segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Catecismo da Oração: Introdução.


Tomamos emprestado para nosso catecismo sobre a Oração, o texto do Pe. Emmanuel-André, tirado do seu Catecismo da Família. Poucas vezes encontraremos explicações, nos catecismos mais conhecidos, que saibam unir a simplicidade com a profundidade, como aqui. Chega a ser surpreendente certos temas abordados pelo Pe. Emmanuel, como o desejo e o modo como procuramos satisfaze-los. Esperamos que esta bela doutrina sirva para aumentar nosso gosto em rezar e nosso amor por Nosso Senhor.

A ORAÇÃO
Introdução
1. A Nossa indigência

Qual é o estado do homem na terra?

Somos indigentes, Pauperes facti sumus nimis (Ps.LXXVIII): temos necessidade de tudo, tanto para nossa alma quanto para nosso corpo; nossa indigência é extrema.

Onde se vê a prova dessa pobreza?
Vemos no que todos sofrem e no que se queixam. A maior parte dos homens não conhece sua própria indigência, nem os remédios que deveriam procurar.

E quais são eles?
Infelizes que somos, gemia santo Agostinho, amamos nossa própria indigência, e além de amá-la, dela nos vangloriamos.

Será possível?
Sim, pelo menos por instantes, ou por algum tempo; pois nossa alma tem fome e sede de felicidade, e mesmo que queira fechar os olhos para essa necessidade, ela subsiste.

2. Nossos desejos

Nós desejamos?
Sim, nossa alma está cheia de desejos. Criada por Deus, só encontrará deleite e repouso naquele que é seu princípio e seu fim.

Quais são nossos desejos mais intensos?
Alguns são da alma, outros do corpo.

Quais são os deleites da alma?
A alma quer ver, saber, amar, gozar e ser feliz.

E os do corpo?
O corpo quer seu pão de cada dia e a cura de seus males.

Esses desejos são bons?
Sim, se são ordenados segundo a vontade de Deus.

E podem tornar-se maus?
Facilmente tornam-se maus por causa das inclinações viciosas que temos devido ao pecado original.

3. A satisfação de nossos desejos

Somos levados a procurar a satisfação de nossos desejos?

Sim, invencivelmente: não encontrando em nós o que nos falta, vamos procurar fora.

E onde vamos procurar?
Por toda parte: no alto, ao nosso redor ou abaixo de nós.

O que acontece quando procuramos abaixo de nós?
Longe de encontrarmos nosso bem, agravamos nosso mal e aumentamos nossa indigência.

E quando procuramos ao nosso redor?
Encontramos criaturas tão pobres quanto nós, incapazes de nos dar o que não têm, e que têm necessidade como nós.

O que nos resta fazer?
O único recurso é nos elevarmos acima de nós mesmos e pedir a Deus o que precisamos.

4. A oração

Como se chama o fato de uma alma se voltar assim para Deus?

Chama-se: oração; quer dizer uma elevação da alma indigente para a fonte inesgotável de todos os bens.

A oração é natural no homem?
Sim, como é natural à criança pedir a seu pai o que precisa.

E porque então a oração é tão rara?
Devido à ignorância, fruto do pecado original, não sabemos mais pedir, nem o que é preciso pedir, nem a quem pedir.

O que se conclui?
Que a graça de Deus nos é necessária para rezar, quer dizer, para elevarmos nossas almas a Deus.

E a oração é um dom de Deus?
É o que nos ensina são Paulo quando diz: “O Espírito Santo ajuda a nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como convém. Mas o próprio Espírito pede por nós com gemidos inefáveis (Rom.VIII,26).”

5. Motivos para rezar

Qual o nosso principal motivo para rezar?

É a necessidade que temos de Deus para alcançarmos a felicidade que almejamos.

Temos outros motivos para rezar?
Devemos rezar também para adorarmos a Deus e reconhecermos seu soberano domínio sobre nós e sobre todas as criaturas; para agradecermos os benefícios e pedirmos perdão por nossos pecados.

Os motivos para rezar sendo tais, parece que os homens deviam rezar sem cessar?
Eles precisam rezar sem cessar, e devem isso a Deus, mas seu mal é tão grande que se parecem a doentes que, acostumando-se à sua doença não pensam mais em se curar.

Mas nós católicos, não somos como eles nisso?
Não, ao contrário, devemos compreender, meditar e por em prática a palavra de nosso divino Mestre que nos diz: “É preciso rezar sempre, sem nunca descansar (Luc.XVIII,1.).”

Se não somos como eles, o que devemos fazer?
Pedir humilde e instantemente a graça de rezar e para esse fim repetirmos a palavra dos Apóstolos a Nosso Senhor: “Senhor, ensinai-nos a rezar (Luc.XI,1)”

6. O que é a oração

Como definimos a oração?
A oração é uma elevação da alma para cumprirmos nosso dever para com Deus e lhe pedirmos suas graças.

Que deveres cumprimos para com Deus na oração?
Devemos adorá-lo como nosso Mestre soberano, e agradecer nossa criação e todos os inúmeros benefícios que recebemos.

E que devemos pedir a Deus?
A cura de nossos males e a participação em seus bens.

E de onde vem a oração?
De Deus pela graça e de nós pela boa vontade que ele nos inspira.

Qual é o centro nervoso da oração?
É o desejo. Santo Agostinho também define a oração: “Um desejo e um gemido do coração se dirigindo a Deus: Cordis desiderium et gemitus ad Deum directus.”

7. Oração mental e vocal

Como se chama a oração quando ela é apenas um desejo do coração?
Chama-se oração mental, porque então é só a alma (mens mentis, mentalis) que a produz, sem que apareça nada exteriormente.

A oração pode então não ser somente mental?
Sim, sem dúvida, pois podemos exprimir por palavras o desejo interior da alma, e essas palavras fazem que a oração se chame vocal (vox vocis, vocalis).

O que se nota nisso?
Que se pode rezar sem as palavras da oração e também dizer as palavras da oração sem rezar.

E porque isso?
Porque a oração consistindo essencialmente em um desejo do coração, se a alma se eleva a Deus com esse desejo interior, ela reza. Se, ao contrário, ela pronuncia as palavras da oração sem que as anime o desejo interior, ela não reza, apenas fala.

8. Razões da oração vocal

Se a oração é apenas o desejo do coração, parece que basta que ela seja mental?
Se fossemos anjos seria assim; mas não somos anjos e as palavras nos são necessárias.

Porque?
Porque fixadas em nossa memória, ou ao menos presentes em nosso espírito, fazem-nos lembrar as coisas que temos para pedir a Deus, e nos excitam a lhe pedir.

Mas porque?
Porque o coração sente mais vivamente as coisas quando são, ao mesmo tempo, concebidas pelo espírito e exprimidas pela voz. As palavras nos ajudam a desejar mais e assim a rezar melhor.

É preciso, então dar muita importância à oração vocal?
Sem nenhuma dúvida, porque ela nos presta um grande socorro; é preciso nos aplicar em faze-la bem, conformando nossos desejos às palavras que pronunciamos.

Há outras razões por que devemos estimar a oração vocal?
Temos três que são consideráveis: primeiramente Nosso Senhor nos ensinou o Pai Nosso que é a mais admirável das orações vocais; segundo, o Espírito Santo inspirou os Salmos que formam a oração da Igreja há três mil anos; terceiro, enfim, a Igreja compôs uma quantidade de orações que são de grande beleza e de um valor inestimável para nossas almas.

9. A oração pública e particular

A oração é um desejo do coração, no entanto há a oração de toda a Igreja?
A oração pode ser privada ou pública; privada, quando é feita só por uma alma; pública quando é feita em uma reunião de fiéis que se dirigem a Deus, todos juntos numa mesma oração.

O que há de comum na oração pública e na oração privada?
Uma e outra devem ter como ponto de partida um desejo do coração, sem o qual não haverá oração.

O que há de particular a cada uma dessas duas espécies de orações?
A oração privada pode ser, à vontade, mental ou vocal, enquanto que a oração pública é sempre uma oração vocal.

Podemos nos contentar só com a oração privada?
Se estivéssemos sozinhos na terra, estaríamos reduzidos à oração privada; mas vivemos em sociedade, e a sociedade deve, como o indivíduo, prestar seus deveres a Deus e lhe pedir suas graças.

Temos que estimar tanto a oração privada como a oração pública?
É preciso estimar a ambas, porque todas duas são necessárias, e uma auxilia a outra; mas apesar de iguais, a oração pública é mais valiosa aos olhos de Deus.

10. Razões da oração pública

Então temos grandes motivos para amarmos a oração pública?
Temos vários e poderosíssimos motivos.

Diga-nos quais são?
Nosso Senhor disse: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, estarei no meio deles (Mat.XVIII,20).” E mais: “Se dois de vós na terra se unirem entre si, seja qual for a coisa que eles pedirem, meu Pai que está no céu, lhes dará (Mat.XVIII,19).”

O que se nota nessas palavras de Nosso Senhor?
Nota-se que nosso divino Salvador, de alguma maneira está mais atento à oração coletiva do que a uma oração privada; e que concede mais facilmente ao pedido de muitos o que talvez não concedesse ao pedido de um só.

Haverá outras vantagens na oração pública?
Há, e muito grandes. Todos os fiéis se unindo na oração, animam-se, encorajam-se e se edificam uns aos outros; os fortes sustentam os fracos, os fracos se esforçam para seguir os fortes e a oração se torna mais poderosa diante de Deus. “Nós nos unimos na oração, diz Tertuliano, e fazemos a Deus uma violência que lhe é agradável. Haec vis Deo grata est.

11. Os graus da oração

O que se chama os graus da oração?
Chamamos assim os diferentes estados daqueles que rezam; pois essa diferença de estado produz orações mais ou menos perfeitas, daí os diversos graus de oração.

Quais são os diversos estados daqueles que rezam?
Como a oração consiste no desejo que o coração manifesta a Deus, compreende-se que o desejo sendo maior ou menor e a manifestação do desejo mais ou menos ardente deve haver inumeráveis graus de oração.

De onde vem a diversidade de desejo nas almas?
Do grau de conhecimento: pois ninguém deseja o que não conhece; mas quando o bem é conhecido, ele é tão mais desejado quanto mais é conhecido.

E de onde vem o maior ou menor ardor na manifestação do desejo?
No grau do amor: porque quanto mais se ama o bem, mais somos atraídos por ele. Quem não ama, não deseja: porém quem ama muito deseja muito.

Como se chama o conhecimento que faz amar?
É a Fé.

E como se chama os desejos que nascem desse conhecimento?
São a Esperança e a Caridade, segundo essa bela palavra de Santo Agostinho: Fides credit, Spes et Caritas Orant - a Fé crê, a Esperança e a Caridade oram.

12. A oração dos pequeninos

Os pequeninos são capazes de rezar?
A rigor, é preciso dizer que não, porque não sabem; porém como dizia uma criança: Eu amo melhor, sim!

E porque?
Porque a criança, pronunciando as palavras da oração, exprime diante de Deus que sabe bem, o que lhe foi posto no coração pela graça de seu batismo.

Explique melhor?
A criança batizada, rica em inocência e graça santificante tem no coração a fé habitual, como também a esperança e a caridade, e quando ela diz a Deus: Meu Deus! Eu vos amo de todo coração! exprime - sem saber - uma linda verdade bem conhecida de Deus, e diante da qual ele não é insensível.

O que pensa concluir daí?
Que as orações desses anjos da terra é agradável a Deus, e que os pais e mães devem achar um verdadeiro encanto em fazer seus filhinhos rezarem, e animar seus próprios desejos de rezar.

É essa oração útil à própria criança?
Certamente, pois essa oração a forma na oração; essa oração faz a criança fazer atos que já saberá fazer quando, chegando a idade da razão, será obrigada a faze-los.

13. A oração das crianças na idade da razão

O que acontece na alma da criança que reza quando já tem o uso da razão?
A criança começa a ficar atenta ao ato que faz, e desde então começa a rezar realmente.

Qual é o gênero de atenção da criança?
Basta para a criança que tenha o pensamento em Deus que a vê, que a escuta, e tenha o desejo de fazer alguma coisa que seja agradável a Deus, assim, ela faz sua oração.

Porque diz que isso basta para a criança?
Porque ela não é capaz de fazer mais, não tendo suficiente conhecimento para penetrar no sentido das palavras que pronuncia na oração.

Como a criança se elevará numa oração mais perfeita?
Adquirindo a inteligência dos mistérios do Símbolo dos Apóstolos, e os repassando em seu espírito dizendo o Credo; adquirindo o sentido dos pedidos do Pater (Pai Nosso), à medida que os dirige a Deus; e crescendo tanto em conhecimento quanto em desejo, crescerá na oração.

14. A oração dos verdadeiros fiéis

O que deve ser a oração dos verdadeiros fiéis?
Um exercício das três virtudes: a Fé, a Esperança e a Caridade.

Como essas virtudes formam nossa oração?
A fé nos esclarece sobre o passado, o presente e o futuro. A Fé nos ensina nossa criação, a queda original, a redenção por Nosso Senhor; nos mostra a vida eterna e o caminho que a ela conduz, nos mantêm na espera dos julgamentos de Deus. Quem não vê que todas essas grandes e divinas luzes nos dispõem de um modo feliz para rezar?

Como a Esperança e a Caridade formam a oração?
Fazendo nascer em nós os santos desejos do perdão dos pecados, da graça necessária para a observação dos mandamentos, de nossa felicidade eterna, de agradar a Deus, de amá-lo e de vê-lo eternamente.

Qual é o cristão que reza bem?
Aquele que tem sempre no coração o santo desejo e que o exprime muitas vezes para Deus.

Qual é o que reza muito bem?
Aquele que consegue obedecer à palavra de Nosso Senhor: É preciso rezar sempre (Luc.XVIII,1).

15. A oração dos perfeitos

Quais são os perfeitos na Igreja?
Aqueles que tiveram a felicidade de vencer o pecado, que vivem numa fé luminosa, numa esperança inabalável, numa caridade ardente.

Qual é a oração desses perfeitos servidores de Deus?
Ela é o fruto de um conhecimento muito elevado, de um desejo fervoroso, e desde então ela se eleva a Deus como um perfume puríssimo, como um incenso de agradável odor.

O que pedem os perfeitos e suas orações?
Aqueles que rezam pedem a Deus que nos livre do mal e a possessão de seu bem; apenas eles pedem essas graças numa luz mais abundante, com uma humildade mais profunda, com desejos mais ardentes, e é isso que faz a perfeição da oração.

Os perfeitos têm ainda necessidade de palavras para rezar?
Algumas vezes eles rezam sem palavras, algumas vezes com palavras; mas, mais são perfeitos, mais têm estima pelas orações da Igreja, sobretudo pelos Salmos, o Pai Nosso, etc.

Qual é então o segredo da perfeição de suas orações?
O segredo está em querer o bom Deus de todo seu coração e de toda sua alma.
http://www.capela.org.br/Catecismo/oracao1.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: