sábado, 7 de setembro de 2013

Dever e livre arbítrio.

QUAIS AS CONDIÇÕES DA EXISTÊNCIA DO DEVER ?



Quais as condições de existência do dever? — Pode a homem obrigar-se ou desobrigar-se à vontade? Se não pode, se existe de fato uma obrigação no sentido de determinação moral à qual não escapa a vontade humana, onde estaria nesse caso a nossa liberdade?



Para resolver o problema, distinga-se bem entre liberdade moral e liberdade física.



Há certamente leis divinas e humanas (estas em nome daquelas) que obrigam o homem independentemente da vontade ou da escolha do indivíduo; impõem-se, acarretando obrigação ou dever moral que o sujeito não escreve em cancela por própria autoridade. A existência de tais leis se explica pelo fato de que o homem é um ser essencialmente relativo, criado por Outrem e destinado a viver para Outrem; somente na entrega a esse Alfa e Ômega é que a criatura encontra a plena expansão de suas potencialidades. Por isto também o Alfa e Ômega é Lei Exemplar que se impõe ao homem (toda lei digna deste nome visa fazer do homem um imitador e colaborador de Deus).



O Exemplar Divino se manifesta do mesmo modo em todos os homens por meio da lei natural (inata) da consciência. Esta dita a todo e qualquer indivíduo os mesmos preceitos e as mesmas proibições básicas ("Faze o bem, evita o mal" e suas aplicações imediatas); além da lei natural, porém, existe a lei positiva, de Deus ou dos homens, que explicita a lei natural à qual o homem tem que se sujeitar.



Contudo o indivíduo assim regido foi dotado de liberdade física, ou seja, do poder de cumprir ou rejeitar a obrigação moral, a Lei. Todo homem, colocado diante de um dever moral, conserva (em circunstâncias normais) a faculdade de dizer "Sim" ou "Não" a esse imperativo extrínseco; caso execute o dever, executá-lo-á livremente (com domínio sobre o seu ato), como também, se não o cumprir, estará agindo livremente.



E como se evidencia que gozamos de liberdade física ou de liberdade de arbítrio?



Todos os bens que o homem nesta vida conhece, apresentam-se-lhe sempre como limitados ou como bens que têm seus inconvenientes para o sujeito. Até mesmo o Bem Sumo, em si ilimitado, Deus, é apreendido pelo homem à semelhança de uma criatura limitada (neste mundo não vemos a Deus face a face, mas todos os conceitos que de Deus temos, são análogos, finitos; Deus aparece também como o Legislador que impõe restrições). Por conseguinte, não há ser que nesta vida se mostre ao homem com características tais que solicitem necessariamente adesão ou repulsa. Caso o indivíduo considere o que determinado objeto lhe apresenta de bom, pode aderir-lhe; caso, porém, volte sua atenção para os aspectos do mesmo objeto pouco convenientes ao sujeito, pode repeli-lo.





Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Ocorreu um erro neste gadget

Pesquisar: