quinta-feira, 27 de maio de 2010

Imitação de Cristo.


A Imitação de Cristo - Tomás de Kempis

LIVRO PRIMEIRO
AVISOS ÚTEIS PARA A VIDA ESPIRITUAL
CAPÍTULO 1
Da imitação de Cristo e desprezo de todas as vaidades do mundo
1. Quem me segue não anda nas trevas, diz o Senhor (Jo 8,12). São
estas as palavras de Cristo, pelas quais somos advertidos que
imitemos sua vida e seus costumes, se verdadeiramente queremos
ser iluminados e livres de toda cegueira de coração. Seja, pois, o
nosso principal empenho meditar sobre a vida de Jesus Cristo.
2. A doutrina de Cristo é mais excelente que a de todos os santos, e
quem tiver seu espírito encontrará nela um maná escondido.
Sucede, porém, que muitos, embora ouçam frequentemente o
Evangelho, sentem nele pouco enlevo: é que não possuem o
espírito de Cristo. Quem quiser compreender e saborear
plenamente as palavras de Cristo é-lhe preciso que procure
conformar à dele toda a sua vida.
3. Que te aproveita discutires sabiamente sobre a SS. Trindade, se
não és humilde, desagradando, assim, a essa mesma Trindade?
Na verdade, não são palavras elevadas que fazem o homem justo;
mas é a vida virtuosa que o torna agradável a Deus. Prefiro sentir a
contrição dentro de minha alma, a saber defini-la. Se soubesses de
cor toda a Bíblia e as sentenças de todos os filósofos, de que te
serviria tudo isso sem a caridade e a graça de Deus? Vaidade das
vaidades, e tudo é vaidade (Ecle 1,2), senão amar a Deus e só a
ele servir. A suprema sabedoria é esta: pelo desprezo do mundo
tender ao reino dos céus.


4. Vaidade é, pois, buscar riquezas perecedoras e confiar nelas.
Vaidade é também ambicionar honras e desejar posição elevada.
Vaidade, seguir os apetites da carne e desejar aquilo pelo que,
depois, serás gravemente castigado. Vaidade, desejar longa vida
e, entretanto, descuidar-se de que seja boa. Vaidade, só atender à
vida presente sem providenciar para a futura. Vaidade, amar o que
passa tão rapidamente, e não buscar, pressuroso, a felicidade que
sempre dura.
5. Lembra-te a miúdo do provérbio: Os olhos não se fartam de ver,
nem os ouvidos de ouvir (Ecle 1,8). Portanto, procura desapegar
teu coração do amor às coisas visíveis e afeiçoá-lo às invisíveis:
pois aqueles que satisfazem seus apetites sensuais mancham a
consciência e perdem a graça de Deus.
CAPITULO 2
Do humilde sentir de si mesmo
1. Todo homem tem desejo natural de saber; mas que aproveitará a
ciência, sem o temor de Deus? Melhor é, por certo,
o humilde camponês que serve a Deus, do que o filósofo soberbo que
observa o curso dos astros, mas se descuida de si mesmo. Aquele que
se conhece bem se despreza e não se compraz em humanos louvores.
Se eu soubesse quanto há no mundo, porém me faltasse a caridade, de
que me serviria isso perante Deus, que me há de julgar segundo minhas
obras?
1. Renuncia ao desordenado desejo de saber, porque nele há muita
distração e ilusão. Os letrados gostam de ser vistos e tidos por
sábios. Muitas coisas há cujo conhecimento pouco ou nada
aproveita à alma. E mui insensato é quem de outras coisas se
ocupa e não das que tocam à sua salvação. As muitas palavras
não satisfazem à alma, mas uma palavra boa refrigera o espírito e
uma consciência pura inspira grande confiança em Deus.
2. Quanto mais e melhor souberes, tanto mais rigorosamente serás
julgado, se com isso não viveres mais santamente. Não te
desvaneças, pois, com qualquer arte ou conhecimento que
recebeste. Se te parece que sabes e entendes bem muitas coisas,
lembra-te que é muito mais o que ignoras. Não te presumas de alta
sabedoria (Rom 11,20); antes, confessa a tua ignorância. Como tu
queres a alguém te preferir, quando se acham muitos mais doutos


do que tu e mais versados na lei? Se queres saber e aprender
coisa útil, deseja ser desconhecido e tido por nada.
3. Não há melhor e mais útil estudo que se conhecer perfeitamente e
desprezar-se a si mesmo. Ter-se por nada e pensar sempre bem e
favoravelmente dos outros, prova é de grande sabedoria e
perfeição. Ainda quando vejas alguém pecar publicamente ou
cometer faltas graves, nem por isso te deves julgar melhor, pois
não sabes quanto tempo poderás perseverar no bem. Nós todos
somos fracos, mas a ninguém deves considerar mais fraco que a ti
mesmo.
CAPITULO 3
Dos ensinamentos da verdade
1. Bem-aventurado aquele a quem a verdade por si mesma ensina,
não por figuras e vozes que passam, mas como em si é. Nossa
opinião e nossos juízos muitas vezes nos enganam e pouco
alcançam. De que serve a sutil especulação sobre questões
misteriosas e obscuras, de cuja ignorância não seremos julgados?
Grande loucura é descurarmos as coisas úteis e necessárias,
entregando-nos, com avidez, às curiosas e nocivas. Temos olhos
para não ver (Sl 113,13).
2. Que se nos dá dos gêneros e das espécies dos filósofos? Aquele a
quem fala o Verbo eterno se desembaraça de muitas questões.
Desse Verbo único procedem todas as coisas e todas o proclamam
e esse é o princípio que também nos fala (Jo 8,25). Sem ele não
há entendimento nem reto juízo. Quem acha tudo neste Único, e
tudo a ele refere e nele tudo vê, poderá ter o coração firme e
permanecer em paz com Deus. Ó Deus de verdade, fazei-me um
convosco na eterna caridade! Enfastia-me, muita vez, ler e ouvir
tantas coisas; pois em vós acho tudo quanto quero e desejo.
Calemse todos os doutores, emudeçam todas as criaturas em
vossa presença; falai-me vós só.
3. Quanto mais recolhido for cada um e mais simples de coração,
tanto mais sublimes coisas entenderá sem esforço, porque do alto
recebe a luz da inteligência. O espírito puro, singelo e constante
não se distrai no meio de múltiplas ocupações porque faz tudo para
honra de Deus, sem buscar em coisa alguma o seu próprio
interesse. Que mais te impede e perturba do que os afetos
imortificados do teu coração? O homem bom e piedoso ordena
primeiro no seu interior as obras exteriores; nem estas o arrasam


aos impulsos de alguma inclinação viciosa, senão que as submete
ao arbítrio da reta razão. Que mais rude combate haverá do que
procurar vencer-se a si mesmo? E este deveria ser nosso
empenho: vencermo-nos a nós mesmos, tornarmo-nos cada dia
mais fortes e progredirmos no bem.
4. Toda a perfeição, nesta vida, é mesclada de alguma imperfeição, e
todas as nossas luzes são misturadas de sombras. O humilde
conhecimento de ti mesmo é caminho mais certo para Deus que as
profundas pesquisas da ciência. Não é reprovável a ciência ou
qualquer outro conhecimento das coisas, pois é boa em si e
ordenada por Deus; sempre, porém, devemos preferir-lhe a boa
consciência e a vida virtuosa. Muitos, porém, estudam mais para
saber, que para bem viver; por isso erram a miúdo e pouco ou
nenhum fruto colhem.
5. Ah! Se se empregasse tanta diligência em extirpar vícios e
implantar virtudes como em ventilar questões, não haveria tantos
males e escândalos no povo, nem tanta relaxação nos claustros.
De certo, no dia do juízo não se nos perguntará o que lemos, mas
o que fizemos; nem quão bem temos falado, mas quão
honestamente temos vivido. Dize-me: onde estão agora todos
aqueles senhores e mestres que bem conheceste, quando viviam e
floresciam nas escolas? Já outros possuem suas prebendas, e
nem sei se porventura deles se lembram. Em vida pareciam valer
alguma coisa, e hoje ninguém deles fala.
6. Oh! Como passa depressa a glória do mundo! Oxalá a sua vida
tenha correspondido à sua ciência; porque, destarte, terão lido e
estudado com fruto. Quantos, neste mundo, descuidados do
serviço de Deus, se perdem por uma ciência vã! E porque antes
querem ser grandes que humildes, se esvaecem em seus
pensamentos (Rom 1,21). Verdadeiramente grande é aquele que a
seus olhos é pequeno e avalia em nada as maiores honras.
Verdadeiramente prudente é quem considera como lodo tudo o que
é terreno, para ganhar a Cristo (Flp 3,8). E verdadeiramente sábio
aquele que faz a vontade de Deus e renuncia a própria vontade.
CAPÍTULO 4
Da prudência nas ações
1. Não se há de dar crédito a toda palavra nem a qualquer impressão,
mas cautelosa e naturalmente se deve, diante de Deus, ponderar
as coisas. Mas, ai! Que mais facilmente acreditamos e dizemos


dos outros o mal que o bem, tal é a nossa fraqueza. As almas
perfeitas, porém, não crêem levianamente em qualquer coisa que
se lhes conta, pois conhecem a fraqueza humana inclinada ao mal
e fácil de pecar por palavras.
2. Grande sabedoria é não ser precipitado nas ações, nem aferrado
obstinadamente à sua própria opinião; sabedoria é também não
acreditar em tudo que nos dizem, nem comunicar logo a outros o
que ouvimos ou suspeitamos. Toma conselho com um varão sábio
e consciencioso, e procura antes ser instruído por outrem, melhor
que tu, que seguir teu próprio parecer. A vida virtuosa faz o homem
sábio diante de Deus e entendido em muitas coisas. Quanto mais
humilde for cada um em si e mais sujeito a Deus, tanto mais
prudente será e calmo em tudo.
CAPÍTULO 5
Da leitura das Sagradas Escrituras
1. Nas Sagradas Escrituras devemos buscar a verdade, e não a
eloquência. Todo livro sagrado deve ser lido com o mesmo espírito
que o ditou. Nas Escrituras devemos antes buscar nosso proveito
que a sutileza da linguagem. Tão grata nos deve ser a leitura dos
livros simples e piedosos, como a dos sublimes e profundos. Não
te mova a autoridade do escritor, se é ou não de grandes
conhecimentos literários; ao contrário, lê com puro amor a verdade.
Não procures saber quem o disse; mas considera o que se diz.
2. Os homens passam, mas a verdade do Senhor permanece
eternamente (Sl 116,2). De vários modos nos fala Deus, sem
acepção de pessoa. A nossa curiosidade nos embaraça, muitas
vezes, na leitura das Escrituras; porque queremos compreender e
discutir o que se devia passar singelamente. Se queres tirar
proveito, lê com humildade, simplicidade e fé, sem cuidar jamais do
renome de letrado. Pergunta de boa vontade e ouve calado as
palavras dos santos; nem te desagradem as sentenças dos velhos,
porque eles não falam sem razão.
CAPÍTULO 6
Das afeições desordenadas
1. Todas as vezes que o homem deseja alguma coisa
desordenadamente, torna-se logo inquieto. O soberbo e o avarento


nunca sossegam; entretanto, o pobre e o humilde de espírito vivem
em muita paz. O homem que não é perfeitamente mortificado
facilmente é tentado e vencido, até em coisas pequenas e
insignificantes. O homem espiritual, ainda um tanto carnal e
propenso à sensualidade, só a muito custo poderá desprender-se
de todos os desejos terrenos. Daí a sua freqüente tristeza, quando
deles se abstém, e fácil irritação, quando alguém o contraria.
2. Se, porém, alcança o que desejava, sente logo o remorso da
consciência, porque obedeceu à sua paixão, que nada vale para
alcançar a paz que almejava. Em resistir, pois, às paixões, se acha
a verdadeira paz do coração, e não em segui-las. Não há, portanto,
paz no coração do homem carnal, nem no do homem entregue às
coisas exteriores, mas somente no daquele que é fervoroso e
espiritual.
CAPÍTULO 7
Como se deve fugir à vã esperança e presunção
1. Insensato é quem põe sua esperança nos homens ou nas
criaturas. Nào te envergonhes de servir a outrem por Jesus Cristo,
e ser tido como pobre neste mundo. Não confies em ti mesmo, mas
põe em Deus tua esperança. Faze de tua parte o que puderes, e
Deus ajudará tua boa vontade. Não confies em tua ciência, nem na
sagacidade de qualquer vivente, mas antes na graça de Deus, que
ajuda os humildes e abate os presunçosos.
2. Se tens riquezas, não te glories delas, nem dos amigos, por serem
poderosos, senão em Deus, que dá tudo, além de tudo, deseja dar-
se a si mesmo. Não te desvaneças com a airosidade ou formosura
de teu corpo, que com pequena enfermidade se quebranta e
desfigura. Não te orgulhes de tua habilidade ou de teu talento, para
que não desagrades a Deus, de quem é todo bem natural que
tiveres.
3. Não te reputes melhor que os outros para não seres considerado
pior por Deus, que conhece tudo que há no homem. Não te
ensoberbeças pelas boas obras, porque os juízos dos homens são
muito diferentes dos de Deus, a quem não raro desagrada o que
aos homens apraz. Se em ti houver algum bem, pensa que ainda
melhores são os outros, para assim te conservares na humildade.
Nenhum mal te fará se te julgares inferior a todos; muito, porém, se
a qualquer pessoa te preferires. De contínua paz goza o humilde;
no coração do soberbo, porém, reinam inveja e iras sem conta.


CAPÍTULO 8 Como se deve evitar a excessiva familiaridade
1. Não abras teu coração a qualquer homem (Eclo 8,22); mas trata de
teus negócios com o sábio e temente a Deus. Com moços e
estranhos conversa pouco. Não lisonjeies os ricos, nem busques
aparecer muito na presença dos potentados. Busca a companhia
dos humildes e simples, dos devotos e morigerados, e trata com
eles de assuntos edificantes. Não tenhas familiaridade com mulher
alguma; mas, em geral, encomenda a Deus todas as que são
virtuosas. Procura intimidade com Deus apenas, e seus anjos, e
foge de seres conhecidos dos homens.
2. Caridade se deve ter para com todos; mas não convém ter com
todos a familiaridade. Sucede, freqüentemente, gozar de boa
reputação pessoa desconhecida que, na sua presença, desagrada
aos olhos dos que a vêem. Julgamos, às vezes, agradar aos outros
com a nossa intimidade, mas antes os aborrecemos com os
defeitos que em nós vão descobrindo.
CAPÍTULO 9
Da obediência e submissão
1. Grande coisa é viver na obediência, sob a direção de um superior,
e não dispor da própria vontade. Muito mais seguro é obedecer
que mandar. Muitos obedecem mais por necessidade que por
amor: por isso sofrem e facilmente murmuram. Esses não
alcançarão a liberdade de espírito, enquanto não se sujeitarem de
todo o coração, por amor de Deus. Anda por onde quiseres: não
acharás descanso senão na humilde sujeição e obediência ao
superior. A imaginação dos lugares e mudanças a muitos tem
iludido.
2. Verdade é que cada um gosta de seguir seu próprio parecer e mais
se inclina àqueles que participam da sua opinião. Entretanto, se
Deus está conosco, cumpre-nos, às vezes, renunciar ao nosso
parecer por amor da paz. Quem é tão sábio que possa saber tudo
completamente? Não confies, pois, demasiadamente em teu
próprio juízo; mas atende também, de boa mente, ao dos demais.
Se o teu parecer for bom e o deixares, por amor de Deus, para
seguires o de outrem, muito lucrarás com isso.
3. Com efeito, muitas vezes ouvi falar que é mais seguro ouvir e
tomar conselho que dá-lo. É bem possível que seja acertado o
parecer de cada um: mas não querer ceder aos outros, quando a


razão ou as circunstâncias o pedem, é sinal de soberba e
obstinação.
CAPÍTULO 10
Como se devem evitar as conversas supérfluas
1. Evita, quanto puderes, o bulício dos homens, porque muito nos
perturbam os negócios mundanos ainda quando tratados com reta
intenção; pois bem depressa somos manchados e cativos da
vaidade. Quisera eu ter calado muitas vezes e não ter conversado
com os homens. Por que razão, porém, nos atraem falas e
conversas, se raras vezes voltamos ao silêncio sem dano da
consciência? Gostamos tanto de falar, porque pretendemos, com
essas conversações, ser consolados uns pelos outros e desejamos
aliviar o coração fatigado por preocupações diversas. E
ordinariamente sentimos prazer em falar e pensar, ora nas coisas
que muito amamos e desejamos, ora nas que nos contrariam.
2. Mas ai! Muitas vezes é em vão e sem proveito, pois essa
consolação exterior é muito prejudicial à consolação interior e
divina. Cumpre, portanto, vigiar e orar, para que não passe o
tempo ociosamente. Se for lícito e oportuno falar, seja de coisas
edificantes. O mau costume e o descuido do nosso progresso
espiritual concorrem muito para o desenfreamento de nossa língua.
Ajudam muito, porém, ao aproveitamento espiritual os devotos
colóquios sobre coisas espirituais, mormente quando se associam
em Deus pessoas que pensam e sentem do mesmo modo.
CAPÍTULO 11
Da paz e do zelo em aproveitar
1. Muita paz podíamos gozar, se não nos quiséssemos ocupar com
os ditos e fatos alheios que não pertencem ao nosso cuidado.
Como pode ficar em paz por muito tempo aquele que se intromete
em negócios alheios, que busca relações exteriores, que raras
vezes e mal se recolhe interiormente? Bem-aventurados os
simples, porque hão de ter muita paz!
1. Por que muitos santos foram tão perfeitos e contemplativos?
É que eles procuraram mortificar-se inteiramente em
2. todos os desejos terrenos, e assim puderam, no íntimo de
seu coração, unir-se a Deus e atender livremente a si


mesmos. Nós, porém, nos ocupamos demasiadamente das
próprias paixões e cuidados com excesso das coisas
transitórias. Raro é vencermos sequer um vício
perfeitamente; não nos inflamamos no desejo de progredir
cada dia; daí a frieza e tibieza em que ficamos.
2. Se estivéssemos perfeitamente mortos a nós mesmos e
interiormente desimpedidos, poderíamos criar gosto pelas coisas
divinas e algo experimentar das doçuras da celeste contemplação.
O que principalmente e mais nos impede é o não estarmos ainda
livres das nossas paixões e concupiscências, nem nos esforçamos
por trilhar o caminho perfeito dos santos. Basta pequeno
contratempo para desalentarmos completamente e voltarmos a
procurar consolações humanas.
3. Se nos esforçássemos por ficar firmes no combate, como soldados
valentes, por certo veríamos descer sobre nós o socorro de Deus.
Pois ele está sempre pronto a auxiliar os combatentes confiados
em sua graça: Aquele que nos proporciona ocasiões de peleja para
que logremos a vitória. Se fizermos consistir nosso aproveitamento
espiritual tãosomente nas observâncias exteriores, nossa devoção
será de curta duração. Metamos, pois, o machado à raiz, para que,
livre das paixões, goze paz nossa alma.
4. Se cada ano extirpássemos um só vício em breve seríamos
perfeitos. Mas agora, pelo contrário, muitas vezes experimentamos
que éramos melhores, e nossa vida mais pura, no princípio da
nossa conversão que depois de muitos anos de profissão. O nosso
fervor e aproveitamento deveriam crescer, cada dia; mas, agora,
considera-se grande coisa poder alguém conservar parte do
primitivo fervor. Se no princípio fizéramos algum esforço, tudo
poderíamos, em seguida, fazer com facilidade e gosto.
5. Custoso é deixar nossos costumes; mais custoso, porém,
contrariar a própria vontade. Mas, se não vences obstáculos
pequenos e leves, como triunfarás dos maiores? Resiste no
princípio à tua inclinação e rompe com o mau costume, para que te
não metas pouco a pouco em maiores dificuldades. Oh! Se bem
considerasses quanta paz gozarias e quanto prazer darias aos
outros, se vivesses bem, de certo cuidarias mais do teu
adiantamento espiritual.
CAPÍTULO 12
Da utilidade das adversidades


1. Bom é passarmos algumas vezes por aflições e contrariedades,
porque freqüentemente fazem o homem refletir, lembrando-lhe que
vive no desterro e, portanto, não deve pôr sua esperança em
coisas alguma do mundo. Bom é econtrarmos às vezes
contradições, e que de nós façam conceito mau ou pouco
favorável, ainda quando nossas obras e intenções sejam boas. Isto
ordinariamente nos conduz à humildade e nos preserva da
vanglória. Porque, então, mais depressa recorremos ao
testemunho interior de Deus, quando de fora somos vilipendiados e
desacreditados pelos homens.
2. Por isso, devia o homem firmar-se de tal modo em Deus, que lhe
não fosse mais necessário mendigar consolações às criaturas.
Assim que o homem de boa vontade está atribulado ou tentado, ou
molestado por maus pensamentos, sente logo melhor a
necessidade que tem de Deus, sem o qual não pode fazer bem
algum. Então se entristece, geme e chora pelas misérias que
padece. Então causa-lhe tédio viver mais tempo, e deseja que
venha a morte livrá-lo do corpo e unilo a Cristo. Então compreende
também que neste mundo não pode haver perfeita segurança nem
paz completa.
CAPÍTULO 13
Como se há de resistir às tentações
1. Enquanto vivemos neste mundo, não podemos estar sem trabalhos
e tentações. Por isso lemos no livro de Jó (7,1): É um combate a
vida do homem sobre a terra. Cada qual, pois, deve estar
acautelado contra as tentações, mediante a vigilância e a oração,
para não dar azo às ilusões do demônio, que nunca dorme, mas
anda por toda parte em busca de quem possa devorar (1 Pdr 5,8) .
Ninguém há tão perfeito e santo, que não tenha, às vezes,
tentações, e não podemos ser delas totalmente isentos.
2. São, todavia, utilíssimas ao homem as tentações, posto que sejam
molestas e graves, porque nos humilham, purificam e instruem.
Todos os santos passaram por muitas tribulações e tentações, e
com elas aproveitaram; aqueles, porém, que não as puderam
suportar foram reprovados e pereceram. Não há Ordem tão santa
nem lugar tão retirado, em que não haja tentações e adversidades.
3. Nenhum homem está totalmente livre das tentações, enquanto
vive, porque em nós mesmos está a causa donde procedem: a
concupiscência em que nascemos. Mal acaba uma tentação ou


tribulação, outra sobrevém, e sempre teremos que sofrer, porque
perdemos o dom da primitiva felicidade. Muitos procuram fugir às
tentações, e outras piores encontram. Não basta a fuga para
vencê-las; é pela paciência e verdadeira humildade que nos
tornamos mais fortes que todos os nossos inimigos.
4. Pouco adianta quem somente evita as ocasiões exteriores, sem
arrancar as raízes; antes lhe voltarão mais depressa as tentações,
e se achará pior. Vencê-las-á melhor com o auxílio de Deus, a
pouco e pouco com paciência e resignação, que com importuna
violência e esforço próprio. Toma a miúdo conselho na tentação e
não sejas desabrido e áspero para
o que é tentado, trata antes de o consolar, como desejas ser consolado.
1. O princípio de todas a más tentações é a inconstância do espírito e
a pouca confiança em Deus; pois, assim como as ondas lançam de
uma parte a outra o navio sem leme, assim as tentações
combatem o homem descuidado e inconstante em seus propósitos.
O ferro é provado pelo fogo, e o justo pela tentação. Ignoramos
muitas vezes o que podemos, mas a tentação manifesta o que
somos. Todavia, devemos vigiar, principalmente no princípio da
tentação; porque mais fácil nos será vencer o inimigo, quando não
o deixarmos entrar na alma, enfrentando-o logo que bater no limiar.
Por isso disse alguém: Resiste desde o princípio, que vem tarde o
remédio, quando cresceu o mal com a muita demora (Ovídio).
Porque primeiro ocorre à mente um simples pensamento, donde
nasce a importuna imaginação, depois o deleite, o movimento; e
assim, pouco a pouco, entra de todo na alma o malvado inimigo. E
quanto mais alguém for indolente em lhe resistir, tanto mais fraco
se tornará cada dia, e mais forte o seu adversário.
2. Uns padecem maiores tentações no começo de sua conversão,
outros, no fim; outros por quase toda a vida são molestados por
elas. Alguns são tentados levemente, segundo a sabedoria da
divina Providência, que pondera as circunstâncias e o merecimento
dos homens, e tudo predispõe para a salvação de seus eleitos.
3. Por isso não devemos desesperar, quando somos tentados; mas
até, com maior fervor, pedir a Deus que se digne ajudar-nos em
toda provação, pois que, no dizer de S. Paulo, nos dará graça
suficiente na tentação para que a possamos vencer (1 Cor 10,13).
Humilhemos, portanto, nossas almas, debaixo da mão de Deus,
em qualquer tentação e tribulação porque ele há de salvar e
engrandecer os que são humildes de coração.


4. Nas tentações e adversidades se vê quanto cada um tem
aproveitado; nelas consiste o maior merecimento e se patenteia
melhor a virtude. Não é lá grande coisa ser o homem devoto e
fervoroso quando tudo lhe corre bem; mas, se no tempo da
adversidade conserva a paciência, pode-se esperar grande
progresso. Alguns há que vencem as grandes tentações e, nas
pequenas, caem freqüentemente, para que, humilhados, não
presumam de si grandes coisas, visto que com tão pequenas
sucumbem.
CAPÍTULO 14
Como se deve evitar o juízo temerário
1. Relanceia sobre ti o olhar e guarda-te de julgar as ações alheias.
Quem julga os demais perde o trabalho, quase sempre se engana
e facilmente peca; mas, examinando-se e julgando-se a si mesmo,
trabalha sempre com proveito. De ordinário, julgamos as coisas
segundo a inclinação do nosso coração, pois o amor-próprio
facilmente nos altera a retidão do juízo. Se Deus fora sempre o
único objetivo dos nossos desejos, não nos perturbaria tão
facilmente qualquer oposição ao nosso parecer.
2. Muitas vezes existe, dentro ou fora de nós, alguma coisa que nos
atrai e em nós influi. Muitos buscam secretamente a si mesmos em
suas ações, e não o percebem. Parecem até gozar de boa paz,
enquanto as coisas correm à medida de seus desejos; mas, se de
outra sorte sucede, logo se inquietam e entristecem. Da
discrepância de pareceres e opiniões freqüentemente nascem
discórdias entre amigos e vizinhos, entre religiosos e pessoas
piedosas.
3. É custoso perder um costume inveterado, e ninguém renuncia, de
boa mente, a seu modo de ver. Se mais confias em tua razão e
talento que na graça de Jesus Cristo, só raras vezes e tarde serás
iluminado; pois Deus quer que nos sujeitemos perfeitamente a ele
e que nos elevemos acima de toda razão humana, inflamados do
seu amor.
CAPÍTULO 15
Das obras feitas com caridade


1. Por nenhuma coisa do mundo, nem por amor de pessoa alguma,
se deve praticar qualquer mal; mas, em prol de algum necessitado,
pode-se, às vezes, omitir uma boa obra, ou trocá-la por outra
melhor. Desta sorte, a boa obra não se perde, mas se converte em
outra melhor. Sem a caridade, nada vale a obra exterior; tudo,
porém, que da caridade procede, por insignificante e desprezível
que seja, produz abundantes frutos, porque Deus não atende tanto
à obra, como à intenção com que a fazemos.
2. Muito faz aquele que muito ama. Muito faz quem bem faz o que
faz. Bem faz quem serve mais ao bem comum que à sua própria
vontade. Muitas vezes parece caridade o que é mero amor-próprio,
porque raras vezes nos deixa a inclinação natural, a própria
vontade, a esperança da recompensa, o nosso interesse.
3. Aquele que tem verdadeira e perfeita caridade em nada se busca a
si mesmo, mas deseja que tudo se faça para a glória de Deus. De
ninguém tem inveja, porque não deseja proveito algum pessoal,
nem busca sua felicidade em si, mas procura sobre todas as coisas
ter alegria e felicidade em Deus. Não atribui bem algum à criatura,
mas refere tudo a Deus, como à fonte de que tudo procede, e em
que, como em fim último, acham todos os santos o deleitoso
repousar. Oh! Quem tivera só uma centelha de verdadeira caridade
logo compreenderia a vaidade de todas as coisas terrenas!
CAPÍTULO 16
Do sofrer os defeitos dos outros
1. Aquilo que o homem não pode emendar em si mesmo ou nos
demais, deve-o tolerar com paciência, até que Deus disponha de
outro modo. Considera que talvez seja melhor assim, para provar
tua paciência, sem a qual não têm grande valor nossos méritos.
Todavia, convém, nesses embaraços, pedir a Deus que te auxilie,
para que os possas levar com seriedade.
2. Se alguém, com uma ou duas advertências, não se emendar, não
contendas com ele; mas encomenda tudo a Deus para que seja
feita a sua vontade, e seja ele honrado em todos os seus servos,
pois sabe tirar bem do mal. Procura sofrer com paciência os
defeitos e quaisquer imperfeições dos outros, pois tens também
muitas que os outros têm de aturar. Se não te podes modificar
como desejas, como pretendes ajeitar os outros à medida de teus
desejos? Muito desejamos que os outros sejam perfeitos, e nem
por isso emendamos as nossas faltas.


3. Queremos que os outros sejam corrigidos com rigor, e nós não
queremos ser repreendidos. Estranhamos a larga liberdade dos
outros, e não queremos sofrer recusa alguma. Queremos que os
outros sejam apertados por estatutos e não toleramos nenhum
constrangimento que nos coíba. Donde claramente se vê quão
raras vezes tratamos o próximo como a nós mesmos. Se todos
fossem perfeitos, que teríamos então de sofrer nós mesmos por
amor de Deus?
4. Ora, Deus assim o dispôs para que aprendamos a carregar uns o
fardo dos outros; porque ninguém há sem defeito; ninguém sem
carga; ninguém com força e juízo bastante para si; mas cumpre
que uns aos outros nos suportemos, consolemos, auxiliemos,
instruamos e aconselhemos. Quanta virtude cada um possui,
melhor se manifesta na ocasião da adversidade; pois as ocasiões
não fazem o homem fraco, mas revelam o que ele é.
CAPITULO 17
Da vida monástica
1. Aprende a abnegar-te em muitas coisas, se queres ter paz e
concórdia com os outros. Não é pouco habitar em mosteiros ou
congregações religiosas, viver ali sem queixas e perseverar
fielmente até à morte. Bem-aventurado é aquele que aí vive bem e
termina a vida com um fim abençoado! Se queres permanecer
firme e fazer progressos, considera-te como desterrado e peregrino
sobre a terra. Convém fazer-te louco por amor de Cristo, se queres
seguir a vida religiosa.
2. De pouca monta são o hábito e a tonsura: são a mudança dos
costumes e a perfeita mortificação das paixões que fazem o
verdadeiro religioso. Quem outra coisa procura senão a Deus só e
a salvação de sua alma, só achará tribulações e angústias. Não
pode ficar por muito tempo em paz quem não procura ser o menor
e o mais submisso de todos.
3. Para servir vieste, não para mandar; lembra-te que foste chamado
para trabalhar e sofrer, e não para folgar e conversar. Aqui, pois,
se provam os homens, à semelhança do ouro na fornalha. Aqui,
ninguém perseverará, se não quiser humilhar-se, de todo o
coração, por amor de Deus.
CAPÍTULO 18


Dos exemplos dos Santos Padres
1. Contempla os salutares exemplos dos Santos Padres, nos quais
brilhou a verdadeira perfeição religiosa, e verás quão pouco ou
quase nada é o que fazemos. Ah! Que é a nossa vida em
comparação com a deles? Os santos e amigos de Cristo serviram
ao Senhor em fome e sede, em frio e nudez, em trabalho e fadiga,
em vigílias e jejuns, em orações e santas meditações, em
perseguições e muitos opróbrios.
2. Oh! Quantas e quão graves tribulações sofreram os apóstolos, os
mártires, os confessores, as virgens e todos quantos quiseram
seguir as pisadas de Cristo! Odiaram suas almas neste mundo,
para possuí-las eternamente no outro. Oh! Que vidas austeras e
mortificadas levaram os Santos Padres no deserto! Que contínuas
e graves tentações suportaram! Quantas vezes foram
atormentados pelo inimigo! Quantas orações fervorosas
ofereceram a Deus! Que rigorosas abstinências praticaram! Que
zelo e fervor tiveram em seu adiantamento espiritual! Que guerra
fizeram para subjugar os vícios! Com que pura e reta intenção
buscaram a Deus! Durante o dia trabalhavam e passavam as
noites em orações ainda que trabalhando não interrompessem um
momento a oração mental.
3. Todo o tempo era empregado utilmente; toda hora lhes parecia
breve convivida com Deus; e pela grande doçura das
contemplações se esqueciam até da necessária refeição do corpo.
Renunciavam a todas as riquezas, dignidades, honras, amigos e
parentes; nada queriam do mundo; apenas tomavam o
indispensável para a vida e só com pesar satisfaziam as exigências
da natureza. Assim eram pobres nos bens terrenos, mas muito
ricos de graças e virtudes. Exteriormente lhes faltava tudo;
interiormente, porém, se deliciavam com graças e consolações
divinas.
4. Ao mundo eram estranhos, mas íntimos e familiares amigos de
Deus. A si mesmos tinham em conta de nada, e o mundo os
desprezava; mas eram preciosos e queridos aos olhos de Deus.
Mantinham-se na verdadeira humildade, viviam em singela
obediência, andavam em caridade e paciência; assim cada dia
faziam progresso na vida espiritual e mais a Deus agradavam.
Esses foram dados por modelos a todos os religiosos, e mais nos
devem estimular ao progresso espiritual, do que a multidão dos
tíbios ao esmorecimento.


5. Oh! Quanto foi o fervor de todos os religiosos, nos primeiros
tempos de seus santos institutos! Quanta piedade na oração! Que
emulação nas virtudes! Que austera disciplina vigorava então! Que
respeito e obediência aos preceitos do superior reluzia em todos!
Os vestígios que deixaram ainda atestam que foram
verdadeiramente varões santos e perfeitos os que em tão renhidos
combates venceram o mundo. Hoje já se considera grande quem
não é transgressor da regra e com paciência suporta o jugo que se
impôs.
6. Ó tibieza e desleixo do nosso estado, que tão depressa declinamos
do fervor primitivo, e já nos causa tédio o viver, por tanta
negligência e frouxidão! Oxalá em ti não entorpeça de todo o
desejo de progredir nas virtudes, já que tantos modelos viste de
perfeição!
CAPÍTULO 19
Dos exercícios do bom religioso
1. A vida do bom religioso deve ser ornada de todas as virtudes, para
que corresponda o interior ao que por fora vêem os homens; e com
razão, ainda mais perfeito deve ser no interior do que por fora
parece, pois lá penetra o olhar perscrutador de Deus, a quem
devemos suma reverência, em qualquer lugar onde estivermos, e
em cuja presença devemos andar com pureza Angélica. Cada dia
devemos renovar nosso propósito e exercitar-nos a maior fervor,
como se esse fosse o primeiro dia de nossa conversão, dizendo:
Confortai-me, Senhor, meu Deus, no bom propósito e em vosso
santo serviço; concedei-me começar hoje deveras, pois nada é o
que até aqui tenho feito.
2. A medida da nossa resolução será nosso progresso, e grande
solicitude exige o sério aproveitamento. Se aquele que toma
enérgicas resoluções tantas vezes cai, que será daquele que as
toma raramente ou menos firmemente propõe? Sucede, porém, de
vários modos deixarmos o nosso propósito; e raras vezes passa
sem dano qualquer leve omissão de nossos exercícios. O propósito
dos justos mais se firma na graça de Deus, que em sua própria
sabedoria; nela confiam sempre, em qualquer empreendimento.
Porque o homem propõe, mas Deus dispõe, e não está na mão do
homem o seu caminho (Jer 10,23).
1. Quando, por motivo de piedade ou proveito do próximo, se
deixa alguma vez o costumado exercício, fácil é reparar


2. depois essa falta; omiti-lo, porém, facilmente, por enfado ou
negligência, já é bastante culpável, e sentir-se-á o prejuízo.
Esforcemo-nos quanto pudermos, ainda assim cairemos em
muitas faltas; contudo, devemos sempre fazer um propósito
determinado, mormente contra os principais obstáculos do
nosso progresso espiritual. Devemos examinar e ordenar
tanto o interior como o exterior, porque ambos importam ao
nosso aproveitamento.
3. Se não podes continuamente estar recolhido, recolhe-te de vez em
quando, ao menos uma vez por dia, pela manhã ou à noite. De
manhã toma resoluções, e à noite examina tuas ações: como te
houveste hoje em palavras, obras e pensamentos, porque nisso,
talvez não raro, tenhas ofendido a Deus e ao próximo. Arma-te
varonilmente contra as maldades do demônio; refreia a gula, e
facilmente refrearás todo apetite carnal. Nunca estejas de todo
desocupado, mas lê ou escreve ou reza ou medita ou faze alguma
coisa de proveito comum. Nos exercícios corporais, porém, haja
toda discrição, porque não convém igualmente a todos.
4. Os exercícios pessoais não se devem fazer publicamente, mais
seguro é praticá-los secretamente. Guarda-te de ser negligente nos
exercícios da regra, e mais diligente nos particulares; mas,
satisfeitas inteira e fielmente as coisas de obrigação e preceito, se
tempo sobrar, ocupa-te em exercícios, conforme te inspirar a tua
devoção. Nem todos podem ter o mesmo exercício; um convém
mais a este, outro àquele. Até do tempo depende a conveniência e
o atrativo das práticas; porque umas são mais apropriadas para os
dias festivos, outras para os dias comuns; dumas precisamos para
o tempo da tentação, de outras no tempo de paz e sossego.
Numas coisas gostamos de meditar quando estamos tristes, e
noutras quando estamos alegres no Senhor.
5. À volta das festas principais devemos renovar os nossos bons
exercícios e com mais fervor implorar a intercessão dos santos. De
uma para outra festividade devemos preparar-nos, como se então
houvéssemos de sair deste mundo e chegar à festividade eterna.
Por isso, devemos aparelhar-nos diligentemente, nos tempos de
devoção, com vida mais piedosa e observância mais fiel de todas
as regras, como se houvéssemos de receber em breve o galardão
do nosso trabalho.
6. E, se for adiada essa hora, tenhamos por certo que não estamos
ainda bem preparados nem dignos de tamanha glória que, a seu
tempo, se revelará em nós, e tratemos de nos preparar para a


morte. Bem-aventurado o servo. Diz o evangelista São Lucas, a
quem o Senhor, quando vier, achar vigiando. Em verdade vos digo
que o constituirá sobre todos os seus bens (12, 37 e 43).
CAPÍTULO 20
Do amor à solidão e ao silêncio
1. Procura tempo oportuno para cuidar de ti e relembra a miúdo os
benefícios de Deus. Renuncia às curiosidades e escolhe leituras
tais, que mais sirvam para te compungir, que para te distrair. Se te
abstiveres de conversações supérfluas e passeios ociosos, como
também de ouvir novidades e boatos, acharás tempo suficiente e
adequado para te entregares a santas meditações. Os maiores
santos evitavam, quando podiam, a companhia dos homens,
preferindo viver com Deus, em retiro.
2. Disse alguém: "Sempre que estive entre os homens menos homem
voltei" (Sêneca, Epist. 7). Isso experimentamos muitas vezes,
quando falamos muito. Mas fácil é calar de todo, do que não
tropeçar em alguma palavra. Mas fácil é ficar oculto em casa, que
fora dela ter a necessária cautela. Quem, pois, pretende chegar à
vida interior e espiritual, importa-lhe que se afaste da turba, com
Jesus. Ninguém, sem perigo, se mostra em público, senão quem
gosta de esconder-se. Ninguém seguramente fala, senão quem
gosta de calar. Ninguém seguramente manda, senão o que
perfeitamente aprendeu a obedecer.
3. Não pode haver alegria segura, sem o testemunho de boa
consciência. Contudo, a segurança dos santos estava sempre
misturada com o temor de Deus; nem eram menos cuidadosos e
humildes em si mesmos, porque resplandeciam em grandes
virtudes e graças. A segurança dos maus, porém, nasce da
soberba e presunção, e acaba por enganar-se a si mesma. Nunca
te dês por seguro nesta vida, ainda que pareças bom religioso ou
ermitão devoto.
1. Muitas vezes os melhores no conceito dos homens correram
graves perigos, por sua demasiada confiança. Por isso, para
muitos é melhor não serem de todo livres de tentações, mas
que sejam freqüentemente combatidos, para que não
confiem demadiadamente em si, nem se exaltem com
soberba, nem tampouco busquem com ânsia as consolações
exteriores. Oh! Quem nunca buscasse alegria transitória,
nem deste mundo cuidasse, que consciência pura teria! Oh!


Quem arredasse todo vão cuidado, para só cuidar das coisas
salutares e divinas, pondo toda a sua confiança em Deus,
2. de que grande paz e sossego gozaria!
4. Ninguém é digno da consolação celestial, senão quem se excitar,
com diligência, na santa compunção. Se queres compungir-te de
coração, entra em teu quarto, despede todo o bulício do mundo,
conforme está escrito: Compungi-vos em vossos cubículos (Sl 4,5).
Na cela acharás o que fora dela muitas vezes perdes. A cela bem
guardada causa doçura, e pouco freqüentada gera enfado. Se bem
a guardares e habitares no princípio de tua conversão, ser-te-á
depois querida companheira e suavíssimo consolo.
5. No silêncio e sossego faz progressos uma alma devota e aprende
os segredos das Escrituras. Ali ela acha a fonte de lágrimas, com
que todas as noites se lava e purifica, para tanto mais de perto
unir-se ao Criador quanto mais retirada viver do tumulto do mundo.
Aquele, pois, que se aparta de seus amigos e conhecidos verão
aproximar-se Deus com seus santos anjos. Melhor é estar solitário
e tratar de sua alma, que, descurando-a, fazer milagres. Merece
louvor o religioso que raro sai, que foge de ser visto pelos homens
e nem procura vê-los.
6. Para que queres ver o que não te é lícito possuir? Passa o mundo
e a sua concupiscência (1Jo 2,17). A inclinação sensual convida a
passeios; passada, porém, àquela hora, que nos fica senão
consciência pesada e coração distraído? À saída alegre, muitas
vezes sucede um regresso triste, e à véspera deleitosa uma triste
manhã. Assim, todo gosto carnal entra suavemente; no fim, porém,
remorde e mata. Que poderás ver alhures que aqui não vejas? Eis:
aqui tens o céu, a terra e todos os elementos; e deles são feitas
todas as coisas.
7. Que poderás ver, em parte alguma, estável debaixo do sol por
muito tempo? Pensas talvez te satisfazer completamente? Pois
não o conseguirás. Se visses diante de ti todas as coisas, que seria
senão vã fantasia? Levanta os olhos a Deus nas alturas e pede
perdão de teus pecados e negligências. Deixa as vaidades para os
fúteis; tu, porém, atende ao que Deus te manda. Fecha atrás de ti a
porta e chama a teu Jesus amado. Fica-te com ele em tua cela,
porque tanta paz em outra parte não acharás. Se não tivesses
saído, e escutado os rumores do mundo, melhor terias conservado
a santa paz; enquanto folgares de ouvir novidades, terás que sofrer
desassossego do coração.


CAPÍTULO 21
Da compunção do coração
1. Se queres fazer algum progresso, conserva-te no temor de Deus e
não busques demasiada liberdade; refreia, antes, todos os teus
sentidos com a disciplina e não te entregues à vã alegria. Procura
a compunção do coração e acharás a devoção. A compunção
descobre tesouros, que a dissipação bem depressa costuma
desperdiçar. É de estranhar que o homem jamais possa, nesta
vida, gozar perfeita alegria, se considera seu exílio e pondera os
muitos perigos de sua alma.
2. Pela leviandade do coração e pelo descuido dos nossos defeitos
não percebemos os males de nossa alma; e muitas vezes, rimo-
nos frivolamente, quando, com razão, devíamos chorar. Não há
verdadeira liberdade nem perfeita alegria, sem o temor de Deus e
Boa consciência. Ditoso aquele que pode apartar de si todo estorvo
das distrações e recolher-se com santa compunção. Ditoso aquele
que rejeita tudo que lhe possa manchar ou agravar a consciência.
Peleja varonilmente: um costume com outro se vence.
3. Se souberes deixar os homens, eles te deixarão fazer tuas boas
obras. Não te metas em coisas alheias, nem te impliques nos
negócios dos grandes. Olha sempre primeiro para ti e admoesta-te
com mais particularidade que a todos os teus amigos. Não te
entristeça a falta dos humanos favores, mas penalize-te o não
viveres com tanta cautela e prudência como convém a um servo de
Deus e devoto religioso. Mais útil e mais seguro é para o homem
não ter nesta vida muitas consolações, mormente sensíveis.
Todavia, se não temos, ou raramente sentimos o consolo divino, a
culpa é nossa, porque não procuramos a compunção do coração,
nem rejeitamos de todo as vãs consolações exteriores.
4. Reconhece que és indigno da consolação divina, mas antes
merecedor de muitas aflições. Quando um homem está
perfeitamente compungido, logo se lhe torna enfadonho e amargo
o mundo todo. O homem justo sempre acha bastante matéria para
afligir-se e chorar. Pois, quer olhe para si, quer para o próximo,
sabe que ninguém passa esta vida sem tribulações. E quanto mais
atentamente se considera, tanto mais profunda é a sua dor.
Matéria de justa mágoa e profundo pesar são nossos pecados e
vícios, aos quais de tal sorte estamos presos, que raras vezes
podemos contemplar as coisas do céu.


1. Se mais amiúdo pensasses na morte que numa vida de
muitos anos, não há dúvida que tua emenda seria mais
2. fervorosa. Se também meditasses seriamente nas penas
futuras do inferno ou do purgatório, creio que sofrerias de
bom grado trabalhos e dores, sem recear nenhuma
austeridade. Mas, como estas coisas não nos penetram o
coração e amamos ainda os regalos, ficamos frios e muito
tíbios.
5. É muitas vezes pela fraqueza do espírito que este miserável corpo
se queixa tão facilmente. Pede, pois, humildemente ao Senhor que
te dê o espírito de compunção, e dize, com o profeta: Sustenta-me,
Senhor, com o pão das lágrimas e a bebida copiosa do pranto (Sl
79,6).
CAPÍTULO 22
Da consideração da miséria humana
1. Miserável serás, onde quer que estejas e para onde quer que te
voltes, se não te voltares para Deus. Por que te afliges, quando
não te correm as coisas a teu gosto e vontade? Quem é que tem
tudo à medida de seu desejo? Nem eu, nem tu, nem homem algum
sobre a terra. Ninguém há no mundo sem nenhuma tribulação ou
angústia, quer seja rei quer Papa. Quem é que vive mais feliz?
Aquele, de certo, que sabe sofrer alguma coisa por Deus.
2. Dizem muitos mesquinhos e tíbios: Olhai, que boa vida tem este
homem: quão rico é, quão grande e poderoso, de que alta posição!
Olha tu para os bens do céu, e verás que nada são os bens
corporais, mas muito incertos e onerosos, pois nunca vive sem
temor e cuidado quem os possui. Não consiste a felicidade do
homem na abundância dos bens temporais; basta-lhe a mediania.
O viver na terra é verdadeira miséria. Quanto mais espiritual quer
ser o homem, mais amarga lhe será a vida presente, porque
conhece melhor e mais claramente vê os defeitos da humana
corrupção. Porque o comer, beber, velar, dormir, descansar,
trabalhar e estar sujeito a todas as demais grandes misérias e
aflições para o homem espiritual que deseja estar isento disto e
livre de todo pecado.
3. Sim, muito oprimido se sente o homem interior com as
necessidades corporais neste mundo. Por isto roga o profeta a
Deus, devotamente, que o livre delas, dizendo: Livrai-me, Senhor,
das minhas necessidades (Sl 24,17). Mas, ai daqueles que não


conhecem a sua miséria, e, outra vez, ai daqueles que amam esta
miserável e corruptível vida! Porque há alguns tão apegados a ela -
posto que mal arranjem o necessário com o trabalho ou com a
esmola - que, se pudessem viver aqui sempre, nada se lhes daria
do reino de Deus.
4. Ó insensatos e duros de coração, que tão profundamente jazem
apegados à terra, que não gostam senão das coisas carnais.
Infelizes! Lá virá o tempo em que hão de sentir, muito a seu custo,
como era vil e nulo aquilo que amaram. Os santos de Deus, e
todos os fiéis amigos de Cristo, não tinham em conta o que
agradava à carne nem o que neste mundo brilhava, mas toda a sua
esperança e intenção se fixavam nos bens eternos. Todo o seu
desejo se elevava para as coisas invisíveis e perenes, para que o
amor do visível não se arrasta a desejar as coisas inferiores. Não
percas, irmão meu, a confiança de fazer progressos na vida
espiritual; ainda tens tempo e ocasião.
5. Por que queres adiar tua resolução? Levanta-te, começa já e dize:
Agora é tempo de agir, agora é tempo de pelejar, agora é tempo
próprio para me emendar. Quando estás atribulado e aflito, é
tempo de merecer. Importa que passes por fogo e água, antes que
chegues ao refrigério (Sl 65,12). Se não te fizeres violência, não
vencerás os vícios. Enquanto estamos neste frágil corpo, não
podemos estar sem pecado, nem viver sem enfado e dor. Bem
quiséramos descanso de toda miséria; mas como pelo pecado
perdemos a inocência, perdemos também a verdadeira felicidade.
Por isso devemos ter paciência, e confiar na divina misericórdia,
até que passe a iniqüidade (Sl 52,6), e a vida absorva esta
mortalidade (2Cor 5,4).
6. Como é grande a fragilidade humana, inclinada sempre ao mal!
Hoje confessas os teus pecados, e amanhã cometes outra vez os
mesmos que confessaste. Resolves agora te acautelar, e daqui a
uma hora de portas como quem nada se propôs. Com muita razão
nos devemos humilhar e não nos ter em grande conta, já que tão
frágeis somos e tão inconstantes. Assim, facilmente se pode perder
pela negligência o que tanto nos custou a adquirir com a divina
graça.
7. Que será de nós no fim, se já tão cedo somos tíbios? Ai de nós, se
assim procuramos repouso, como se já estivéssemos em paz e
segurança, quando nem sinal aparece em nossa vida de
verdadeira santidade. Bem necessário nos fora que nos
intruíssemos de novo, como bons noviços, nos bons costumes;


talvez que assim houvesse esperança de alguma emenda futura e
maior progresso espiritual.
CAPÍTULO 23 Da meditação da morte
1. Mui depressa chegará teu fim neste mundo; vê, pois, como te
preparas: hoje está vivo o homem, e amanhã já não existe.
Entretanto, logo que se perdeu de vista, também se perderá da
memória. Ó cegueira e dureza do coração humano, que só cuida
do presente, sem olhar para o futuro! De tal modo te deves haver
em todas as tuas obras e pensamentos, como se fosse já a hora
da morte. Se tivesses boa consciência não temerias muito a morte.
Melhor fora evitar o pecado que fugir da morte. Se não estás
preparado hoje, como o estarás amanhã? O dia de amanhã é
incerto, e quem sabe se te será concedido?
2. Que nos aproveita vivermos muito tempo, quando tão pouco nos
emendamos? Oh! nem sempre traz emenda a longa vida, senão
que aumenta, muitas vezes, a culpa. Oxalá tivéssemos, um dia
sequer, vivido bem neste mundo! Muitos contam os anos
decorridos desde a sua conversão; freqüentemente, porém, é
pouco o fruto da emenda. Se for tanto para temer o morrer, talvez
seja ainda mais perigoso o viver muito. Bem-aventurado aquele
que medita sempre sobre a hora da morte, e para ela se dispõe
cada dia. Se já viste alguém morrer, reflete que também tu
passarás pelo mesmo caminho.
3. Pela manhã, pensa que não chegarás à noite, e à noite não te
prometas o dia seguinte. Por isso anda sempre preparado e vive
de tal modo que te não encontre a morte desprevenido. Muitos
morrem repentina e inesperadamente; pois na hora em que menos
se pensa, virá o Filho do Homem (Lc 12,40). Quando vier àquela
hora derradeira, começarás a julgar mui diferentemente toda a tua
vida passada, e doer-te-á muito teres sido tão negligente e
remisso.
4. Quão feliz e prudente é aquele que procura ser em vida como
deseja que o ache a morte. Pois o que dará grande confiança de
morte abençoada é o perfeito desprezo do mundo, o desejo
ardente do progresso na virtude, o amor à disciplina, o rigor na
penitência, a prontidão na obediência, a renúncia de si mesmo e a
paciência em sofrer, por amor de Cristo, qualquer adversidade. Mui
fácil é praticar o bem enquanto estás são; mas, quando enfermo,
não sei o que poderás. Poucos melhoram com a enfermidade; raro
também se santificam os que andam em muitas peregrinações.


5. Não confies em parentes e amigos, nem proteles para mais tarde o
negócio de tua salvação, porque mais depressa do que pensas te
esquecerão os homens. Melhor é providenciar agora e fazer algo
de bem, do que esperar pelo socorro dos outros. Se não cuidas de
ti no presente, quem cuidará de ti no futuro? Mui precioso é o
tempo presente: agora são os dias de salvação, agora é o tempo
favorável (2Cor 6,2). Mas, ai! Que melhor não aproveitas o meio
pelo qual podes merecer viver eternamente! Tempo virá de
desejares, um dia, uma hora sequer, para a tua emenda, e não sei
se a alcançarás.
6. Olha, meu caro irmão, de quantos perigos te poderias livrar e de
quantos terrores fugir, se sempre andasses temeroso e
desconfiado da morte. Procura agora de tal modo viver, que na
hora da morte te possas antes alegrar que temer. Aprende agora a
desprezar tudo, para então poderes voar livremente a Cristo.
Castiga agora teu corpo pela penitência, para que possas então ter
legítima confiança.
7. Ó louco, que pensas viver muito tempo, quando não tens seguro
nem um só dia! Quantos têm sido logrados e, de improviso,
arrancados ao corpo! Quantas vezes ouviste contar: morreu este a
espada; afogou-se aquele; este outro, caindo do alto, quebrou a
cabeça; um morreu comendo, outro expirou jogando. Estes se
terminaram pelo fogo, aqueles pelo ferro, uns pela peste, outros
pelas mãos dos ladrões, e de todos é o fim a morte, e, depressa,
qual sombra, acaba a vida do homem (Sl 143,4).
8. Quem se lembrará de ti depois da morte? E quem rogará por ti?
Faze já, irmão caríssimo, quanto puderes; pois não sabes, quando
morrerás nem o que te sucederá depois da morte. Enquanto tens
tempo, ajunta riquezas imortais. Só cuida em tua salvação, ocupa-
te só nas coisas de Deus. Granjeia agora amigos, venerando os
santos de Deus e imitando suas obras, para que, ao saíres desta
vida, te recebam nas eternas moradas (Lc 16,9).
9. Considera-te como hóspede e peregrino neste mundo, como se
nada tivesses com os negócios da terra. Conserva livre teu
coração, e erguido a Deus, porque não tens aqui morada
permanente. Para lá dirige tuas preces e gemidos, cada dia, com
lágrimas, a fim de que mereça tua alma, depois da morte, passar
venturosamente ao Senhor. Amém.
CAPÍTULO 24
Do juízo e das penas dos pecadores


1. Em todas as coisas olha o fim, e de que sorte estarás diante do
severo Juiz a quem nada é oculto, que não se deixa aplacar com
dádivas, nem aceita desculpas, mas que julgará segundo a justiça.
Ó misérrimo e insensato pecador! Que responderás a Deus, que
conhece todos os teus crimes, se, às vezes, te amedronta até o
olhar dum homem irado? Por que não te acautelas para o dia do
juízo, quando ninguém poderá ser desculpado ou defendido por
outrem, mas cada um terá assaz que fazer por si? Agora o teu
trabalho é frutuoso, o teu pranto aceito, o teu gemer ouvido,
satisfatória a tua contrição.
2. Grande e salutar purgatório tem nesta vida o homem paciente: se,
injuriado, mas se dói da maldade alheia, que da ofensa própria; se,
de boa vontade, roga por seus adversários, e de todo o coração
perdoa os agravos; se não tarda em pedir perdão aos outros; se
mais facilmente se compadece do que se irrita; se constantemente
faz violência a si mesmo, e se esforça por submeter de todo a
carne ao espírito. Melhor é expiar já os pecados e extirpar os
vícios, que adiar a expiação para mais tarde. Com efeito, nós
enganamos a nós mesmos pelo amor desordenado que temos à
carne.
3. Que outra coisa há de devorar aquele fogo senão os teus
pecados? Quanto mais te poupas agora e segues a carne, tanto
mais cruel será depois o tormento e tanto mais lenha ajuntas para
a fogueira. Naquilo em que o homem mais pecou, será mais
gravemente castigado. Ali os preguiçosos serão incitados por
aguilhões ardentes, e os gulosos serão atormentados por violenta
fome e sede. Os impudicos e voluptuosos serão banhados em pez
ardente e fétido enxofre, e os invejosos uivarão de dor, à
semelhança de cães furiosos.
4. Não há vício que não tenha o seu tormento especial. Ali, os
soberbos serão acabrunhados de profunda confusão, e os
avarentos oprimidos com extrema penúria. Ali será mais cruel uma
hora de suplício do que cem anos aqui da mais rigorosa penitência.
Ali não há descanso nem consolação para os condenados,
enquanto aqui, às vezes, cessa o trabalho e nos consolam os
amigos. Relembra agora e chora teus pecados, para que no dia do
juízo estejas seguro entre os escolhidos. Pois erguer-se-ão,
naquele dia, os justos com grande força contra aqueles que os
oprimiram e desprezaram (Sab 5,1). Então se levantará, para
julgar, Aquele que agora se curvou humildemente ao juízo dos


homens. Então terá muita confiança o pobre e o humilde, mas o
soberbo estremecerá de pavor.
5. Então se verá que foi sábio, neste mundo, quem aprendeu a ser
louco e desprezado, por amor de Cristo. Então dará prazer toda
tribulação, sofrida com paciência, e a iniqüidade não abrirá a sua
boca (Sl 106,42). Então se alegrarão todos os piedosos e se
entristecerão todos os ímpios. Então mais exultará a carne
mortificada, que se fora sempre nutrida em delícias. Então brilhará
o hábito grosseiro e desbotarão as vestimentas preciosas. Então
terá mais apreço o pobre tugúrio que o dourado palácio. Mais
valerá a paciente constância que todo o poderio do mundo. Mais
será engrandecida a singela obediência que toda a sagacidade do
século.
6. Mais satisfação dará a pura e boa consciência que a douta
filosofia. Mais valerá o desprezo das riquezas que todos os
tesouros da terra. Mais te consolará a lembrança duma devota
oração que a de inúmeros banquetes. Mais folgarás de ter
guardado silêncio, do que de ter falado muito. Mais valor terão as
boas obras que as lindas palavras. Mais agradará a vida austera e
árdua penitência que todos os gozos terrenos. Aprende agora a
padecer um pouco, para poupar-te mais graves sofrimentos no
futuro. Experimenta agora o que podes sofrer mais tarde. Se não
podes agora sofrer tão pouca coisa, como suportarás os eternos
suplícios? Se tanto te repugna o menor incômodo, que te fará
então o inferno? Certo é que não podes fruir dois gozos: deleitar-se
neste mundo, e depois reinar com Cristo.
7. Se até hoje tivesses vivido sempre em honras e delícias, que te
aproveitaria isso se tivesses que morrer neste instante? Logo, tudo
é vaidade, exceto amar a Deus e só a ele servir. Pois quem ama a
Deus, de todo o coração, não teme nem a morte, nem o castigo,
nem o juízo, nem o inferno, porque o perfeito amor dá seguro
acesso a Deus. Mas quem ainda se delicia no pecado, não é de
estranhar que tema a morte e o juízo. Todavia, é bom que, se do
mal não te aparta o amor, te refreie ao menos o temor do inferno.
Aquele, porém, que despreza o temor de Deus, não poderá por
muito tempo perseverar no bem, e depressa cairá nos laços do
demônio.
CAPÍTULO 25
Da diligente emenda de toda a nossa vida


1. Sê vigilante e diligente no serviço de Deus, e pergunta-te a
miúdo: a que vieste, para que deixaste o mundo? Não será
para viver por Deus e tornar-te homem espiritual? Trilha,
pois, com fervor o caminho da perfeição, porque em breve
receberás o prêmio dos teus trabalhos; nem te afligirão, daí
por diante, temores nem dores. Agora, terás algum trabalho;
mas depois acharás grande repouso e perpétua alegria. Se
tu permaneceres fiel e diligente no seu serviço, Deus, sem
dúvida, será fiel e generoso no prêmio. Conserva a firme
esperança de alcançar a palma; não cries, porém
2. segurança, para não caíres em tibieza ou presunção.
2. Certo homem que vacilava muitas vezes, ansioso, entre o temor e
a esperança, estando um dia acabrunhado pela tristeza, entrou
numa igreja, e diante dum altar, prostrado em oração, dizia consigo
mesmo: Oh! se eu soubesse que havia de perseverar! E logo ouviu
em si a divina respostas: Se tal soubesses, que farias? Faze já o
que então fizeras, e estarás bem seguro. Consolado
imediatamente, e confortado, abandonou-se à divina vontade, e
cessou a ansiosa perplexidade. Desistiu da curiosa indagação
acerca do seu futuro aplicando-se antes em conhecer qual fosse a
vontade e
o perfeito agrado de Deus para começar e acabar qualquer boa obra.
1. Espera no Senhor e faze boas obras, diz o profeta, habita na terra
e serás apascentado com suas riquezas (Sl 36,3). Há uma coisa
que esfria em muitos o fervor do progresso e zelo da emenda: o
horror da dificuldade ou o trabalho da peleja. Certo é que, mais que
os outros, aproveitam nas virtudes aqueles que com maior
empenho se esmeram em vencer a si mesmos naquilo que lhes é
mais penoso e contrariam mais suas inclinações. Porque tanto
mais aproveita o homem, e mais copiosa graça merece, quanto
mais se vence a si mesmo e se mortifica no espírito.
2. Não custa igualmente a todos se vencer e mortificar-se. Todavia, o
homem diligente e porfioso fará mais progressos, ainda que seja
combatido por muitas paixões, que outro de melhor índole, porém
menos fervoroso em adquirir as virtudes. Dois meios,
principalmente, ajudam muito a nossa emenda, e vêm a ser:
apartar-se valorosamente das coisas às quais viciosamente se
inclina a natureza, e porfiar em adquirir a virtude de que mais se há
mister. Aplica-te também a evitar e vencer o que mais te desagrada
nos outros.


3. Procura tirar proveito de tudo: se vês ou ouves relatar bons
exemplos, anima-te logo a imitá-los; mas, se reparares em alguma
coisa repreensível, guarda-te de fazê-la, e, se em igual falta caíste,
procura emendar-te logo dela. Assim como tu observas os outros,
também eles te observam a ti. Que alegria e gosto ver irmãos
cheios de fervor e piedade, bem acostumados e morigerados! Que
tristeza, porém, e aflição, vê-los andar desnorteados e descuidados
dos exercícios de sua vocação! Que prejuízo descurar os deveres
do estado e aplicar-se ao que Deus não exige!
4. Lembra-te da resolução que tomaste, e põe diante de ti a imagem
de Jesus crucificado. Com razão te envergonharás, considerando a
vida de Jesus Cristo, pois até agora tão pouco procuraste
conformar-te com ela, estando há tanto tempo no caminho de
Deus. O religioso que, com solicitude e fervor, se exercita na
santíssima vida e paixão do Senhor, achará nela com abundância
tudo quanto lhe é útil e necessário, e escusará buscar coisa melhor
fora de Jesus. Oh! se entrasse em nosso coração Jesus
crucificado, quão depressa e perfeitamente seríamos instruídos!
5. O religioso cheio de fervor tudo suporta de boa vontade e executa
o que lhe mandam. O relaxado e tíbio, porém, encontra tribulação
sobre tribulação, sofrendo de toda parte angústias: é que ele
carece da consolação interior e lhe é vedado buscar a exterior. O
religioso que transgride a regra anda exposto a grande ruína.
Quem busca a vida cômoda e menos austera, sempre estará em
angústias, porque uma ou outra coisa sempre lhe desagrada.
6. Que fazem tantos outros religiosos que guardam a austera
disciplina do claustro? Raro saem, vivem retirados, sua comida é
parca, seu hábito grosseiro, trabalham muito, falam pouco, vigiam
até tarde, levantam-se cedo, rezam muito, lêem com freqüencia e
conservam-se em toda a observância. Olha como os cartuxos, os
cistercienses, e os monges e monjas das diversas ordens se
levantam todas as noites para louvar o Senhor. Vergonha, pois,
seria, se tu fosses preguiçoso em obra tão santa, quando tamanha
multidão de religiosos entoa a divina salmodia.
7. Oh! se nada mais tivesses que fazer senão louvar a Deus Nosso
Senhor de coração e boca! Oh! se nunca precisares comer, nem
beber, nem dormir, mas sempre pudesses atender aos louvores de
Deus e aos exercícios espirituais! Então serias muito mais ditoso
do que agora, sujeito a tantas exigências do corpo! Oxalá não
existissem tais necessidades, mas houvesse só aquelas refeições
que - ai! - tão raro gozamos!


8. Quando o homem chega ao ponto de não buscar sua consolação
em nenhuma criatura, só então começa a gostar perfeitamente de
Deus, e anda contente, aconteça o que acontecer. Então não se
alegra pela abundância, nem se entristece pela penúria, mas confia
inteira e fielmente em Deus, que lhe é tudo em todas as coisas,
para quem nada perece nem morre, mas por quem vivem todas as
coisas e a cujo aceno, com prontidão, obedecem.
9. Lembra-te sempre do fim, e que o tempo perdido não volta. Sem
empenho e diligência, jamais alcançarás as virtudes. Se
começares a ser tíbio, logo te inquietarás. Se, porém, procurares
afervorar-te, acharás grande paz e sentirás mais leve o trabalho
com a graça de Deus e o amor da virtude. O homem fervoroso e
diligente está preparado para tudo. Mais penoso é resistir aos
vícios e às paixões que afadigar-se em trabalhos corporais. Quem
não evita os pequenos
defeitos pouco a pouco cai nos grandes. Alegrar-te-ás sempre à noite, se
tiveres empregado bem o dia. Vigia sobre ti, anima-te e admoesta-te e,
vivam os outros como vivem, não te descuides de ti mesmo. Tanto mais
aproveitarás, quanto maior for a violência que te fizeres. Amém.
LIVRO SEGUNDO
EXORTAÇÕES À VIDA INTERIOR
CAPÍTULO 1
Da vida interior
1. O reino de deus está dentro de vós, diz o Senhor (Lc 17,21).
Converte-te a Deus de todo o coração, deixa este mundo
miserável, e tua alma achará descanso. Aprende a desprezar as
coisas exteriores e entrega-te às interiores, e verás chegar a ti o
reino de Deus. Pois o reino de Deus é a paz e o gozo no Espírito
Santo (Rom 14, 17), que não se dá aos ímpios. Virá a ti Cristo para
consolar-te, se lhe preparares no teu interior digna moradia. Toda a
sua glória e formosura está no interior (Sl 44,14), e só aí o Senhor
se compraz. A miúdo visita ele o homem interior em doce
intretenimento, suave consolação, grande paz e familiaridade
sobremaneira admirável.
2. Eia, alma fiel, para este Esposo prepara teu coração, a fim de que
se digne vir e morar em ti. Pois assim ele diz: Se alguém me ama,


guardará a minha palavra, e viremos a ele e faremos nele a nossa
morada (Jo 14,23). Dá, pois, lugar a Jesus e a tudo mais fecha a
porta. Se possuíres a Cristo, estarás rico e satisfeito. Ele mesmo
será teu provedor e fiel procurador em tudo, de modo que não
hajas mister de esperar nos homens. Porque os homens são
volúveis e faltam com facilidade à confiança, mas Cristo
permanece eternamente (Jo 12,34), e firme nos acompanha até ao
fim.
3. Não se há de ter grande confiança no homem frágil e mortal, por
mais que nos seja caro e útil; nem nos devemos afligir com
excessos, porque, de vez em quando, nos contraria com palavras
ou obras. Os que hoje estão contigo amanhã talvez sejam contra ti,
e reciprocamente, pois os homens mudam como o vento. Põe toda
a tua confiança em Deus, e seja ele o teu temor e amor; ele
responderá por ti, e fará do melhor modo o que convier. Não tens
aqui morada permanente (Hbr 13,14), e onde quer que estejas, és
estranho e peregrino; nem terás nunca descanso, se não estiveres
intimamente unido a Jesus.
4. Para que olhas em redor de ti, se não é este o lugar de teu
repouso? No céu deve ser a tua habitação, e como de passagem
hás de olhar todas as coisas da terra. Todas passam, e tu
igualmente passas com elas; toma cuidado para não te apegares a
elas, a fim de que não te escravizem e percam. Ao Altíssimo eleva
sempre teus pensamentos, e a Cristo dirige súplica incessante. Se
não sabes contemplar coisas altas e celestiais, descansa na paixão
de Cristo e gosta de habitar em suas sacratíssimas chagas. Pois,
se te acolheres devotamente às chagas e preciosos estigmas de
Jesus, sentirás grande conforto em tuas mágoas, não farás mais
caso do desprezo dos homens e facilmente sofrerás as suas
detrações.
5. Cristo também foi, neste mundo, desprezado dos homens, e em
suma necessidade, entre os opróbrios, o desampararam seus
conhecidos e amigos. Cristo quis padecer e ser desprezado; e tu
ousas queixar-te de alguém? Cristo teve adversidade e detratores;
e tu queres ter a todos por amigos e benfeitores? Como poderá ser
coroada tua paciência, se não encontrares alguma adversidade?
Se não queres sofrer alguma contrariedade, como serás amigo de
Cristo? Sofre com Cristo e por Cristo, se com Cristo queres reinar.
6. Se uma só vez entraras perfeitamente no Coração de Jesus e
gozaras um pouco de seu ardente amor, não farias caso do teu
proveito ou dano, ao contrário, te elegrarias com os mesmos


opróbrios; porque o amor de Jesus faz com que o homem se
despreze a si mesmo. O amante de Jesus e da verdade, e o
homem deveras espiritual e livre de afeições desordenadas, pode
facilmente recolher-se em Deus, e, elevando-se em espírito, acima
de si mesmo, fruir delicioso descanso.
1. Aquele que avalia as coisas pelo que são, e não pelo juízo e
estimação dos outros, este é o verdadeiro sábio, ensinado
mais por Deus que pelos homens. Quem sabe andar
recolhido dentro de si, e ter em pequena conta as coisas
exteriores, não precisa escolher lugar nem aguardar horas
para se dar a exercícios de piedade. O homem interior
facilmente se recolhe, pois nunca se entrega de todo às
coisas exteriores. Não o estorvam trabalhos externos nem
ocupações, às vezes necessárias, mas ele se acomoda às
circunstâncias, conforme sucedem. Quem tem o interior bem
disposto e ordenado não se importa com as façanhas e
crimes dos homens. Tanto o homem se embaraça e distrai,
quanto se mete nas coisas
2. exteriores.
7. Se foras reto e puro, tudo te correria bem e se voltaria em teu
proveito. Mas, porque ainda não estás de todo morto a ti mesmo,
nem apartado das coisas terrenas, por isso muitas coisas te
causam desgostos e perturbações. Nada mancha tanto e
embaraça o coração do homem como o amor desordenado às
criaturas. Se renunciares às consolações exteriores, poderás
contemplar as coisas do céu e gozar a miúdo da alegria interior.
CAPÍTULO 2
Da humilde submissão
1.Não te importes muito de saber quem seja por ti ou contra ti; mas trata
e procura que Deus seja contigo em tudo que fizeres. Tem boa
consciência e Deus te defenderá, pois a quem Deus ajuda não há
maldade que o possa prejudicar. Se souberes calar e sofrer, verás, sem
dúvida, o socorro do Senhor. Ele sabe o tempo e o modo de te livrar;
portanto, entrega-te todo a ele. A Deus pertence aliviar-nos e tirar-nos de
toda a confusão. Às vezes é muito útil, para melhor conservarmos a
humildade, que os outros saibam os nossos defeitos e no-los
repreendam.


2. Quando o homem se humilha por seus defeitos, aplaca facilmente os
outros e satisfaz os que estão irados contra ele. Ao humilde Deus
protege e salva, ao humilde ama e consola, ao humilde ele se inclina, dá-
lhe abundantes graças e depois do abatimento o levanta a grande honra.
Ao humilde revela seus segredos e com doçura a si o atrai e convida. O
humilde, ao sofrer afrontas, conserva sua paz, porque confia em Deus e
não no mundo. Não julgues ter feito progresso algum, enquanto te não
reconheças inferior a todos.
CAPÍTULO 3
Do homem bom e pacífico
1. Primeiro conserva-te em paz, e depois poderás pacificar os outros.
O homem apaixonado, até o bem converte em mal e facilmente
acredita no mal; o homem bom e pacífico, pelo contrário, faz com
que tudo se converta em bem. Quem está em boa paz de ninguém
desconfia; o descontente e perturbado, porém, é combatido de
várias suspeitas e não sossega, nem deixa os outros sossegarem.
Diz muitas vezes o que não devia dizer, e deixa de fazer o que
mais lhe conviria. Atende às obrigações alheias, e descuida-se das
próprias. Tem, pois, principalmente zelo de ti, e depois o terás, com
direito, do teu próximo.
2. Bem sabes desculpar e cobrir tuas faltas, e não queres aceitar as
desculpas dos outros! Mais justo fora que te acusasses a ti e
escusasses o teu irmão. Suporta os outros, se queres que te
suportem a ti. Nota quão longe estás ainda da verdadeira caridade
e humildade, que não sabe irar-se ou indignar-se senão contra si
própria. Não é grande coisa conviver com homens bons e mansos,
porque isso, naturalmente, agrada a todos; e cada um gosta de
viver em paz e ama os que são de seu parecer. Viver, porém, em
paz com pessoas ásperas, perversas e mal educadas que nos
contrariam, é grande graça e ação louvável e varonil.
3. Uns há que têm paz consigo e com os mais; outros que não têm
paz nem a deixam aos demais; são insuportáveis aos outros, e
ainda mais o são a si mesmos. E há outros que têm paz consigo e
procuram-na para os demais. Toda a nossa paz, porém, nesta vida
miserável, consiste mais na humilde resignação, que em não sentir
as contrariedades. Quem melhor sabe sofrer maior paz terá. Esse
é vencedor de si mesmo e senhor do mundo, amigo de Cristo e
herdeiro do céu.


CAPÍTULO 4
Da mente pura e da intenção simples
1. Com duas asas se levanta o homem acima das coisas terrenas:
simplicidade e pureza. A simplicidade há de estar na intenção e a
pureza no afeto. A simplicidade procura a Deus, a pureza o abraça
e frui. Em nenhuma boa obra acharás estorvo, se estiveres
interiormente livre de todo afeto desordenado. Se só queres e
buscas o agrado de Deus e o proveito do próximo, gozarás de
liberdade interior. Se teu coração for reto, toda criatura te será um
espelho de vida e um livro de santas doutrinas. Não há criatura tão
pequena e vil, que não represente a bondade de Deus.
2. Se fosses interiormente bom e puro, logo verias tudo sem
dificuldade e compreenderias bem. O coração puro penetra
o céu e o inferno. Cada um julga segundo seu interior. Se há alegria
neste mundo, é o coração puro que a goza; se há, em alguma parte,
tribulação e angústia, é a má consciência que as experimenta. Como o
ferro metido no fogo perde a ferrugem e se faz todo incandescente,
assim o homem que se entrega inteiramente a Deus fica livre da tibieza e
transforma-se em novo homem.
3. Quando o homem começa a entibiar, logo teme o menor trabalho e
anseia as consolações exteriores. Quando, porém, começa deveras a
vencer-se e andar com ânimo no caminho de Deus, leves lhe parecem as
coisas que antes achava onerosas.
CAPÍTULO 5
Da consideração de si mesmo
1. Não podemos confiar muito em nós, porque freqüentemente nos
faltam a graça e o critério. Pouca luz temos em nós e esta facilmente a
perdemos por negligência. De ordinário também não avaliamos quanta é
nossa cegueira interior. A miúdo procedemos mal e nos desculpamos, o
que é pior. Às vezes nos move a paixão, e pensamos que é zelo.
Repreendemos nos outros as faltas leves, e nos descuidamos das
nossas maiores. Bem depressa sentimos e ponderamos


o que dos outros sofremos, mas não se nos dá do que os outros sofrem
de nós. Quem bem e retamente avaliasse suas obras não seria capaz de
julgar os outros com rigor.
1. O homem interior antepõe o cuidado de si a todos os outros
cuidados, e quem se ocupa de si com diligência facilmente deixa
de falar dos outros. Nunca serás homem espiritual e devoto, se não
calares dos outros, atendendo a ti próprio com especial cuidado.
Se de ti só e de Deus cuidares, pouco te moverá o que se passa
por fora. Onde estás, quando não estás contigo? E, depois de tudo
percorrido, que ganhaste se esqueceste a ti mesmo? Se queres ter
paz e verdadeiro sossego, é preciso que tudo mais dispenses, e a
ti só tenhas diante dos olhos.
2. Portanto, grandes progressos farás, se te conservares livre de todo
cuidado temporal; muito te atrasará o apego a alguma coisa
temporal. Nada te seja grande, nobre, aceito ou agradável, a não
ser Deus mesmo ou o que for de Deus. Considera vã toda
consolação que te vier das criaturas. A alma que ama a Deus
despreza tudo que é abaixo de Deus. Só Deus eterno e imenso,
que tudo enche, é o consolo da alma e a verdadeira alegria do
coração.
CAPÍTULO 6
Da alegria da boa consciência
1. A glória do homem virtuoso é o testemunho da boa consciência.
Conserva pura a consciência, e sempre terás alegria. A boa
consciência pode suportar muita coisa e permanece alegre, até nas
adversidades. A má consciência anda sempre medrosa e inquieta.
Suave sossego gozarás, se de nada te acusar o coração. Não te
dês por satisfeito, senão quando tiveres feito algum bem. Os maus
nunca têm verdadeira alegria nem sentem a paz interior; pois não
há paz para os ímpios, diz o Senhor (Is 57, 21). E se disserem:
Vivemos em paz, não há mal que nos possa acontecer, e quem
ousará ofender-nos? - não lhes dês crédito, porque de repente
levantar-se-á a ira de Deus, e então as suas obras serão
aniquiladas e frustados seus intuitos.
2. A quem ama não é dificultoso gloriar-se na tribulação; pois gloriar-
se assim é gloriar-se na cruz do Senhor (Gál 6,14). Pouco dura a
glória que os homens dão e recebem. A glória do mundo anda
sempre acompanhada de tristeza. A glória dos bons está na


própria consciência, e não na boca dos homens. A alegria dos
justos é de Deus e em Deus, a sua alegria procede da verdade.
Quem deseja a glória verdadeira e eterna não faz caso da
temporal. E quem procura a glória temporal ou não a despreza de
todo, mostra que pouco ama a celestial. Grande tranqüilidade do
coração goza aquele que não faz caso de elogios nem de
censuras.
3. É fácil estar contente e sossegado, tendo a consciência pura. Não
és mais santo porque te louvam, nem mais ruim porque te
censuram. És o que és, nem te podem os louvores fazer maior do
que és aos olhos de Deus. Se considerares o que és no teu
interior, não farás caso do que te dizem os homens. O homem vê o
rosto, Deus o coração (1 Rs 16,7). O homem nota os atos, mas
Deus pesa as intenções. Proceder sempre bem e ter-se em
pequena conta é indício de uma alma humilde. Rejeitar toda
consolação das criaturas é sinal de grande pureza e confiança
interior.
4. Aquele que não procura o testemunho favorável dos homens
mostra que está todo entregue a Deus. Porque, como diz S.Paulo,
não é aprovado aquele que a si próprio recomenda, mas aquele
que é recomendado por Deus (2Cor 10,18). Andar recolhido no
interior com Deus, sem estar preso a alguma afeição humana, é
próprio do homem espiritual.
CAPÍTULO 7
Do amor de Jesus sobre todas a coisas
1. Bem-aventurado aquele que compreende o que seja amar a Jesus
e desprezar-se a si por amor de Jesus. Por esse amor deves
deixar qualquer outro, pois Jesus quer ser amado acima de tudo. O
amor da criatura é anganoso e inconstante; o amor de Jesus é fiel
e inabalável. Apegado à criatura, cairás com ela, que é instável;
abraçado com Jesus, estarás firme para sempre. A Ele ama e
guarda como amigo que não te desamparará, quando todos te
abandonarem, nem consentirá que pereças na hora suprema. De
todos te hás de separar um dia, quer queiras, que não.
2. Conchega-te a Jesus na vida e na morte; entrega-te à sua
fidelidade, que só Ele te pode socorrer, quando todos te faltarem.
Teu Amado é de tal natureza, que não admite rival: Ele só quer
possuir teu coração e nele reinar como rei em seu trono. Se
souberas desprender-te de toda criatura, Jesus acharia prazer em


morar contigo. Quando confiares nos homens, fora de Jesus, verás
que estás perdido. Não te fies nem te firmes na cana movediça:
porque toda a carne é feno, e toda a sua glória fenece como a flor
do campo (Is 40,6).
3. Facilmente serás enganado, se só olhares para as aparências dos
homens. Se procuras alívio e proveito nos outros, quase sempre
terás prejuízo. Procura a Jesus em todas as coisas, e Jesus
acharás. Se te buscas a ti mesmo, também te acharás, mas para a
tua ruína. Pois o homem que não busca a Jesus é mais nocivo a si
mesmo que todo o mundo e seus inimigos todos.
CAPÍTULO 8
Da familiar amizade com Jesus
1. Quando Jesus está presente, tudo é suave e nada parece
dificultoso; mas, quando Jesus está ausente, tudo se torna penoso.
Quando Jesus não fala ao coração, nenhuma consolação tem
valor; mas se Jesus fala uma só palavra, sentimos grande alívio.
Porventura não se levantou logo Maria Madalena do lugar onde
chorava, quando Marta lhe disse: O Mestre está aí e te chama? (Jo
11,28). Hora bendita, quando Jesus te chama das lágrimas para o
gozo do espírito! Que seco e árido és sem Jesus! Que néscio e
vão, se desejas outra coisa, fora de Jesus! Não será isto maior
dano do que se perdesse o mundo inteiro?
2. Que te pode dar o mundo sem Jesus? Estar sem Jesus é terrível
inferno, estar com Jesus é doce paraíso. Se Jesus estiver contigo,
nenhum inimigo te pode ofender. Quem acha a Jesus acha
precioso tesouro, ou, antes, o bem superior a todo bem; quem
perde a Jesus perde muito mais do que se perdesse a todo o
mundo. Paupérrimo é quem vive sem Jesus, e riquíssimo quem
está bem com Jesus.
3. Grande arte é saber conversar com Jesus, e grande prudência
conservá-lo consigo. Sê humilde e pacífico, e contigo estará Jesus;
sê devoto e sossegado, e Jesus permanecerá contigo. Depressa
podes afugentar a Jesus e perder a sua graça, se te inclinares às
coisas exteriores; e se o afastas e o perdes, aonde irás e a quem
buscarás por amigo? Sem amigo não podes viver, e se não for
Jesus teu amigo acima de todos, estarás mui triste e
desconsolado. Logo, loucamente procedes, se em qualquer outro
confias e te alegras. Antes ter o mundo todo por adversário, que


ofender a Jesus. Acima de todos os teus amigos seja, pois, Jesus
amado dum modo especial.
4. Sê livre e puro no teu interior, sem apego a criatura alguma. É
mister desprenderes-te de tudo e ofereceres a Deus um coração
puro, se queres sossegar e ver como é suave o Senhor. E, com
efeito, tal não conseguirás, se não fores prevenido e atraído por
sua graça, de modo que, deixando e despedindo tudo mais, com
ele só estejas unido. Pois, quando lhe assiste a graça de Deus, de
tudo é capaz o homem; e quando ela se retira, logo fica pobre e
fraco, como que abandonado aos castigos. Ainda assim, não deves
desanimar nem desesperar, antes resignar-te na vontade de Deus,
e sofrer tudo que te acontecer, por honra de Jesus; pois ao inverno
sucede o verão, depois da noite volta o dia, e após a tempestade
reina a bonança.
CAPÍTULO 9
Da privação de toda consolação
1. Não é dificultoso desprezar as consolações humanas,
quando gozamos das divinas. Grande coisa, porém, e mui
meritória, é poder estar sem consolação, tanto divina como
humana, sofrendo de boa mente o desamparo do coração,
2. sem em nada buscar-se a si mesmo, nem atender ao seu
próprio merecimento. Que maravilha será estares alegre e
devoto, quando te assiste a graça! De todos é almejada esta
hora. E mui suave andar, levado pela graça de Deus. E que
maravilha não sentir a carga aquele que é sustentado pelo
Onipotente e acompanhado do guia supremo!
2. Gostamos de ter qualquer consolação, e é penoso ao homem
despojar-se de si mesmo. O glorioso mártir São Lourenço venceu o
mundo em união com seu pai espiritual, porque desprezou todos
os atrativos do século e sofreu com paciência, por amor de Cristo,
que o separassem do Supremo Pontífice São Xisto a quem ele
muito amava! Assim, com a amor de Deus, ele subjugou o amor da
criatura, e ao alívio humano preferiu o beneplácito divino. Daí
aprende tu a deixar, às vezes, por amor de Deus, um parente ou
amigo querido. Nem tanto te aflijas se te abandonar algum amigo,
sabendo que todos, finalmente, nos havemos de separar uns dos
outros.
3. Só com renhido e longo combate interior aprende o homem a
dominar-se plenamente e pôr em Deus todo o seu afeto. Quando o


homem confia em si, facilmente desliza nas consolações humanas.
Mas o verdadeiro amigo de Cristo e fervoroso imitador de suas
virtudes não se inclina às consolações nem busca tais doçuras
sensíveis; antes, procura exercícios austeros e sofre por Cristo
trabalhos penosos.
4. Quando, pois, Deus te mandar consolação espiritual, recebe-a com
ações de graças, mas lembra-te sempre que é mercê de Deus, e
não merecimento teu. Com isto, porém, não te desvaneças, nem te
entregues a excessiva alegria ou a vã presunção; sê antes mais
humilde pelo dom recebido, mais prudente e timorato em tuas
ações, pois passará aquela hora e voltará a tentação. Quando te
for tirada a consolação, não desesperes logo, aguarda, pelo
contrário, com humildade e paciência, a visita celestial; pois Deus é
bastante poderoso para restituir-te maior graça e consolação. Isto
não é novo nem estranho aos que são experientes nos caminhos
de Deus; porque nos grandes santos e antigos profetas houve
muitas vezes esta mudança.
5. Por isso um deles, sentindo a presença da graça, exclamava: Eu
disse em minha abundância: não serei abalado jamais (Sl 29,7).
Sentindo, porém, retirar-se a graça, acrescenta: Desviastes de
mim, Senhor, o vosso rosto, e fiquei perturbado (v.8). Entretanto
não desespera, mas com mais instância roga ao Senhor, e diz: A
vós, Senhor, clamarei, e ao meu Deus rogarei (v.9). Alcança, afinal,
o fruto de sua oração e atesta ter sido atendido, dizendo: Ouviu-me
o Senhor, e compadeceu-se de mim, o Senhor se fez meu protetor
(v.11). Mas em quê? Convertestes, diz ele, meu pranto em gozo, e
me cercastes de alegria (v.12). Se isto sucedeu aos grandes
santos, não devemos desesperar nós outros, fracos e pobres, por
nos sentirmos umas vezes com fervor, outras vezes com frieza
porque vai e vem o espírito de Deus, segundo lhe apraz. Por isso
diz o santo Jó: Senhor, visitais o homem na madrugada, e logo o
provais (7,18).
6. Em que posso, pois, esperar ou em que devo confiar, senão na
grande misericórdia de Deus e na esperança da graça celestial?
Porque, ou me assistem homens justos, irmãos devotos e amigos
fiéis, ou livros santos e formosos tratados, ou cânticos e hinos
suaves, tudo isso de pouco me serve e pouco me agrada, quando
estou desamparado da graça e entregue à minha própria pobreza.
Não há então melhor remédio que Deus.
7. Nunca encontrei homem tão religioso e devoto, que não sofresse,
às vezes, a subtração da graça e sentisse o arrefecimento do


fervor. Nenhum santo foi tão altamente arrebatado e esclarecido
que, antes ou depois, não fosse tentado. Porque não é digno da
alta contemplação de Deus quem por Deus não sofreu alguma
tribulação. Costuma vir primeiro a tentação, como sinal precursor
da próxima consolação; porque aos provados pela tentação é
prometido o celeste consolo. A quem tiver vencido, diz o Senhor,
darei a comer o fruto da árvore da vida (Apc 2,7).
8. Dá Deus a consolação, para fortalecer o homem contra as
adversidades. Segue-se então a tentação, para que não se
desvaneça a felicidade. O demônio não dorme, nem a carne já está
morta; por isso, não cesses nunca de aparelhar-te para a peleja,
porque à direita e à esquerda estão teus inimigos que nunca
descansam.
CAPÍTULO 10
Do agradecimento pela graça de Deus
1. Para que buscas repouso se nascestes para o trabalho? Dispõe-te
mais à paciência que à consolação, mais para levar a cruz que
para ter alegria. Quem dentre os mundanos não aceitaria de bom
gosto a consolação e a alegria espiritual, se a pudesse ter sempre
ao seu dispor? As consolações espirituais excedem todas as
delícias do mundo e todos os deleites da carne. Pois todas as
delícias do mundo ou são vãs ou torpes, e só as do espírito são
suaves e honestas, nascidas que são das virtudes e infundidas por
Deus nas almas puras. Mas ninguém pode lograr estas divinas
consolações à medida de seu desejo, porque não cessa por muito
tempo a guerra da tentação.
2. Grande obstáculo às visitas celestiais é a falsa liberdade do
espírito e a demasiada confiança em si mesmo. Deus faz bem
dando-nos a graça da consolação; mas o homem faz mal não
retribuindo tudo a Deus, com ação de graças. E se não se nos
infundem os dons da graça, é porque somos ingratos ao Autor, não
atribuindo tudo à fonte original. Pois sempre Deus concede a graça
a quem dignamente se mostra agradecido e tira ao soberbo o que
costuma dar ao humilde.
3. Não quero consolação que me tire a compunção, nem desejo
contemplação que me seduz ao desvanecimento; porque nem tudo
que é sublime é santo, nem tudo que é agradável é bom, nem todo
desejo é puro, nem tudo que nos deleita agrada a Deus. De boa
mente aceito a graça, que me faz humilde e timorato e me dispõe


melhor para renunciar a mim mesmo. O homem instruído pela
graça e experimentado com sua subtração não ousará atribuir-se
bem algum, antes reconhecerá sua pobreza e nudez. Dá a Deus o
que é de Deus, e atribui a ti o que é teu; isto é, dá graças a Deus
pela graça, e só a ti atribui a culpa e a pena que a culpa merece.
4. Põe-te sempre no ínfimo lugar, e dar-te-ão o supremo, porque o
mais alto não existe sem o apoio do inferior. Os maiores santos
diante de Deus são os que se julgam menores, e quanto mais
glorioso, tanto mais humildes são no seu conceito. Como estão
cheios de verdade e glória celestial, não cobiçam a glória vã. Em
Deus fundados e firmados, nada os pode ensoberbecer. Atribuindo
a Deus todo o bem que receberam, não pretendem a glória uns
dos outros; só querem a glória que procede de Deus; seu único
fim, seu desejo constante é que ele seja louvado neles e em todos
os santos, acima de todas as coisas.
5. Agradece, pois, os menores benefícios e maiores merecerás.
Considera como muito o pouco, e o menor dom por dádiva
singular. Se considerarmos a grandeza do benfeitor, não há dom
pequeno ou de pouco valor; porque não pode ser pequena a
dádiva que nos vem do soberano Senhor. Ainda quando nos der
penas e castigos, Lho devemos agradecer, porque sempre é para
nossa salvação quanto permite que nos suceda. Se desejares a
graça de Deus, sê agradecido quando a recebes e paciente
quando a perdes. Roga que ela volte, anda cauteloso e humilde,
para não vires a perdê-la.
CAPÍTULO 11
Quão poucos são os que amam a cruz de Jesus
1. Muitos encontram Jesus agora apreciadores de seu reino celestial;
mas poucos que queiram levar a sua cruz. Tem muitos sequiosos
de consolação, mas poucos da tribulação; muitos companheiros à
sua mesa, mas poucos de sua abstinência. Todos querem gozar
com ele, poucos sofrer por ele alguma coisa. Muitos seguem a
Jesus até ao partir do pão, poucos até beber o cálice da paixão.
Muitos veneram seus milagres, mas poucos abraçam a ignomínia
da cruz. Muitos amam a Jesus, enquanto não encontram
adversidades. Muitos O louvam e bendizem, enquanto recebem
d’Ele algumas consolações; se, porém, Jesus se oculta e por um
pouco os deixa, caem logo em queixumes e desânimo excessivo.


2. Aqueles, porém, que amam a Jesus por Jesus mesmo e não por
própria satisfação, tanto O louvam nas tribulações e angústias,
como na maior consolação. E posto que nunca lhes fosse dada a
consolação, sempre O louvariam e Lhe dariam graças.
3. Oh! Quanto pode o amor puro de Jesus, sem mistura de interesse
ou amor-próprio! Não são porventura mercenários os que andam
sempre em busca de consolações? Não se amam mais a si do que
a Cristo os que estão sempre cuidando de seus cômodos e
interesses? Onde se achará quem queira servir
desinteressadamente a Deus?
4. É raro achar um homem tão espiritual que esteja desapegado de
tudo. Pois o verdadeiro pobre de espírito e desprendido de toda
criatura - quem o descobrirá? Tesouro precioso que é necessário
buscar nos confins do mundo (Prov 31,10). Se o homem der toda a
fortuna, não é nada. E se fizer grande penitência, ainda é pouco.
Compreenda embora todas as ciências, ainda estão muito longe. E
se tiver grande virtude de devoção ardente, muito ainda lhe falta, a
saber: uma coisa que lhe é sumamente necessária. Que coisa será
esta? Que, deixado tudo, se deixa a si mesmo e saia totalmente de
si, sem reservar amor-próprio algum, e, depois de feito tudo que
soube fazer, reconheça que nada fez.
5. Não tenha em grande conta o pouco que nele possa ser avaliado
por grande: antes, confesse sinceramente que é um servo inútil,
como nos ensina a Verdade. Quando tiverdes cumprido tudo que
vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis (Lc 17,10). Então,
sim, o homem poderá chamar-se verdadeiramente pobre de
espírito e dizer com o profeta: Sou pobre e só neste mundo (Sl
24,16). Entretanto, ninguém é mais poderoso, ninguém mais livre
que aquele que sabe
deixar-se a si e a todas as coisas e colocar-se no último lugar.
CAPÍTULO 12
Da estrada real da santa cruz
1. A muitos parece dura esta palavra: Renuncia a ti mesmo, toma a
tua cruz e segue a Jesus Cristo (Mt 16,24). Muito mais duro,
porém, será de ouvir aquela sentença final: Apartai-vos de mim,
malditos, para o fogo eterno (Mt 25,41). Pois os que agora ouvem e
seguem, docilmente, a palavra da cruz não recearão então a
sentença da eterna condenação. Este sinal da cruz estará no céu,


quando o Senhor vier para julgar. Então todos os servos da cruz,
que em vida se conformam com Cristo crucificado, com grande
confiança chegar-se-ão a Cristo juiz.
2. Por que temes, pois, tomar a cruz, pela qual se caminha ao reino
do céu? Na cruz está a salvação, na cruz a vida, na cruz o amparo
contra os inimigos, na cruz a abundância da suavidade divina, na
cruz a fortaleza do coração, na cruz o compêndio das virtudes, na
cruz a perfeição da santidade. Não há salvação da alma nem
esperança da vida, senão na cruz. Toma, pois, a tua cruz, segue a
Jesus e entrarás na vida eterna. O Senhor foi adiante, com a cruz
às costas, e nela morreu por teu amor, para que tu também leves a
tua cruz e nela desejes morrer. Porquanto, se com ele morreres,
também com ele viverás. E, se fores seu companheiro na pena,
também o serás na glória.
3. Verdadeiramente, da cruz tudo depende, e em morrer para si
mesmo está tudo; não há outro caminho para a vida e para a
verdadeira paz interior, senão o caminho da santa cruz e da
contínua mortificação. Vai para onde quiseres, procura quanto
quiseres, e não acharás caminho mais sublime em cima nem mais
seguro embaixo que o caminho da santa cruz. Dispõe e ordena
tudo conforme teu desejo e parecer, e verás que sempre hás de
sofrer alguma coisa, bom ou mau grado teu; o que quer dizer que
sempre haverás de encontrar a cruz. Ou sentirás dores no corpo,
ou tribulações no espírito.
4. Ora serás desamparado de Deus, ora perseguido do próximo, e o
que é pior não raro serás molesto a ti mesmo. E não haverá
remédio e nem conforto que te possa livrar ou aliviar; cumpre que
sofras quanto tempo Deus quiser. Pois Deus quer ensinar-te a
sofrer a tribulação sem alívio, para que de todo te submetas a ele e
mais humilde te faças pela tribulação. Ninguém sente tão
vivamente a paixão de Cristo como quem passou por semelhantes
sofrimentos. A cruz, pois, está sempre preparada e em qualquer
lugar te espera. Não lhe podes fugir, para onde quer que te voltes,
pois em qualquer lugar a que fores, te levarás contigo e sempre
encontrarás a ti mesmo. Volta-te para cima ou para baixo, volta-te
para fora ou para dentro, em toda parte acharás a cruz; e é
necessário que sempre tenhas paciência, se queres alcançar a paz
da alma e merecer a coroa eterna.
5. Se levares a cruz de boa vontade, ela te há de levar e conduzir ao
termo desejado, onde acaba o sofrimento, posto que não seja
neste mundo. Se a levares de má vontade, aumenta-lhe o peso e


fardo maior te impões; contudo é forçoso que a leves. Se rejeitares
uma cruz, sem dúvida acharás outra, talvez mais pesada.
6. Pensas tu escapar àquilo de que nenhum mortal pôde eximir-se?
Que santo houve no mundo sem tribulação? Nem Jesus Cristo,
Senhor Nosso, esteve uma hora, em toda a sua vida, sem dor e
sofrimento. Convinha, disse ele, que Cristo sofresse e ressurgisse
dos mortos, e assim entrasse na sua glória (Lc 24,26). Como, pois,
buscas tu outro caminho que não seja o caminho real da santa
cruz?
7. Toda a vida de Cristo foi cruz e martírio; e tu procuras só descanso
e gozo? Andas errado, e muito errado, se outra coisa procuras e
não sofrimentos e tribulações; pois toda esta vida mortal está cheia
de misérias e assinalada de cruzes. E quanto mais uma pessoa faz
progressos na vida espiritual, tanto maiores cruzes encontra,
muitas vezes, porque o amor lhe torna o exílio mais doloroso.
8. Mas, apesar de tantas aflições, o homem não está sem o alívio da
consolação, porque sente o grande fruto que lhe advém à alma
pelo sofrimento da cruz. Pois, quando de bom grado a toma às
costas, todo o peso da tribulação se lhe converte em confiança na
divina consolação. E quanto mais a carne é cruciada pela aflição,
tanto mais se fortalece o espírito pela graça interior. E, às vezes,
tanto se fortalece, pelo amor das penas e tribulações que, para
conformar-se com a cruz de Cristo, não quisera estar sem dores e
sofrimentos, pois julga ser tanto mais aceito a Deus, quanto mais e
maiores males sofre por seu amor. Não é isto virtude humana, mas
graça de Cristo, que tanto pode e realiza na carne frágil, que o
espírito com ardor abraça e ama o que a natureza aborrece e foge.
1. Não é conforme à inclinação humana levar a cruz, amar a
cruz, cartigar o corpo e impor-lhe sujeição, fugir às honras,
2. aceitar as injúrias, desprezar-se a si mesmo e desejar ser
desprezado, suportar as aflições e desgraças e não almejar
prosperidade alguma neste mundo. Se olhares somente a ti,
reconheces que de nada disso és capaz. Mas, se confiares
em Deus, do céu te será concedida a fortaleza, e sujeitar-se-
ão ao teu mando o mundo e a carne. Nem o infernal inimigo
temerás, se andares escudado na fé e armado com a cruz de
Cristo.
9. Portanto, como bom e fiel servo de Cristo, dispõe-te a levar a cruz
do teu Senhor, por teu amor crucificado. Prepara-te a sofrer muitos
contratempos e incômodos nesta vida miserável, pois em todaa
parte, onde quer que estiveres, ou te esconderes, os encontrarás.


Convém que assim seja e não há outro remédio contra a tribulação
da dor e dos males senão sofrê-los com paciência. Bebe,
generoso, o cálice do Senhor, se queres ser seu amigo e ter parte
com ele. Entrega a Deus as consolações, para ele dispor delas
como lhe aprouver. Tu, porém, dispõe-te a suportar as tribulações
e considera-as como as consolações mais preciosas, porquanto
não têm proporção as penas do tempo com a glória futura (Rom
8,18) que havemos de merecer, ainda que tu só as devesses sofrer
todas.
10. Quando chegares a tal ponto que a tribulação te seja doce e
amável por amor de Cristo, dá-te por feliz, pois achaste
o paraíso na terra. Enquanto o padecer te é molesto e procuras fugir-lhe,
andas mal, e em toda parte te persegue o medo da tribulação.
1. Se te resolveres ao que deves, isto é, a padecer e morrer, logo te
sentirás melhor e acharás paz. Ainda que fosses arrebatado, com
S.Paulo, ao terceiro céu, nem por isso estarias livre de sofrer
alguma contrariedade. Eu, diz Jesus, mostrar-lhes-ei quanto terá
de sofrer por meu nome (At 9,16). Não te resta, pois, senão sofrer
se pretendes amar e servir a Jesus para sempre.
2. Oxalá fosses digno de sofrer alguma coisa pelo nome de Jesus!
Que grande glória resultaria para ti, que alegria para os santos de
Deus, e que edificação para o próximo! Pois todos recomendam a
paciência, ainda que poucos queiram praticá-la. Com razão devias
padecer, de bom grado, este pouco por amor de Cristo, quando
muitos sofrem pelo mundo coisas incomparavelmente maiores.
3. Fica sabendo e tem por certo que tua vida deve ser uma morte
contínua, e quanto mais cada um morre a si mesmo, tanto mais
começa a viver para Deus. Só é capaz de compreender as coisas
do céu quem por Cristo se resolve a sofrer toda adversidade. Nada
neste mundo é mais agradável a Deus nem mais proveitoso a ti,
que o sofrer, de bom grado, por Cristo. E se te dessem a escolha,
antes deverias desejar sofrer adversidade, por amor de Cristo, do
que ser recreado com muitas consolações porque assim serias
mais conforme a Cristo, e mais semelhante a todos os santos.
Porquanto não consiste nosso merecimento e progresso espiritual
em ter muitas doçuras e consolações, mas em sofrer grandes
angústias e tribulações.
4. Se houvera coisa melhor e mais proveitosa para a salvação dos
homens do que o padecer, Cristo, de certo, o teria ensinado com
palavras e exemplo. Pois claramente exorta seus discípulos e


quantos o desejam seguir a que levem a cruz, dizendo: Quem
quiser vir após mim renuncie a si mesmo, tome sua cruz, e siga-me
(Lc 9,23). Seja, pois, de todas as lições e estudos este o resultado
final: Cumpre-nos passar por muitas tribulações, para entrar no
reino de Deus (At 14,21).
LIVRO TERCEIRO
DA CONSOLAÇÃO INTERIOR
CAPÍTULO 1
Da comunicação íntima de Cristo com a alma fiel
1. Ouvirei o que em mim disser o Senhor meu Deus (Sl 84,9). Bem-
aventurada a alma que ouve em si a voz do Senhor e recebe de
seus lábios palavras de consolação! Benditos os ouvidos que
percebem o sopro do divino sussurro e nenhuma atenção prestam
às sugestões do mundo! Bem-aventurados, sim, os ouvidos que
não atendem às vozes que atroam lá fora, mas à Verdade que os
ensina lá dentro! Bem-aventurados os olhos que estão fechados
para as coisas exteriores e abertos para as interiores! Bem-
aventurados aqueles que penetram as coisas interiores e se
empenham, com exercícios contínuos de piedade, em
compreender, cada vez melhor, os celestes arcanos. Bem
aventurados os que com gosto se entregam a Deus e se
desembaraçam de todos os empenhos do mundo. Considera bem
isso, ó minha alma, e fecha as portas dos sentidos, para que
possas ouvir o que em ti falar o Senhor teu Deus. Eis o que te diz o
teu Amado:
2. Eu sou tua salvação, tua paz e tua vida. Fica comigo e acharás
paz. Deixa todas as coisas transitórias e busca as eternas. Que é
todo o temporal, senão engano sedutor? E de que te servem todas
as criaturas, se o Criador te abandonar? Renuncia, pois, a tudo,
entrega-te dócil e fiel a teu Criador, para que possas alcançar a
verdadeira felicidade.
CAPÍTULO 2
Que a verdade fala dentro de nós, sem estrépito de palavras


1. Falai, Senhor, que o vosso servo escuta: Vosso servo sou eu, daí-
me inteligência para que conheça os vossos ensinamentos. Inclinai
meu coração às palavras de vossa boca; nele penetre, qual
orvalho, vosso discurso (1Rs 3,10; Sl 118.36.125; Dt 32,2). Diziam,
outrora, os filhos de Israel a Moisés: Fala-nos tu e te ouviremos;
não nos fale o Senhor, para que não morramos (Êx 20,19). Não
assim, Senhor, não assim, vos rogo eu; antes, como o profeta
Samuel, humilde e ansioso, vos suplico: Falai, Senhor, que o vosso
servo escuta. Não fale Moisés, nem algum dos profetas, mas falai-
me de vós, Senhor, Deus, que inspirastes e iluminastes todos os
profetas, porque vós podeis, sem eles, me ensinar perfeitamente,
ao passo que eles, sem vós, de nada me serviriam.
2. Podem muito bem proferir palavras, mas não conseguem dar o
espírito; falam com muita elegância, mas, se vós vos calais, não
inflamam o coração. Ensinam a letra; vós, porém, explicais o
sentido. Propõem os mistérios, mas vós descobris a significação
das figuras. Proclamam os mandamentos, mas vós ajudais a
cumpri-los. Mostram o caminho, mas vós dais força para segui-lo.
Eles regam a superfície, mas vós dais a fecundidade. Eles clamam
com palavras, mas vós dais a inteligência ao ouvido.
3. Não me fale, pois, Moisés, mas vós, Senhor meu Deus, Verdade
eterna, para que não morra sem ter alcançado fruto algum, se só
for admoestado por fora e não abrasado interiormente; e não seja
minha condenação a palavra ouvida e não praticada, conhecida e
não amada, criada e não observada. - Falai, pois, Senhor, que o
vosso servo escuta; porque possuís palavras de vida eterna (1 Rs
3,10; Jo 6,69). Falai-me para consolação de minha alma e emenda
de minha vida, também para louvor, glória e perpétua honra vossa.
CAPÍTULO 3
Como as palavras de Deus devem ser ouvidas com humildade e
como muitos não as ponderam
1. Jesus: Ouve, filho, as minhas palavras, palavras suavíssimas que
excedem toda a ciência dos filósofos e sábios deste mundo. As
minhas palavras são espírito e vida (Jo 6,64), e não se devem
interpretar humanamente. Não devem ser abusadas para vã
complacência, mas devem ser ouvidas em silêncio e recebidas
com máxima humildade e grande afeto.


2. A alma: E disse eu: Bem-aventurado o homem a quem instruís,
Senhor, e lhe ensinais a vossa lei, para suavizar-lhe os dias maus
e dar-lhe consolo neste mundo (Sl 93, 12.13).
3. Jesus: Eu, diz o Senhor, desde o princípio ensinei aos profetas e
ainda agora não cesso de falar a todos; mas muitos são
insensíveis e surdos à minha voz. A muitos agrada mais a voz do
mundo que a de Deus; mais facilmente seguem os apetites da
carne que o preceito divino. O mundo promete apenas coisas
temporais e mesquinhas e é servido com grande ardor; eu prometo
bens sublimes e eternos, e só encontro frieza nos corações dos
mortais. Quem há que me sirva e obedeça em tudo com tanto
empenho como se serve ao mundo e aos seus senhores?
Envergonha-te, Sidon, diz o mar (Is 23, 4). E se queres saber por
que, ouve o motivo: Por um pequeno salário se empreendem
grandes viagens, e pela vida eterna muitos nem dão um passo
sequer. Busca-se o lucro vil; por um vintém, às vezes, há torpes
brigas; por uma ninharia e promessa mesquinha não se teme a
fadiga, nem de dia, nem de noite.
1. Mas que vergonha! Pelo bem imutável, pelo prêmio
inestimável, para honra suprema e pela glória sem fim, o
menor esforço nos cansa. Envergonha-te, pois, servo
preguiçoso e murmurador, por serem os mundanos mais
solícitos para a perdição que tu para a salvação. Procuram
eles com mais gosto a vaidade que tu a verdade. Entretanto,
não raro, sua esperança os engana; mas minha promessa a
ninguém falta, nem despede com as mãos vazias ao que em
mim confia. Darei o que prometi, cumprirei o que disse,
contanto que se persevere fiel no meu amor até ao fim. Eu
sou quem
2. remunera todos os bons e sujeita a provas duras todos os
devotos.
3. Grava minhas palavras em teu coração e medita-as
atentamente, porque te serão muito necessárias na hora da
tentação. Coisas que agora não entendes quando lês,
entenderás quando eu te visitar. De dois modos costumo
visitar meus eleitos: pela tentação e pela consolação. E duas
lições lhes dou cada dia: numa repreendo-lhes os vícios e
noutra exorto-os ao progresso na virtude. Quem ouve a
minha palavra e a despreza, por ela será julgado no último
dia.
4. Oração para implorar a graça da devoção


4. A alma: Meu Senhor e meu Deus! Vós sois todo o meu bem. E
quem sou eu para me atrever a falar-vos? Eu sou vosso
paupérrimo servo, um vil vermezinho, muito mais pobre e
desprezível do que sei e ouso dizer. Lembrai-vos, Senhor, de que
sois bom, justo e santo; vós tudo podeis, tudo dais, tudo encheis, e
só ao pecador deixais vazio. Lembrai-vos de vossas misericórdias
(Sl 24,6) e enchei meu coração com a vossa graça, pois não
quereis que sejam infrutuosas vossas obras.
5. Como poderei eu, nesta miserável vida, suportar-me a mim
mesmo, se não me confortar vossa graça e misericórdia? Não
desvieis de mim a vossa face, não demoreis a vossa visita, não me
tireis o vosso consolo, para que não fique a minha alma diante de
vós qual terra sem água (Sl 142, 6). Ensinai-me, Senhor, a fazer
vossa vontade (Sl 142, 10), ensinai-me a andar em vossa
presença, digna e humildemente; pois vós sois minha sabedoria,
que em verdade me conheceis antes de ser feito o mundo, e antes
de eu nascer na terra.
CAPÍTULO 4
Que devemos andar perante Deus em verdade e humildade
1. Jesus: Filho, anda diante de mim em verdade e procura-me
sempre com simplicidade de coração. Quem anda diante de mim
na verdade será defendido dos ataques inimigos, e a verdade o
livrará dos enganos e das murmurações dos maus. Se te libertar a
verdade, serás verdadeiramente livre e não farás caso das vãs
palavras dos homens.
2. A alma: Verdade é, Senhor, o que dizeis; peço-vos que assim se
faça comigo. A vossa verdade me ensine, me defenda e me
conserve até meu fim salutar. Ela me livre de toda má afeição e
amor desregrado e assim poderei andar convosco, com grande
liberdade de coração.
3. Jesus: Eu te ensinarei, diz a Verdade, o que é justo e agradável a
meus olhos. Relembra teus pecados com grande dor e pesar e
jamais te desvaneças por tuas boas obras. Com efeito, és pecador,
sujeito a muitas paixões e preso em seus laços. De ti pendes
sempre para o nada; depressa cais, logo és vencido, logo
perturbado, logo desanimado. Nada tens de que possas gloriar-te;
muito, porém, para te humilhar; pois és muito mais fraco do que
podes imaginar.


4. Nada, pois, do que fazes te pareça grande, nada precioso e
admirável, nada digno de apreço, nada nobre, nada
verdadeiramente louvável e desejável, senão o que é eterno.
Acima de tudo te agrade a eterna verdade, e te desagrade a tua
extrema vileza. Nada temas, nada vituperes e fujas tanto como os
teus vícios de pecados, que te devem entristecer mais do que
quaisquer prejuízos materiais. Alguns não andam diante de mim
com simplicidade, mas, curiosos e arrogantes, pretendem saber
meus segredos e compreender os sublimes mistérios de Deus,
descurando-se de si próprios e de sua salvação. Estes, por sua
soberba e curiosidade, não raro caem em grandes tentações e
pecados, porque me afasto deles.
5. Teme os juízos de Deus, treme da ira do Onipotente. Não queiras
discutir as obras do Altíssimo; examina antes as tuas iniqüidades,
quanto mal cometestes e quanto bem deixastes de fazer por
negligência. Alguns põem toda a sua devoção nos livros, outros
nas imagens, outros em sinais e exercícios exteriores. Alguns me
trazem na boca, mas mui pouco no coração. Outros há, porém,
que, alumiados no entendimento e purificados no afeto, sempre
suspiram pelos bens eternos; não gostam de ouvir das coisas da
terra e com repugnância satisfazem as exigências da natureza;
estes percebem o que lhe diz o Espírito da Verdade. Pois lhes
ensina a desprezar as coisas terrenas e amar as celestiais, a
esquecer o mundo e almejar o céu dia e noite.
CAPÍTULO 5
Dos admiráveis efeitos do amor divino
1. A alma: Bendigo-vos, Pai celestial, Pai de meu Senhor Jesus
Cristo, por vos terdes dignado lembrar-vos de mim, pobre criatura.
Ó Pai de misericórdia e Deus de toda consolação! (2Cor 1,3),
graças vos dou porque, apesar de minha indignidade, me recreais
às vezes com vossa consolação. Sede para sempre bendito e
glorificado, com vosso Filho unigênito e o Espírito Santo
consolador, por todos os séculos. Ah! Senhor Deus, santo amigo
de minha alma, tanto que entrais em meu coração, exulta de
alegria o meu interior. Vós sois a minha glória e o júbilo de meu
coração; vós sois a minha esperança e meu refúgio no dia da
tribulação.
2. Mas, como ainda sou fraco no amor e imperfeito na virtude,
necessito ser consolado e confortado por vós; por isso visitai-me


mais vezes e instruí-me com santas doutrinas. Livrai-me das más
paixões e curai meu coração de todos os afetos desordenados,
para que eu, sanado e purificado interiormente, seja apto para
amar, forte para sofrer e constante para perseverar.
3. Jesus: Grande coisa é o amor! E um bem verdadeiramente
inestimável que por si só torna suave o que é difícil e suporta
sereno toda a adversidade. Porque leva a carga sem lhe sentir o
peso e torna o amargo doce e saboroso. O amor de Jesus é
generoso, inspira grandes ações e nos excita sempre à mais alta
perfeição. O amor tende sempre para as alturas e não se deixa
prender pelas coisas inferiores. O amor deseja ser livre e isento de
todo apego mundano, para não ser impedido no seu afeto íntimo
nem se embaraçar com algum incômodo. Nada mais doce do que
o amor, nada mais forte, nada mais delicioso, nada mais perfeito
ou melhor no céu e na terra; porque o amor procede de Deus, e em
Deus só pode descansar, acima de todas as criaturas.
4. Quem ama, voa, corre, vive alegre, é livre e sem embaraço. Dá
tudo por tudo e possui tudo em todas as coisas, porque sobre
todas as coisas descansa no Sumo Bem, do qual dimanam e
procedem todos os bens. Não olha para as dádivas, mas eleva-se
acima de todos os bens até Àquele que os concede. O amor
muitas vezes não conhece limites, mas seu ardor excede a toda
medida. O amor não sente peso, não faz caso das fadigas e quer
empreender mais do que pode; não se escusa com a
impossibilidade, pois tudo lhe parece lícito e possível. Por isso de
tudo é capaz e realiza obras, enquanto o que não ama desfalece e
cai.
5. O amor vigia sempre, e até no sono não dorme. Nenhuma fadiga o
cansam nenhuma angústia o aflige, nenhum temor
o assusta, mas qual viva chama a ardente labareda irrompe para o alto e
passa avante. Só quem ama compreende o que é amar. Bem alto soa
aos ouvidos de Deus o afeto da alma que diz: Meu Deus, meu amor! Vós
sois todo meu, e eu todo vosso!
1. A alma: Dilatai-me o amor, para que possa, no âmago do coração,
saborear quão doce é amar, no amor desmancharme e nadar.
Prenda-me o amor, e eleve-me acima de mim, num transporte de
fervor excessivo. Cante eu o cântico do amor, siga-vos ao alto, ó
meu Amado, desfaleça minha alma no nosso louvor, no júbilo do
amor. Amar-vos quero mais que a mim, e a mim só por amor de


vós, e em vós a todos que deveras vos amam, conforme ordena a
lei do amor que de vós dimana.
2. O amor é pronto, sincero, piedoso, alegre e amável; forte, sofredor,
fiel, prudente, longânime, viril e nunca busca a si mesmo. Pois,
logo que alguém procura a si mesmo, perde o amor. O amor é
circunspecto, humilde e reto; não é frouxo, não é leviano, nem
cuida de coisas vãs; é sóbrio, casto, constante, quieto, recatado
em todos os seus sentidos. O amor é submisso e obediente aos
superiores, mas aos próprios olhos é vil e desprezível; devoto e
agradecido para com Deus, confia e espera sempre nele, ainda
quando está desconsolado, porque no amor não se vive sem dor.
3. Quem não está disposto a sofrer tudo e fazer a vontade do Amado
não é digno de ser chamado amante. Àquele que ama cumpre
abraçar por seu Amado, de boa vontade, tudo o que for duro e
amargo e dele não se apartar por nenhuma contrariedade.
CAPÍTULO 6
Da prova do verdadeiro amor
1. Jesus: Filho, não és ainda forte nem prudente no amor. - A alma:
Por que, Senhor? - Jesus: Porque por qualquer contrariedade
deixas o começado e com ânsia excessiva procuras a consolação.
O homem forte no amor permanece firme nas tentações e não dá
crédito às astuciosas sugestões do inimigo. Assim como lhe agrado
na prosperidade, não lhe desagrado nas tribulações.
1. Quem ama discretamente não considera tanto a dádiva de
quem ama, como o amor de quem dá. Atende mais à
2. intenção que ao valor do dom, e a todas as dádivas estima
menos que o Amado. Quem ama nobremente não repousa
no dom, mas em mim acima de todos os dons. Nem tudo
está perdido, se sentires, às vezes, menos devoção, a mim
ou meus santos, do que desejaras. Aquele sentimento terno
e doce que experimentas, às vezes, é efeito da graça
presente, um como que antegosto da pátria celestial; nele
não te deves firmar muito, porquanto vai e vem. Mas pelejar
contra os maus movimentos do coração e desprezar as
sugestões do demônio é sinal de virtude e grande
merecimento.
2. Não te perturbem, pois, estranhas imaginações, oriundas de
matéria qualquer. Guarda firme teu propósito, e tua reta intenção
fixa em Deus. Não é ilusão o seres, alguma vez, subitamente


arrebatado em êxtase, e logo depois caíres de novo nos
costumados desvarios do coração. Porque mais os padeces contra
a vontade do que és causa deles, e enquanto te desagradarem e
os repelires, serão para ti ocasião de merecimento e não de
perdição.
3. Fica sabendo que o antigo inimigo de todos os modos se esforça
por impedir-te os bons desejos e apartar-te de todos os exercícios
devotos, nomeadamente da veneração dos santos, da devota
memória de minha paixão, da salutar lembrança dos pecados, da
vigilância sobre o próprio coração e do firme propósito de
aproveitar na virtude. Sugere-te muitos maus pensamentos para te
causar tédio e horror e arredar-te da oração e leitura espiritual.
Desagrada-lhe muito a confissão humilde e, se pudesse, far-te-ia
abandonar a comunhão. Não lhes dês crédito, nem faças caso
dele, posto que muitas vezes de arme laços e enganos. Leva à sua
conta os pensamentos maus e desonestos que te sugere. Dize-lhe:
Retira-te, espírito imundo, desgraçado, sem-vergonha; muito
perverso deves ser para me insinuares tais coisas! Vai-te daqui,
malvado sedutor, não terás em mim parte alguma, que Jesus
estará comigo, qual guerreiro invencível, e tu ficarás confundido.
Antes quero morrer e sofrer todos os tormentos, que te fazer a
vontade; cala-te e emudece; não te escutarei, por mais que me
molestes. O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem
temerei. Levante-se embora contra mim um exército, não temerá
meu coração. O Senhor é meu socorro e meu Salvador (Sl 26, 1.6;
18,17).
4. Peleja como bom soldado e, se alguma vez caíres por fraqueza,
torna a cobrar maiores forças que as anteriores, tendo certeza que
receberás mais copiosa graça; acautela-te, porém, muito contra a
vã complacência e a soberba. Por falta desta vigilância andam
muitos enganados e caem, às vezes, em cegueira incurável. A
ruína destes soberbos, que loucamente presumem de si próprios,
sirva-te de cautela e te conserve na virtude da humildade.
CAPÍTULO 7
Como se há de ocultar a graça sob a guarda da humildade
1. Jesus: Filho, muito útil e seguro te é encobrir a graça da devoção,
sem te desvanceceres ou te preocupares muito com ela; convindo
antes desprezar-te a ti mesmo e temer que não sejas digno da
graça recebida. Importa não estares muito apegado a tais


sentimentos, que bem depressa podem mudar-se nos contrários.
Com a graça presente, pondera quão miserável e pobre és sem
ela. O progresso na vida espiritual não consiste tanto em teres a
graça da consolação, mas em suporta-lhe com humildade,
abnegação e paciência a privação, de sorte que então não
afrouxes no exercício da oração, nem deixes de todo as demais
boas obras que costumas praticar. Antes faze tudo de boa vontade,
como melhor puderes e entenderes, nem te descuides totalmente
de ti por causa das securas e ansiedades espirituais.
2. Muitos há que se deixam levar pela impaciência e pelo desalento,
logo que as coisas não correm como desejam. Pois nem sempre
está nas mãos do homem o seu caminho (Jer 10,23), mas a Deus
pertence consolar e dar a graça quando quiser, e quanto quiser, a
quem quiser, tudo como lhe apraz, nem mais nem menos.
Perderam-se alguns imprudentes por causa da graça da devoção,
porque quiseram fazer mais do que podiam, não ponderando a
fraqueza das suas forças e seguindo mais o impulso do coração
que os ditames da razão. E porque presumiram de si coisas bem
depressa perderam a graça. Caíram maiores do que Deus havia
determinado, na pobreza e no abatimento os que pretendiam pôr
seu ninho no céu, para assim, humilhados e empobrecidos,
aprenderem a não voar com suas próprias asas, mas a esperar à
sombra das minhas. Os novos e principiantes no caminho do
Senhor facilmente se podem enganar e perder, se não se
aconselharem com homens experientes.
3. Estes, se quiserem antes seguir seu próprio parecer, que confiar
no conselho de pessoas experimentadas, põem em grande risco
sua salvação, se continuarem aferrados à sua opinião. Os que se
têm por sábios raro se deixam dirigir pelosoutros. É melhor saber e
entender pouco, humildemente, que possuir tesouros de ciência e
presumir de si. Melhor te é ter menos do que muito, se com o muito
te vem o orgulho. Não é bastante prudente quem se entrega todo à
alegria, esquecido da antiga pobreza e do casto temor de Deus
que sempre receia perder a graça concedida. Nem tampouco muita
virtude denota entregar-se a nímio desânimo em tempo de
adversidade e por qualquer contratempo, sem pôr em mim a
confiança devida.
4. Quem se dá por muito seguro no tempo de paz, muitas vezes se
revela tímido e covarde em tempo de guerra. Se te souberes
conservar sempre humilde e pequeno no teu conceito, e governar
com moderação teu espírito, não cairás tão depressa na tentação e


no pecado. É de aconselhar, quando sentes fervor de espírito,
meditar no que será de ti, retirando-se esta graça. E quando isto de
fato acontecer, pensa que a luz pode voltar, que ta tirei por algum
tempo, para tua cautela e minha glória.
5. Tal provação, muitas vezes, te é mais proveitosa do que se tudo te
saísse à medida de teu desejo. Pois não se devem avaliar os
merecimentos do homem pelas muitas visões e consolações, nem
pela perícia nas Escrituras, nem pela elevação do cargo. Mas, para
conhecer o valor de cada um, considera: se está fundamentado na
verdadeira humildade e vive cheio de amor de Deus; se sempre
busca a honra de Deus com pura e reta intenção; se se despreza a
si mesmo, nem faz caso algum de si, e se gosta mais de ser
desprezado e humilhado do que estimado pelos homens.
CAPÍTULO 8
Da vil estima de si próprio ante os olhos de Deus
1. A alma: Ao meu Senhor falarei, ainda que seja pó e cinza (Gn
18,27). Se eu me tiver em maior conta, eis que vos ergueis contra
mim, e ao testemunho verdadeiro que dão meus pecados, não
posso contradizer. Mas se me tiver por vil e me aniquilar, deixando
toda a vã estima de mim mesmo, e me reduzir a pó, que sou na
verdade, ser-me-à propícia a vossa graça, e a vossa luz há de vir
em meu coração, e todo sentimento de amor-próprio, por mínimo
que seja, perder-se-á no abismo do meu nada e perecerá para
sempre. Ali me dais a conhecer o que sou, o que fui, a que ponto
cheguei; porque sou nada - e não o sabia. Abandonado a mim
mesmo, sou um puro nada e a mesma fraqueza; tanto, porém, que
lançais um olhar sobre mim, logo me sinto forte e cheio de nova
alegria. E é grande maravilha que tão sabiamente me levantais e
tão benigno me abraçais, a mim, que pelo próprio peso pendo
sempre para a terra.
2. Isto é obra do vosso amor, que me previne gratuitamente,
socorrendo-me em mil necessidades, guardando-me de males,
para bem dizer, infindos. Perdi-me, amando-me
desordenadamente; mas, buscando a vós unicamente, e amando
com puro amor, a mim me achei e a vós também, e este amor me
fez ainda mais aprofundar-me em meu nada. Porque vós, ó
dulcíssimo Senhor, me tratais além do meu merecimento, e mais
do que ouso esperar ou pedir.


3. Bendito sejais, meu Deus, pois conquanto eu seja indigno de todo
bem, ainda assim não cessa vossa liberalidade e bondade infinita
de fazer bem até aos ingratos e aos que de vós andam apartados.
Convertei-nos a vós, para que sejamos gratos, humildes e devotos,
pois vós sois nossa salvação, nossa virtude e fortaleza.
CAPÍTULO 9
Tudo se deve referir a Deus como ao fim último
1. Jesus: Filho, eu devo ser o teu supremo e último fim, se desejas
ser verdadeiramente feliz. Esta intenção purificará teu coração,
tantas vezes apegado desregradamente a si mesmo e às criaturas.
Porque se em alguma coisa te buscas a ti mesmo, logo desfaleces
e afrouxas. Refere, pois, tudo a mim, principalmente porque eu sou
quem te deu tudo. Considera todos os bens como dimanados do
Sumo Bem, e por isso refere tudo a mim como sua origem.
2. De mim, como de fonte de vida, tiram água viva o pequeno e o
grande, o rico e o pobre, e os que me servem voluntária e
livremente receberão graça sobre graça. Mas quem, fora de mim,
quiser gloriar-se, ou deleitar-se em algum bem particular, jamais
poderá firmar-se na verdadeira alegria, nem se lhe dilatará o
coração, mas sempre andará perturbado e angustiado de mil
maneiras. Não te atribuas, pois, bem algum, nem a pessoa alguma
atribuas virtude, mas refere tudo a Deus, sem o qual nada tem o
homem. Eu dei tudo, eu quero tudo reaver, e com estrito rigor exijo
as devidas ações de graças.
3. É esta a verdade que afugenta toda a vanglória. E se entrar em teu
coração a graça celestial e a verdadeira caridade, não sentirás
mais inveja alguma, nem aperto de coração, nem haverá mais
lugar para o amor-próprio. Porque tudo vence a divina caridade, e
multiplica as forças da alma. Se és verdadeiramente sábio, só em
mim te alegrarás e porás a tua confiança; porque ninguém é bom
senão Deus (Mt 19,17), só Ele cumpre seja louvado e bendito em
tudo, acima de todas as coisas.
CAPÍTULO 10 Como, desprezando o mundo, é doce servir a Deus
1. A alma: De novo, Senhor, vos falarei, e não me calarei; direi aos
ouvidos de meu Deus, meu Senhor e meu Rei, que está nas
alturas: Quão grande, Senhor, é a abundância da doçura que
reservastes aos que vos temem! (Sl 30,20). Mas que será para os


que vos amam e de todo o coração vos servem? É
verdadeiramente inefável a doçura da contemplação que concedeis
aos que vos amam. Nisto particularmente me manifestastes a
doçura de vosso amor: quando não era, vós me criastes e quando
andava longe de vós, perdido no erro, me reconduzistes a vos
servir e me destes o preceito de vos amar.
2. Ó fonte perene de amor, que direi de vós? Como poderia eu
esquecer-me que vos dignastes lembrar-vos de mim, ainda depois
de depravado e perdido? Além de toda esperança, usastes de
misericórdia para com vosso servo, e acima de todo mérito me
prodigalizastes vossa graça e amizade. Com que poderei
agradecer-vos tal mercê? Porque nem a todos é dado deixar tudo,
renunciar ao mundo e abraçar a vida religiosa. Será porventura
mérito que eu vos sirva, quando toda criatura tem obrigação de vos
servir? Não me deve parecer grande coisa que eu vos sirva; antes
devo considerar grande e digno de admiração que vos digneis
receber-me, pobre e indigno como sou, em vosso serviço e
associar-me aos vossos servos prediletos.
3. Vede, é vosso, Senhor, tudo que possuo e com que vos sirvo;
entretanto, mais me servis vós a mim, do que eu a vós. Aí estão o
céu e a terra, que criastes para uso do homem, e estão atentos a
vosso aceno, a fazer cada dia o que lhes mandais. Mais ainda: os
próprios anjos destinastes ao serviço do homem. Mas, acima de
tudo isso, vós mesmos vos dignais servir ao homem, e
prometestes ser a sua recompensa.
4. Que vos darei eu por esses benefícios sem conta, Oh! se pudera
servir-vos todos os dias da minha vida! Se pudera, ainda que um
só dia, prestar-vos condigno serviço! Na verdade, sois digno de
todo serviço, de toda honra e glória eterna. Vós sois
verdadeiramente meu Senhor, eu vosso pobre servidor, obrigado a
servir-vos com todas as minhas forças, sem me cansar jamais de
vos dar louvores. Assim o quero, assim o desejo: dignai-vos,
Senhor, suprir o que me falta.
5. Grande honra e glória é servir-vos e desprezar tudo por vosso
amor. Porque copiosa graça alcançarão os que livremente se
sujeitam ao vosso santíssimo serviço. Encontrarão suavíssima
consolação do Espírito Santo os que por vós desprezam todos os
deleites carnais. Conseguirão grande liberdade da alma os que por
vosso nome entram na vereda estreita e se apartam de todos os
cuidados mundanos.


6. Ó doce e amável servidão de Deus, que torna o homem
verdadeiramente livre e santo! Ó sagrada servidão do estado
religioso, que faz o homem igual aos anjos, agradável a Deus,
terrível aos demônios e recomendável a todos os fiéis! Ó ditoso e
nunca assaz desejado serviço, que nos mereceu o Bem soberano
e adquire o gozo que há de durar para sempre!
CAPÍTULO 11
Como devemos examinar e moderar os desejos do coração
1. Jesus: Filho, muitas coisas deves ainda aprender, que não sabes
bem.
2. A alma: Que coisas são estas, Senhor?
3. Jesus: Que conformes completamente teu desejo a meu
beneplácito e não sejas amante de ti mesmo, mas zeloso
cumpridor de minha vontade. Muitas vezes se inflamam teus
desejos, e com veemência te impelem; examina, porém, o que
mais te move, se minha honra ou teu próprio interesse. Se for eu o
motivo, ficarás bem contente, qualquer que seja
o sucesso do empreendimento; mas, se lá se ocultar algum interesse
próprio, eis que isto logo te embaraça e aflige.
1. Guarda-te, pois, de confiar demasiadamente em preconcebidos
desejos que tens sem me consultar, para que não suceda que te
arrependas e te desagrade o que primeiro te agradou e procuraste
com zelo, por te haver parecido melhor. Porém nem todo desejo
que pareça bom logo devemos seguir, nem tampouco a todo
sentimento contrário logo havemos de fugir. Convém, às vezes,
refrear mesmo os bons empenhos e desejos, para que as
preocupações não te distraiam o espírito; para que não dês
escândalo por falta de discrição; para que, enfim, não te perturbe a
resistência dos outros e desfaleças.
2. Outras vezes, ao contrário, é preciso usar de violência e rebater
varonilmente os apetites dos sentidos sem atender ao
que a carne quer ou não quer, mas trabalhando por sujeitá-la ao espírito,
ainda que se revolte. Cumpre castigá-la e curvá-la à sujeição, a tal ponto,
que esteja disposta para tudo, sabendo contentar-se com pouco e
deleitar-se com a simplicidade, sem resmungar por qualquer incômodo.


CAPÍTULO 12
Da escola da paciência e luta contra as concupiscências
1. A alma: Deus e Senhor meu, pelo que vejo, a paciência me é muito
necessária; pois são muitas as contrariedades desta vida. Por mais
que se procure a paz, não há viver sem combate e sofrimento.
2. Jesus: Assim é, filho, e não quero que busques uma paz isenta de
tentações e contrariedades, mas que julgues ter achado a paz,
ainda quando fores molestado de muitas atribulações e provado
em muitas contrariedades. Se dizes que não podes sofrer tanta
coisa, como suportarás, então, o purgatório? De dois males
sempre se deve escolher o menor. Para escapar dos suplícios
futuros, trata de sofrer com paciência os males presentes, por amor
de Deus. Julgas, acaso, que nada ou pouco sofrem os homens do
mundo? Tal não encontrarás, nem entre os mais regalados.
3. Dirás, talvez, que eles têm muitos deleites e seguem a sua própria
vontade, e por isso pouco lhes pesa a tribulação.
4. Seja embora assim, e tenham eles quanto desejam, mas quanto
tempo achas que há de durar isso: Eis qual fumo se desvanecerão
os abastados do século, nem lembrança restará de seus prazeres
passados. E mesmo, enquanto vivem, não os fruem sem
amargura, tédio e temor. Porquanto do próprio objeto de seus
deleites muitas vezes lhes vem a dor que os castiga. E é justo que
assim lhes suceda que encontrem amargura e confusão nos gozos
que buscam e perseguem desordenadamente.
5. E quão breves, quão falsos, quão desordenados e torpes são todos
os deleites do mundo! Mas os homens, na embriaguez e cegueira
do espírito, não o compreendem; antes, como irracionais, por um
diminuto prazer, nesta vida corruptível, dão a morte à sua alma. Tu,
pois, filho, não sigas teus apetites, renuncia à própria vontade (Eclo
18,30); deleita-te no Senhor, e ele te dará o que teu coração anela
(Sl 36,4).
6. Pois, se queres verdadeiras delícias e receber de mim consolação
abundante, despreza todas as coisas mundanas e renuncia a todos
os prazeres inferiores, e por recompensa terás copiosa
consolação. Quanto mais te apartares do prazer que encontras nas
criaturas, tanto mais suaves e eficazes consolações em mim
acharás. Não o conseguirás, a princípio, sem alguma tristeza e
trabalho na peleja, opor-se-á o costume inveterado, mas será
vencido por outro melhor. Revoltar-se-á a carne, mas o fervor de
espírito lhe porá freio. Perseguir-te-á a serpente antiga e te


molestará, mas tu a afugentarás com a oração e, com o trabalho
proveitoso, lhe trancarás a principal entrada.
CAPÍTULO 13
Da obediência e humilde sujeição, a exemplo de Jesus Cristo
1. Filho, quem procura subtrair-te à obediência aparta-se também da
graça; e quem procura favores particulares perde os comuns.
Aquele que não se sujeita pronta e de boa mente a seu superior,
mostra que sua carne não lhe obedece ainda prontamente, mas
muitas vezes se revolta e resmunga. Aprende, pois, a sujeitar-te
prontamente a teu superior, se queres subjugar a própria carne,
porque facilmente se vence o inimigo exterior quando o homem
interior não está assolado. Pior inimigo e mais perigoso não tem a
alma, que tu mesmo, quando não obedeces ao espírito. Se queres
vencer a carne e o sangue, deves compenetrar-te do sincero e
absoluto desprezo de ti mesmo. Mas porque ainda te amas
desordenadamente, por isso te repugna sujeitar-te de todo à
vontade dos outros.
2. Ora, que muito é que tu, que és pó e nada, te sujeites a um
homem, por amor de Deus, quando eu, o Todo-poderoso e
Altíssimo, que criei do nada todas as coisas, me sujeitei humilde ao
homem, por amor de ti? Fiz-me o mais humilde e o último de todos
para que venças, com a minha humildade, a tua soberba. Aprende,
pó, a obedecer; aprende, terra e limo, a humilhar-te e curvar-te aos
pés de todos. Aprende a quebrantar tua vontade e a submeter-te a
todos em tudo.
3. Indigna-te contra ti mesmo; não toleres em ti desvanecimento
algum; mas torna-te tão humilde e submisso, que todos te possam
pisar e calcar aos pés, qual lama da rua. Em que podes, vil
pecador, contradizer os que te repreendem, tu, que ofendeste a
Deus tantas vezes e tantas vezes mereceste o inferno? Pouparam-
te, porém, meus olhos, porque tual alma é preciosa diante de mim,
para que conheças meu amor e te conserves grato aos meus
benefícios; para que te dês
continuamente à verdadeira sujeição e humildade, sofrendo com
paciência o desprezo dos outros.
CAPÍTULO 14


Que se devem considerar os altos juízos de Deus, para não
Nos desvanecermos na prosperidade
1. Trovejam sobre mim, Senhor, vossos juízos, temem e tremem
meus ossos abalados e minha alma fica de todo espavorida. Estou
assombrado ao considerar que nem os céus são puros à vossa
vista. Se nos anjos achastes maldade e não lhes perdoastes, que
será de mim? Caíram as estrelas do céu, e eu, pó, de que hei de
presumir? Aqueles cujas obras pereciam louváveis precipitaram-se
no abismo, e vi os que comiam o pão dos anjos deleitarem-se com
o alimento dos animais imundos.
2. Não há, pois, santidade, Senhor, se retirais vossa mão. Não há
sabedoria que aproveite, se deixais de a governar. Não há
fortaleza que valha, se deixais de a conservar. Não há castidade
segura, se deixais de a defender. Não é proveitosa a própria
vigilância, se falta vossa santa guarda. Desamparados, afundamos
logo e perecemos, mas visitados por vós nos reerguemos e
vivemos. Somos, com efeito, inconstantes mas por vós somos
confirmados; somos tíbios, mas vós nos afervorais.
3. Oh! Quão humilde e baixo conceito devo formar de mim próprio!
Em quão pouca conta devo ter o bem que possa haver em mim!
Quão profunda deve ser a minha submissão a vossos insondáveis
juízos, Senhor, se outra coisa não sou que nada e puro nada! Ó
peso imenso! Ó pélago insondável, onde não acho outra coisa em
mim senão um puro nada! Onde se refugiará, pois, a minha
soberba? Onde a presunção de alguma virtude? Sumiu-se toda
vanglória na profundeza dos vossos juízos.
4. Que é toda carne em vossa presença? Porventura gloriar-se-á o
barro contra quem o formou? Como se pode desvanecer com vãos
louvores aquele cujo coração está deveras sujeito a Deus? Nem o
mundo todo é capaz de ensoberbecer aquele a que a Verdade
subjugou. Nem os louvores de todos os lisonjeiros poderão mover
aquele em que Deus põe toda a sua esperança. Porque todos que
falam não são nada, e se esvaecem como som das palavras; ao
passo que a verdade do Senhor permanece para sempre (Sl
116,2).
CAPÍTULO 15
Como se deve haver e falar cada um em seus desejos


1. Jesus: Filho, dize assim em todas as coisas: Senhor, se for do
vosso agrado, faça-se isto assim. Senhor, se for para vossa honra,
suceda isto em vosso nome. Senhor, se vos parecer que me é
proveitosa e útil tal coisa, concedei-ma para que dela use para
vossa glória; mas, se conheceis que me seria nociva e sem
proveito para minha salvação, tirai-me tal desejo; porque nem todo
desejo procede do Espírito Santo, ainda que nos pareça bom e
justo. É dificultoso discernir se te move espírito bom ou mau, a
desejar isto ou aquilo, ou se te move tua própria vontade. Muitos se
acharam no fim enganados, que a princípio pareciam animados de
bom espírito.
1. Qualquer coisa, pois, que se te afigura desejável, deves
sempre desejá-la e pedir com temor de Deus e humildade de
coração, particularmente encomendar-me tudo com sincera
resignação, dizendo: Vós sabeis, Senhor, o que é melhor;
faça-se isto ou aquilo, conforme vossa vontade. Dai-me o
que quiserdes, quanto e quando quiserdes. Disponde de mim
como entendeis, como mais vos agradar e para maior glória
vossa. Ponde-me onde quiserdes e disponde de mim
livremente em tudo; estou em vossas mãos, virai-me e
revirai-me segundo vos parecer. Eis aqui vosso servo, pronto
para tudo; pois não desejo viver para mim, mas para vós,
oxalá com dignidade e perfeição.
2. Oração para cumprir a vontade de Deus:
2. Concedei-me, benigníssimo Jesus, que a vossa graça esteja
comigo, comigo trabalhe e persevere comigo até ao fim. Dai-me
que deseje e queira sempre o que mais vos for aceito e agradável.
Vossa vontade seja a minha, e a minha acompanhe sempre a
vossa e se conforme em tudo com ela. Tenha eu convosco o
mesmo querer e não querer, de modo que não possa querer ou
não querer, senão o que vós quereis ou não quereis.
3. Fazei que eu morra a tudo que é do mundo, e que deseje ser
desprezado e esquecido neste século, por vosso amor.
Daí-me que descanse em vós acima de todos os bens desejáveis, e
repouse em vós o meu coração. Vós sois a verdadeira paz do coração e
seu único descanso; fora de vós tudo é inquietação e desassossego.
Nesta paz verdadeira, que sois vós, sumo e eterno bem, quero dormir e
descansar. Amém.
CAPÍTULO 16


Que só em Deus se há de buscar a verdadeira consolação
1. Tudo que posso desejar ou procurar para meu consolo não o
espero nesta vida, mas na futura, porque ainda que eu tivesse
todas as consolações do mundo e pudesse fruir todas as suas
delícias, certo é que não poderiam durar muito tempo. Portanto,
considera, ó minha alma, que não poderás achar consolo pleno e
alegria perfeita senão em Deus, que consola os pobres e agasalha
os humildes. Espera um pouco, ó minha alma, espera a divina
promessa, e no céu terás todos os bens em abundâncias. Se
desordenadamente desejares os bens presentes, perderás os
eternos e celestes. Usa das coisas temporais, mas deseja as
eternas. Não te podes satisfazer bem algum temporal, porque não
foste criada para gozá-los.
2. Ainda que possuísses todos os bens criados, não poderias ser feliz
e estar contente, porque só em Deus, criador de tudo, consiste tua
bem-aventurança e felicidade; não qual a entendem e louvam os
amadores do mundo, mas como a esperam os bons servos de
Cristo, e às vezes antegozam as pessoas espirituais e limpas de
coração, cuja conversação está nos céus (Flp 3,20). Curto e vão é
todo consolo humano; bendita e verdadeira a consolação que a
verdade nos comunica interiormente. O homem devoto em toda
parte traz consigo seu consolador, Jesus, e lhe diz: Assisti-me,
Senhor Jesus, em todo lugar e tempo. Seja, pois, esta a minha
consolação: o carecer voluntariamente de toda consolação
humana. E se me faltar também vosso consolo, seja para mim
vossa vontade, que justamente me experimenta, a suprema
consolação. Porque não dura sempre a vossa ira, nem nos
ameaçareis eternamente (Sl 102,9).
CAPÍTULO 17
Que todo o nosso cuidado devemos entregar a Deus
1. Jesus: Filho, deixa-me fazer contigo o que quero; eu sei o que te
convém. Tu pensas como homem, e julgas em muitas coisas
consoante te persuade o afeto humano.
2. A alma: Senhor, verdade é o que dizeis. Maior é vossa solicitude
por mim, que todo o cuidado que eu comigo possa ter. Está em
grande perigo de cair quem não entrega a vós todos os seus
cuidados. Fazei de mim, Senhor, tudo o que quiserdes, contanto
que permaneça em vós, reta e firme, a minha vontade. Pois não


pode deixar de ser bom tudo o que fizerdes de mim. Se quereis
que esteja nas trevas, bendito sejais; e se quereis que esteja na
luz, sede também bendito. Se quereis que esteja consolado, sede
bendito, e se quereis que esteja tribulado, sede igualmente para
sempre bendito.
3. Jesus: Filho, assim deves pensar, se desejas andar comigo. Tão
pronto deves estar para sofrer como para gozar; para a pobreza e
indigência, como para a riqueza e abundância.
4. A alma: Por ti Senhor, sofrerei de bom grado tudo que quiserdes
que me sobrevenha. De vossa mão quero aceitar,
indiferentemente, o bem e o mal, as doçuras e as amarguras, as
alegrias e as tristezas, e quero dar-vos graças por tudo que me
suceder. Livrai-me de todo pecado, e não temerei nem morte nem
inferno. Contanto que não me rejeiteis eternamente, não me fará
mal qualquer tribulação que me sobrevenha.
CAPÍTULO 18
Como, a exemplo de Cristo, se hão de sofrer com igualdade
de ânimo as misérias temporais
1. Jesus: Filho, desci do céu para tua salvação; tomei tuas misérias,
não levado pela necessidade, mas pelo amor, para ensinar-te a
paciência e a suportar com resignação as misérias temporais.
Porque, desde a hora do meu nascimento até à morte na cruz,
nunca estive um instante sem sofrer. Padeci grande penúria dos
bens terrestres: ouvi muitas vezes grandes queixas de mim; sofri
com brandura injúrias e opróbrios; recebi, pelos benefícios,
ingratidões, pelos milagres, blasfêmias, pela doutrina, repreensões.
2. A alma: Senhor, já que fostes tão paciente em vossa vida,
cumprindo nisso principalmente a vontade de vosso Pai, justo é
que eu, mísero pecador, me sofra a mim com paciência, conforme
quereis, e suporte por minha salvação o fardo desta vida
corruptível. Porque, se bem que a vida presente seja pesada,
torna-se, contudo, com a vossa graça, muito meritória e, com
vosso exemplo e o de vossos santos, mais tolerável e leve para os
fracos. É também muito mais consolada do que outrora, na lei
antiga, quando a porta do céu estava fechada, e bem poucos
tratavam de buscar o reino dos céus. Nem os justos sequer e
predestinados podiam entrar no reino celeste antes da vossa
paixão e resgate da vossa sagrada morte.


3. Oh! Quantas graças vos devo render, por vos terdes dignado
mostrar a mim e a todos os fiéis o caminho direito e seguro para
vosso reino eterno! Porque vossa vida é o nosso caminho e pela
santa paciência caminhamos para vós, que sois nossa coroa. Sem
vosso exemplo e ensino, quem cuidaria de vos seguir? Ah!
Quantos ficariam atrás, bem longe, se não vissem vossos
luminosos exemplos! E se ainda andamos tíbios, com tantos
prodígios e ensinamentos, que seria se não tivéssemos tantas
luzes para vos seguir?
CAPÍTULO 19
Do sofrimento das injúrias e quem é provado verdadeiro paciente
1. Jesus: Filho, que é o que estás dizendo? Deixa de te queixar, em
vista da minha paixão e dos sofrimentos dos santos. Ainda não
tens resistido até derramar sangue. Pouco é o que sofres em
comparação do muito que padeceram eles em tão fortes tentações,
tão graves tribulações, tão várias provações e angústias. Convém,
pois que te lembres dos graves trabalhos dos outros, para que
mais facilmente sofras os teus, que são mais leves. E se te não
parecem tão leves, olha, não venha isso de tua impaciência.
Contudo, sejam graves ou leves, procura levá-los todos com
paciência.
2. Quanto melhor te dispões para padecer, tanto mais paciente serás
em tuas ações e maiores merecimentos ganharás; com a
resignação e a prática torna-se também mais suave o sofrimento.
Não digas: não posso sofrer isto daquele homem, nem estou para
aturar tais coisas, pois me fez grave injúria e me acusa de coisas
que jamais imaginei; de outros sofreria facilmente, quanto julgasse
que devia sofrer. Insensato é semelhante pensar, pois não
considera a virtude da paciência nem olha àquele que há de coroá-
la, mas só atende às pessoas e às ofensas recebidas.
3. Não é verdadeiro sofredor quem só quer sofrer quanto lhe parece e
de quem lhe apraz. O verdadeiro paciente também não repara em
quem exercita a paciência; se for seu superior, ou igual, ou inferior,
se for homem bom e santo, ou mau e perverso. Mas, sem
diferença de pessoa, sempre que lhe sucede qualquer
adversidade, aceita-a gratamente da mão de Deus e a considera
um grande lucro para sua alma. Porque aos olhos de Deus
qualquer coisa, por insignificante que seja, que soframos por amor
dele terá seu merecimento.


4. Aparelha-te, pois, para o combate, se queres a vitória. Sem peleja
não podes chegar à coroa da vitória. Se não queres sofrer,
renuncia à coroa; mas, se desejas ser coroado, luta varonilmente e
sofre com paciência. Sem trabalho não se consegue o descanso e
sem combate não se alcança a vitória.
5. A alma: Tornai-me, Senhor, possível, pela graça, o que me parece
impossível pela natureza. Vós bem sabeis quão pouco sei sofrer, e
que logo fico desanimado com a menor contrariedade. Tornai-me
amável e desejável qualquer prova e aflição, por vosso amor,
porque o padecer e penar por vós é muito proveitoso à minha
alma.
CAPÍTULO 20
Da confissão da própria fraqueza, e das misérias desta vida
1. A alma: Confesso contra mim mesmo minha maldade (Sl 31,5),
confesso, Senhor, minha fraqueza. Muitas vezes a menor coisa
basta para me abater e entristecer. Proponho agir valorosamente,
mas assim que me sobrevém uma pequena tentação, vejo-me em
grandes apuros. Às vezes é de uma coisa mesquinha que me vem
grave aflição. E quando me julgo algum tanto seguro, vejo-me, não
raro, vencido por um sopro, quando menos o penso.
2. Olhai, pois, Senhor, para esta minha baixeza e fragilidade, que
conheceis perfeitamente. Compadecei-vos de mim e tirai-me da
lama, para que não fique atolado (Sl 68,18) e arruinado para
sempre. É isto que a miúdo me atormenta e confunde em vossa
presença: o ser eu tão inclinado a cair, e tão fraco a resistir às
paixões. E embora não me levem ao pleno consentimento, muito
me molestam e afligem seus assaltos, e muito me enfastia o viver
sempre nesta peleja. Nisto conheço minha fraqueza, que mais
depressa me vem do que se vão essas abomináveis fantasias da
imaginação.
3. Ó poderosíssimo Deus de Israel, zelador das almas fiéis, olhai para
os trabalhos e dores de vosso servo, e assisti-lhe em todos os seus
empreendimentos! Confortai-me com a força celestial, para que
não me vença e domine o homem velho, a mísera carne, ainda não
inteiramente sujeita ao espírito, contra a qual será necessário
pelejar enquanto estiver nesta miserável vida. Ai! que vida é esta,
em que nunca faltam as tribulações e misérias, em que tudo está
cheio de inimigos e ciladas! Porque mal acaba um tribulação ou


tentação, outra já se aproxima, e até antes de acabar um combate,
muitos outros já sobrevêm, e inesperados.
4. E como se pode amar uma vida cheia de tantas amarguras, sujeita
a tantas calamidades e misérias? Como se pode chamar vida o
que gera tantas mortes e desgraças? E, não obstante, muitos
amam e procuram nela deleitar-se. Muitos acoimam o mundo de
enganador e vão, e ainda assim lhes custa deixá-lo, porque se
deixam dominar pelos apetites da carne. Muitas coisas nos
inclinam a amar o mundo, outras a desprezá-lo. Fazem amar o
mundo a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a
soberba da vida; mas as penas e as misérias que estas coisas se
seguem geram o ódio e aborrecimento do mundo.
5. Infelizmente, o vil deleite vence a alma mundana, que julga delícia
o estar em meio dos espinhos (Jó 30,7), porque nunca viu nem
provou a doçura de Deus, nem a intrínseca suavidade da virtude.
Mas aqueles que perfeitamente desprezam o mundo e procuram
viver para Deus, em santa disciplina, experimentam a doçura
divina, e mais claramente conhecem os erros grosseiros do mundo
e seus vários enganos.
CAPÍTULO 21
Como se deve descansar em Deus sobre todos os bens e dons
1. A alma: Ó minha alma, em tudo e acima de tudo descansa sempre
no Senhor, porque ele é o eterno repouso dos santos. Daí-me, ó
dulcíssimo e amantíssimo Jesus, que eu descanse em vós mais
que em toda criatura; mais que na saúde e formosura; mais que na
glória e honra, no poder e dignidade; mais que em toda ciência e
sutileza; mais que em todas as riquezas e artes; mais que na
alegria e no divertimento; mais que na fama e no louvor; mais que
nas doçuras e consolações, esperanças e promessas, desejos e
méritos; mais que em todos os dons e dádivas que me podeis dar e
infundir; mais que em todo gozo e alegria que minha alma possa
experimentar e sentir; finalmente, mais que nos anjos e arcanjos e
todo o exército celeste; acima de todo o visível e invisível, acima,
enfim, de tudo aquilo que vós, meu Deus, não sois.
2. Porquanto vós, meu Deus, sois bom acima de todas as coisas. Só
vós sois altíssimo, só vós poderosíssimo, só vós suficientíssimo e
pleníssimo, só vós suavíssimo e verdadeiro consolador, só vós
formosíssimo e amantíssimo, só vós nobilíssimo e gloriosíssimo
sobre todas as coisas, em quem se olham, a um tempo e


plenamente, todos os bens passados, presentes e futuros. Por isso
é mesquinho e insuficiente tudo quanto fora de vós mesmo me
dais, revelais ou prometeis, enquanto vos não vejo e possuo
inteiramente; porque meu coração não pode descansar
verdadeiramente, nem estar totalmente satisfeito a não ser em vós,
acima de todos os dons e de todas as criaturas.
3. Ó meu Jesus, esposo diletíssimo, amante puríssimo, senhor
absoluto de toda a criação, quem me dera às asas da verdadeira
liberdade para voar e repousar em vós! Oh! Quando me será
concedido ocupar-me totalmente de vós e experimentar vossa
doçura, Senhor meu Deus! Quando estarei tão perfeitamente
recolhido em vós, que não me sinta a mim mesmo por vosso amor,
mas só a vós, acima de toda sensação e medida, que nem todos
conhecem! Agora, porém, não cesso de gemer, e levo, cheio de
dor, o peso de minha infelicidade; pois neste vale de lágrimas
sucedem tantos males, que muitas vezes me perturbam,
entristecem e anuviam a alma; outras vezes me embaraçam,
distraem, atraem e emaranham, para me impossibilitar vosso
acesso e me privar das doces carícias, que gozam sempre os
espíritos bemaventurados! Deixai-vos enternecer por meus
suspiros e tantas amarguras que padeço nesta terra.
4. Ó Jesus, esplendor da eterna glória, consolo da alma desterrada,
diante de vós emudece minha boca e meu silêncio vos fala: Até
quando tardará a vir o meu Senhor? Venha a este seu servo
pobrezinho, trazer-lhe alegria; estenda-lhe a mão e livre este
miserável de toda angústia. Vinde, vinde, porque sem vós não
posso ter nem um dia, nem uma hora feliz, pois vós sois minha
alegria, e sem vós está vazio meu coração. Miserável sou, como
que preso e carregado de grilhões, enquanto me não recreeis com
a luz de vossa presença e me deis a liberdade, mostrando-me
benigno semblante.
5. Busquem outros o que quiserem em lugar de vós, a mim nenhuma
coisa me há de agradar jamais, senão, vós, meu Deus, minha
esperança e salvação eterna. Não calarei, nem cessarei de orar,
até que volte vossa graça, e vós me faleis no interior.
6. Jesus: Aqui me tens, venho a ti, porque me chamaste. Moveram-
me tuas lágrimas e os desejos de tua alma; a humildade e a
contrição do teu coração me trouxeram a ti.
7. A Alma: Eu disse: Chamei-vos, Senhor, e desejei gozar-vos,
disposto a desprezar tudo por vosso amor, que vós primeiro me
inspirastes buscar-vos. Sede, pois, bendito, Senhor, pela bondade


que usais para com vosso servo, segundo vossa infinita
misericórdia. Que mais pode fazer vosso servo em vossa
presença, senão humilhar-se profundamente diante de vós, e
lembrar-se sempre de sua maldade e vileza? Pois nada há
semelhante a vós, entre todas as maravilhas do céu e da terra.
Vossas obras são perfeitíssimas, vossos juízos verdadeiros, e
vossa providência governa todas as coisas. Louvor e glória, pois, a
vós, ó Sabedoria do Pai, minha boca vos louva e minha alma vos
engrandece, juntamente com todas as criaturas.
CAPÍTULO 22
Da recordação dos inumeráveis benefícios de Deus
1. A alma: Abri, Senhor, meu coração à vossa lei, e ensinai-me o
caminho de vossos preceitos. Fazei-me compreender a vossa
vontade, e com grande reverência e diligente consideração
rememorar os vossos benefícios, gerais ou particulares, para assim
render-vos por eles as devidas graças. Bem sei e confesso que
nem pelo menor benefício vos posso render condignos louvores e
agradecimentos. Eu me reconheço inferior a todos os bens que me
destes, e quando considero vossa majestade, abate-se meu
espírito com o peso de vossa grandeza.
2. Tudo o que temos, na alma e no corpo, todos os bens que
possuímos, internos e externos, naturais e sobrenaturais, todos
são benefícios vossos, e outras tantas provas de vossa bondade,
liberalidade e muníficência, que de vós todos os bens recebemos.
E ainda que este receba mais e outros menos, tudo é vosso, e sem
vós ninguém pode alcançar a menor coisa. E aquele que recebeu
mais não pode gloriar-se de seu merecimento, nem elevar-se
acima dos outros, nem desprezar o menor; porque só é maior e
melhor aquele que menos atribui a si, e é mais humilde e fervoroso
em vos agradecer. E quem se considera mais vil e se julga o mais
indigno de todos é o mais apto para receber maiores dons.
3. O que, porém, recebeu menos não deve afligir-se, nem queixar-se,
nem ter inveja do mais rico; olhará, ao contrário, para vós, e
louvará vossa bondade, que tão copiosa e liberalmente
prodigalizais vossas dádivas, sem acepção de pessoas. De vós
nos vêm todas as coisas; por todas, pois, deveis ser louvado. Vós
sabeis o que é conveniente dar a cada um, e não nos pertence
indagar por que este tem menos, aquele mais; só vós podeis
avaliar os merecimentos de cada um.


4. Por isso, Senhor meu Deus, considero como grande benefício o
não ter eu muitas coisas que trazem a glória exterior e os humanos
louvores. Portanto, ninguém, à vista de sua pobreza e da vileza de
sua pessoa, deve conceber, por isso, desgosto, tristeza ou
desalento, senão grande alegria e consolo, porque vós, Deus meu,
escolheste por vossos particulares e íntimos amigos os pobres, os
humildes e os desprezados deste mundo. Testemunho disto são
vossos apóstolos, a quem constituístes príncipes sobre a terra.
Todavia, viveram neste mundo tão sem queixa, tão humildes e com
tanta singeleza da alma, tão sem malícia ou dolo, que se
alegravam de sofrer contumélias por vosso nome, e com grande
afeto abraçavam o que o mundo aborrece.
5. Nada, pois, deve alegrar tanto aquele que vos ama e reconhece
vossos benefícios, como ver executar-se a seu respeito vossa
vontade e o beneplácito de vossas eternas disposições. Tanto
deve com isto estar contente e satisfeito, que queira de tão boa
vontade ser o menor, como outro desejaria ser o maior; e tão
sossegado e contente deve estar no último como no primeiro lugar,
tão satisfeito em ser desprezado e abatido, sem nome nem
reputação, como se fosse o mais honrado e estimado no mundo.
Porque a vossa vontade e o amor de vossa honra deve ser
anteposto a tudo, e deve consolar e agradar mais ao vosso servo,
que todos os dons presentes ou futuros.
CAPÍTULO 23
Das quatro coisas que produzem grande paz
1. Jesus: Filho, vou agora te ensinar o caminho da paz e da
verdadeira liberdade.
2. A alma: Fazei, Senhor, o que dizeis, que muito grato me é ouvi-lo.
1. Jesus: Filho, trata de fazer antes a vontade alheia que a tua.
Prefere sempre ter menos que mais. Busca sempre o
2. último lugar e sujeita-te a todos. Deseja sempre e roga que
se cumpra plenamente em ti a vontade de Deus. O homem
que assim procede penetra na região da paz e do descanso.
3. A alma: Senhor, este vosso discurso é breve, mas encerra
muita perfeição. Poucas são as palavras, cheias, porém, de
sabedoria e de copioso fruto. Se eu as praticasse fielmente,
não me deixaria perturbar com tanta facilidade. Pois, todas
as vezes que me sinto inquieto e aflito, verifico que me
desviei desta doutrina. Vós, porém, que tudo podeis e


desejais sempre o progresso da alma, aumentai em mim a
graça, para que possa guardar vossos ensinamentos e levar
a efeito minha salvação.
4. Oração contra os maus pensamentos:
3. Senhor, meu Deus, não vos aparteis de mim, meu Deus dignai-vos
socorrer-me (Sl 70,13). Pois me invadem vários pensamentos, e
grandes temores afligem minha alma. Como escaparei ileso, como
poderei vencê-los?
4. Diante de ti, são palavras vossas, irei eu e humilharei os soberbos
da terra (Is 14,1); abrir-te-ei as portas do cárcere e te revelarei
mistérios recônditos.
1. Fazei Senhor, conforme dizeis e dissipe vossa presença
todos os maus pensamentos. Esta é a minha única
esperança e consolação: a vós recorrer em toda tribulação,
em vós confiar, invocar-vos de todo o coração e com
paciência aguardar a vossa consolação. Amém.
2. Oração para pedir o esclarecimento do espírito:
5. Iluminai-me, ó bom Jesus, com a claridade da luz interior e dissipai
todas as trevas que reinam em meu coração. Refreai as
dissipações nocivas e rebatei as tentações, que me fazem
violência. Pelejai valorosamente por mim, e afugentai as más feras,
essas traiçoeiras concupiscências, para que se faça a paz por
vossa virtude, e ressoe perene louvor no templo santo, que é a
consciência pura. Mandai aos ventos e às tempestades; dizei ao
mar: aplaca-te, e ao tufão: não sopres; e haverá grande bonança.
6. Enviai vossa luz e vossa verdade (Sl 42,3), para que resplandeçam
sobre a terra; porque sou terra vazia e estéril, enquanto não me
iluminais. Derramai sobre mim vossa graça e banhai o meu
coração com o orvalho celestial; abri as fontes de devoção, que
reguem a face da terra, para que produza frutos bons e perfeitos.
Erguei meu espírito abatido pelo peso dos pecados e dirigi meus
desejos paras as coisas do céu, para que, antegozando a doçura
da suprema felicidade, me aborreça em pensar nas coisas da terra.
7. Desprendei-me e arrancai-me de toda transitória consolação das
criaturas, porque nenhuma coisa criada pode consolar-me
plenamente ou satisfazer meus desejos. Uni-me convosco pelo
vínculo indissolúvel do amor, porque só vós bastais a quem vos
ama, e sem vós tudo o mais é vaidade. Amém.
CAPÍTULO 24
Como se deve evitar a curiosa inquirição da vida alheia


1. Jesus: Filho, não sejais curioso, nem te preocupes com cuidados
inúteis. Que tens tu com isto ou aquilo? Segue-me. Pois que te
importa saber se fulano é assim ou assim ou se sicrano procede e
fala deste ou daquele modo? Tu não és responsável pelos outros,
mas de ti mesmo deves dar conta; por que, pois, te intrometes
naquilo? Eu conheço a todos e vejo tudo que se faz debaixo do sol;
sei como cada um procede, o que pensa e quer, e a que fim tende
sua intenção. Deixa, pois, tudo ao meu cuidado, conserva-te em
santa paz e deixa o inquieto agitar-se quando quiser. Sobre ele
recairá tudo o que fizer ou disser, porque não me pode enganar.
2. Não te preocupes da sombra dum grande nome, nem da
familiaridade de muitos, nem de amizade particular dos homens.
Pois tudo isso gera distrações e grande perplexidade ao coração.
Eu não duvidaria falar-te e descobrir-te os meus segredos, se
atento esperasses minha chegada e me abrisses a porta de teu
coração. Sê cauteloso, vigia na oração, e humilha-te em todas as
coisas.
CAPÍTULO 25
Em que consiste a firme paz do coração e o verdadeiro aproveitamento
1. Jesus: Filho, eu disse a meus discípulos: Eu vos deixo a paz; dou-
vos a minha paz; não vo-la dou como a dá o mundo (Jo 14,27).
Todos desejam a paz, mas nem todos buscam as coisas que
produzem a verdadeira paz. A minha paz está com os humildes e
mansos de coração. Na muita paciência encontrarás a tua paz. Se
me ouvires e seguires a minha voz, poderás gozar grande paz.
2. A alma: Que hei de fazer, pois, Senhor?
3. Jesus: Em tudo olha bem o que fazes e dizes, e dirige toda a tua
intenção só para meu agrado, sem desejar ou buscar coisa alguma
fora de mim. Não julgues temerariamente das palavras e obras dos
outros, nem te intrometas em coisas que não te dizem respeito;
deste modo poderá ser que pouco ou raras vezes te perturbes.
4. Nunca sentir, porém, inquietação, nem sofrer moléstia alguma do
corpo ou do espírito, não é próprio da vida presente, senão do
estado do eterno descanso. Não julgues, pois, ter achado a
verdadeira paz, se não sentires nenhuma aflição; nem que tudo
está bem, se não tiveres nenhum adversário, ou tudo perfeito, se
tudo correr a teu gosto. Nem penses que és grande coisa ou
singularmente amado por Deus, se sentes muita devoção e doçura,
porque não são estes os sinais pelos quais se conhece o


verdadeiro amante da virtude, nem consiste nisso o
aproveitamento e a perfeição do homem.
5. A alma: Em que consiste, pois, Senhor?
6. Jesus: Em te ofereceres de todo o teu coração à divina vontade,
sem buscares o teu próprio interesse em coisa alguma, nem
eterna; de sorte que com igualdade de ânimo dês graças a Deus
na ventura e na desgraça, pesando tudo na mesma balança. Se
fores tão forte e constante na esperança que, privado de toda
consolação interior, disponhas teu coração para maiores
provações, sem te justificares, como se não deveras sofrer tanto, e
antes louvares a santidade e a justiça em todas as minhas
disposições, então andarás no verdadeiro e reto caminho da paz e
poderás ter certíssima esperança de contemplar novamente minha
face com júbilo. E, se chegares ao perfeito desprezo de ti mesmo,
fica sabendo que então gozarás da abundância da paz, no grau
possível nesta peregrinação terrestre.
CAPÍTULO 26
Excelência da liberdade espiritual, à qual se chega antes
pela oração humilde que pela leitura
1. A alma: Senhor, é próprio do varão perfeito: nunca perder de vista
as coisas celestiais, e passar pelos mil cuidados, como que sem
cuidado, não por indolência, mas por um privilégio duma alma livre,
que não se apega, com desordenado afeto, a criatura alguma.
2. Peço-vos, ó meu benigníssimo Deus! Preservai-me dos cuidados
desta vida, para que não me embarace demasiadamente neles;
das muitas necessidades do corpo, para que não me escravize a
sensualidade; e de todas as perturbações da alma, para que não
me desalente sob o peso das angústias. Não falo das coisas que a
vaidade humana busca tão empenhadamente, mas das misérias
que, pela maldição comum de todos os mortais, penosamente
oprimem a alma de vosso servo, e a impedem de elevar-se à
liberdade perfeita de espírito, sempre que o quiser.
3. Ó meu Deus, doçura inefável! Convertei-me em amargura toda
consolação carnal, que me aparta do amor das coisas eternas e
me fascina pelo encanto de um prazer momentâneo. Não me
vença, Deus meu, não me vença a carne e o sangue; não me
seduza o mundo, com sua glória passageira; não me faça cair o
demônio, com sua astúcia. Daí-me força para resistir, paciência


para sofrer, constância para perseverar. Daí-me, em lugar de todas
as consolações do mundo, a suavíssima unção do vosso espírito e,
em lugar do amor terrestre, infundi-me o amor de vosso nome!
4. O comer, o beber, o vestir e outras coisas necessárias ao corpo
são um peso para a alma fervorosa. Concedei-me usar com
moderação de tais lenitivos, sem me prender a eles com
demasiado afeto. Não é lícito rejeitar tudo, pois devemos sustentar
a natureza; mas buscar as coisas supérfluas e o que mais delicia,
proíbe-o vossa santa lei, porque de outro modo a carne se rebelará
contra o espírito. Entre estes dois extremos, Senhor, peço-vos que
me dirijas e governes na vossa mão, para que não pratique algum
excesso.
CAPÍTULO 27 Como o amor-próprio afasta no máximo grau do sumo
bem
1. Jesus: Filho, cumpre que dês tudo por tudo, sem reservar-te a ti
mesmo. Fica sabendo que teu amor-próprio te prejudica mais que
qualquer coisa do mundo. Cada objeto mais ou menos te prende,
segundo o amor e afeto que lhe tens. Se teu amor for puro, simples
e bem ordenado, de nenhuma coisa serás escravo. Não cobices o
que não te é lícito possuir, nem possuas coisa alguma que te
possa impedir a liberdade interior ou dela privar-te. É de estranhar
que te não entregues a mim, do íntimo do teu coração, com tudo
que possas ter ou desejar.
2. Por que te consomes em vã tristeza? Por que te afanas em
cuidados supérfluos? Conforma-te com a minha vontade e nenhum
dano sofrerás. Se buscares isto ou aquilo, se desejares estar aqui
ou ali, por tua comodidade ou teu capricho, nunca estarás quieto,
nem livre de cuidados, porque em todas as coisas há algum
defeito, e em todo lugar quem te contrarie.
1. De nada te serve, pois, adquirir ou acumular bens exteriores,
mas muito te aproveita desprezá-los e desarraigá-los do
coração. Isso não se entende somente do dinheiro e das
riquezas, senão também da ambição das honras, e do desejo
de vãos louvores porque tudo isso passa com o mundo.
Pouco resguarda o lugar, se falta o espírito de fervor; nem
durará muito tempo aquela paz procurada fora, se faltar ao
teu coração o verdadeiro fundamento. Isto é, se não se firmar
em mim. Mudar tu podes, mas não melhorar, porque,
chegada a ocasião, e aceitando-a, encontrarás de novo
aquilo de que fugiste e pior ainda.


2. Oração para implorar a limpeza do coração e sabedoria
celestial:
3. Confirmai-me Senhor, pela graça do Espírito Santo. Confortai em
mim o homem interior e livrai meu coração de todo cuidado inútil e
de toda ansiedade, para que não me deixe seduzir pelos vários
desejos das coisas terrenas, sejam vis ou preciosas, mas para que
as considere todas como transitórias, e me lembre que eu mesmo
sou passageiro, como elas: Pois nada há estável debaixo do sol,
onde tudo é vaidade e aflição de espírito (Ecle 1,14). Como é sábio
quem assim pensa!
4. Dai-me, Senhor, sabedoria celestial, para que aprenda a buscar-
vos, e achar-vos, antes que tudo, a gostar-vos e amarvos acima de
tudo, e a compreender todas as coisas como são, segundo a
ordem de vossa sabedoria. Dai-me prudência, para afastar-me do
lisonjeiro, e paciência para suportar a quem me contraria. Porque é
grande sabedoria não se deixar mover por todo sopro de palavras,
nem prestar ouvidos aos traiçoeiros encantos da sereia; pois só
deste modo prossegue a alma com segurança no caminho
começado.
CAPÍTULO 28
Contra as línguas maldizentes
1. Filho, não te aflijas se alguém fizer de ti mau conceito ou disser
coisas que não gostas de ouvir. Pior ainda deves julgar de ti
mesmo, e avaliar-te o mais imperfeito de todos. Se praticares a
vida interior, pouco te importarás de palavras que voam. É grande
prudência calar-se nas horas da tribulação, volver-se interiormente
a mim, e não se perturbar com os juízos humanos.
2. Não faças depender tua paz da boca dos homens; porque, quer
julguem bem, quer mal de ti, não serás por isso homem diferente.
Onde está a verdadeira paz e a glória verdadeira? Porventura não
está em mim? Quem não procura agradar aos homens, nem teme
desagradar-lhes, esse gozará grande paz. É do amor desordenado
e do vão temor que nascem o desassossego do coração e a
distração dos sentidos.
CAPÍTULO 29
Como, durante a tribulação, devemos invocar a Deus e bendizê-lo


1. A alma: Senhor, bendito seja para sempre o vosso nome!
Pois quisestes que me sobreviesse esta tentação e este
trabalho. Não lhes posso fugir, mas tenho necessidade de
recorrer a vós, para que me ajudeis e tudo convertais em
meu proveito. Eis-me, Senhor, na tribulação, com o coração
aflito; e quanto me atormenta o presente sofrimento. Pois
que direi eu agora, Pai amantíssimo? Apertado estou entre
angústias: "Salvai-me nesta hora. Veio sobre mim este
transe, só para que vós fôsseis glorificado (Jo 12,17), quando
eu estivesse muito abatido e fosse por vós livrado". "Dignai-
vos, Senhor, livrar-me" (Sl 39,14); pois, pobre de mim, que
farei e aonde irei, sem nós? Daí-me, Senhor, paciência ainda
por
2. esta vez. Socorrei-me, Deus meu, e não temerei, por mais
que seja atribulado.
2. E que direi em tamanha necessidade? Senhor, seja feita a vossa
vontade. Bem mereço ser atribulado e angustiado. Convém-me
sofrer, e oxalá seja com paciência, até que passe a tempestade e
volte a bonança. Bastante poderosa é, entretanto, vossa mão
onipotente para tirar-me esta tentação, e moderar-lhe a violência, a
fim de que não sucumba de todo; assim como já tantas vezes
tendes feito comigo, ó meu Deus e minha misericórdia. E quanto
mais difícil para mim, tanto mais fácil para vós é esta mudança da
destra do Altíssimo (Sl 76,11).
CAPÍTULO 30
Como se há de pedir o auxílio divino e confiar para recuperar a graça
1. Jesus: Filho, eu sou o Senhor, que te conforta no dia da tribulação
(Na 1,7). Vem a mim quando te achares aflito. O que mais te
impede de receber a consolação é que tarde recorres à oração.
Antes que ores com atenção, procuras consolar-te, recreando-te
com vários divertimentos exteriores. Daqui vem que pouco proveito
tiras de tudo, até que conheças que sou eu quem salva do perigo
os que em mim esperam, e que fora de mim não há auxílio valioso,
nem conselho útil, nem remédio durável. Uma vez, porém, que
recobraste alento depois da tempestade, procura readquirir forças
à luz das minhas misericórdias; pois estou perto, diz o Senhor,
para tudo restaurar, não só com integridade, mas também com
abundância e profusão.


2. Porventura há para mim alguma coisa dificultosa (Jer 32,37), ou
sou semelhante àquelas que dizem e não fazem? Onde está a tua
fé? Tem firmeza e segurança! Mostra-te corajoso e magnânimo, e
a seu tempo te virá a consolação. Espera por mim, espera! Virei e
te curarei. É tentação o que te atormenta, é temor vão o que te
assusta. Que ganhas com a solicitude de um futuro contingente,
senão que tenhas tristeza sobre tristeza? A cada dia basta seu
fardo (Mt 6,34). Coisa vã e inútil é entristecer-se ou regozijar-se
com as coisas futuras, que talvez nunca venham a realizar-se.
3. É próprio do homem deixar-se iludir por tais imaginações, mas é
sinal de pouco ânimo ceder tão facilmente às sugestões do inimigo.
A ele pouco importa se é por meios verdadeiros ou falsos que te
seduz e engana, se é com amor dos bens presentes, ou com o
temor dos males futuros que te deita a perder. "Não se perturbe,
pois, teu coração, nem se amedronte" (Jo 14,27). Crê em mim, e
tem confiança em minha misericórdia. Quando te julgas muito
longe de mim, mais perto estou, às vezes, de ti. Quando pensas
que está tudo quase perdido, muitas vezes está próxima a ocasião
de granjeares maior merecimento. Nem tudo está perdido, por te
acontecer alguma contrariedade. Não julgues pela impressão do
momento, nem te aflijas com qualquer tribulação, venha donde
vier, como se não houvesse esperança de remédio.
4. Não te julgues inteiramente desamparado, ainda quando, de
tempos a tempos, te mando alguma tribulação ou te privo de
alguma consolação desejada; porque é este o caminho por onde
se vai ao reino dos céus. E isto, sem dúvida, convém mais a ti e a
todos os meus servos, serdes exercitados nas adversidades, do
que se tudo vos sucedesse à vossa vontade. Eu conheço os
pensamentos escondidos, e sei que muito importa à tua salvação
seres, às vezes, privado de toda consolação espiritual, para que
não te exalte o bom progresso e te desvaneças do que não és. O
que dei posso tirar, e dar de novo, quando me aprouver.
5. É sempre meu o que dou, e quando o tiro; não tomo coisa tua, pois
"de mim procede qualquer dádiva boa de todo dom perfeito" (Tg
1,17). Se eu te enviar qualquer pena ou contrariedade, não te
revoltes nem desfaleça teu coração; eu posso num momento
aliviar-te e transformar tua mágoa em alegria. Todavia, procedendo
eu assim para contigo, sou justo e digno de louvor.
6. Se refletires bem e julgares as coisas segundo a verdade, não
deves afligir-te tanto com a adversidade, nem desanimar, mas, ao
contrário, alegrar-te e dar-me graças. Até deve ser tua única


alegria que eu te aflija com dores, sem poupar-te. Assim como meu
Pai me amou, também eu vos amo a vós (Jo 15,19), disse eu a
meus diletos discípulos, e, entretanto, não os enviei às delícias
temporais, mas às grandes pelejas, não às honras, mas aos
desprezos, não aos passatempos, mas sim a produzir fruto copioso
na paciência. Meu filho, lembra-te bem destas palavras.
CAPÍTULO 31
Do desprezo de toda criatura, para que se possa achar o Criador
1. A alma: Senhor, muita graça ainda me é necessária para chegar a tal
ponto, que nenhum homem nem criatura alguma me possa estorvar.
Pois, enquanto me detém alguma coisa, não posso voar à vós
livremente. Aspirava a esta liberdade o profeta, quando dizia: Quem me
dera asas como a pomba, para poder voar e descansar! (Sl 54,7). Que
há de mais sereno que o olhar singelo, e quem é mais livre que o homem
sem desejo terrestre? Por isso importa elevares-te acima de todas as
criaturas, e renunciares totalmente a ti mesmo, e naquele arroubo da
alma perseverares e compreenderes que
o Autor de todas as coisas não tem semelhança com as criaturas. E
quem não estiver desprendido das criaturas, não poderá livremente
atender às coisas divinas. Por isso se encontram tão poucos
contemplativos, porque raros são os que sabem desapegar-se de todo
das coisas perecedoras.
1. Para isso é mister graça poderosa, que levante a alma e a arrebate
acima de si mesma. Enquanto o homem não for elevado em
espírito, livre de todas as criaturas e todo unido a Deus, pouco vale
quanto sabe e quanto possui. Imperfeito permanecerá por muito
tempo e preso à terra quem algo estimar que não seja o único,
imenso e terno Bem. Porque tudo que não é Deus é nulo, e deve
ser tido em conta de nada. Há grande diferença entre a sabedoria
de um homem iluminado e devoto e a ciência de um letrado e
estudioso. Muito mais nobre é a doutrina que vem do céu, por
inspiração divina, do que aquilo que o engenho humano adquire à
custa de muito esforço.
2. Muitos há que desejam a vida contemplativa, mas não tratam de
exercitar-se nas coisas que ela exige. O grande obstáculo é que se
detêm nos sinais e coisas sensíveis, cuidando pouco da perfeita
mortificação. Não sei o que é, nem que espírito nos move, nem que


pretendemos nós que passamos por homens espirituais quando
empregamos tanto trabalho e cuidado nas coisas vis e transitórias,
ao passo que raras vezes nos recolhemos plenamente a
considerar nosso interior.
3. Ai! Que, depois de curto recolhimento, logo nos dissipamos, sem
ponderar nossas ações em rigoroso exame. Não reparamos para
onde se inclinam nossos afetos, nem deploramos quão defeituoso
é tudo em nós. Por ter corrompido toda a carne o seu caminho
(Gên 6,12), veio o grande dilúvio. Estando, pois, corrompido o
nosso afeto interior, forçosamente se há de corromper a ação que
dele se segue, patenteando bem a fraqueza interior. Só do coração
puro procede o fruto da boa vida.
4. Muitos indagam quanto fez uma pessoa, mas de quanta virtude foi
animada nem tanto se cura. Com diligência investigam se alguém é
forte, rico, formoso, hábil, bom escritor, bom cantor, bom artista;
mas quão pobre seja de espírito, quão paciente e manso, quão
piedoso e espiritual, disso não se faz caso. A natureza só
considera o exterior do homem, mas a graça olha o interior. Aquela
muitas vezes se engana, esta espera em Deus, para não ser
iludida.
CAPÍTULO 32
Da abnegação de si mesmo e abdicação de toda cobiça
1. Jesus: Filho, não podes gozar perfeita liberdade, enquanto não
renunciares inteiramente a ti mesmo. Em escravidão vivem todos
os ricos e egoístas, os cobiçosos, curiosos, que gostam de
vaguear, buscando sempre as delícias dos sentidos e não as de
Jesus Cristo, mas só imaginam o que não pode permanecer e só
disso cogitam. Pois tudo que não vem de Deus perecerá. Conserva
em teu coração esta breve e profunda sentença: Deixa tudo, e
terás sossego. Pondera isto, e, quando o praticares, tudo
entenderás.
2. A alma: Senhor, isto não é obra de um dia, nem brincadeira de
criança, antes nesta breve palavra se compendia toda a perfeição
religiosa.
3. Jesus: Filho, não deves recear, nem logo desanimar, ouvindo falar
do caminho dos perfeitos, mas antes esforça-te por um estado
mais perfeito, ou pelo menos almeja-o ardentemente. Oxalá fosses
assim e tivesses chegado a tanto, que não te amasses a ti mesmo,
mas estivesses inteiramente resignado à minha vontade e à


daquele que te dei por diretor. Muito me agradarias, então, e toda a
tua vida passaria em paz e alegria. Ainda tens que desprender-te
de muitas coisas, e se não mas entregares inteiramente, não
alcançarás o que me pedes. "Aconselho-te que me compres o ouro
acrisolado, para te tornares rico" (Apc 3,18), isto é, a sabedoria
celestial, que pisa aos pés todas as coisas terrenas. Despreza a
sabedoria terrena, todo o humano contentamento e própria
complascência.
4. Eu disse que deves buscar, em lugar das coisas nobres e
preciosas, aquilo que, aos olhos do mundo, é vil e desprezível.
Porque mui vil e desprezível, até quase esquecida, parece a
verdadeira e celestial sabedoria, que não se tem em grande conta,
nem trata de se engrandecer na terra. Muitos a louvam com a
boca, mas afastam-se dela na vida; contudo é esta a pérola
preciosa, conhecida de poucos.
CAPÍTULO 33
Da instabilidade do coração e que a intenção final se há de dirigir a Deus
1. Jesus: Filho, não te fies nos teus afetos atuais, que depressa em
outros se mudarão. Enquanto viveres, estarás sujeito ao variável,
ainda que não queiras; ora te acharás alegre, ora triste, ora
sossegado ora perturbado, umas vezes fervoroso, outras tíbio, já
diligente, já preguiçoso, agora sério, logo leviano. O sábio, porém,
e instruído na vida espiritual, está acima desda inconstância, não
cuidando dos seus sentimentos, nem de que parte sopra o vento
da instabilidade, mas concentrando todo o esforço de sua alma no
devido e almejado fim. Porque assim poderá permanecer sempre o
mesmo e inabalável, dirigindo a mim, sem cessar, a mira de sua
intenção, entre todas as vicissitudes que lhe sobrevierem.
2. Quanto mais pura for tua intenção, porém, tanto mais constante
serás durante as diversas tempestades. Mas em muitos se
escurece o olhar da pura intenção, porque depressa o volvem para
qualquer objeto deleitável que se lhes depare. Poucos há
inteiramente livres da pecha do egoísmo. Assim, os judeus foram
um dia a Betânia, em casa de Maria e Marta, não só por amor de
Jesus, mas também para verem a Lázaro (Jo 12,9). Cumpre, pois,
purificar a intenção, para que seja simples e reta e se dirija a mim
acima de tudo que há de permeio.
CAPÍTULO 34


Como Deus é delicioso em tudo e sobretudo a quem o ama
1. A alma: Vós sois meu Deus e meu tudo! Que mais quero eu e que
dita maior posso desejar? Ó palavra suave e deliciosa! Mas só
para quem ama a Deus, e não o mundo nem as suas coisas. Meu
Deus e meu tudo! Para quem a entende basta esta palavra, e
quem ama acha delicia em repeti-la a miúdo. Porque, quando
estais presente tudo é aprazível, mas, se vos ausentais, tudo
enfastia. Vós dais ao coração sossego, grande paz e jubilosa
alegria. Vós fazeis que julguemos bem de todos e em tudo vos
bendigamos; nem pode, sem vós, coisa alguma agradar-nos por
muito tempo, mas, para ser agradável e saborosa, é necessário
que lhe assista a vossa graça e a tempere o condimento da vossa
sabedoria.
2. A quem saboreia vossa doçura, que coisa não lhe saberá bem?
Mas a quem em vós não se deleita, que coisa lhe poderá ser
gostosa? Diante da vossa sabedoria desaparecem os sábios do
mundo e os amadores da carne, porque nos primeiros se acha
muita vaidade, nos últimos, a morte; os que, porém, vos seguem
pelo desprezo do mundo e pela mortificação da carne, esses são
verdadeiramente sábios, porque trocam a vaidade pela verdade, e
a carne pelo espírito. Esses acham gosto nas coisas de Deus, e
tudo quanto se acha de bom nas criaturas, referem-no à glória do
seu Criador. Diferente, porém, e mui diferente, é o gosto que se
encontra em Deus e na criatura, na eternidade e no tempo, na luz
incriada e na luz criada.
3. Ó luz eterna, superior a toda luz criada, lançai do alto um raio que
penetre todo o íntimo do meu coração. Purificai, alegrai, iluminai e
vivificai a minha alma com todas as suas potências, para que a vós
se una em transportes de alegria. Oh! Quando virá aquela ditosa e
almejada hora, em que haveis de saciar-me com a vossa presença,
e ser-me tudo em todas as coisas? Enquanto isso não me for
concedido, minha alegria não será perfeita. Mas ai! Que ainda vive
em mim
o homem velho, não de todo crucificado nem inteiramente morto. Ainda
se revolta fortemente contra o espírito e move guerras interiores; nem
consente em que reine tranqüilidade na alma.
4. Mas vós, que dominais a impetuosidade do mar e aplacais o furor das
ondas, levantai-vos e socorrei-me! Dissipai os poderes que procuram
guerras, esmagai-os com o vosso braço (Sl 88,10; 43,26; 67,31).


Manifestai, Senhor, as vossas maravilhas, e seja glorificada a vossa
destra (Eclo 36,7; Jdt 9,11), pois não tenho outro refúgio senão em vós,
meu Senhor e meu Deus!
CAPÍTULO 35
Como nesta vida não há segurança contra a tentação
1. Jesus: Filho, nunca estarás seguro nesta vida, mas,
enquanto viveres, terás necessidade de armas espirituais.
Andas cercado de inimigos, que à direita e à esquerda te
acometem. Logo, se não te armares por todos os lados com
o escudo da paciência, não estarás por muito tempo sem
ferida. Demais, se não firmares em mim teu coração, com
sincera vontade de sofrer tudo por meu amor, não poderás
suportar tão renhido combate, nem alcançar a palma dos
bemaventurados. Cumpre, pois, caminhar com ânimo varonil
por entre todos os obstáculos, e rebater com a mão poderosa
2. todos os empecilhos. Pois ao vencedor será dado o maná
(Apc 2,17), e ao covarde aguarda muita miséria.
2. Se buscas descanso nesta vida, como chegarás ao descanso
eterno? Não procures muito descanso, mas muita paciência. Busca
a paz verdadeira do céu, não sobre a terra, não nos homens, nem
nas demais criaturas, mas só em Deus. Deves, por amor de Deus,
aceitar tudo de boa vontade, isto é, trabalhos e sofrimentos,
tentações, vexames, ansiedades, doenças, injúrias, murmurações,
repreensões, humilhações, afrontas, correções e desprezos. Tudo
isto faz progredir na virtude, prova o novo soldado de Cristo e
prepara a coroa celestial. Eu darei prêmio eterno por breve
trabalho, e glória infinita por humilhação transitória.
3. Julgas que sempre há de ter consolações espirituais à medida de
teus desejos? Nem sempre as tiveram os meus santos, passando
ao contrário por muitas penas, várias tentações e grandes
angústias. Mas eles suportaram tudo com paciência, mais
confiados em Deus que em si, porque sabiam "que não têm
proporção os sofrimentos desta vida com a futura glória" que os
recompensa (Rom 8,18). Quereis obter logo o que tantos apenas
conseguiram só depois de copiosas lágrimas e grandes trabalhos?
Espera no Senhor, age varonilmente, e sê firme (Sl 26,14); não
desanimes, não recues, mas expõe generosamente corpo e alma
pela glória de Deus. Eu te recompensarei plenamente, e estarei
contigo em toda tribulação (Sl 90,15) .


CAPÍTULO 36
Contra os juízos dos homens
1. Jesus: Filho põe tua confiança em Deus e não temas os juízos
humanos, enquanto tua consciência te der testemunho da tua
piedade e inocência. É bom e salutar sofrer deste modo, nem isso
será penoso ao coração humilde, que confia mais em Deus que em
si mesmo. Muitos falam com demasia, e por isso não se lhes deve
dar muito crédito. Mas também não é possível satisfazer a todos.
Ainda que Paulo se empenhasse por agradar a todos no Senhor,
fazendo-se tudo para todos (1 Cor 9,22), contudo, fez pouco caso
de ser julgado no tribunal dos homens (1 Cor 4,3).
2. Fez todo o possível para a edificação e salvação dos outros,
quanto dele dependia; contudo não pôde evitar ser julgado e
desprezado por alguns; por isso pôs tudo nas mãos de Deus, que
tudo conhecia, e defendeu-se com paciência e humildade contra as
línguas maldizentes dos que inventavam maldades e mentiras e as
espalhavam a seu bel-prazer. Todavia, uma vez ou outra, dava
resposta, para que seu silêncio não fosse causa de se
escandalizarem os fracos.
3. Quem és tu, que temes um homem mortal? (Is 51, 12). Hoje existe
e amanhã já não aparece. Teme a Deus, e não temerás as
ameaças dos homens. Que mal te pode fazer um homem com
palavras e afrontas? Mais se prejudica a si mesmo do que a ti, e,
seja quem for, não poderá escapar ao juízo de Deus. Põe os olhos
em Deus, e não contendas com palavras de queixa. Se agora
pareces sucumbir e padecer injúria não merecida, não fiques
contrariado nem diminuas a tua coroa com a impaciência, mas
antes levanta os olhos ao céu, para mim, que poderoso sou, para
te livrar de toda confusão e injúria e dar a cada um conforme suas
obras.
CAPÍTULO 37
Da pura e completa renúncia de si mesmo para obter liberdade de
coração
1. Jesus: Filho, deixa-te a ti, e achar-me-ás a mim. Despe tua vontade e
teu amor-próprio, e sempre tirarás lucro. Porque, logo que te entregares
a mim sem reservas, se te acrescentará a graça.


A alma: Senhor, em que devo renunciar-me, e quantas vezes?
Jesus: Sempre e a toda hora tanto no muito como no pouco. Nada
excetuo, mas quero te achar despojado de tudo. De outra sorte, como
poderás ser meu e eu teu, se não estiveres, exterior e interiormente,
desapegado de toda vontade própria? Quanto mais prontamente isso
fizeres, tanto melhor te acharás, e quanto mais pleno e sincero for teu
sacrifício, tanto mais me agradarás e maior lucro terás.
1. Alguns há que se entregam a mim, mas com alguma reserva,
porque não têm plena confiança em Deus, e por isso tratam de
prover as próprias necessidades. Outros, a princípio, tudo
oferecem, mas depois, combatidos pela tentação, volvem-se
novamente às próprias comodidades, e eis por que quase não
progridem nas virtudes. Estes nunca chegarão à verdadeira
liberdade do coração puro, nem à graça de minha doce
familiaridade, enquanto não renunciarem de todo a si mesmos,
oferecendo-se em cotidiano sacrifício a Deus, sem o que não há
nem pode haver união deliciosa comigo.
2. Muitas vezes te disse e agora te torno a dizer: deixa-te, renuncia a
ti mesmo, e gozarás grande paz interior. Dá tudo por tudo, não
busques, não reclames coisa alguma, persevera, pura e
simplesmente, em mim, e me possuirás. Terás livre o coração e as
trevas não te poderão oprimir. A isto te aplica, isto pede, isto
deseja: ser despojado de todo amorpróprio, para que possas seguir
nu a Jesus desnudado, morrer a ti mesmo e viver eternamente.
Então se dissiparão todas as vãs imaginações, penosas
pertubações e supérfluos cuidados. Logo também desaparecerá o
temor demasiado, e morrerá o amor desordenado.
CAPÍTULO 38
Do bom procedimento exterior, e do recurso a Deus nos perigos
1. Jesus: Filho, nisto deves empenhar toda a diligência, que em todo
lugar, ação ou ocupação exterior estejas interiormente livre e
senhor de ti mesmo, dominando todas as coisas, e a nenhuma
sujeito. Deves ser o senhor e diretor de tuas ações e não servo ou
escravo; cumpre sejas livre e verdadeiro israelita, que chega à
condição de liberdade dos filhos de Deus. Esses elevam-se acima
das coisas presentes e contemplam as eternas; só de relance
olham para as coisas transitórias, e têm a vista presa nas


celestiais. Não se deixam atrair e prender pelas coisas temporais,
mas servem-se delas conforme o fim para que foram ordenadas
por Deus e destinadas pelo supremo Artífice, que nada deixou sem
ordem nas suas criaturas.
2. Se, além disso, em qualquer acontecimento, não te demorares na
aparência exterior, nem considerares com os olhos carnais o que
vês e ouves, mas em qualquer negócio entrares logo com Moisés
no tabernáculo e consultar o Senhor; ouvirás às vezes, a sua divina
resposta, e sairás instruído a respeito de muitas coisas presentes e
futuras. Sempre recorria Moisés ao tabernáculo para resolver suas
dúvidas e dificuldades, valia-se da oração para triunfar dos perigos
e das maldades dos homens. Do mesmo modo deves tu te refugiar
no mais recôndito do teu coração, para, com mais instância,
implorar o divino auxílio. Por isso - como está escrito - Josué e os
filhos de Israel foram enganados pelos gabaonitas "porque não
consultaram primeiro ao Senhor", mas, dando crédito demasiado
às suas doces palavras, deixaram-se enganar por fingida piedade.
CAPÍTULO 39
Que o homem não seja impaciente nos seus negócios
1. Jesus: Filho, confia-me sempre teus negócios, eu disporei
tudo bem a seu tempo. Espera minha determinação, e disso
tirarás proveito.
2. A alma: Senhor, de mui boa vontade vos confio todas as
coisas, porque pouco adianta o meu cuidado. Oxalá não me
perturbasse com os conhecimentos futuros, mas me
oferecesse sem demora ao vosso beneplácito!
2. Jesus: Filho, muitas vezes procura o homem com ânsia uma coisa
que deseja; logo, porém, que a alcança, muda de parecer, porque
as afeições não persistem muito ao mesmo objeto, mas facilmente
passam de um para outro. Pelo que, não é pouco renunciar-se o
homem a si mesmo, ainda nas coisas pequenas.
3. O verdadeiro progresso do homem consiste na abnegação de si
mesmo, e quem assim se abnegou, goza grande liberdade e
segurança. Contudo, o antigo inimigo, o adversário de todo o bem
não desiste da tentação, armando dia e noite perigosas ciladas,
para ver se pode precipitar algum incauto no laço do seu engano.
Vigiai e orai, diz o Senhor, para que não entreis em tentação (Mt
26, 41).


CAPÍTULO 40
Que o homem por si mesmo nada tem de bom e de nada se pode gloriar
1. A alma: Senhor, que é o homem, para que vos lembreis dele, ou o
filho do homem, para que o visiteis? (Sl 8,5). Por onde mereceu o
homem que lhe deis a vossa graça? Como me posso queixar, se
me desamparais, ou que posso justamente opor, se não me
concedeis o que peço? Decerto, com verdade posso pensar e
dizer: Senhor, nada sou, nada posso, nada de bom tenho de mim
mesmo, mas falta-me tudo, e sempre pendo para o nada. E se vós
não me ajudais e ensinais, fico de todo tíbio e relaxado.
1. Vós, porém, Senhor, sempre sois o mesmo e permaneceis
eternamente bom, justo e santo, e boas são vossas obras
2. todas, e justas e santas, e dispondes tudo com sabedoria.
Mas eu, que sou mais inclinado à negligência que ao
aproveitamento espiritual, não sei conservar-me no mesmo
estado, porque mudo sete vezes por dia. Mas logo me vai
melhor, quando vos apraz estender-me a mão para me
socorrer; porque só vós, sem auxílio humano, me podeis
ajudar e dar-me firmeza, de tal modo que jamais se mude
meu rosto, mas só a vós se converta meu coração e em vós
descanse.
2. Por isso, se eu soubesse rejeitar toda humana consolação, fosse
por adquirir a devoção, fosse pela necessidade que me obriga a
buscar-vos, então poderia com razão esperar a vossa graça e
alegrar-me com o favor de uma nova consolação.
3. Graças vos sejam dadas, Senhor, porque de vós procede todo o
bem que me sucede. Mas eu sou vaidade e nada, diante de vós,
sou homem frágil e inconstante. De que posso, pois, gloriar-me, ou
por que desejo ser estimado? Porventura do meu nada? Isso seria
o cúmulo da vaidade. Verdadeiramente a vanglória é peste maligna
e a pior das vaidades, porque nos aparta da glória verdadeira e nos
priva da graça celestial. Porquanto, desde que o homem agrada a
si, desagrada a vós, e quando aspira aos humanos louvores, perde
as verdadeiras virtudes.
4. Glória verdadeira, porém, e alegria santa é gloriar-se cada um em
vós e não em si, deleitar-se em vosso nome e não na sua própria
virtude, não achar deleite em criatura alguma, senão por amor de
vós. Seja louvado o vosso nome e não


o meu; sejam glorificadas vossas obras e não as minhas; exaltado seja o
vosso santo nome, e a mim nada se atribua dos louvores humanos. Vós
sois minha glória e a alegria do meu coração. Em vós me gloriarei e
exaltarei todo dia, mas, quanto à minha pessoa, de nada me ufano, a não
ser das minhas fraquezas (2Cor 12,5).
6. Busquem os judeus a glória uns dos outros, eu busco aquela que vem
só de Deus (Jo 5,44). Pois toda glória humana, toda glória temporal e
toda grandeza mundana, comparada com a vossa eterna glória, não
passa de vaidade e loucura. Ó verdade e misericórdia minha, Deus meu,
Trindade bem-aventurada! A vós só seja dado louvor, honra, virtude e
glória por todos os séculos.
CAPÍTULO 41
Do desprezo de toda honra temporal
1. Jesus: Filho, não te entristeças por veres os outros honrados
e exaltados, ao passo que tu és desprezado e humilhado.
Ergue a mim o teu coração até ao céu, e não te entristecerá
o desprezo humano na terra.
2. A alma: Senhor, vivemos na cegueira, e facilmente nos
engana a vaidade. Se bem me examino, nunca recebi injúria
de criatura alguma; não tenho, pois, motivo de justa queixa
contra vós.
2. Mas, porque cometi tantos pecados, e tão graves, contra vós, é
justo que contra mim se armem todas as criaturas. A mim, pois,
com muita razão, cabe confusão e desprezo, a vós, porém, louvor,
honra e glória. E enquanto não estiver disposto a querer de bom
grado ser desprezado e abandonado de todas as criaturas, e ser
tido absolutamente em nada, não haverá em mim paz e
tranqüilidade interior, nem serei espiritualmente iluminado, nem
perfeitamente unido a vós.
CAPÍTULO 42
Como não se deve procurar a paz nos homens
1. Jesus: Filho se puseres tua paz em alguma pessoa, por conviver
contigo e ser de teu parecer, achar-te-ás inconstante e
embaraçado. Mas, se recorreres à verdade sempre viva e
permanente, não te entristecerás pela ausência e morte de um


amigo. Em mim se há de fundar o amor do amigo, e por mim se há
de amar todo aquele que nesta vida te parecer bom e amável. Sem
mim não vale nada, nem durará a amizade; nem é puro e
verdadeiro o amor cujos laços eu não tenha dado. De tal modo
deves estar morto para semelhantes afeições dos amigos que,
quanto depender de ti, desejes viver sem relações humanas.
Quanto mais se chegar o homem para Deus, tanto mais se
afastará de todo alívio terreno. E tanto mais alto sobe para Deus,
quanto mais baixo desce na sua estimação, e mais vil se reputa.
2. Mas quem a si mesmo se atribui algum bem impede que a graça
venha à sua alma; porque a graça do Espírito Santo sempre busca
o coração humilde. Se te souberas perfeitamente aniquilar e
desprender de todo amor criado, então viria a ti com a abundância
de minhas graças. Quando olhas para as criaturas, perdes a
contemplação do Criador. Aprende a vencer-te em tudo por teu
Criador, e então poderás chegar ao conhecimento divino. Qualquer
coisa, por pequena que seja, se a amas e aprecias
desordenadamente, mancha a alma e te separa do sumo bem.
CAPÍTULO 43
Contra a vã ciência do século
1. Jesus: Não te deixes cativar pela elegância e sutileza dos dizeres
humanos, porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas
na virtude (1 Cor 2,4). Atende às minhas palavras, que inflamam o
coração, iluminam o espírito, levam à compunção e produzem
muitas consolações. Nunca leias minha palavra com o fim de
pareceres mais douto ou sábio. Aplica-te a mortificar teus vícios,
porque isso te traz mais proveito que o conhecimento das mais
difíceis questões.
2. Por muito que estudes e aprendas, terás que referir tudo sempre
ao único princípio. Sou eu que ensino ao homem a ciência, e dou
aos pequeninos mais clara compreensão, do que os homens são
capazes de ensinar. Aquele a quem eu ensinar, depressa será
sábio e muito aproveitará espiritualmente. Ai daqueles que
indagam dos homens muitas coisas curiosas, e tratam pouco dos
meios de me servir. Tempo virá em que aparecerá o Mestre dos
mestres, Cristo, Senhor dos anjos, para tomar lições de todos, isto
é, para examinar a consciência de cada um. E com a lâmpada na
mão perscrutará então Jerusalém, e revelará o segredo das trevas,
fazendo calar as objeções das línguas humanas.


3. Eu sou o que levanta num instante o espírito humilde, de maneira
que compreenda melhor as razões das verdades eternas, do que
se houvera estudado dez anos nas escolas. Eu ensino sem ruído
de palavras, sem confusão de opiniões, sem espalhafato, sem
contenda de argumentos. Eu sou o que ensina a desprezar as
coisas terrenas, a aborrecer as coisas presentes, a buscar e
apreciar as eternas, a fugir às honras, sofrer as injúrias, pôr em
mim toda esperança, a não desejar coisa alguma fora de mim e
amar só a mim, com todo fervor, acima de tudo.
4. Alguns, amando-me inteiramente, aprenderam com isso coisas
divinas e falavam coisas maravilhosas. Mais aproveitaram em
deixar tudo, do que em estudar questões sutis. A uns, porém, falo
coisas comuns, a outros, mais particulares; a alguns revelo-me
docemente em sinais e figuras, a outros descubro os meus
mistérios com muita luz. A mesma voz fala em todos os livros, mas
não ensina a todos da mesma maneira; pois eu sou o que
interiormente ensina a verdade, perscruta o coração, penetra os
pensamentos. Inspira as ações, distribuindo a cada um segundo
me apraz.
CAPÍTULO 44
Que se não devem tomar a peito as coisas exteriores
1. Jesus: Filho, convém fazeres-te ignorante em muitas coisas, e
reputares-te como que morto sobre a terra, para que todo o mundo
te esteja crucificado. Importa também que te faças surdo a muitas
coisas, cuidando antes do que serve à tua paz. Mais útil é
desviares os olhos do que não te agrada e deixares a cada um seu
parecer, do que entrares em discussões. Se estiveres bem com
Deus e considerares seus juízos, não te será custoso dares-te por
vencido.
2. A alma: Ah! Senhor, a que chegamos? Eis que choramos uma
perda temporal, trabalhamos e corremos para ganhar mesquinho
lucro, mas do dano espiritual nos esquecemos e mal nos
lembramos, ou tarde. Olha-se muito pelo que pouco ou nada vale,
e não se faz caso do que é sumamente necessário, porque o
homem inteiramente se entrega às coisas exteriores, e, se
prontamente não se recolher, nela descansa com prazer.
CAPÍTULO 45


Que se não deve dar crédito a todos, e quão facilmente faltamos nas
palavras
1. Socorrei-nos, Senhor, na tribulação, porque é vão o auxílio humano
(Sl 59,3). Oh! Quantas vezes procurei em vão fidelidade, onde
cuidava que a havia! Ah! Quantas vezes a encontrei onde menos a
esperava! Vã é, pois, a esperança que se põe nos homens; em
vós, meu Deus, está a salvação dos justos. Bendito sejais, Senhor
meu Deus, em tudo que nos sucede. Nós somos fracos e
inconstantes, facilmente nos enganamos e mudamos.
2. Que haverá tão cauteloso e vigilante em todas as coisas, que
alguma vez não caia em perturbação ou engano? Mas aquele que
em vós, Senhor, confia, e vos procura de coração sincero, não cai
tão facilmente. E se vier a cair em alguma tribulação, de qualquer
sorte que esteja embaraçado nela, prontamente será por vós
libertado ou consolado, porquanto não desamparais para sempre a
quem em vós espera. Raro é o amigo fiel que persevera em todas
as tribulações de seu amigo. Vós, Senhor, sois o único amigo
fidelíssimo e não se acha outro igual.
1. Oh! bem o soube aquela alma santa (Santa Águeda) que
disse: "Meu coração está firmado e fundado em Cristo!" Se
2. assim fora comigo, não me perturbaria tão facilmente o temor
humano, nem me abalariam as flechas das más palavras.
Quem pode prever tudo e precaver-se contra os males
futuros? Se os males previstos já ferem tanto, quanto mais
os imprevistos causarão feridas dolorosas! Mas por que
motivo, sendo eu tão miserável, não me acautelei melhor?
Por que tão facilmente dei créditos aos outros? Entretanto -
somos homens e nada mais que homens fracos, ainda que
muitos se julguem e chamem anjos. A quem hei de crer,
Senhor? a quem senão a vós? Vós sois a verdade que não
engana nem pode ser enganada. Ao passo que está escrito:
"Todo homem é mentiroso (Sl 115,2), fraco, inconstante,
inclinado a pecar, mormente em palavras, de sorte que mal
se deve logo acreditar o que, à primeira vista, parece
verdadeiro".
3. Quão prudentemente nos aconselhastes que nos acautelássemos
dos homens, e nos dissestes que "os inimigos do homem são os
que com ele moram" (Mt 10,36), que não devemos dar crédito se
alguém nos disser: Aqui está Cristo! Ou está acolá! À minha custa
aprendi esta verdade, e queira Deus que me sirva de maior cautela


e não para dar provas de maior insensatez! Toma cuidado, diz-me
alguém, e guarda para ti o que te digo. E enquanto me calo e
guardo segredo, não pode guardar silêncio aquele que me pediu
segredo, senão logo descobre a si e a mim e lá se vai. De homens
tais, palradores e desacautelados, livrai-me, Senhor, para que não
caia em suas mãos nem cometa semelhantes faltas. Ponde em
minha boca palavras sérias e sinceras, e apartai de mim o embuste
da língua. A todo custo devo evitar
o que não quero aturar dos outros.
5. Oh! Como é bom, para viver em paz, calar dos outros, não crer tudo
indiferentemente, nem repeti-lo logo a outrem; abrir-se a poucos e buscar
sempre a vós, o perscrutador do coração; não se mover com qualquer
sopro de palavra, mas desejar que todas as coisas exteriores e interiores
se façam conforme o beneplácito da vossa vontade. Que meio seguro
para conservar a divina graça, fugir do que cai na vista dos homens, e
não desejar o que possa granjear-nos a admiração dos homens, antes
procurar, com toda solicitude, o que serve para emenda da vida e fervor
da alma! A quantos prejudicou a virtude divulgada e prematuramente
elogiada! Quanto proveito, porém, traz conservar a graça do silêncio,
durante esta vida tão frágil, que não é mais que contínua tentação e
peleja!
CAPÍTULO 46
Da confiança que havemos de ter em Deus quando se nos dizem
palavras afrontosas
1. Jesus: Filho conserva-te firme e espera em mim, pois palavras são
palavras; ferem os ares, mas não quebram a pedra. Se és culpado,
trata logo de emendar-te; se a consciência de nada de acusa, faze
o propósito de sofrer isso de boa vontade, por amor de Deus. Não
é muito sofreres, às vezes, más palavras, já que me não podes
ainda suportar mais pesados golpes. E por que razão te ferem tão
leves coisas senão porque és ainda carnal e fazes ainda mais caso
dos homens do que convém? Temes ser desprezado, e por isso
não queres ser repreendido de tuas faltas e procuras defender-te
com desculpas.
2. Mas examina-te melhor e verá que vive ainda em ti o mundo e o
vão desejo de agradar aos homens. Pois, já que foges de ser
abatido e confundido por causa dos teus defeitos, mostras


claramente que não és verdadeiramente humilde, nem inteiramente
morto ao mundo, e que o mundo não está de todo crucificado para
ti (Gál 6,14). Mas ouve a minha palavra e não farás caso de dez mil
palavras humanas. Mesmo que dissessem contra ti quanto pode
inventar a mais negra malícia, que mal te faria, se o deixasses
passar, não fazendo mais caso daquilo que duma palha?
Porventura poderia arrancar-te um só cabelo?
3. Mas quem não domina o coração, nem tem a Deus, diante dos
olhos, facilmente fica aborrecido com uma palavra de repreensão.
Aquele, porém, que confia em mim, e não se aferra à sua própria
opinião, viverá sem temor dos homens. Eu sou o juiz e conheço
todos os segredos, sei como se passou tudo, quem fez a injúria e
quem a sofre. De mim saiu esta palavra, por minha permissão te
sucedeu isso, "para que fossem revelados os pensamentos de
muitos corações" (Lc 2,35). Julgarei o culpado e o inocente:
primeiro, porém, quis provar ambos por oculto juízo.
4. Engana, muitas vezes, o testemunho dos homens; meu juízo é
verdadeiro e não será revogado. As mais das vezes é oculto e
poucos lhe conhecem todas as particularidades, mas nunca erra,
nem pode errar, posto que pareça menos reto aos olhos dos
néscios. A mim, pois, deves recorrer em todo juízo e não te ater ao
teu próprio parecer. Pois o justo não se perturbará, seja o que for
que lhe suceda, por permissão de Deus. Não se afligirá com as
palavras que contra ele disserem injustamente. Mas também não
se encherá de vã alegria, quando outros o justificarem com razões.
Ele pondera que "eu sou o perscrutador dos corações e dos rins"
(Sl 7,10), e não julgo segundo o exterior e as aparências humanas.
Porque muitas vezes é culpável a meus olhos o que é tido por
louvável na opinião dos homens.
5. A alma: Senhor, "Deus, juiz justo, forte e paciente" (Sl 7,12), que
conheceis a fraqueza e malícia dos homens, sede
minha fortaleza e toda a minha confiança, porque não me basta a
consciência da própria força. Vós sabeis o que eu não sei, por isso devia
ter recebido qualquer repreensão com humildade e mansidão. Perdoai-
me, portanto, por todas as vezes que assim o não o fiz, e dai-me de novo
mais graça para sofrer. Portanto, mais valiosa me é vossa abundante
misericórdia para alcançar o perdão dos pecados do que minha pretensa
justiça em defesa do que está oculto na consciência. E mesmo que ela
de nada me acuse, nem por isso sou justificado; porque sem a vossa
misericórdia "nenhum vivente haverá justo a vossos olhos" (Sl 142,2).


CAPÍTULO 47
Que todas as coisas graves se devem suportar pela vida eterna
1. Jesus: Filho não te deixes quebrantar pelos trabalhos
empreendidos por meu amor, nem desanimes nas tribulações; mas
em tudo que te suceder, te consolem e fortifiquem minhas
promessas. Sou assaz poderoso para te recompensar além de
todo limite e medida. Não lidarás aqui muito tempo, nem sempre
estarás acabrunhado de dores. Espera um pouco e verás em breve
o fim de teus males. Hora virá em que cessará todo trabalho e
inquietação. É de pouco valor e duração o que passa com o tempo.
2. Faze o que podes fazer, trabalha fielmente em minha vinha, e "eu
serei tua recompensa" (Gên 15,1). Escreve, lê, canta, geme, cala,
ora e sofre varonilmente toda adversidade; a vida eterna é digna
dessas e outras maiores pelejas. Virá a paz um dia que o Senhor
sabe, e não haverá mais nem dia nem noite, como no presente,
mas luz perpétua, claridade infinita, paz firme e seguro repouso.
Não dirás então: Quem me livrará deste corpo de morte? (Rom
7,24), nem exclamarás: Ai de mim, que se tem prolongado o meu
desterro! (Sl 119,5). Porque a morte será destruída e a salvação
será eterna; livre de toda ansiedade gozarás deliciosa alegria, em
meio de agradável e brilhante companhia.
3. Oh! se visses as coroas imarcescíveis dos santos no céu, e a glória
em que já exultam aqueles que outrora, aos olhos do mundo, eram
desprezados e reputados quase indignos da vida; com certeza,
logo te humilharias até ao pó e desejarias antes obedecer a todos
que a um só a mandar. Nem cobiçarias os dias felizes desta vida,
mas antes te alegrarias de ser atribulado por amor de Deus, e
considerarias grande vantagem o ser tido por nada entre os
homens.
4. Oh! Se achasses gosto nessas coisas e elas penetrassem
profundamente no coração, como poderias ousar proferir uma só
queixa? Porventura haverá pena que não se deva sofrer pela vida
eterna? Certo que não é pouco perder ou ganhar o reino de Deus.
Ergue, pois, os olhos ao céu. Eis-me aqui com todos os meus
santos; eles, que neste mundo sustentaram grandes combates, ora
se rejubilam, ora estão consolados e estão seguros, ora gozam o
repouso e permanecerão para sempre comigo no reino de meu
Pai.
CAPÍTULO 48


Do dia da eternidade e das angústias desta vida
1. Ó mansão beatíssima da celestial cidade! Ó dia claríssimo da
eternidade, que a noite não obscurece, mas a Verdade soberana
sempre ilumina; dia sempre festivo, sempre seguro, que nunca
muda no contrário! Oh! se já amanhecera aquele dia e acabaram
todas as coisas temporais! Para os santos, sim, brilha este dia com
o fulgor de sua perpétua claridade; para nós, peregrinos da terra,
só de longe se mostra e como por espelho.
2. Sabem os cidadãos do céu quão ditoso é aquele dia; sentem os
desterrados filhos de Eva quão triste e amargo é este da vida
presente. Os dias deste tempo são curtos e maus, cheios de dores
e angústias. Neles se vê o homem manchado de muitos pecados,
enredado de muitas paixões, angustiado de muitos temores,
inquietado com muitos cuidados, distraído com muitas
curiosidades, emaranhado em muitas vaidades, cercado de muitos
erros, oprimido de muitos trabalhos, acossado por tentações,
enervado pelas delícias, atormentado pela penúria.
3. Oh! Quando virá o fim de todos estes males? Quando me verei
livre da triste escravidão dos vícios? Quando me lembrarei
somente de vós, Senhor? Quando em vós plenamente me
alegrarei? Quando viverei em perfeita liberdade, sem nenhum
impedimento, sem aflição da alma e do corpo? Quando gozarei a
paz sólida, imperturbável e segura, paz interna e externa, paz de
toda parte estável? Ó bom Jesus, quando estarei diante de vós
para nos ver? Quando contemplarei a glória do vosso reino?
Quando me sereis tudo em todas as coisas? Oh! Quando estarei
convosco no reino que preparastes desde toda a eternidade para
os que vos amam? Pobre e desterrado estou, em terra de inimigos,
onde há guerras contínuas e misérias extremas!
4. Consolai-me no meu desterro, mitigai-me a dor, para vós se dirige
todo o meu desejo. Tudo quanto o mundo oferece de consolo é
para mim tormento. Desejo gozar-vos intimamente, mas não o
consigo. Desejo aplicar-me às coisas do céu, mas as coisas
temporais e as paixões imortificadas me abatem. Com o espírito
desejava elevar-me acima de todas as coisas, mas a carne me
obriga a sujeitar-me a elas contra a minha vontade. Assim eu,
homem desgraçado, pelejo comigo e "sou a mim mesmo pesado"
(Jó 7,20), pois o espírito aspira às alturas, mas a carne às
baixezas.


5. Oh! Quanto padeço interiormente, quando, ao meditar nas coisas
celestiais, logo uma multidão de idéias carnais vêm perturbar-me a
oração! Deus meu, em vossa ira, não vos aparteis de vosso servo!
(Sl 26,9). Lançai os vossos raios e dissipai estes pensamentos! (Sl
143,6) . Despedi vossas flechas, e se desfarão todos esses
fantasmas do inimigo. Concentrai e recolhei em vós meus sentidos;
fazei-me esquecer todas as coisas do mundo; concedei-me a graça
de logo rebater e desprezar todas as imaginações do pecado.
Socorrei-me, Verdade eterna, para que nenhuma vaidade me
possa seduzir. Vinde, doçura celestial, e diante de vós fuja toda
impureza. Perdoai-me também e relevai-me, pela vossa
misericórdia, todas as vezes que, na oração, penso em outra coisa,
fora de vós. Confesso sinceramente que costumo ser muito
distraído. Pois muitas vezes não estou onde tenho o corpo, mas
onde me levam os pensamentos. Estou onde está
o meu pensamento, e meu pensamento está, de ordinário, onde está o
que amo. Ocorre-me com facilidade o que naturalmente me deleita ou
por costume me agrada.
6. Por isso vós, Verdade eterna, dissestes claramente: Onde está teu
tesouro, aí se acha também teu coração (Mt 6,21). Se amo o céu, gosto
de pensar nas coisas celestiais. Se amo o mundo, alegro-me com seus
deleites e entristeço-me com suas adversidades. Se amo a carne, com
gosto me ocupo dos pensamentos carnais. Se amo o espírito, deleita-me
o pensar nas coisas espirituais. Porque, seja qual for o objeto do meu
amor, dele falo e ouço falar com gosto e trago comigo a sua imagem.
Mas bem-aventurado o homem que por amor de vós, Senhor, abre mão
de todas as criaturas, faz violência à natureza e crucifica a
concupiscência da carne com o fervor do espírito, para, de consciência
serena, oferecer-vos uma oração pura e, desprendido interior e
exteriormente de tudo que é terreno, merecer entrar no coro dos anjos.
CAPÍTULO 49
Do desejo da vida eterna e quantos bens estão prometidos aos que
combatem
1. Jesus: Filho, quando sentires que o céu te inspira saudades da
bem-aventurança e o desejo de deixar o tabernáculo do corpo para
contemplar minha glória sem sombra de mudanças, alarga o teu
coração e recebe esta santa inspiração com todo afeto. Dá muitas


graças à Bondade soberana, que usa de tanta liberdade para
contigo, com tanta clemência te visita, tanto te anima, tão
poderosamente te levanta, para que teu próprio peso não te arraste
para as coisas terrenas. Pois isto não te vem por teus
pensamentos ou esforços, mas só pela mercê da graça celeste e
do beneplácito divino para que te adiantes nas virtudes, sobretudo
na humildade, e te prepares para futuras pelejas; para que te
entregues a mim com todo o afeto do teu coração e me sirvas com
ardente amor.
2. Filho, muitas vezes arde o fogo, mas não sobe a chama sem fumo.
Assim tambem os desejos de alguns se abrasam pelas coisas
celestiais, e, contudo, não estão livres da tentação e dos afetos
carnais. Por isso não fazem unicamente pela glória de Deus o que,
aliás, com tanto desejo lhe pedem. Tal é também muitas vezes teu
desejo, que manifestastes com tanta ansiedade; pois não é puro
nem perfeito o que está contaminado de algum interesse próprio.
3. Pede-me, não o que te é agradável e cômodo, senão o que a mim
me é aceito e honroso; pois, se julgares retamente, deves preferir
minha lei a todos os teus desejos e cumpri-la. Conheço teus
desejos e ouvi teus freqüentes gemidos. Quiseras já agora estar na
gloriosa liberdade dos filhos de Deus, já te deleita o pensamento
da morada eterna, na pátria celestial repleta de gozo; - mas não é
ainda chegada essa hora, outro é o tempo atual, tempo de guerra,
trabalho e provação. Desejas gozar a plenitude do Sumo Bem, mas
por enquanto ainda não o podes conseguir. Sou eu esse Bem
supremo; espera-me, diz o Senhor, até que venha o reino de Deus.
4. Hás de passar ainda por muitas provações na terra e ser
exercitado em muitas coisas. Consolações se te darão de vez em
quando, mas plena satisfação não podes receber. Esforça-te, pois,
e tem coragem, para fazer e sofrer o que repugna à natureza.
Importa que te revistas do homem novo e te transformes em outro
homem. Cumpre-te fazer muitas vezes o que não queres e deixar o
que queres. O que agrada aos outros terá bom sucesso; o que te
agrada não se fará. O que os outros dizem está atendido; o que tu
dizes será desprezado. Pedirão os outros e receberão; tu pedirás,
e não alcançarás.
1. Serão grandes os outros na boca dos homens; mas de ti nem
se dirá palavra. Os outros serão encarregados de diversas
comissões, e tu não serás julgado capaz de coisa alguma.
Com isto se contristará, às vezes, a natureza; mas


2. muito ganharás, se o sofreres calado. Nessas e noutras
coisas semelhantes costuma ser aprovado o servo fiel do
Senhor, para ver como sabe negar-se e mortificar em tudo.
Dificilmente haverá coisa em que mais te seja preciso morrer
a ti mesmo, do que em ver e sofrer o que é contrário à tua
vontade, mormente quando te mandam fazer coisas que te
parecem inúteis ou desarrazoadas. E porque não ousas
resistir à autoridade do superior, sob cujo governo estás,
duro te parece andar à vontade de outrem e deixar de todo o
teu próprio parecer.
5. Mas considera, filho, o fruto destes trabalhos, o fim breve e o
prêmio excessivamente grande, e não te serão molestos, mas
acharás neles consolo para teus sofrimentos. Pois, por um
pequeno desejo que agora sacrificas, tua vontade será sempre
satisfeita no céu onde acharás tudo que quiseres, tudo o que
podes desejar. Ali possuirás todo o bem, sem medo de o perder.
Ali tua vontade, sempre unida com a minha, nada desejará fora de
mim, nada que te seja próprio. Ali ninguém te fará oposição ou de ti
se queixará, ninguém te causará estorvo ou contrariedades; antes,
tudo quanto desejares já estará presente, para preencher e
satisfazer plenamente todos os teus desejos. Ali te darei a glória
pela injúria padecida, uma túnica de honra pela tristeza, e, pela
escolha do ínfimo lugar, um trono em meu reino para sempre. Ali
brilhará o fruto da obediência, alegrar-se-á a austera penitência e
será gloriosamente coroada a sujeição humilde.
6. Sujeita-te, pois, agora, humildemente à vontade de todos, sem te
importar quem foi que tal disse ou mandou. Mas cuida muito em
acolher de bom grado qualquer pedido ou aceno, seja de teu
superior, ou embora de teu igual ou inferior, e trata de o cumprir
com sincera vontade. Busque um isto, outro aquilo; glorie-se este
numa coisa, aquele em outra, e receba mil louvores; tu, porém, não
te deleites numa nem noutra coisa, mas só no desprezo de ti
mesmo e na minha vontade e glória. Este deve ser o teu desejo:
que tanto na vida como na morte Deus seja sempre por ti
glorificado.
CAPÍTULO 50
Como o homem angustiado se deve entregar nas mãos de Deus
1. Senhor Deus, Pai santo! Bendito sejais agora e sempre; porque como
quisestes assim se fez, e bom é quanto fazeis. Alegre-se em vós o vosso


servo, não em si, nem em algum outro, porque só vós sois a verdadeira
alegria, vós a minha esperança e coroa; só vós, Senhor, minha delícia e
glória. Que tem vosso servo, senão o que de vós recebeu, ainda sem
o merecer? Vosso é tudo o que destes e fizestes. Pobre sou e vivo em
trabalho desde a juventude (Sl 87,16), e minha alma se entristece
algumas vezes até às lágrimas, e outras se perturba pelos sofrimentos
que a ameaçam.
1. Desejo a alegria da paz, suplico a paz de vossos filhos, a que
apascentais na luz da consolação. Se vós me derdes a paz, se vós
me infundirdes santa alegria, será a alma de vosso servo cheia de
júbilo, entoando devotamente vossos louvores. Mas se vos
afastardes, como muitas vezes fazeis, não poderá ele trilhar o
caminho dos vossos mandamentos, mas antes se prostará de
joelhos, para bater no peito, porque não lhe vai como nos dias
passados, "quando resplandecia vossa luz sobre sua cabeça" (Gên
31,2), e encontrava refúgio contra as tentações violentas debaixo
da sombra de vossas asas.
2. Pai justo e sempre digno de louvor! Chegada é a hora em que será
provado o vosso servo. Pai amoroso! Justo é que nesta hora sofra
alguma coisa o vosso servo por vosso amor. Pai sempre adorável,
chegou a hora que de toda a eternidade prevíeis havia de vir, que
por pouco tempo sucumba vosso servo exteriormente, mas vivendo
interiormente sempre unido a vós. Por pouco tempo seja
desprezado e humilhado, abatido diante dos homens e oprimido de
sofrimentos e enfermidades, para que ressuscite convosco na
aurora de uma nova luz e seja glorificado no céu. Pai santo! foi
esta vossa ordem e vontade, fez-se o que ordenastes.
3. Pois é uma graça que concedeis ao vosso amigo: o sofrer e penar
neste mundo por vosso amor, quantas vezes e de quem o
permitireis. Sem o vosso desígnio, sem a vossa providência, ou
sem causa, nada acontece na terra. É bom para mim, Senhor, que
me tenhais humilhado para que aprenda vossos justos juízos (Sl
118,71), e deponha toda a soberba e toda presunção. Proveitoso é
para mim "ter o rosto coberto de confusão" (Sl 68,8), para que
busque a consolação em vós e não nos homens. Também aprendi
por este meio a temer vossos insondáveis juízos; pois afligis o justo
com o ímpio, mas sempre com eqüidade e justiça.
4. Graças vos dou, Senhor, que não poupastes minhas maldades,
antes me castigais com duros açoites, enviando-me dores e
afligindo-me exterior e interiormente de angústias. De tudo quanto


existe debaixo do sol, nada há capaz de me consolar, senão vós,
Senhor meu Deus, médico celestial das almas, que feris e sanais,
pondes em grandes tormentos e deles livrais (1 Rs 2,6; Tob 13,2).
Vosso castigo está sobre mim, e vossa disciplina me ensinará (Sl
17,36).
5. Pai querido, em vossas mãos estou e me inclino debaixo da vara
de vossa correção. Feri-me as costas e o pescoço, para que sujeite
minha vontade teimosa à vossa. Fazei-me discípulo devoto e
humilde, como sabeis fazer, para que obedeça ao vosso menor
aceno. Entrego-me, com tudo que é meu, à vossa correção; pois é
melhor ser castigado neste mundo que no outro. Vós sabeis tudo e
todas as coisas e nada se vos esconde da consciência humana.
Vós sabeis o futuro antes que se realize, e não precisais de quem
vos ensine ou advirta das coisas que se fazem na terra. Vós sabeis
o que serve para meu progresso e quanto vale a tribulação, para
limpar a ferrugem dos vícios. Disponde de mim segundo
o vosso beneplácito e não olheis para a minha vida pecaminosa, de
ninguém melhor e mais claramente conhecida do que de vós.
1. Concedei-me, Senhor, que eu saiba o que devo saber, ame o que
devo amar; fazei-me louvar o que mais vos agrada, estimar o que
vós apreciais, desprezar o que a vossos olhos é abjeto. Não me
deixeis julgar pelas aparências exteriores, nem criticar pelo que
ouço de homens inexperientes, mas dai-me o discernimento certo
das coisas visíveis e das espirituais, e sobretudo, o desejo de
conhecer sempre vossa vontade.
2. Enganam-se, freqüentemente, os homens em seus juízos, e não
menos se enganam os mundanos, porque só amam as coisas
visíveis. Porventura ficará melhor o homem porque outro o louva?
O mentiroso engana ao mentiroso, o vaidoso ao vaidoso, o cego ao
cego, o doente ao doente, em lhe fazendo elogios; e na verdade,
antes o confunde em lhe tecendo vãos louvores. Porque, quanto
cada um é aos olhos de Deus, tanto é e nada mais, diz o humilde
S. Francisco.
CAPÍTULO 51
Que devemos praticar as obras humildes quando somos incapazes para
asmais altas


1. Jesus: Filho, não podes conservar-te sempre no desejo fervoroso
de todas as virtudes, nem perseverar no mais alto grau de
contemplação; mas às vezes te é necessário, por causa de tua
natureza viciada, descer a coisas humildes e carregar, em que te
pese, o fardo desta vida corruptível. Enquanto viveres neste corpo
mortal, sentirás tédio e angústias do coração. Convém, pois, que
na carne gemas muitas vezes debaixo do seu peso, porque não
podes ocupar-te dos exercícios espirituais e da contemplação das
coisas divinas, sem interrupção.
2. Então te convém recorrer a humildes ocupações exteriores e
recrear-te nas boas obras; esperar, com firme confiança, minha
vinda e visita celestial; levar com paciência o teu desterro e secura
de espírito, até que de novo venha a visitar-te e te livre de todas as
penas. Porque eu te farei esquecer os trabalhos e gozar do
sossego interior. Abrir-te-ei o jardim delicioso das Sagradas
Escrituras, para que, com o coração dilatado, comeces a correr
pelo caminho dos meus mandamentos. E então dirás: Não têm
proporção as penas desta vida com a futura glória que se nos há
de revelar (Rom 8,18).
CAPÍTULO 52
Que o homem se não repute digno de consolação, mas merecedor de
castigo
1. A alma: Senhor, eu não sou digno da vossa consolação, nem de
visita alguma espiritual, e por isso me tratais com justiça, quando
me deixais pobre e desconsolado. Porque, mesmo que pudesse
derramar um mar de lágrimas, ainda assim não seria digno de
vossa consolação. Outra coisa não mereço, pois, senão ser
flagelado e punido por tantas ofensas e tão graves delitos que
cometi. Assim, portanto bem considerado tudo, não sou digno nem
da menor consolação. Vós, porém, Deus clemente e
misericordioso, que não quereis que pereçam vossas obras, para
manifestar as riquezas de vossa bondade nos vasos de
misericórdia, vos dignais de consolar vosso servo, sem
merecimento algum, de todo sobre-humano. Porque vossas
consolações não são como as consolações humanas.
2. Que fiz eu, Senhor, para que me désseis alguma consolação
celestial? Não me lembra ter feito bem algum, mas antes fui
sempre inclinado a pecados, e tardio na emenda. É esta a verdade,
não há negá-lo. Se dissesse outra coisa, vós estaríeis contra mim e


não haveria quem me defendesse. Que outra coisa mereci pelos
meus pecados, senão o inferno e
o fogo eterno? Confesso com sinceridade que sou digno de todo
escárnio e desprezo, e que não mereço ser contado no número de
vossos servos. E ainda que ouça isso muito a contragosto, por amor à
verdade, acusarei contra mim os meus pecados, para alcançar mais
facilmente a vossa misericórdia.
1. Que direi eu, coberto de culpa e confusão? Não posso abrir a
boca senão para dizer esta palavra: Pequei, Senhor, pequei;
tende piedade de mim, perdoai-me! Deixai-me um pouco de
tempo para desafogar a minha dor, antes de descer para a
terra tenebrosa, coberta das sombras da morte (Jó 10,
20.21). Que mais exigis do culpado e mísero pecador senão
2. que se humilhe e tenha contrição dos seus pecados? Pela
contrição sincera e humilde do coração nasce a esperança
do perdão, reconcilia-se a consciência perturbada, recupera-
se a graça perdida, preserva-se o homem da ira futura, em
ósculo santo une-se Deus à alma arrependida.
2. A humilde contrição dos pecados é para vós, Senhor, sacrifício
muito aceito, que rescende mais suave em vossa presença do que
o perfume do incenso. É este também o precioso bálsamo que
quisestes ver derramado em vosso pés sagrados, pois nunca
desprezastes o coração contrito e humilhado (Sl 50, 19). Lá se
encontra o refúgio contra o furor do inimigo, ali se emendam e
lavam as manchas algures contraídas.
CAPÍTULO 53
Que a graça de Deus não se comunica aos que gostam das coisas
terrenas
1. Jesus: Filho, preciosa é a minha graça; não sofre mistura de coisas
estranhas, nem de consolações terrenas. Cumpre, pois, remover todos
os impedimentos da graça, se desejas que te seja infundida. Busca lugar
retirado, gosta de viver só contigo, e não procures conversa com os
outros, mas a Deus dirige tua oração fervorosa, para que te conserve na
compunção de espírito e pureza da consciência. Avalia em nada o
mundo todo; antepõe o serviço de Deus a todas as coisas exteriores.
Pois não podes há um tempo tratar comigo e deleitar-te nas coisas
transitórias. Cumpre apartares-te dos conhecidos e amigos, e


desprenderes teu coração de toda consolação temporal. Assim exorta
também instantemente
o apóstolo São Pedro que os fiéis cristãos vivam neste mundo como
estrangeiros e peregrinos (1 Pdr 2,11).
1. Oh! Quanta confiança terá aquele moribundo que não tem afeição
a coisa alguma do mundo. Mas desprender assim o coração de
tudo, não o compreende o espírito ainda enfermo, bem como o
homem carnal não conhece a liberdade do homem interior.
Entretanto, se quiser ser verdadeiramente espiritual, cumpre-lhe
renunciar aos estranhos como aos parentes e de ninguém mais se
guardar do que de si mesmo. Se te venceres perfeitamente a ti
mesmo, tudo o mais sujeitarás com facilidade. Pois a perfeita
vitória é triunfar de si mesmo. Porque aquele que se domina a tal
ponto, que os sentidos obedeçam à razão e a razão lhe obedeça
em todas as coisas, este é realmente vencedor de si mesmo e
senhor do mundo.
2. Se aspiras a galgar estas alturas, cumpre-te começar varonilmente
e pôr o machado à raiz, para que arranque e cortes
o secreto e desordenado apego que tens a ti mesmo, e a todo bem
particular e sensível. Deste vício do amor excessivo e desordenado que
o homem tem a si mesmo provém quase tudo que radicalmente se há de
vencer; vencido este e subjugado, logo haverá grande paz e
tranqüilidade estável. Mas já que poucos tratam de morrer a si mesmos e
desapegar-se de si, por isso ficam presos em si mesmos e não se podem
erguer em espírito acima de si. A quem, todavia, deseja livremente
seguir-me, cumpre-lhe mortificar todos os seus maus e desordenados
afetos, e não se prender, com amor apaixonado, a criatura alguma.
CAPÍTULO 54
Dos diversos movimentos da natureza e da graça
1. Jesus: Filho, observa com diligência os movimentos da natureza e
da graça: pois são muito opostos uns aos outros e tão sutis que só
a custo podem ser discernidos, mesmo por um homem espiritual e
interiormente iluminado. Todos, sim, desejam o bem e intentam
algum bem nas suas palavras e obras; por isso se enganam muitos
com a aparência do bem. A natureza é astuta; a muitos atrai,
enreda e engana, e não tem outra coisa em mira senão a si


mesma. Mas a graça anda com simplicidade, evita a menor
aparência do mal, não usa de enganos, e tudo faz puramente por
Deus, no qual descansa como em seu último fim.
2. A natureza tem horror à mortificação, não quer ser oprimida, nem
vencida, nem sujeita, nem submeter-se voluntariamente a outrem.
A graça, porém, aplica-se à mortificação própria, resiste à
sensualidade, quer estar sujeita, deseja ser vencida e não quer
usar da própria liberdade: gosta de estar sob a disciplina, não
cobiça dominar sobre outrem, mas quer viver, ficar e permanecer
sempre debaixo da mão de Deus, sempre pronta, por amor de
Deus, a se curvar humildemente a toda criatura humana. A
natureza trabalha por seu próprio interesse e só atenta no lucro
que de outrem lhe pode advir. A graça, porém, pondera não o que
lhe seja útil ou cômodo, mas o que a muitos seja proveitoso. A
natureza gosta de receber honras e homenagens; a graça, porém,
refere fielmente a Deus toda honra e glória.
1. A natureza teme a confusão e desprezo; mas a graça alegra-
se de sofrer injúrias pelo nome de Jesus. A natureza aprecia
a ociosidade e o bem estar do corpo; a graça, porém, não
pode estar ociosa e abraça com prazer o trabalho. A
2. natureza gosta de possuir coisas esquisitas e lindas e
aborrece as vis e grosseiras; mas a graça se compraz nas
simples e modestas, não despreza as ásperas, nem recusa
vertir-se de hábito velho. A natureza cuida dos bens
temporais, alegrase por um lucro pequeno, entristece-se por
um prejuízo e irrita-se com uma palavrinha injuriosa. A graça,
porém, cuida das coisas eternas, não se apega às temporais,
não se perturba com a sua perda, nem se ofende com
palavras ásperas; porquanto pôs o seu tesouro e sua glória
no céu onde nada perece.
3. A natureza é cobiçosa, antes quer receber do que dar; gosta de ter
coisas próprias e particulares. Mas a graça é generosa e liberal,
foge de singularidades, contenta-se com pouco e considera "maior
felicidade o dar que o receber"( At 20,35). A natureza inclina-se
para as criaturas, para a própria carne, para as vaidades e
passatempos. Mas a graça nos conduz a Deus e às virtudes,
renuncia às criaturas, foge do mundo, detesta os apetites carnais,
restringe as vagueações e peja-se de aparecer em público. A
natureza gosta de ter qualquer consolação exterior com que deleite
os sentidos. A graça, porém, só em Deus procura seu consolo e se
delicia no sumo bem, mais que em todas as coisas visíveis.


4. A natureza tudo faz para seu próprio interesse e proveito, nada
sabe fazer de graça, mas espera sempre, pelo bem que faz,
receber outro tanto ou melhor em elogios ou favores e deseja que
se faça grande caso de seus efeitos e dons. A graça, porém, não
busca nenhuma coisa temporal, nem deseja outro prêmio, senão
Deus só, e do temporal não deseja mais do que quanto lhe possa
servir para conseguir a vida eterna.
5. A natureza preza-se de muitos amigos e parentes, ufana-se de sua
posição elevada e linhagem ilustre, procura agradar aos
poderosos, lisonjeia os ricos, aplaude os seus iguais. A graça,
porém, ama os próprios inimigos, não se gaba do grande número
de seus amigos, não faz caso de posição e nobreza, se lhes não
vê unida maior virtude. Favorece mais ao pobre que ao rico, tem
mais compaixão do inocente do que do poderoso, alegra-se com o
sincero, e não com o mentiroso. Estimula sempre os bons e
maiores progressos, para que se assemelhem, pelas virtudes, ao
Filho de Deus. A natureza logo se queixa da penúria e do trabalho.
A graça sofre com paciência a pobreza.
6. A natureza atribui tudo a si, em proveito seu peleja a porfia. A
graça, porém, atribui tudo a Deus, de quem tudo dimana como de
sua origem; nenhum bem atribui a si com arrogante presunção,
não questiona, nem prefere a sua opinião à dos outros, mas em
todo juízo e parecer se sujeita à sabedoria eterna e ao divino
exame. A natureza deseja saber segredos e ouvir novidades, quer
exibir-se em público e experimentar muitas coisas pelos sentidos;
deseja ser conhecida e fazer aquilo donde lhe resultem louvor e
admiração. A graça não cuida de novidades e curiosidades, porque
tudo isso nasce da corrupção antiga, pois nada há de novo e
estável sobre a terra. Ensina, pois, a refrear os sentidos, a evitar a
vã complacência e ostentação, a ocultar humildemente o que
provoque admiração e louvor, busca em todas as coisas e ciências
proveito espiritual e a honra e glória de Deus. Não quer que a
louvem, nem às suas obras, mas que Deus seja bendito em seus
dons, que ele prodigaliza a todos por mera bondade.
7. A graça é uma luz sobrenatural e um dom especial de Deus; é
propriamente o sinal dos escolhidos e o penhor da salvação eterna,
pois eleva o homem das coisas terrenas ao amor das celestiais, e
de carnal o torna espiritual. Quanto mais, pois, é oprimida e
dominada a natureza, tanto maior graça é infundida, e tanto mais
cada dia é renovado o homem interior, conforme a imagem de
Deus.


CAPÍTULO 55
Da corrupção da natureza e da eficácia da graça divina
1. A alma: Senhor, meu Deus, que me criastes à vossa imagem e
semelhança, concedei-me a graça que declarastes ser tão
importante e necessária para a salvação: que eu vença minha
péssima natureza, que me arrasta ao pecado e à perdição. Porque
sinto em minha carne a lei do pecado, que é contrária à lei do
espírito e me cativa, querendo me levar a obedecer, em muitas
coisas, à sensualidade; nem poderei resistir às paixões, se não me
assistir vossa santíssima graça, e me inflamar o coração.
2. É necessária vossa graça, e grande graça, para vencer a natureza,
propensa sempre ao mal desde a infância. Porque, viciada pelo
primeiro homem, Adão, e corrompida pelo pecado, transmite a
todos os homens a pena desta mancha, de sorte que a mesma
natureza, por vós criada boa e reta, agora deve ser considerada
como enferma e enfraquecida pela corrupção, visto que seus
movimentos, abandonados a si mesmos, a arrastam ao mal e às
coisas baixas, Porque a módica força que lhe ficou é como uma
centelha oculta debaixo da cinza. Esta centelha é a razão natural,
que, embora envolta em densas trevas, discerne ainda o bem do
mal, a verdade do erro, mas não é capaz de fazer tudo que aprova,
já que não possui a plena luz da verdade, nem a primitiva pureza
de seus afetos.
3. Daí vem, ó meu Deus, que "segundo o homem interior me deleito
em vossa lei" (Rom 7, 22), sabendo que vosso mandato é bom,
justo e santo, que reprova todo mal e ensina que se deve fugir ao
pecado. Segundo a carne, porém, estou escravizado à lei do
pecado, pois obedeço mais à sensualidade que à razão. Daí vem
que "tenho vontade de fazer
o bem, mas não sei realizá-lo" (Rom 7, 18). Por isso faço muitos bons
propósitos, mas faltando-me vossa graça que auxilie minha fraqueza,
com o menor obstáculo desfaleço e desisto. Assim sucede que bem
conheço o caminho da perfeição e vejo claramente o que devo fazer.
Entretanto, oprimido com o peso da corrupção, não me elevo ao que é
mais perfeito.
1. Oh! Como me é necessária, Senhor, vossa graça, para começar,
continuar e completar o bem. Porque sem ela nada posso fazer,
mas tudo posso em vós, se me confortar vossa graça, Ó graça


verdadeiramente celestial, sem a qual nada valem os próprios
merecimentos, nem apreço merecem os dons naturais! Nada
valem diante de vós, Senhor, as artes e a riqueza, a formosura e a
fortaleza, o engenho e a eloqüência - sem a graça. Porque os dons
da natureza são comuns aos bons e aos maus; mas a graça ou
caridade é peculiar dos escolhidos, porque os torna dignos da vida
eterna. Tão excelente é esta graça, que nem o dom da profecia,
nem o poder de fazer milagres, nem a mais alta contemplação tem
valor algum sem ela. Nem mesmo a fé, nem a esperança, nem as
outras virtudes vos agradam, sem a graça e sem a caridade.
2. Ó graça beatíssima, que fazes rico de virtudes o pobre de espírito
e tornas humilde de coração o rico dos bens de fortunas: vem,
desce sobre mim e enche minha alma de tua consolação, para que
não desfaleça, de cansaço e aridez, meu espírito. Suplico-vos,
Senhor, que eu ache graça em vossos olhos, porque me basta a
vossa graça, embora me falte tudo que deseja a natureza. Ainda
que seja tentado e vexado com muitas tribulações, nada temerei,
enquanto estiver comigo a vossa graça. Ela é a minha fortaleza,
me dá conselho e amparo. Ela é mais poderosa que todos os
inimigos e mais sábia que todos os sábios.
3. Ela é a mestra da verdade e da disciplina, a luz do coração e o
alívio nas tribulações; ela afugenta a tristeza, dissipa o temor, nutre
a devoção, gera santas lágrimas. Que sou eu sem a graça, senão
um lenho seco e um tronco inútil, que se atira ao fogo? Previna-me,
pois, Senhor, a vossa graça e me acompanhe sempre e me
conserve continuamente na prática das boas obras, por Jesus
Cristo, vosso Filho. Amém.
CAPÍTULO 56
Que devemos renunciar a nós mesmos e seguir a Cristo pela cruz
1. Jesus: Quanto mais saíres de ti mesmo, tanto mais poderás
chegar-te a mim. Assim como o não desejar coisa alguma exterior
produz paz interior, assim o desprendimento interior de si mesmo
causa a união com Deus. Quero que aprendas a perfeita
abnegação de ti mesmo, submetendo-te, sem resistência e sem
queixa, à minha vontade. Segue-me, eu sou o caminho, a verdade
e a vida (Jo 14,6). Sem caminho não se anda, sem verdade não se
conhece, sem vida não se vive. Eu sou o caminho que deves
seguir, a verdade que deves crer, a vida que deves esperar. Eu
sou o caminho seguro, a verdade infalível, a vida interminável. Eu


sou o caminho direito, a verdade suprema, a vida verdadeira, a
vida ditosa, a vida incriada. Se perseverares no meu caminho,
conhecerás a verdade, e a verdade te livrará (Jo 8,32), e
alcançarás a vida eterna.
2. Se queres entrar na vida, guarda os mandamentos (Mt 19,17). Se
queres conhecer a verdade, crê em mim. Se queres ser perfeito,
vende tudo (Mt 19,21). Se queres ser meu discípulo, renuncia a ti
mesmo. Se queres possuir a vida bemaventurada, despreza a
presente. Se queres ser exaltado no céu, humilha-te na terra. Se
queres reinar comigo, carrega comigo a cruz, porque só os servos
da cruz acham o caminho da bem-aventurança e da luz verdadeira.
3. A alma: Senhor, Jesus Cristo! Porque vossa vida foi tão oprimida e
desprezada no mundo, concedei-me o imitar-vos com o desprezo
do mundo. Pois o servo não é maior que seu senhor, nem o
discípulo mais do que o mestre (Mt 10,24). Trabalhe vosso servo
por conformar-me à vossa vida, porque nela está a minha salvação
e a verdadeira santidade. Tudo quanto fora dela leio ou ouço não
me pode recrear ou deleitar plenamente.
4. Jesus: Filho, pois que sabes e lês todas estas coisas, bem-
aventurado serás se as puseres em prática. Quem conhece os
meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; também
eu o amarei e me manifestarei a ele (Jo 14,21), e o farei assentar
comigo no reino de meu Pai.
1. A alma: Senhor Jesus! Faça-se em mim segundo vossa
palavra e promessa, e seja-me dado merecê-lo. Recebi a
cruz, da vossa mão a recebi; hei de carregá-la, carregar até à
morte, como vós ma impusestes. Na verdade, a vida do bom
2. religioso é uma cruz, mas o conduz ao Paraíso. O começo
está feito; não posso voltar atrás sem desistir.
5. Eia, irmãos! Marchemos unidos, Jesus está conosco, por Jesus
abraçamos a cruz, por Jesus queremos nela perseverar. Ele, que é
nosso chefe e guia, será também nosso auxílio. Eis o nosso Rei,
que marcha à nossa frente, Ele por nós combaterá. Varonilmente
queremos segui-lo, ninguém se espante; estejamos prontos para
morrer, com denodo, no combate, e não manchemos nossa glória,
desertando da cruz.
CAPÍTULO 57
Que o homem não se desanime em demasia, quando cai em algumas
faltas


1. Jesus: Filho, mais me agradam a paciência e humildade nos
reveses que a muita consolação e fervor nas prosperidades. Por
que te entristece uma coisinha que contra ti disseram? Ainda que
fosse maior, não te devias ter perturbado. Deixa passar isso agora,
não é novidade; não é a primeira vez, nem será a última, se muito
tempo viveres. Mas valoroso és, enquanto te não sucede alguma
adversidade. Sabes até dar bons conselhos e acalentar os outros
com tuas palavras; mas quando bate, de improviso, à tua porta a
tribulação, logo te falta conselho e fortaleza. Considera tua grande
fraqueza, que tantas vezes experimentas nas pequenas coisas;
todavia, é para tua salvação que isso e semelhantes coisas
acontecem.
2. Procura esquecer isso como melhor souberes, e, se te
impressionou, não te abale nem te perturbe muito tempo. Sofre ao
menos com paciência o que não podes sofrer com alegria. Ainda
que te custe ouvir esta ou aquela palavra e te sintas indignado,
modera-te, e não deixes escapar da tua boca alguma expressão
despropositada, com que os pequenos se poderiam escandalizar.
Logo se acalmará a tempestade em teu coração, e a dor se
converterá em doçura, com a volta da graça. Eu ainda vivo, diz o
Senhor, pronto para te ajudar e consolar, mais do que nunca, se
em mim confiares e me invocares com fervor.
3. Sê mais corajoso, e prepara-te para suportar coisas maiores. Nem
tudo está perdido por te sentires a miúdo tribulado e gravemente
tentado. Homem és e não Deus; carne és e não anjo. Como
poderás tu perseverar sempre no mesmo estado de virtude, se tal
não pôde o anjo no céu, nem o primeiro homem no paraíso? Eu
sou que levanto os aflitos e os salvo, elevo à minha divindade os
que conhecem as suas fraquezas.
4. A alma: Senhor, bendita seja a vossa palavra, mais doce na minha
boca que um favo de mel ( Sl 18,11; 118, 103). Que seria de mim
em tantas tribulações e angústias, se vós me não confortásseis
com vossas santas palavras? Contanto que chegue afinal ao porto
de salvação, que importa o que e quanto tiver sofrido? Concedei-
me bom fim, ditoso trânsito deste mundo. Lembrai-vos de mim,
meu Deus, e conduzi-me pelo caminho reto ao vosso reino! Amém.
CAPÍTULO 58
Que não devemos escrutar as coisas mais altas e os ocultos juízos de
Deus


1. Jesus: Filho, guarda-te de disputar sobre assuntos altos e os
ocultos juízos de Deus; não queiras investigar por que este é
deixado em tal estado, aquele elevado a tanta graça, este tão
oprimido, aquele tão exaltado. Isso excede o alcance humano, e
não há raciocínio nem discussão que possam escrutar os
desígnios de Deus. Quando, pois, o inimigo te sugere tais
pensamentos, ou os curiosos questionarem sobre eles, responde
com o profeta: Justo sois, Senhor, e justo é o vosso juízo (Sl
118,37), ou, também: Os juízos do Senhor são verdadeiros e
justificados em si mesmos (Sl 19, 10). Meus juízos devem se
temer, e não discutir, porque são incompreensíveis ao
entendimento humano.
2. Não queiras também inquirir ou disputar sobre os méritos dos
santos, qual seja o mais santo ou o maior no reino dos céus. Daí
nascem muitas controvérsias e contendas inúteis, que nutrem a
soberba e a vanglória, donde procedem invejas e discórdias,
porque este prefere soberbamente um santo, aquele quer dar a
preeminência a outro. Querer saber e investigar tais coisas não
traz proveito algum, antes desagrada aos santos, porque "eu não
sou Deus de discórdia e sim da paz" (1Cor 14,33), e esta paz
consiste antes na verdadeira humildade que na própria exaltação.
3. Alguns, por um zelo de predileção, se afeiçoam mais a este ou
àquele santo, mas este afeto é antes humano que divino. Sou eu
que fiz todos os santos; eu lhes dei a graça, eu lhes outorguei a
glória. Eu sei os merecimentos de cada um, eu os preveni com as
bênçãos da minha doçura (Sl 20,4). Eu conheci os meus amados
antes dos séculos, eu os escolhi do mundo, e não eles a mim. Eu
os chamei por minha graça e os atraí por minha misericórdia: eu os
fiz passar por várias provações. Eu os inundei de maravilhosas
consolações, dei-lhes a perseverança e coroei a sua paciência.
4. Eu conheço o primeiro e o último e abraço a todos com inestimável
amor. Eu devo ser louvado em todos os meus santos, bendito
sobre todas as coisas e honrado em cada um deles, que eu tão
gloriosamente exaltei e predestinei, sem prévio merecimento algum
de sua parte. Quem desprezar, pois, um dos menores dos meus
deixa também de honrar o maior, porque fui eu que fiz o pequeno e
o grande. E quem menospreza a todos os mais que estão no reino
dos céus. Porquanto todos são um belo veículo da caridade; todos
têm o mesmo parecer, o mesmo querer, e se amam mutuamente
com o mesmo amor.


5. Além disso, - o que é mais sublime ainda - eles me amam mais a
mim que a si e seus merecimentos. Porque, arrebatados acima de
si mesmos e desprendidos de todo amor-próprio, se transformaram
inteiramente no meu amor, no qual descansam com sumo gozo.
Nada há que os possa desviar ou deprimir, porque, repletos da
eterna verdade, ardem no fogo inestinguível da caridade. Calem-
se, pois, os homens carnais e sensuais, e não discutam sobre o
estado dos santos, porque não sabem amar senão seus próprios
gozos. Eles diminuem ou acrescentam conforme a sua inclinação,
e não como agrada à eterna Verdade.
6. Em muitos é isso ignorância, mormente naqueles que, pouco
iluminados, raramente sabem amar um santo com amor puramente
espiritual. Leva-os ainda muito a natural afeição e a amizade
humana, que os inclina a este ou àquela, e, como se portam nas
coisas terrenas, assim se lhes afiguram também as celestiais. Há,
porém, incomparável distância entre o que pensam os imperfeitos
e o que alcançam os homens espirituais pela revelação superior.
7. Guarda-te, pois, filho, de discorrer curiosamente sobre coisas que
excedem teu entendimento; cuida antes e trata de seres ainda o
ínfimo no reino de Deus. E dado que alguém soubesse quem seja
deles o mais santo ou o maior no reino dos céus, que lhe
aproveitaria esse conhecimento, se dele não tomasse motivo de
humilhar-se diante de mim e louvar mais fervorosamente o meu
nome? Muito mais agrada a Deus quem cuida na grandeza dos
seus pecados, na escassez das virtudes e na grande distância que
o separa da perfeição dos santos, do que aquele que disputa sobre
a maior ou menor glória deles. Melhor é implorar os santos com
devotas orações e lágrimas, suplicar-lhes com humildade de
coração sua gloriosa intercessão, que perscrutar, com vã
curiosidade, seus segredos.
8. Os santos estão bem contentes e satisfeitos; oxalá também os
homens soubessem estar contentes e refrear suas vãs palavras.
Não se gloriam dos próprios merecimentos, pois nenhum bem
atribuem a si mesmos, mas tudo referem a mim que lhes dei tudo
por infinita caridade. Tão cheios estão do amor da divindade e de
abundantíssima alegria, que nada falta à sua glória, nem pode
faltar à sua bem-aventurança. Quanto mais elevados estão os
santos na glória, tanto mais humildes são em si mesmos e mais
perto de mim e de mim amados. Por isso lês na Escritura que
depunham suas coroas diante de Deus e se prostavam diante do


Cordeiro e adoravam aquele que vive nos séculos dos séculos
(Apc 4,10).
9. Muitos perguntam qual seja o maior no reino de Deus e não sabem
se serão dignos de ser contados entre os menores. Grande coisa é
ser ainda o menor no céu, onde todos são grandes, porque serão
chamados filhos de Deus, e, na verdade,
o são. O menor valerá por mil, e o pecador de cem anos morrerá (Is
60,22; 65,20). Pois, quando os discípulos perguntaram quem era o maior
no reino dos céus, receberam esta resposta: Se vos não converterdes e
vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus (Mt
18,3.4).
10. Ai daqueles que recusam humilhar-se espontaneamente com os
pequenos; porque é baixa a porta do reino celeste e não lhes dará
entrada. Ai também dos ricos, que têm neste mundo suas consolações,
porque, quando os pobres entrarem no reino de Deus, eles ficarão de
fora, chorando. Regozijai-vos, humildes, e "exultai, pobres, porque vosso
é o reino de Deus" (Lc 6,20) contanto que andeis no caminho da
verdade.
CAPÍTULO 59
Que só em Deus devemos firmar toda esperança e confiança
1. A alma: Senhor, que confiança posso eu ter nesta vida ou qual é
minha maior consolação de tudo quanto existe debaixo do sol?
Não o sois vós, Senhor, Deus meu, cuja misericórdia é infinita?
Onde me achei bem sem vós, ou quando passei mal, estando vós
presente? Antes quero ser pobre por vós, que rico sem vós. Prefiro
peregrinar convosco na terra, que sem vós possuir o céu. Onde
vós estais, aí está o céu; e lá existe a morte e o inferno, onde vós
não estais. Vós sois o alvo de meus desejos, por isso por vós devo
gemer, clamar e orar. Em ninguém, finalmente, posso plenamente
confiar que me dê auxílio oportuno em minhas necessidades,
senão em vós só, meu Deus. Vós sois minha esperança, vós
minha confiança, vós meu consolador fidelíssimo em todas as
coisas.
1. Todos buscam os seus interesses; vós, porém, só tendes em
vista minha salvação e aproveitamento, e tudo converteis
2. em bem para mim. Ainda quando me sujeitais a várias
tentações e adversidades, tudo isso ordenais para meu


proveito, pois de mil modos costumais provar os vossos
amigos. E nessas provações não menos vos devo amar e
louvar, como se me enchêsseis de celestiais consolações.
2. Em vós, portanto, Senhor meu Deus, é que ponho toda a minha
esperança e refúgio; a vós entrego todas as minhas tribulações e
angústias; porque tudo quanto vejo fora de vós acho fraco e
inconstante. Nada me aproveitam os muitos amigos, nem me
poderão ajudar os homens, nem os prudentes conselheiros me
darão conselho útil, nem os livros dos sábios me poderão consolar,
nem qualquer tesouro precioso me poderá salvar, nem algum retiro
delicioso me proteger, se vós mesmo não me assistis, ajudais,
confortais, consolais, instruís e defendeis.
3. Pois tudo que parece próprio para alcançar a paz e a felicidade
nada é sem vós, nem pode trazer-nos a verdadeira felicidade. Vós
sois, pois, o remate de todos os bens, a plenitude da vida, o
abismo da ciência; esperar em vós acima de tudo é a maior das
consolações dos vossos servos. A ti, Senhor, levanto os meus
olhos, em vós confio, Deus meu, Pai de misericórdia! Abençoai e
santificai minha alma com a bênção celestial para que seja vossa
santa morada, o trono de vossa eterna glória, e nada se encontre
nesse tempo da vossa divindade que possa ofender os olhos de
vossa majestade. Olhai para mim segundo a grandeza de vossa
bondade e a multidão de vossas misericórdias e ouvi a oração do
vosso pobre servo desterrado tão longe, na sombria região da
morte. Protegei e conservai a alma do vosso mísero servo entre os
muitos perigos desta vida corruptível, e com a assistência de vossa
graça guiai-o pelo caminho da paz à pátria da perpétua claridade.
Amém.
LIVRO QUARTO
DO SACRAMENTO DO ALTAR
Devota exortação à sagrada comunhão
Voz de Cristo
Vinde a mim todos que penais e estais sobrecarregados, e eu vos
aliviarei, diz o Senhor (Mt 11,78).
O pão que eu darei é a minha carne, pela vida do mundo (Jo 6,52).


Tomai e comei, este é o meu corpo, que será entregue por vós; fazei isto
em memória de mim (Lc 22,19).
Quem come a minha carne e bebe o meu sangue fica em mim e eu nele
(Jo 6,57).
As palavras que eu vos disse são espírito e vida (Jo 6,64).
CAPÍTULO 1
Com quanta reverência cumpre receber a Cristo
Voz do discípulo
1. São vossas essas palavras, ó Jesus, verdade eterna, ainda que
não fossem proferidas todas ao mesmo tempo, nem escritas no
mesmo lugar. Sendo vossas, pois, essas palavras e verdadeiras,
devo recebê-las todas com gratidão e fé. São vossas, porque vós
as dissestes; e são também minhas, porque as dissestes para
minha salvação. Cheio de alegria as recebo de vossa boca, para
que mais profundamente se me gravem no coração. Animam-se
palavras de tanta ternura, atemorizam-me os meus pecados, e
minha consciência impura me afasta da participação de tão altos
mistérios. Atraime a doçura de vossas palavras, mas me oprime a
multidão de meus pecados.
2. Mandais que me chegue a vós com grande confiança, se quero ter
parte convosco; e que receba o manjar da imortalidade, se desejo
alcançar a vida e glória eterna. Vinde, dizeis vós, vinde a mim
todos que penais e estais sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Ó
palavra doce e amorosa aos ouvidos do pecador: vós, Senhor meu
Deus, convidais o pobre e indigente à comunhão de vosso
santíssimo corpo, mas quem sou eu, Senhor, para ousar
aproximarme de vós? Eis que os céus dos céus não vos pode
abranger, e dizeis: Vinde a mim todos!
1. Que quer dizer essa condescendência tão meiga e esse tão
amoroso convite? Como me atreverei a chegar-me a vós,
2. quando não conheço em mim bem algum em que me possa
confiar? Como posso acolher-vos em minha morada, eu, que
tantas vezes ofendi a vossa benigníssima face? Tremem os
anjos e os arcanjos, estremecem os santos e os justos, e vós
dizeis: Vinde a mim todos! Se não fosse vossa essa palavra,


quem a teria por verdadeira? Se vós o não ordenásseis,
quem ousaria aproximar-se?
3. Noé, o varão justo, trabalhou cem anos na construção da arca para
salvar-se com poucos: como me poderei eu preparar numa hora
para receber com reverência o Criador do mundo? Moisés, vosso
grande servo e particular amigo, fabricou a arca de madeira
incorruptível, e revestiu-a de ouro puríssimo, para guardar nela as
tábuas da lei; e eu, criatura vil, me atreverei a receber-vos com
tanta facilidade, a vós, que sois o autor da lei e o dispensador da
vida? Salomão, o mais sábio dos reis de Israel, levou sete anos a
edificar o templo magnífico, em louvor de vosso nome, e celebrou
por oito dias a festa de sua dedicação, ofereceu mil hóstias
pacíficas, e ao som das trombetas e com muito júbilo colocou a
arca da aliança no lugar que lhe havia sido preparado. E eu, o mais
miserável de todos os homens, como poderei receber-vos em
minha casa, quando mal sei empregar meia hora com devoção? e
oxalá que uma vez sequer a houvesse empregado dignamente!
4. Ó meu Deus, quanto se esforçaram esses vossos servos para
agradar-vos! Ai, quão pouco é o que eu faço! Quão pouco o tempo
que gasto em preparar-me para a comunhão! Raras vezes estou
de todo recolhido, raríssimo livre de toda distração. E, todavia, na
presença salutar de vossa divindade não me devia ocorrer
pensamento algum impróprio, nem eu me devia ocupar de criatura
alguma, pois vou hospedar, não a um anjo, senão ao Senhor dos
anjos.
5. Demais, há grandíssima diferença entre a arca da aliança com
suas relíquias e vosso puríssimo corpo com suas inefáveis
virtudes; entre aqueles sacrifícios da lei, que eram apenas figuras
do futuro, e o sacrifício verdadeiro de vosso corpo, que é o
cumprimento de todos os sacrifícios antigos.
6. Por que, pois, se me não acende melhor o meu coração na vossa
adorável presença? Por que me não preparo com maior cuidado
para receber vosso santos mistério, quando aqueles santos
patriarcas e profetas, reis e príncipes, com todo o povo, mostraram
tanta devoção e fervor no culto divino?
7. Com religioso transporte dançou o piedosíssimo rei Davi diante da
arca da aliança, em memória dos benefícios concedidos outrora a
seus pais; mandou fabricar vários instrumentos musicais, compôs
salmos e ordenou que se cantassem com alegria, e ele mesmo os
cantava muitas vezes ao som da harpa; ensinou ao povo de Israel
a louvar a Deus de todo o coração e angrandecê-lo e bendizê-lo


todos os dias, a uma voz. Se tanta era, então, a devoção e o fervor
divino diante da arca do testamento, quanta reverência e devoção
devo eu ter agora, e todo o povo cristão, na presença do
Sacramento e na recepção do preciosíssimo corpo de Cristo!
8. Correm muitos a diversos lugares para visitar as relíquias dos
santos, e se admiram ouvindo narrar os seus feitos; contemplam os
vastos edifícios dos templos e beijam os sagrados ossos,
guardados em seda e ouro. E eis que aqui estais presente diante
de mim, no altar, vós, meu Deus, Santo dos santos. Criador dos
homens e Senhor dos anjos. Em tais visitas, muitas vezes é a
curiosidade e a novidade das coisas que move os homens; e
diminuto é o fruto de emenda que recolhem, principalmente quando
fazem essas peregrinações com leviandade, sem verdadeira
contrição. Aqui, porém, no Sacramento do Altar, vós estais todo
presente, Deus e homem, Cristo Jesus; aqui o homem recebe
copioso fruto de eterna salvação, todas as vezes que vos recebe
digna e devotamente. Aí não nos leva nenhuma leviandade, nem
curiosidade ou atrativo dos sentidos, mas sim a fé firme, a
esperança devota e a caridade sincera.
9. Ó Deus invisível, Criador do mundo, quão maravilhosamente nos
favoreceis, quão suaves e ternamente tratais com vossos
escolhidos, oferecendo-vos a vós mesmo como alimento, neste
Sacramento! Isto transcende todo entendimento, isto atrai os
corações dos devotos e acende o seu amor. Porque esses teus
verdadeiros fiéis, que empregam toda a sua vida na própria
emenda, recebem muitas vezes deste augusto Sacramento
copiosa graça de devolução e amor à virtude.
10. Ó graça admirável e oculta deste Sacramento, que só dos fiéis de
Cristo é conhecida, mas que os infiéis e escravos do pecado não
podem experimentar! Neste Sacramento se dá a graça espiritual,
recupera a alma a força perdida, refloresce a formosura deturpada
pelo pecado. Tamanha é, às vezes, esta graça, que, pela
abundância da devoção recebida, não só a alma, mas ainda o
corpo fraco sente-se munido de maiores forças.
11. É, porém, muito para chorar e lastimar a nossa tibieza e
negligência, o pouco fervor em receber a Jesus Cristo, em quem
reside toda a esperança e merecimento dos que se hão de salvar.
Porque ele é a nossa santificação e redenção, ele
o consolo dos peregrinos e o gozo eterno dos santos. E assim é muito
pra chorar o pouco caso que tantos fazem deste salutar mistério, sendo


ele a alegria do céu e a conservação de todo o mundo. Ó cegueira e
dureza do coração humano, que tão pouco estima esse dom inefável,
antes, com o uso cotidiano que dele faz, chega a cair na indiferença!
13. Pois, se esse augusto Sacramento se celebrasse num só lugar e
fosse consagrado por um só sacerdote no mundo, com quanto desejo
imaginas que acudiriam os homens a visitar aquele lugar e aquele
sacerdote a fim de assistir à celebração dos divinos mistérios? Agora,
porém, há muitos sacerdotes, e em muitos lugares Cristo é oferecido,
para que tanto mais se manifeste a graça e o amor de Deus para com os
homens, quanto mais largamente é difundida pelo mundo a sagrada
comunhão. Graças vos sejam dadas, bom Jesus Pastor eterno, que vos
dignais sustentar-nos a nós, pobres e desterrados, com vosso precioso
corpo e sangue, e até convidar-nos, com palavras de vossa própria boca,
à participação desses mistérios, dizendo: Vinde a mim todos que penais
e estais sobrecarregados, e eu vos aliviarei.
CAPÍTULO 2
Como neste Sacramento se mostra ao homem a grande bondade e
caridadede Deus
A Voz do discípulo
1. Confiado, Senhor, na vossa bondade e grande misericórdia, a vós
me chego, qual enfermo ao médico, faminto e sequioso à fonte da
vida, indigente ao Rei do céu, servo ao Senhor, criatura ao Criador,
desconsolado ao meu piedoso Consolador. Mas donde me vem a
graça de virdes a mim? Quem sou eu, para que vós mesmos vos
ofereçais a mim? Como ousa o pecador aparecer diante de vós? e
vós, como vos dignais vir ao pecador? Conheceis vosso servo e
sabeis que nenhum bem há nele para que lhe presteis esse
benefício. Confesso, pois, minha vileza, reconheço vossa bondade,
louvo vossa misericórdia e dou-vos graças por vossa excessiva
caridade. Por vós mesmos fazeis isso, não por meus
merecimentos, mas para que vossa bondade me seja mais
manifesta, maior caridade me seja infundida e a caridade me seja
mais perfeitamente recomendada. Pois que assim vos apraz e
assim ordenastes, a mim também me agrada vossa
condescendência, e oxalá não ponham estorvo meus pecados!
2. Ó dulcíssimo e benigníssimo Jesus! louvor vos devo pela
participação do vosso sacratíssimo corpo, cuja existência ninguém


pode explicar! Mas que hei de pensar nesta comunhão, chegando-
me a meu Senhor, a quem não posso devidamente honrar, e
todavia desejo receber com devoção? Que coisa melhor e mais
salutar posso pensar, senão humilhar-me totalmente diante de vós
e exaltar vossa infinita bondade para comigo? Eu vos louvo, Deus
meu, e vos engrandeço para sempre. Desprezo-me e a vós me
submeto no abismo de minha vileza.
3. Vós sois o Santo dos santos, e eu a escória dos pecadores. Vós
baixais para mim, que não sou digno de levantar os olhos para vós.
Vindes a mim, quereis estar comigo, convidais-me ao vosso
banquete. Quereis dar-me o alimento espiritual e o pão dos anjos,
que outro, na verdade, não é senão vós mesmos, pão vivo, que
descestes do céu e dais a vida ao mundo.
4. Eis a fonte do amor, donde resplandece a vossa misericórdia! Que
ações de graças vos são devidas por este benefício! Oh! quão
salutar e proveitoso foi o vosso desígnio, em instituir este
Sacramento! Quão suave e delicioso banquete, em que a vós
mesmos vos destes em alimento! Quão admiráveis, Senhor, são
vossas obras, quão inefável vossa verdade! Porque dissestes - e
tudo se fez, e fez-se aquilo que ordenastes.
5. Coisa maravilhosa e digna de fé e acima de toda compreensão
humana é que vós, Senhor, meu Deus, verdadeiro Deus e homem,
estejais todo inteiro debaixo das insignificantes espécies de pão e
vinho, e, sem serdes consumido, alimentais aquele que vos
recebe. Vós, Senhor do universo, que não precisas de coisa
alguma, quisestes morar em nós por vosso Sacramento; conservai
meu coração e meu corpo sem mancha, para que com alegre e
pura consciência possa muitas vezes celebrar e receber vossos
mistérios, para minha eterna salvação, visto que os instituístes e
ordenastes principalmente para vossa honra e perpétua lembrança.
6. Regozija-te, minha alma, e agradece a Deus tão excelente dádiva
e singular consolação, que ele te deixou neste vale de lágrimas.
Porque todas as vezes que celebrares este mistério e receberes o
corpo de Cristo, renovas a obra de tua redenção e te tornas
participante de todos os merecimentos de Cristo. Pois a caridade
de Cristo nunca se diminui, nem se esgota jamais a grandeza de
sua propiciação. Por isso te deves preparar sempre para este ato
pela renovação do espírito, e considerar com atenção este grande
mistério de salvação. Tão grande, novo e delicioso se te deve
afigurar, quando celebras ou ouves Missa, como se Cristo no
mesmo dia descesse pela primeira vez ao seio da Virgem e se


fizesse homem, ou como se, pendente da cruz, padecesse e
morresse pela salvação dos homens.
CAPÍTULO 3 Da utilidade da comunhão freqüente
Voz do discípulo
1. Eis que venho a vós, Senhor, para aproveitar-me de vossa
munificência, e deliciar-me neste sagrado banquete, que vós, Deus
meu, preparastes, na vossa ternura, para o pobre. Em vós se acha
tudo o que posso e devo desejar; vós sois minha esperança,
fortaleza honra e glória. Alegrai, pois, hoje, a alma de vosso servo,
porque a vós, Senhor Jesus, levantei a minha alma. Desejo
receber-vos agora com devoção e reverência; desejo hospedar-vos
em casa, para que, com Zaqueu, mereça ser abençoado e contado
entre os filhos de Abraão. Minha alma suspira por vosso corpo;
meu coração deseja ser convosco unido.
2. Dai-vos a mim e estou satisfeito; porque sem vós nada me pode
consolar. Sem vós não posso estar, e sem vossa visita não posso
viver. Por isso muitas vezes devo achegar-me a vós e receber-vos
para remédio de minha salvação, a fim de não desfalecer no
caminho quando estiver privado deste alimento celestial. Assim vós
mesmo o dissestes uma vez, misericordiosíssimo Jesus, quando
pregáveis e curáveis diversas enfermidades: "Não os quero
despedir em jejum, para que não desfaleçam no caminho"(Mt 15,
32). Fazei também do mesmo modo comigo, pois ficastes neste
Sacramento para consolação dos fiéis. Vós sois a suave refeição
da alma, e quem dignamente vos receber se tornará participante e
herdeiro da glória eterna. A mim, que tantas vezes caio e peco, tão
depressa afrouxo e desfaleço, mui necessário me é que, com a
oração, confissão e comunhão freqüente, me renove, purifique e
afervore, para não abandonar meus santos propósitos, abstendo-
me da comunhão por mais tempo.
3. Pois "os sentidos do homem estão inclinados para o mal desde a
sua adolescência (Gên 8,21), e se não o socorre o remédio
celestial, logo cai o homem de mal em pior. Porque, se agora,
comungando ou celebrando, sou tão negligente e tíbio, que seria
se não tomasse este remédio e não buscasse tão poderoso
conforto? E ainda que não esteja, todos os dias, preparado, nem
bem disposto para celebrar, contudo me quero esforçar para, nos
tempos convenientes, receber os sagrados mistérios e tornar-me
participante de tanta graça. Porque, enquanto a alma fiel, longe de


vós, peregrina neste corpo mortal, a única e principal consolação
para ela é - que muitas vezes se lembre do seu Deus e receba
devotamente
o seu Amado.
4. Ó maravilhosa condescendência de vossa bondade para convosco,
que vós, Senhor Deus, Criador e vivificador de todos os espíritos, vos
dignais de vir à minha pobre alma e saciar-lhe a fome com toda a vossa
divindade e humanidade! Ó ditoso coração, ó alma bem-aventurada, que
merece receber-vos com devoção a vós, seu Deus e Senhor, e nesta
união encher-se de gozo espiritual! Oh! que grande Senhor recebe, que
amável hóspede agasalha, que agradável companheiro acolhe, que fiel
amigo aceita, que formoso e nobre esposo abraça, mais digno de ser
amado que tudo o que se ama e deseja! Dulcíssimo Amado meu,
emudeçam diante de vós o céu e a terra com todos os seus ornatos;
porque tudo o que têm de brilho e beleza é dom de vossa liberalidade e
não chega a igualar a glória de vosso nome, "cuja sabedoria não tem
medida" (Sl 146,5).
CAPÍTULO 4
Dos admiráveis frutos colhidos pelos que comungam devotamente
1. Senhor, meu Deus! Preveni vosso servo com as bênçãos de vossa
doçura, para que mereça digna e devotamente chegar-me a vosso
augusto Sacramento. Despertai meu coração para vós e tirai-me
deste profundo entorpecimento. "Visitai-me com vossa graça
salutar" (Sl 105,4), para que goze em espírito vossa doçura, que
com abundância está oculta neste Sacramento, como em sua
fonte. Iluminai também meus olhos para contemplar tão alto
mistério, e fortalecei-me para crer nele com fé inabalável. Porque é
obra vossa e não de poder humano, sagrada instituição vossa, não
invenção dos homens. Ninguém, com efeito, se si mesmo é capaz
de conceber e compreender este mistério, que transcende à
própria inteligência dos anjos. Que, pois, poderei eu, pecador
indigno, pó e cinza, investigar e compreender de tão alto e sagrado
mistério?
2. Senhor, na simplicidade do meu coração, com firme e sincera fé, e
obedecendo a vosso mandado, me aproximo de vós com
esperança e reverência e creio verdadeiramente que estais
presente aqui no Sacramento, Deus e homem. Pois quereis que


vos receba e me uno convosco em caridade. Por isso imploro
vossa clemência e vos suplico a graça particular de que todo me
desfaleça em vós e me consuma em amor, sem mais cuidar de
nenhuma outra consolação. Porque este altíssimo e diviníssimo
Sacramento é a saúde da alma e do corpo, remédio de toda
enfermidade espiritual; cura os vícios, reprime as paixões, vence
ou enfraquece as tentações, comunica maior graça, corrobora a
virtude nascente, confirma a fé, fortalece a esperança, inflama e
dilata a caridade.
3. Muitos bens condedestes e concedeis ainda a miúdo aos vossos
amigos, neste Sacramento, quando devotamente comungam, ó
Deus meu, amparo da minha alma, reparador da humana fraqueza
e dispensador de toda consolação interior. Porque lhes infundis
abundantes consolações contra várias tribulações e os levantais do
abismo do próprio abatimento à esperança da vossa proteção e os
recreais e iluminais interiormente com a nova graça, de sorte que
os mesmos que antes da comunhão se sentiam inquietos e sem
afeto, depois de recreados com o manjar e a bebida celestiais se
sentem melhorados e fervorosos. Tudo isso prodigalizais aos
vossos escolhidos, para que verdadeiramente conheçam e
evidentemente experimentem quanta fraqueza têm em si mesmos
e quanta bondade e graça alcançam de vós. Pois de si mesmos
são frios, tíbios e insensíveis; por vós, porém, tornam-se
fervorosos, alegres e devotos. Quem, porventura, se chegará
humilde à fonte da suavidade, que não receba dela alguma
doçura? Ou quem, junto de um grande fogo, deixará de sentir
algum calor? E vós sois a fonte sempre cheia e abundante; o fogo
que sempre arde sem jamais se apagar.
4. Por isso, se me não é dado haurir da plenitude desta fonte, nem
beber até me saciar, chegarei, todavia, meus lábios ao orifício do
canal celeste, a fim de que receba daí ao menos uma gota, para
refrigerar minha sede e não morrer de secura. E se não posso
ainda ser todo celestial, nem tão abrasado como os querubins e
serafins, contudo me empenharei por permanecer na devoção e
dispor meu coração, para que pela recepção humilde deste
vivificante Sacramento receba ao menos uma tênue faísca do
divino incêndio. O que me falta, porém, ó bom Jesus, Salvador
santíssimo, supri-o pela vossa bondade e graça, pois vos dignastes
chamar-nos todos a vós, dizendo: Vinde a mim todos que penais e
estais sobrecarregados, e eu vos aliviarei.


5. Na verdade, eu trabalho com o suor do meu rosto, sou
atormentado com angústias do coração, estou carregado de
pecados, molestado de tentações, embaraçado e oprimido com
muitas paixões e não há ninguém que me ajude, livre ou salve,
senão vós, Senhor Deus, Salvador meu, a quem me entrego, com
tudo o que me pertence, para que me guardeis e leveis à vida
eterna. Recebei-me para honra e glória de vosso nome, pois me
preparastes para a comida e bebida o vosso corpo e sangue.
Concedei-me, Senhor Deus, Salvador meu, que com a frequência
de vosso mistério se me aumente o fervor da devoção.
CAPÍTULO 5
Da dignidade do Sacramento e do estado sacerdotal
Voz do Amado
1. Ainda que tiveras a pureza dos anjos e a santidade de São João
Batista, não serias digno de receber ou administrar este Sacramento.
Porque não é devido a merecimento algum humano que o homem pode
consagrar e administrar o Sacramento de Cristo e comer o pãos dos
anjos. Sublime mistério e grande dignidade dos sacerdotes, aos quais é
dado
o que aos anjos não foi concedido! Porque só os sacerdotes
legitimamente ordenados na Igreja têm o poder de celebrar a Missa e
consagrar o corpo de Cristo, porquanto é tão-somente o ministro de Deus
que usa das palavras de Deus, por ordem e instituição de Deus; Deus,
porém, é o autor principal e invisível agente, a cujo aceno tudo obedece.
2. Neste augustíssimo Sacramento deves, pois, mais crer em Deus
onipotente que em teus próprios sentidos ou em qualquer sinal visível.
Por isso deves aproximar-te deste mistério com temor e reverência. Olha
para ti e considera que ministério te foi confiado pela imposição das
mãos do bispo. Foste ordenado sacerdote e consagrado para o serviço
do altar; cuida agora em oferecer a Deus o sacrifício em tempo oportuno,
com fé e devoção, e de levar uma vida irrepreensível. Não se te diminui o
encargo, ao contrário, estás agora mais apertadamente ligado aos
vínculos de disciplina e obrigado a maior perfeição e santidade. O
sacerdote deve ser ornado de todas as virtudes de dar aos outros


o exemplo de vida santa. Ele não deve trilhar os caminhos vulgares e
comuns dos homens, mas a sua convivência seja com os anjos do céu
ou com os varões perfeitos na terra.
3. O sacerdote, revestido das vestes sagradas, faz as vezes de Cristo,
para rogar devota e humildemente a Deus por si e por todo o povo. Traz
o sinal da cruz do Senhor no peito e nas costas, para que continuamente
se recorde da paixão de Cristo. Diante de si, na casula, traz a cruz, para
que considere, com cuidado, os passos de Cristo, e se empenhe de os
seguir com fervor. Nas costas também está asssinalado com a cruz, para
que tolere com paciência, por amor de Deus, qualquer injúria que outros
lhe fizeram. Diante de si traz a cruz para chorar os próprios pecados;
atrás de si, para deplorar também os alheios, por compaixão, e para que
saiba que é constituído medianeiro entre Deus e o pecador. Também não
cesse de orar e oferecer o santo sacrifício, até que mereça alcançar
graça e misericórdia. Quando o sacerdote celebra a Santa Missa, honra
a Deus, alegra os anjos, edifica a Igreja, ajuda os vivos, proporciona
descanso aos defuntos e faz-se participante de todos os bens.
CAPÍTULO 6
Pergunta concernente ao exercício antes da comunhão
Voz do discípulo
1. Senhor, quando considero vossa dignidade e minha baixeza, tremo
de medo e me envergonho diante de mim mesmo. Porque, se me
não chego a vós, fujo da vida, e se me apresento indignamente,
incorro em vossa indignação. Que farei, pois, Deus meu, meu
auxílio e conselheiro em meu apuros?
2. Ensinai-me vós o caminho direto, mostrai-me algum breve
exercício. Porque me é útil saber de que modo devo, com devoção
e respeito, preparar o meu coração para receber com fruto vosso
Sacramento ou celebrar tão grande e divino sacrifício.
CAPÍTULO 7
Do exame da própria consciência e propósito de emenda
A Voz do Amado


1. Antes de tudo cumpre ao sacerdote de Deus, para celebrar,
administrar e receber este Sacramento, que se aproxime com
grandíssima humildade de coração e profundo respeito, com viva
fé e piedosa intenção de honrar a Deus. Examina diligentemente a
tua consciência, procura limpá-la e purificá-la, quanto puderes, com
sincera contrição e humilde confissão, de sorte que nada tenhas ou
saibas que te pese na consciência, que te cause remorsos e te
estorve o livre acesso. Detesta todos os teus pecados em geral, e
lamenta mais em particular as faltas cotidianas. E, se o tempo o
permite, confessa a Deus, no recôndito de teu coração, toda a
miséria de tuas paixões.
2. Aflige-te e geme por seres ainda tão carnal e mundano, tão pouco
mortificado nas paixões, tão cheio de movimentos de
concupiscência, tão pouco recatado nos sentidos exteriores, tão
amaranhado em muitas vãs ilusões, tão inclinado às coisas
exteriores, tão descurado das interiores; tão dado ao riso e à
dissipação, tão duro para as lágrimas e a compunção; tão pronto
para os regalos e cômodos da carne; tão indolente para as
austeridades e o fervor; tão curioso por ouvir novidades e ver
coisas bonitas; tão remisso em abraçar as humildes e
desprezadas; tão cobiçoso de possuir muito; tão parco em dar; tão
tenaz em guardar; tão indiscreto no falar; tão insofrido no calar; tão
indiscreto no falar; tão insofrido no calar; tão desregrado nos
costumes; tão precipitado nas orações; tão sôfrego no comer; tão
surdo à palavra de Deus; tão ligeiro para o descanso; tão vagaroso
para o trabalho; tão atento para conversas fúteis; tão sonolento
para as sagradas vigílias; tão pressuroso por chegar ao fim; tão
vago na atenção; tão negligente na recitação do ofício divino; tão
tíbio na celebração da missa; tão seco na comunhão; tão depressa
distraído; tão raramente bem recolhido; tão precipitado à ira; tão
fácil de melindrar os outros; tão propenso a julgar; tão rigoroso em
repreender; tão alegre nas prosperidades, tão abatido nas
adversidades; tão fecundo em boas resoluções, tão preguiçoso em
executá-las.
3. Confessados e chorados estes e outros defeitos, com pesar e vivo
sentimento de tua própria fraqueza, toma o firme propósito de
emendar tua vida e melhorá-la continuamente. Depois, com plena
resignação e inteira vontade, oferece-te a ti mesmo como perpétuo
holocausto em honra do meu nome, sobre o altar do teu coração,
entregando-me confiadamente teu corpo e tua alma, para que


assim mereças oferecer dignamente a Deus o sacrifício e receber
com fruto o Sacramento do meu corpo.
4. Pois não há oblação mais digna, nem maior satisfação para expiar
os pecados, que oferecer-se a si mesmo a Deus, pura e
inteiramente, unido à oblação do corpo de Cristo, na Missa e na
comunhão. Se o homem fizer o que está em seu poder, e se
arrepender verdadeiramente de seus pecados, quantas vezes a
mim vier pedir graça e perdão, sempre dirá o Senhor: Por minha
vida juro, não quero a morte do pecador, mas que se converta e
viva; não mais me lembrarei dos seus pecados, mas todos lhe
serão perdoados (Ez 18,22; 33,11).
CAPÍTULO 8
Da oblação de Cristo na cruz e da própria resignação
Voz do Amado
1. Assim como eu a mim mesmo ofereci espontaneamente ao Pai
eterno, com os braços estendidos e o corpo nu, de modo que nada
restasse em mim que não fosse oferecido em sacrifício de
reconciliação divina: assim também deves tu de coração oferecer-
te voluntariamente a mim todos os dias na Santa Missa, em
oblação pura e santa, com todas as tuas potências e afetos. Que
outra coisa exijo de ti senão que te entregues inteiramente a mim?
De tudo que me deres fora de ti, não faço caso; porque não busco
teus dons, mas a ti mesmo.
2. Assim como não te bastariam todas as coisas sem mim, assim me
não pode agradar o que sem ti me ofereces. Oferece-te a mim, dá-
te todo a Deus, e será aceita a tua oblação. Olha como me ofereci
todo ao Pai por ti, e dei-te todo
o meu corpo e sangue em alimento, para ser todo teu e para que tu te
tornasses meu. Se, porém, te apegares a ti mesmo, e não te ofereceres
espontaneamente à minha vontade, não será completa tua oblação, nem
perfeita a união entre nós. Portanto, a todas as tuas obras deve preceder
o voluntário oferecimento de ti mesmo nas mãos de Deus, se desejas
alcançar a liberdade e a graça. O motivo de haver tão poucos
interiormente esclarecidos e livres é que muitos não sabem abnegar-se
de todo a si mesmos. É imutável minha sentença: Quem não renunciar a
tudo não poderá ser meu discípulo (Lc 14,33). Se desejas, pois, ser meu
discípulo oferece-te a mim com todos os teus afetos.


CAPÍTULO 9
Que devemos com tudo quanto é nosso oferecer-nos a Deus, e orar por
todos
Voz do discípulo
1. Senhor, vosso é tudo quanto existe no céu e na terra. Desejo
oferecer-me a vós em oblação voluntária e ser vosso para sempre.
Senhor, na simplicidade do meu coração me ofereço hoje a vós por
servo perpétuo em obséquio e eterno sacrifício de louvor. Recebei-
me com este santo sacrifício de vosso precioso corpo, que vos
ofereço hoje na presença dos anjos, que a ele invisivelmente
assistem, a fim de que sirva para minha salvação e de todo o povo.
2. Senhor, ofereço-vos sobre vosso altar de propiciação todos os
meus pecados e delitos que tenho cometido em vossa presença e
de vossos santos anjos, desde o dia em que pela primeira vez
pequei até à hora presente, para que os consumais e queimeis no
fogo de vossa caridade, também apagueis todas as manchas de
meus pecados e purifiqueis minha consciência de toda a culpa e
me restituais a vossa graça, que perdi pelo pecado, perdoando-me
tudo plenamente e admitindo-me na vossa misericórdia ao ósculo
da paz.
3. Que posso eu fazer em expiação dos meus pecados, senão
confessá-los humildemente e chorá-los, implorando
incessantemente vossa misericórdia? Rogo-vos, meu Deus, ouvi-
me propício, aqui onde estou em vossa presença! Detesto
sumamente todos os meus pecados, e proponho nunca mais
cometê-los; arrependo-me deles e me hei de arrepender enquanto
viver; pronto estou a fazer penitência e satisfazer conforme as
minhas forças. Perdoai-me, meu Deus, perdoai-me os meus
pecados pelo vosso santo nome; salvai minha alma que remistes
com vosso precioso sangue. Eis que me abandono à vossa
misericórdia, e me entrego em vossas mãos. Tratai-me segundo a
vossa bondade, não segundo a minha iniqüidade e malícia.
4. Ofereço-vos todas as minhas boas obras, por poucas e imperfeitas
que sejam, para que vós as emendeis e santifiqueis, e as façais
agradáveis a vós e as aperfeiçoeis cada vez mais, e para que me
leveis a mim, servo indolente e inútil, a um fim glorioso e bem-
aventurado.
5. Ofereço-vos também todos os santos desejos das almas devotas,
as necessidades de meus pais, amigos, irmãos, parentes e de


todos os que me são caros, ou me fizeram bem a mim e a outros,
por vosso amor; também daqueles que me encomendaram e
pediram orações e Missas por si e para todos os seus, sejam vivos
ou defuntos, para que todos sintam o auxílio da vossa graça, o
socorro da vossa consolação, a proteção nos perigos, o alívio das
penas e que, livres de todos os males, vos rendam jubilosos,
muitas graças.
6. Ofereço-vos, finalmente, todas as orações e a hóstia de
propiciação particularmente por aqueles que de qualquer modo me
ofenderam, contristaram, censuraram, prejudicaram ou
molestaram. Enfim, por todos a quem eu tenha afligido, perturbado,
contrariado ou escandalizado, com palavras ou obras, por
ignorância ou com advertência, a fim de que a todos nos perdoeis
os nossos pecados e mútuas ofensas. Apartai, Senhor, dos nossos
corações toda suspeita, indignação, e ira e contenda e tudo que
possa ofender a caridade e diminuir o amor fraternal. Compadecei-
vos, Senhor, compadecei-vos de todos os que imploram vossa
misericórdia; daí graças aos que dela necessitam, e fazei-nos tais,
que sejamos dignos de gozar a vossa graça e alcançar a vida
eterna. Amém.
CAPÍTULO 10
Que não se deve deixar por leve motivo a sagrada comunhão
Voz do Amado
1. A miúdo deves recorrer à fonte da graça e divina misericórdia, à
fonte de bondade e de toda pureza, para que possas ser curado de
tuas paixões e vícios, e merecer ficar mais forte e vigilante contra
todas as tentações e enganos do demônio. Sabendo o inimigo qual
é o fruto e o eficacíssimo remédio que se encerra na santa
comunhão, procura por todos os modos e em qualquer ocasião
impedir e afastar dela, quanto pode, as almas fiéis e piedosas.
2. Pois a muitos sucede que, quando tratam de preparar-se para a
santa comunhão, sofrem as piores sugestões de Satanás. Esse
espírito maligno (como está escrito no livro de Jó 1,6) mete-se
entre os filhos de Deus, para, com sua costumada malícia,
perturbá-los ou torná-los demasiadamente tímidos e escrupulosos,
a fim de lhes diminuir a devoção ou com suas investidas arrancar-
lhes a fé, para que deixem de todo a comunhão ou só se lhe
aproximem com tibieza. Mas não se há de fazer caso algum das


suas manhas e sugestões, por mais torpes e horríveis que sejam;
ao contrário, todas essas fantasias se hão de rechaçar sobre a sua
cabeça. Desprezo e irrisão merece esse malvado, e por causa de
suas investidas ou inquietações não se há de deixar a comunhão.
3. Muitas vezes também causa embaraço a demasiada preocupação
a respeito da devoção ou certo receio da necessária confissão.
Procede nisto conforme o conselho dos entendidos, e deixa a ânsia
e escrúpulos, porque estorvam a graça de Deus e impedem a
devoção da alma. Não deixes a sagrada comunhão por qualquer
pequena tribulação ou contrariedade, mas vai logo confessar-te e
perdoa generosamente aos outros todas as ofensas. Se tu, porém,
ofendeste a alguém, pede humildemente perdão, e Deus te
perdoará de boa vontade.
4. Que aproveita demorar por muito tempo a confissão ou adiar a
sagrada comunhão? Purifica-te quanto antes, expele já o veneno,
apressa-te em tomar o remédio e achar-te-ás melhor que se por
muito tempo o diferes. Se deixas hoje a comunhão, por este ou
aquele motivo, talvez que amanhã te sobrevenha outro maior, e
assim te podias afastar por muito tempo da comunhão e tornar-te
cada vez menos apto. O mais cedo que possas, sacode de ti essa
inércia e tibieza, porque nada te aproveita viver muito tempo nessa
ânsia e perturbação e privar-te dos divinos mistérios por cotidianos
embaraços. Antes prejudica por muito adiar a comunhão por largo
tempo; porque isto costuma produzir grave frouxidão. Infelizmente,
alguns tíbios e relaxados folgam com os pretextos de adiar a
confissão e desejam a demora da comunhão, para não serem
obrigados a maior vigilância sobre si mesmos.
5. Ai! Que pouco amor e fraca devoção têm aqueles que tão
facilmente deixam a sagrada comunhão! Quão feliz, porém, e quão
agradável a Deus é quem vive tão santamente e guarda a sua
consciência em tal pureza, que todos os dias estaria preparado e
disposto a comungar, se lhe fosse permitido e o pudesse fazer sem
causar reparo! Quando alguém, por humildade ou algum legítimo
impedimento, se abstém de comungar uma vez ou outra, merece
louvor por tanta reverência. Insinuando-se-lhe, porém, a tibieza,
deve reanimar-se a si mesmo e fazer o que puder, e Deus auxiliará
o seu desejo, atendendo à boa vontade, que especialmente aprecia.
1. Quando for, porém, legitimamente impedido, conserve ao menos a
boa vontade e piedosa intenção de comungar, e deste modo não
ficará privado do fruto do Sacramento. Porque todo cristão piedoso


pode cada dia e a cada hora, sem embaraço e com proveito,
comungar espiritualmente. Contudo, em certos dias e tempo
determinado, deve receber com afetuosa reverência o corpo de
seu Redentor no Sacramento, e nisto ter em vista mais a honra e
glória de Deus, que sua própria consolação. Porque
espiritualmente comunga e invisivelmente é recreado, todas as
vezes que medita devotamente no mistério da encarnação de
Cristo e da sua paixão, e se acende em seu amor.
2. Quem se prepara somente quando uma festa se aproxima ou o
costume o obriga, muitas vezes se achará mal preparado. Bem-
aventurado aquele que se oferece a Deus em holocausto, todas as
vezes que celebra a Santa Missa ou comunga! Não sejas, ao
celebrar, nem demasiadamente demorado, nem apressado, mas
guarda o uso comum e regular daqueles com quem vives. Não
deves causar incômodo ou enfado aos demais; mas seguir o
caminho traçado pela instituição dos maiores e atender antes ao
proveito alheio que à tua própria devoção e afeto.
CAPÍTULO 11
Que o corpo de Cristo e a Sagrada Escritura são sumamente
necessários à alma fiel Voz do discípulo
1. Ó dulcíssimo Senhor Jesus, quão grande é a doçura de uma alma
devota que toma parte no vosso banquete, no qual outro manjar
não há que se lhe ofereça, senão vós mesmo, seu único amado,
suprema aspiração de todos os desejos de seu coração! Também
a mim seria doce derramar em vossa presença lágrimas do mais
terno amor e com a piedosa Madalena banhar os vossos pés com
meu pranto; mas onde está essa devoção, onde essa copiosa
efusão de santas lágrimas? Por certo, na vossa presença e na dos
santos anjos, meu coração devia inteiramente ficar abrasado e
chorar de alegria, pois vos tenho verdadeiramente presente no
Sacramento, embora oculto sob estranhas espécies.
2. Contemplar-vos na vossa própria e divina claridade - não poderiam
suportar meus olhos; nem o mundo todo poderia subsistir perante o
fulgor de vossa majestade. Por isso viestes em socorro à minha
fraqueza, em vos ocultando debaixo do Sacramento. Possuo
realmente e adoro aquele a quem os anjos do céu adoram; mas
eu, por enquanto, só pela fé, eles, porém, com clara visão e sem
véu. Eu me devo contentar com a luz da verdadeira fé e nela
caminhar, até que amanheça o dia da claridade eterna e


desapareçam as sombras das figuras. "Mas, quando vier o que é
perfeito" (1Cor 13,10), cessará o uso dos sacramentos; porque os
bem-aventurados na glória celeste não necessitam do remédio
sacramental. Gozam sem fim da presença de Deus, contemplando
a sua glória face a face, e, transformados de claridade em
claridade no abismo da divindade, fruem a visão do Verbo de Deus
encarnado, como foi no princípio e permanecerá para sempre.
3. Ao lembrar-se dessas maravilhas, qualquer consolação me causa
tédio; porque, enquanto não vejo claramente o meu Senhor em sua
glória, em nada estimo tudo o que neste mundo vejo e ouço. Vós,
meu Deus, me sois testemunha de que nenhuma coisa me pode
consolar, nem criatura alguma me sossegar, senão vós, meu Deus,
a quem desejo contemplar eternamente. Mas isso não é possível
enquanto vivo nesta vida mortal. Por isso me convém ter grande
paciência e submeter-me a vós em todos os meus desejos. Porque
também os vossos santos, Senhor, que exultam agora convosco
no reino dos céus, esperavam durante a sua vida terrestre, com
muita fé e paciência, a vinda da vossa glória. O que eles creram,
eu o creio também; o que eles esperaram, eu o espero; aonde eles
chegaram, espero que hei de chegar também, pela vossa graça.
Até então, caminharei na fé, confortado com os exemplos dos
santos. Terei ainda os livros santos para consolo e espelho de
minha vida e, sobretudo terei vosso corpo sagrado como singular
remédio e excelente refúgio.
4. Reconheço que neste mundo duas coisas me são, sobretudo
necessárias, sem as quais me seria suportável esta miserável vida.
Confesso que, enquanto estou detido no cárcere deste corpo,
necessito de duas coisas: alimento e luz. Por isso me destes,
Senhor, a mim, fraco, o vosso sagrado corpo, para sustento da
alma e do corpo, e "pusestes a vossa palavra qual cadeia diante de
meus pés" (Sl 118, 105). Sem estas duas coisas não poderia bem
viver; porque a palavra de Deus é a luz da minha alma e vosso
Sacramento o pão da vida. Podem ser chamadas duas mesas,
colocadas de um e outro lado do tesouro da Santa Igreja. Uma é a
mesa do santo altar, onde está o pão sagrado, isto é, o corpo de
Cristo. A outra é a mesa da lei divina, que contém a doutrina santa,
nos ensina a verdadeira fé e nos conduz com segurança atrás do
véu do santuário, onde está o Santo dos santos. Graças vos dou,
Senhor Jesus, luz da luz eterna, pela mesa da sagrada doutrina
que nos ministrastes por vossos servos, os profetas, apóstolos e
outros santos doutores.


5. Graças vos dou, Criador e Redentor dos homens que, para dar a
todo o mundo uma prova do vosso amor, preparastes uma grande
ceia, onde oferecestes em comida, não já o cordeiro figurativo,
senão vosso santíssimo corpo e sangue, enchendo de alegria
todos os fiéis com este sagrado banquete, e inebriando-os com o
cálice da salvação, onde se encerram todas as delícias do paraíso
e juntamente convosco se banqueteiam os santos e anjos, mas
com mais suaves delícias.
6. Oh! Quão grande e venerável é o ministério dos sacerdotes, aos
quais é dado consagrar com palavras santas o Senhor de
majestade, bendizê-lo com os lábios, tocá-lo com as mãos, recebê-
lo em suas bocas e distribuí-lo aos outros! Oh! como lhes devem
ser limpas as mãos, pura a boca, santo o corpo, imaculado o
coração, em que tantas vezes entra o Autor da pureza! Da boca do
sacerdote, que tantas vezes recebe o Sacramento de Cristo,
palavra não deve sair que não seja santa, honesta e útil.
7. Seus olhos, que constumam contemplar o corpo de Cristo, devem
ser modestos e castos. Puras e erguidas aos céus sejam também
suas mãos, que tantas vezes tocam o Criador do céu e da terra.
Especialmente aos sacerdotes se diz, na lei: Sede santos, que
também eu, o Senhor vosso Deus, sou santo (Lev 19,2; 1Pdr 1,16).
8. Assista-nos vossa graça, ó Deus onipotente, para que nós, que
assumimos o ministério sacerdotal, possamos digna e
devotamente servir-vos, com toda pureza e boa consciência. E, se
não podemos viver com tanta inocência, como devemos, concedei-
nos ao menos a graça de chorar devidamente os pecados
cometidos e doravante vos servir com mais
fervor, no espírito de humildade, com firme propósito e boa vontade.
CAPÍTULO 12
Que a alma se deve preparar com grande diligência para a sagrada
comunhão
Voz do Amado
1. Sou amigo da pureza e dispensador de toda santidade. Busco um
coração puro, e este é o lugar do meu repouso. Prepara-me um cenáculo
grande e bem ornado, e nele celebrarei a Páscoa com meus discípulos
(Lc 22,12; Mt 26,18). Se queres que eu venha a ti e fique contigo, lança
fora o velho fermento e limpa a morada do teu coração. Desterra dele


o mundo todo e o tumulto dos vícios; assenta-te, qual passarinho
solitário, no telhado, e relembra teus pecados na amargura de tua alma
(Sl 101,8). Porque todo amante prepara para o seu amado o melhor e
mais belo aposento, porque nisto se conhece o amor de quem acolhe o
amado.
1. Sabe, porém, que não podes chegar a uma digna preparação com
aquilo que fazes, ainda que empregasses nela um ano inteiro, sem
cuidar em mais nada. Mas só por minha bondade e graça te é
permitido chegar à minha mesa, como se um mendigo fora
convidado à mesa de um rico e não tivera outra coisa com que
pagar os benefícios recebidos, senão humilde agradecimento.
Faze o que podes, e faze-o com diligência; não por costume ou por
necessidade, mas por temor, respeito e amor, recebe o corpo do
teu amado Senhor e Deus, que se digna de te visitar. Sou eu quem
te chamou e mandou que assim se fizesse; eu suprirei o que te
falta; vem receber-me.
2. Quando te concedo a graça da devoção, dá graças a teu Deus,
não que sejas digno, mas porque tive pena de ti. Se não tens
devoção, mas te sentes muito seco, persevera na oração, suspira,
bate à porta e não cesses até que mereças receber uma migalha
ou uma gota de minha graça salutar. Tu necessitas de mim, e não
eu de ti. Não vens tu me santificar, mas sou eu quem te venho
santificar e fazer melhor. Tu vens para que, santificado por mim e a
mim unido, recebas nova graça e de novo te afervores para a
emenda. "Não desprezes esta graça" (1Tim 4,14); mas dispõe com
toda diligência teu coração e recebe nele o teu Amado.
3. Importa, porém, que não só te prepares para a devoção antes da
comunhão, mas também que a conserves cuidadosamente depois
da recepção do Sacramento. Não é menor a vigilância que se
exige depois da comunhão, do que a fervorosa preparação antes
de recebê-la. Pois essa boa vigilância posterior é novamente a
melhor preparação para alcançar maior graça; ao contrário, muito
indisposto se torna quem logo depois se dissipa com recreações
exteriores. Guarda-te de falar muito, retira-te na solidão e goza do
teu Deus; pois possuis aquele que o mundo todo te não pode
roubar. A mim te deves entregar inteiramente, de sorte que já não
vivas em ti, mas em mim, sem mais cuidado algum.
CAPÍTULO 13


Que a alma devota deve aspirar, de todo o coração, à união com Cristo
no Sacramento
Voz do discípulo
1. Quem me dera, Senhor, achar-me só convosco, para vos abrir todo
o meu coração e vos gozar como deseja a minha alma a ponto que
já ninguém em mim reparasse, nem criatura alguma se
preocupasse comigo ou olhasse para mim, mas que só vós me
falásseis e eu a vós, como costuma falar o amante com seu
amado, e conversar o amigo com seu amigo! Isto peço, isto desejo:
ser unido todo a vós e desprender o meu coração de todas as
coisas criadas, e pela sagrada comunhão e freqüente celebração
da Santa Missa achar cada vez mais gosto nas coisas celestiais e
eternas. Ah! Senhor meu Deus, quando estarei todo unido a vós,
absorto em vós, e completamente esquecido de mim? Vós em mim
e eu em vós; concedei que fiquemos assim unidos!
2. Vós sois na verdade "meu amado, escolhido entre milhares" (Cânt
5,10), no qual deseja a minha alma morar todos os dias de sua
vida. Vós sois verdadeiramente meu rei pacífico; em vós está a
suma paz e o verdadeiro descanso, e fora de vós só há trabalho,
dor e infinita miséria. "Vós sois verdadeiramente um Deus
escondido" (Is 45,15), e vosso conselho não é com os ímpios, mas
com os humildes, e simples é vossa conversação. "Quão suave,
Senhor, é vosso espírito". Para mostrar-des a vossa doçura aos
vossos filhos, vos dignais saciá-los com o pão suavíssimo que
desceu do céu. "Na verdade, não há outra nação tão grande que
tenha seus deuses tão perto de si, como vós, nosso Deus, estais
perto de todos os fiéis" (Dt 4,7), aos quais vos dais em alimento
delicioso, para consolá-los diariamente e erguer seus corações ao
céu.
3. Que nação há tão ilustre como o povo cristão, ou que criatura
debaixo do céu recebe tanto amor como a alma devota a quem
Deus se une para nutri-la com a sua gloriosa carne? Ó graça
inefável, ó admirável condescendência, ó amor imenso,
prodigalizado singularmente ao homem. Mas que darei ao Senhor
por esta graça e tão exímia caridade? Oferta mais agradável não
posso fazer a meu Deus, que lhe entregar meu coração todo
inteiro, para que o una intimamente consigo. Então exultarão de
alegria todas as minhas entranhas, quando minha alma estiver
perfeitamente unida com Deus. Então me dirá ele: Se tu queres
estar comigo, eu também quero estar contigo. E eu lhe


responderei: Dignai-vos, Senhor, ficar comigo, pois eu de bom
grado quero estar convosco. Este é meu desejo supremo, que meu
coração esteja unido convosco.
CAPÍTULO 14
Do ardente desejo que têm alguns devotos de receber o corpo de Cristo
Voz do discípulo
1. Oh! Como é grande, Senhor, a abundância da vossa doçura, que
reservastes para os que vos temem! (Sl 30,20). Quando me
lembro, Senhor, de alguns devotos que se aproximam do vosso
Sacramento com o maior fervor e afeto, fico muitas vezes confuso
e envergonhado de mim mesmo, por chegar tão tíbio e frio ao
vosso altar e à mesa da sagrada comunhão; por ficar tão seco e
sem fervor de coração; por não estar de todo abrasado diante de
vós, meu Deus, nem tão veementemente atraído e comovido,
como estavam muitos devotos, que, pelo grande desejo de
sagrada comunhão e amor sensível do seu coração, não podiam
reprimir as lágrimas, mas com a boca da alma e do corpo ao
mesmo tempo suspiravam ardentemente por vós, a fonte viva, não
podendo mitigar nem saciar essa fome doutro modo, senão
recebendo vosso corpo com toda alegria e ânsia espiritual.
2. Oh! Esta fé verdadeira e ardente é prova manifesta de vossa
sagrada presença! Estes verdadeiramente reconhecem seu Senhor
ao partir do pão, porque seu coração está em companhia deles.
Longe está de mim tal devoção e ternura, tão vivo amor e fervor.
Sede-me propício, ó bom, ó doce, ó benigno Jesus, e concedei a
este vosso pobre mendigo que sinta ao menos alguma vez na
sagrada comunhão um pouco do afeto cordial do vosso amor, para
que se fortaleça minha fé, cresça minha esperança em vossa
bondade, a minha caridade, uma vez bem acesa e acostumada ao
celestial maná, jamais desfaleça.
3. Vossa misericórdia é bastante poderosa para me dar a graça
desejada, e visitar-me em vossa clemência, no dia que vos
aprouver, com o espírito de fervor. Pois ainda que não esteja
acendido de tão ardentes desejos, como vossos privilegiados
devotos, sinto, todavia, com a vossa graça, o desejo de seus
abrasados desejos, e peço e rogo o favor de participar do fervor de
todos esses vossos amigos e ser agregado à sua santa
companhia.


CAPÍTULO 15
Que a graça da devoção se alcança pela humildade e abnegação de si
mesmo
Voz do Amado
1. Com perseverança deves buscar a graça da devoção, pedi-la com
instância, esperá-la com paciência e confiança, recebê-la com
agradecimento, guardá-la com humildade, com diligência
aproveitá-la, cometendo a Deus o tempo e o modo da celestial
visita, até que se digne visitar-te. Deves principalmente humilhar-te
quando pouca ou nenhuma devoção sentes em teu interior, sem,
todavia, ficar abatido ou entristecer-te demasiadamente. Muitas
vezes dá Deus num momento o que negou por largo tempo, e às
vezes concede no fim da oração o que no princípio diferiu.
2. Se a graça fora sempre prontamente outorgada e oferecida à
vontade, tanto não podia suportar o homem fraco. Por isso a deves
esperar com firme confiança e humilde paciência. Mas atribui a
culpa a ti e aos teus pecados, quando te for negada ou
ocultamente retirada. Às vezes é bem pouco o que impede ou
oculta a graça, se é que se pode chamar pouco e não muito, o que
priva de tão grande bem. E se removeres este pequeno ou grande
impedimento, e se te venceres perfeitamente, terás o que pediste.
1. Porque logo que de todo o teu coração te entregares a Deus
e não buscares coisa alguma a teu gosto e desejo, mas
inteiramente te puseres em suas mãos, achar-te-ás unido a
ele e sossegado, e nada te será tão delicioso e agradável
como o beneplácito da divina vontade. Todo aquele, pois,
que com coração singelo dirige a sua intenção a Deus e se
desprende de todo amor ou aversão desordenada a qualquer
coisa criada, está bem disposto para receber a graça e digno
2. de alcançar a devoção, porque o Senhor dá a sua bênção
onde encontra o coração vazio. E quanto mais perfeitamente
alguém renuncia às coisas terrenas e morre a si pelo
desprezo de si mesmo, tanto mais depressa lhe advém a
graça, mais copiosamente se lhe infunde e mais alto lhe
ergue o coração livre.
3. Então verá, terá alegria abundante e estará maravilhoso; o coração
se lhe dilatará, porque a mão do Senhor está com ele (Is 60,5), e
em suas mãos ele inteiramente se entregou para sempre. Eis como
será abençoado o homem que busca a Deus de todo o seu


coração, e não deixa sua alma se apegar às vaidades (Sl 23,5).
Esse é que na recepção da sagrada Eucaristia merece a graça
inefável da união com Deus, porque não olha para a sua devoção e
consolação, mas, sobretudo busca a honra e glória de Deus.
CAPÍTULO 16
Como devemos descobrir nossas necessidades a Cristo e pedir sua
graça
Voz do discípulo
1. Ó dulcíssimo e amabilíssimo Senhor, a quem desejo agora
devotamente receber, vós conheceis minha fraqueza e a
necessidade que sofro; sabeis em quantos males e vícios estou
emaranhado, quantas vezes estou oprimido, tentado, perturbado e
manchado! A vós peço consolação e alívio. Convosco falo, meu
Deus, que sabeis todas as coisas e a quem são manifestos todos
os segredos do meu coração; vós sois o único que me pode
perfeitamente consolar e socorrer. Sabeis os bens de que mais
necessito e quão pobre sou em virtudes.
2. Eis-me aqui, diante de vós, pobre e nu, a pedir graça e implorar
misericórdia. Fartai este vosso pobre mendigo, aquecei minha
frieza com o fogo de vosso amor, iluminai minha cegueira com a
claridade de vossa presença. Fazei que me seja amargo tudo o
que é terreno, que leve com paciência as penas e contrariedades,
e que despreze e esqueça todas as coisas caducas e criadas.
Levantai o meu coração a vós no céu, não me deixeis vaguear na
terra. Só vós, desde hoje para sempre, me sereis doce e
agradável, porque só vós sois minha comida e bebida, meu amor e
minha alegria, delícia minha e meu único bem.
3. Oh! se me inflamásseis todo com a vossa presença e me
abrasásseis e transformásseis em vós, a ponto de tornar-me um só
espírito convosco pela graça da união interior e a força do ardente
amor! Não me deixeis sair de vossa presença seco e faminto, mas
usai para comigo de vossa misericórdia, como tantas vezes
admiravelmente fizestes com vossos santos. E que maravilha fora
se todo me abrasasse em vós e me consumisse, sendo vós o fogo
que sempre arde e nunca se apaga, o amor que purifica os
corações e ilumina o entendimento?
CAPÍTULO 17


Do ardente amor e veemente desejo de receber a Cristo
Voz do discípulo
1. Com suma devoção e abrasado amor, com todo o afeto e fervor do
coração, desejo receber-vos, Senhor, como muitos santos e
pessoas devotas o desejaram, os quais vos agradaram
principalmente pela santidade de sua vida e pela ardentíssima
devoção que os animava. Ó Deus meu, amor eterno, meu único
bem, bem-aventurança interminável! Desejo receber-vos com o
mais ardente afeto e a mais digna reverência que jamais sentiu ou
pôde sentir santo algum!
2. E ainda que seja indigno de todos esses sentimentos de devoção,
ofereço-vos, todavia, o afeto do meu coração, como se eu só tivera
todos aqueles gratíssimos e inflamados desejos. Mas tudo quanto
pode conceber e desejar um coração piedoso, eu vo-lo dou e
ofereço com profunda reverência e íntimo fervor. Nada quero
reservar para mim, mas a mim, e tudo que é meu quero sacrificar-
vos espontaneamente, de boa vontade, Senhor, Deus meu, Criador
e Redentor meu! desejo receber-vos hoje com tal afeto e
reverência, com tal louvor e honra, com tal agradecimento,
dignidade e pureza, com tal fé, esperança e amor, como vos
desejou e recebeu vossa Mãe Santíssima, a gloriosa Virgem Maria,
quando, ao anjo que lhe anunciou o mistério da encarnação,
humilde e devotamente respondeu: Eis a serva do Senhor, faça-se
em mim segundo a vossa palavra! (Lc 1,38).
1. E como vosso bem-aventurado precursor João Batista, o
mais excelente dos santos, quando ainda estava nas
entranhas maternas, exultou de alegria na vossa presença
por impulso do Espírito Santo, e vendo-vos, meu Jesus,
depois andar entre os homens com profunda humildade e
devoto afeto dizia: O amigo do Esposo que está perto dele e
o
2. ouve regozija-se ouvindo a voz do Esposo (Jo 3,29); assim
também eu quisera ser inflamado de veementes e santos
desejos e entregar-me a vós de todo o meu coração. Por isso
vos ofereço o júbilo de todas as almas devotas, seus
abrasados afetos de amor, os êxtases de seu espírito, suas
iluminações sobrenaturais e visões celestiais, e vo-las
apresento com todas as virtudes e louvores que vos
tributaram ou hão de tributar todas as criaturas do céu e na
terra, por mim e por todos os que se recomendaram às


minhas orações, para que sejais por todos dignamente
louvado e para sempre glorificado.
3. Aceitai, Senhor, Deus meu, os votos e desejos de infinitos louvores
e imensas ações de graças, que vos são justamente devidas,
segundo a vossa inefável grandeza. Isso vos ofereço, e desejo
oferecer cada dia e a cada momento, e convido com minhas
súplicas e rogos todos os espíritos celestes e todos os vossos fiéis
a vos agradecerem comigo e louvarem.
4. Louvem-vos todos os povos, tribos e línguas; com suma alegria e
ardente devoção glorifiquem o vosso santo e dulcíssimo nome. E
todos aqueles que com devoção e reverência consagram vosso
augusto Sacramento e com viva fé o recebem, mereçam achar
graça e misericórdia diante de vós e peçam a Deus humildemente
por mim, pecador. E quando tiverem conseguido e desejada
devoção e o gozo da união convosco e voltarem da mesa sagrada,
consolados e maravilhosamente recreados, dignem-se lembrar-se
também deste pobre.
CAPÍTULO 18
Que o homem não seja curioso escrutador do Sacramento,
mas humildeimitador de Cristo, sujeitando sua razão à santa fé
Voz do Amado
1. Foge do desejo curioso e inútil de investigar este profundíssimo
mistério, se não te queres afogar num abismo de dúvidas. Quem
quer perscrutar a majestade será oprimido por sua glória (Prov
25,27). Mais pode Deus fazer, que o homem compreender.
Contudo é permitida uma piedosa e humilde investigação da
verdade, que sempre está inclinada a ser instruída e segue a sã
doutrina dos Santos Padres.
2. Bem-aventurada a simplicidade, que deixa os caminhos dificultosos
das discussões, para andar no caminho plano e firme dos
mandamentos de Deus! Muitos perderam a devoção, porque
quiseram investigar coisas muito altas. O que se exige de ti é fé e
inocência, não sublime inteligência, nem profundo conhecimento
dos mistérios de Deus. Se não entendes, nem compreendes as
coisas que estão abaixo de ti, como alcançarás as que estão
acima? Sujeita-te a Deus e submete teu juízo à fé, e se te dará a
luz da ciência, conforme te for útil e necessário.


3. Alguns são gravemente tentados acerca da fé nesse Sacramento;
mas isso não se deve imputar a eles, senão ao inimigo. Não te
importes, nem disputes com teus próprios pensamentos, nem
respondas às dúvidas que o demônio te sugere, mas crê nas
palavras de Deus, crê nos seus santos e profetas, e fugirá de ti o
malvado inimigo. Muitas vezes é de grande proveito ao servo de
Deus passar por tais provações, porque o demônio não tenta aos
infiéis e pecadores, que já tem seguros: aos fiéis devotos, porém,
ele tenta e molesta de vários modos.
4. Persevera, pois, na fé, firme e simples, e chega-te ao Sacramento
com profunda reverência. E quanto ao que não podes
compreender, encomenda-o tranqüilamente a Deus onipotente.
Deus não te engana; mas se engana quem demasiadamente
confia em si mesmo. Deus anda com os simples, revela-se aos
humildes, dá inteligência aos pequenos, abre o sentido às almas
puras e esconde sua graça aos curiosos e soberbos. A razão
humana é fraca e pode enganar-se, mas a fé verdadeira não se
pode enganar.
5. Toda razão e pesquisa natural deve seguir a fé, não precedê-la,
nem enfraquecê-la, porque a fé e o amor aqui dominam e operam
ocultamente nesse santíssimo e diviníssimo Sacramento. "Deus
eterno, imenso e infinitamente poderoso faz coisas grandes e
incompreensíveis no céu e na terra" (Jó 5,9), e ninguém pode
penetrar as maravilhas de suas obras. Se fossem tais as obras de
Deus, que facilmente as compreendesse a razão humana, não
deveriam ser chamadas maravilhosas, nem inefáveis.






Cortesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: