segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Antropocentrismo: heresia gnóstica de tradição maçônica.


VATICANO II : INTRODUÇÃO A UMA NOVA RELIGIÃO

Por ocasião do quadragésimo aniversário da abertura do Concílio Vaticano II, alguns católicos, entre bispos, padres e leigos, reuniram-se em simpósio no Instituto Universitário São Pio X, nos dias 4 e 5 de outubro de 2002. Eles estudaram os textos do Concílio que se definiu como pastoral e não dogmático, à luz da Tradição da Igreja. A coerência interna da doutrina conciliar foi posta em evidência. Eis a síntese que eles gostariam de apresentar.

Síntese da doutrina de Vaticano II

1- A novidade: Vaticano II elabora um novo cristianismo, na medida da "fase nova da história [do gênero humano]" (GSnº4§2), inclusive na ordem espiritual. Trata-se, no dizer dos próprios historiadores e sociólogos, de uma religião diferente: apesar de reivindicar não haver mudança de fé, a religião é profundamente transformada pelo aggiornamento espiritual que traz a desordem entre os dogmas (cf. UR nº11 sobre a hierarquia das verdades)

2- A Inversão de fins: A nova relação entre o cristão e seu Deus resume-se na idéia de "serviço do homem" (GS nº3). De fato, ele é "a única criatura que Deus quis por si mesma" (GS nº24§3). Ele aparece no plano temporal como "centro e ponto culminante" de tudo. (GS nº12). O homem torna-se, portanto, um fim para a própria Igreja, a qual será definida doravante como "sacramento, isto é, um sinal e um meio" para o homem (LG nº1). Esta idéia do serviço do homem inverte o coração da religião, pois a vocação do homem é estar à serviço de Deus, da Igreja e do próximo, na Caridade.

3- A consciência é fonte da religião: A verdade religiosa aparece à consciência do homem (DH nº 1 e 3) por sua luz própria (DH nº 1). O documento Dei Verbum, que trata das fontes da fé, não afirma que nós acreditamos em razão da autoridade de Deus que se revela, mas apresenta a fé como resposta existencial do homem ao "diálogo da salvação" (DV nº5) exercido por Deus (DV nº2). Neste documento, o depósito da fé não aparece mais em seu contúdo objetivo e imutável, mas é transmitido pela "tradição viva" (DV nº12), pela qual "a Igreja, ao longo dos séculos, tende contínuamente para a plenitude da verdade divina" (DV nº8)

4- Uma teologia da celebração: A liturgia deve tornar-se a expressão privilegiada dessa nova religião. Daqui para a frente, o homem cristão - consagrado pelo batismo - é o sujeito do rito sagrado e do sacerdócio (LG nº 9 a 11). Tema fundamental da constituição "Sacrosanctum Concilium", a "participação ativa" dos fiéis não é a participação fervorosa desejada por São Pio X, mas da assembléia enquanto atora do rito. A celebração se apresenta como um memorial, não da cruz, mas da ceia, onde a assembléia se oferece ela mesma.

5- A Igreja torna-se um sacramento: "A Igreja do Concílio" (cf. Paulo VI, discurso de encerramento, 7/12/1965) entende ser somente um "sinal" da presença invisível de Deus entre os homens (UR nº2), renunciando a ser a única sociedade de salvação. Enquanto sinal, ela é um "meio" (LG nº1) a serviço da vinda do verdadeiro Reino de Deus, o qual se estende às dimensões do universo (LG nº5). A doutrina da Igreja-sacramento, tornada clássica após o Concílio, sintetiza esta temática. Ela nos afasta da realidade da Igreja, sociedade visível a qual pertencemos pelo batismo, pela profissão de fé católica e pela submissão aos legítimos pastores.

6- A humanidade apresentada como Reino: As religiões convergem para este reino (NA). Ele coincide com o gênero humano inteiro, enquanto este tende à unidade (LG nº1; GS nº42 §3) A Igreja do Concílio, junto com as instituições públicas e privadas, deverá servir esta unidade crescente cujos sinais - verdadeiros sinais dos tempos, no dizer de João XXIII - são a "socialização de todas as coisas" (distribuição de rendas), "a revindicação dos direitos dos homens" (GS nº41 §1) e a preocupação comum com os valores espirituais (ecumenismo, diálogo interreligioso) (GS nº42) a serviço da paz mundial. A idéia tradicional de cristandade pelo reinado social de N. Sr Jesus Cristo aparece como caduca, tendo a Igreja aderido à visão liberal do laicismo do Estado, como sendo o único capaz de favorecer a unidade do gênero humano. (cf. a política concordatária de Paulo VI com os estados católicos após o Concílio) Esta adesão ao liberalismo aparece como condição da influência cristã e confere à Igreja do Concílio um papel político (GS nº42 §2).
Devemos assinalar que a "unidade do gênero humano" não é uma idéia cristã (p. ex. Jo V,28-29) mas um esquema gnóstico que se encontra na tradição maçônica (discurso de Ramsay, 1737) e que o Pe. Teilhard de Chardin usou como objeto teológico antes do concílio.

7- A unidade espiritual da humanidade: Teologicamente, esta noção de unidade do gênero humano se apresenta sob a forma de graus de comunhão (UR nº3). Para favorecer a unidade religiosa do gênero humano, a Igreja deve se arrepender do seu passado (UR nº3 e GS nº19§3 e 21§5) e entrar em diálogo com todos os grupos religiosos (cf. Paulo VI, Ecclesiam Suam, 1964). Não é mais necessário de impor a eles uma conversão à Igreja Católica já que se pretende que todos os cristãos, mesmo não católicos já estejam unidos a Cristo pelo batismo (LG nº15) e que os não cristãos sejam ordenados ao povo de Deus (LG nº16) e possuam em suas religiões as "sementes do Verbo" (AG nº11).

8- A salvação: Paralelamente a este crescimento histórico da unidade do gênero humano, a Incarnação do Filho de Deus realiza, "de certo modo" a identificação de todos os homens a Cristo (GS nº22). A questão fundamental da salvação ou da condenação perde sua urgência. Doravante a pastoral conciliar vai economizar no que toca o pecado original e a queda da natureza humana. A salvação torna-se uma tomada de consciência.

Conclusão

Vaticano II mostra-se em ruptura radical com a Tradição católica.

Enquanto esta é toda centrada em Deus, seu louvor e seu serviço, não seria exagero considerar que o Concílio estabeleceu as bases de uma nova religião destinada principalmente a exaltar a pessoa humana e a realizar a unidade do gênero humano.

Os membros do Simpósio (62 conferencistas entre os quais 25 leigos) reafirmam seu apego indefectível à religião católica tal como foi vivida pelos fiéis e ensinada por todos os papas até às vésperas de Vaticano II.
http://www.capela.org.br/Crise/Vaticano2/comis%20final.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar: