem, é nosso próximo e pode dizer-nos: "Se não perdoardes aos homens as suas faltas, vosso Pai tampouco perdoará as vossas faltas" (Mt 6, 15). O perdão dos pecados e das dívidas constrói a Igreja e salva o mundo, enquanto que a maledicência, a calúnia e o rancor os destroem.
Diácono: «E não nos deixes cair em tentação!»
Bispo (ou presbítero): São Tiago escreve: "Que ninguém, quando seja provado, diga: É Deus quem me prova, porque Deus, nem é provado pelo mal, nem prova a ninguém." (1,13). E, com certeza, a experiência da prova, da tentação, é boa para nosso progresso e nossa transformação, de modo que provemos nossa fidelidade e fortaleçamos nossa vida. Pedimos, porém, atravessar a tentação como bons nadadores , sem que sejamos submersos pelas águas da morte, nem afogados no desespero. Para isto, a oração será uma arma poderosa, e o Cristo nos diz: "Vigiai e orai, para não cairdes em tentação. (Mc 14,18) sem que tenhamos de ser liberados do maligno, pois o Senhor diz: "Pai, não te rogo que os retires do mundo, senão que os preserves do maligno". (Jo 17,15).
Diácono: «Mas livra-nos do Mal!»
Bispo (ou presbítero): Que não entreis no fogo das provas e das tentações, nem no Fogo mesmo do Amor Divino, que virá submeter tudo à prova, sem que tenhais sido libertados do malígno, que deforma a tentativa divina em tentação maligno e diabólica. Que não tenhamos que entrar na prova sem que estejamos providos de força contra o espírito maligno, sem que estejamos armados com a força do Nome de teu Filho, a força do Reino de teu Espírito, a força de tua Vontade divina e amorosa, a força de teu Pão substancial, a força do perdão fraternal, pois a Ti, Pai, pertencem o Reino, o Poder e a Glória, agora e no mundo vindouro.
Todos: Amém!
Diácono: Estejamos atentos! Em silêncio!
Bispo (ou presbítero): Haveis escutados, amados irmãos, o Mistério santíssimo da Oração do Senhor. Agora, cada dia, guardai e renovai este Mistério em vossos corações, para que possais crescer pelo Cristo, e receber assim o amor de Deus no Espírito Santo.O Senhor Nosso Deus tem poder de conduzi-los, a vós que caminhais e correis na fé, até o novo nascimento, pela imersão nas águas e a infusão do Espírito. E, convosco, nos dará alcançar a plenitude de seu Reino a nós que temos transmitido o mistério da fé católica e, hoje, o mistério da esperança cristã, o grande Sacramento da Oração de Nosso Senhor Jesus Cristo, que vive, e reina, e triunfa, com o Pai, no Espírito Santo, nos séculos dos séculos.
Todos: Amém!
Os catecúmenos se retiram para os fundos da Igreja e a Liturgia prossegue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: