sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Espiritismo x dogmas.

O espiritismo, sim, acredito porque vejo...



Os que assim falam, costumam exprimir-se também nos seguintes termos : “Cremos em fatos, não em dogmas!”



E que entendem por fatos ?



Fenômenos (aparições, vozes, mensagens, ruídos) que impressionam imediatamente os sentidos (principalmente a visão e a audição), parecendo comprovar a existência do sobrenatural. É a esses fenômenos que opõem dogmas, os quais são fórmulas dirigidas à inteligência humana, propondo-lhe mistérios concernentes à essência de Deus (Santíssima Trindade) e à disposição de seus dons (Encarnação, Redenção por Cristo, Eucaristia, etc.); os dogmas não caem diretamente sob a apreensão dos sentidos, por isto parecem nebulosos, pouco fidedignos. Em consequência, preconiza-se a religião dos fatos, não dos dogmas.



Aos que adotam essa posição, será preciso lembrar dois pontos de importância capital:



a) Perguntemo-nos o que é Religião. Dir-se-á obviamente que é o sistema de relações que levam e ligam o homem a Deus. Pois bem, nesse binômio — Deus e o homem — não há dúvida de que Deus é, por definição, o Maior, o Ser Supremo. — Por conseguinte, será lógico que a via pela qual o homem se encaminha para Deus (a Religião) seja ditada, revelada, por Deus (Deus se pode projetar sobre o homem, impondo-lhe a Religião; o homem, porém, não se pode projetar sobre Deus, concebendo a “sua” religião segundo o seu bom senso). Eis, todavia, que o Altíssimo, revelando ao homem o que este é e qual o seu destino, não pode deixar de comunicar verdades e desígnios que a infinita Sabedoria Divina concebe com muita clareza, mas que a limitada inteligência humana não consegue compreender exaustivamente; trata-se de mistérios divinos. Transcendentes como são, esses mistérios ou dogmas exigem fé, pois nunca poderão ser provados como um teorema matemático. Contudo, antes de os aceitar, o homem terá (e tem) o direito de se certificar de que não contradizem à razão e estão suficientemente credenciados para merecer assentimento.



Em última análise, uma religião sem dogmas deixaria de ser Religião ; tornar-se-ia sistema de sabedoria meramente humana que não nos elevaria acima de nós, até Deus. A religião que realmente atinja a Deus tem de apresentar aspecto dogmático; é mesmo a existência de dogmas (devidamente credenciados) que de certo modo garante a autenticidade da Religião.



Quem rejeita os dogmas, professa um certo positivismo, que desvirtua a Religião. Em tal caso, é o homem que cria o seu Deus (conforme as suas dimensões humanas) para fugir ao verdadeiro Deus e não se deixar plasmar por Ele. Não é de admirar que o espiritismo se baseie nesse positivismo. Allan Kardec escreveu seu código em meados do século passado; a mentalidade da época, se não era de todo ateia, concebia tal distância entre Deus e os homens que Julgavam não dever preocupar-se muito com Deus; toda a religião de Allan Kardec se desenrola preponderantemente num intercâmbio com os espíritos, que se manifestam aos sentidos do homem ; é o homem quem se salva, não é Deus quem salva o homem, no espiritismo.



b) Note-se, porém, que a religião dos dogmas de modo nenhum exclui os fatos. O catolicismo pode apontar em sua história recente (para não mencionarmos épocas anteriores) numerosos fenômenos extraordinários, fatos milagrosos (curas, aparições, comunicações preternaturais..,) rigorosamente comprovados; basta recordar Lourdes e Fátima. É Deus quem suscita tais prodígios a fim de dar estímulo à fé, inculcando assim a autenticidade dos dogmas. Os católicos, portanto, admitem também fatos milagrosos ; contudo afirmam que essas intervenções sobrenaturais não podem ser desencadeadas por fórmulas, ritos, processos mediúnicos, mas são dons gratuitos que Deus dispensa soberanamente, quando o julga oportuno.



“Pois que me viste, ó Tomé, acreditas; bem-aventurados, porém, os que acreditarem sem ter visto” (Jo 20,29).





Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Ocorreu um erro neste gadget

Pesquisar: