sábado, 7 de julho de 2012

CENSO E RELIGIOSIDADE: DO JEITO QUE O DIABO GOSTA, SEGUNDO O CLERO BRASILEIRO.

Eis o resumo do texto, em linguagem popular:


Não nos incomoda o fato de termos sido quase 100% católicos uns 100 anos atrás e sermos hoje uma maioria ameaçada de virar minoria (e hostilizada por aqueles com quem mantemos "diálogos inter-religiosos e ecumênicos", além dos políticos, meios de comunicação social, ideologias de morte - muitas delas adotadas pelo clero em substituição do catecismo, etc.).

E a "mobilidade religiosa"? Gostou do novo nome da APOSTASIA (abandono da fé)? Politicamente corretíssima!

E a "consciência cidadã"? Consciência cristã, ou católica, nada!

"Solidariedade": nome mais "chique" para caridade, bem maçônico mesmo...

Muitos católicos não foram instruídos por nós (e nem confortados espiritualmente) e procuram miragens em igrejolas de garagem graças à ignorância e ao descaso em que foram mantidos, e por não aprenderem, por nossa culpa, a lidar com o sofrimento nem a não buscar as glórias deste mundo como prioridade (teologia da prosperidade).

Estamos realmente muito bem: as taxas de criminalidade, abortos, divórcios, mães solteiras, filhos abandonados, drogados, prostituído(a)s, desorientados, deprimidos e descrentes estão aumentando. Bela "prática de justiça"!

Muito bem mesmo: mais paróquias, mais "fiéis", e mais seminaristas com uma vida espiritual quase morta (graças ao ativismo socialista da "teologia da libertação" e outras ideologias mundanas "conciliares e pós-conciliares", além do protestantismo neopentecostal da RCC, que confunde fervor de fé com agitação antidepressiva e sacrílega) nos resta de consolo... Bela "prática de justiça"!

É hora de avaliar: está tudo bem.

É hora de rever? Para quê? Os PhD's que assessoram a Arquidiocese e a CNBB são oráculos infalíveis!

É hora de ouvir: os mesmos assessores "infalíveis" precisam dizer e fazer mais besteiras para piorar a situação. Essa é a "escuta qualificada" (ouvir os mesmos aduladores dizerem que está tudo bem - ai de quem discordar!).

É hora de ousar: ousar permanecer na idiotice pastoral d' "O Concílio" (parece o único que houve na história da Igreja, o Vaticano II) e seu projeto desastroso de conformar a fé da Igreja a um projeto ideológico mundano, ao invés de retornar às boas práticas tradicionais católicas (catecismo, oração, obras de caridade e misericórdia, penitência, liturgia séria, sacramentos, respeito pelas instituições, condenações dos erros, apologética da Igreja, Missões, etc.).

Renunciamos ao "papel insubstituível" da Santa Madre Igreja e assistimos à nossa destruição - individual, familiar, social...

Coincidência?

Quando o rio está sujo, é melhor voltar para as nascentes para beber água limpa...

Enviai-nos, Senhor, dignos Pastores e operários porque a messe é grande e o rebanho é dispersado.

Deus, socorrei-nos!

ABAIXO, O TEXTO:

Censo e religiosidade
06/07/2012

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

O Censo Demográfico 2010, apresentado pelo IBGE, está merecendo uma especial consideração no que diz respeito ao cenário religioso da sociedade brasileira. Contudo, esse interesse, obviamente, não pode apenas ser em função do conjunto da dança de números: a constatação de declínio na declaração de crença quanto ao catolicismo, o crescimento daqueles que dizem não ter religião, ou, ainda, a consideração do crescimento evangélico, fruto do viés pentecostal.

Esse cenário de diversificação há de produzir leituras e interpretações em algumas direções essenciais. Uma delas refere-se à configuração e aos funcionamentos institucionais das diferentes confissões religiosas. É importante avaliar o sentido de pertença e a mobilidade religiosa que atinge o interior de cada confissão, refletir sobre a capacidade de agregar e formar pessoas, nas diferentes etapas da vida. Também é essencial analisar e compreender a importância de cada instituição na configuração de uma sociedade melhor, na formação de uma consciência cidadã. O compromisso com uma conduta pessoal, social e política, que sustente e promova uma sociedade mais ancorada na justiça e na solidariedade é central na avaliação da fé cristã e de sua autenticidade.

As estatísticas são de grande importância para análises e interpretações qualitativas capazes de contribuir para que a vivência na confissão religiosa configure uma mudança na vida pessoal, social e política, estimulando um entendimento mais adequado da significação da fé em Deus. Em questão, por exemplo, está um entendimento equivocado da fé cristã, até com força de atração por despertar interesses imediatos, como é o caso da compreensão de Deus como um sujeito de barganha ou um milagreiro. Nesse caso, um milagreiro que está à disposição e à mercê do que se entende, erroneamente, como vivência da fé. Um grave equívoco que leva ao absurdo de interligar oferta em dinheiro e a condição para se receber o milagre esperado. Trata-se de um viés situado na chamada teologia da prosperidade que, lamentavelmente, leva a explorações e a verdadeiros desvios, usufruindo das necessidades prementes de saúde e de sucesso.

Essa compreensão sustenta explicações também inadequadas, como a de que alguém não conseguiu um milagre ou uma benção por ser fraco na fé, entendendo a fé como uma força que tem sua fonte na própria pessoa, em detrimento do intocável sentido de obediência à vontade de Deus. Esse é apenas um exemplo para sublinhar que o Censo com suas pertinentes estatísticas deve instigar um processo interpretativo e de avaliação quanto ao papel da confissão religiosa na vida das pessoas e no tecido da sociedade, sem que se possa dispensá-la de sua importante contribuição sociocultural. Nesse horizonte, a Conferência Nacional doa Bispos do Brasil (CNBB), no dia em que o IBGE divulgou o Censo 2010, apresentou resultados de um estudo produzido pelo Centro de Estatísticas Religiosas e Investigação Social (CERIS) - entidade brasileira de pesquisa religiosa fundada pela própria CNBB. Esse trabalho mostra que a Igreja Católica não apenas continua majoritária na sociedade brasileira, reunindo 64,6% da população, como também cresceu vertiginosamente em número de paróquias e dioceses, vocações, na efervescência de novos movimentos eclesiais e nos investimentos na rede de comunidades.

Nessa mesma perspectiva de reflexão e avaliação qualitativa, a partir dos números, a Arquidiocese de Belo Horizonte, considerando as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, a convocação para pensar e agir no horizonte de uma Nova Evangelização, está vivendo o processo da sua IV Assembleia do Povo de Deus. É hora de avaliar, rever e ousar, por uma escuta qualificada, pelo compromisso de consolidar a tarefa insubstituível que a Igreja Católica tem no tecido cultural e sociopolítico, na alegria de anunciar o Evangelho do Reino.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Ocorreu um erro neste gadget

Pesquisar: