terça-feira, 5 de junho de 2012

Facebook: se todos lá são tão bonzinhos, por que o mundo está essa porcaria?

Sobre a inconveniência do Facebook.




Concordo 100% com o artigo sobre a inconveniência do Facebook e as vantagens dos blogs e listas de discussões As listas de discussões, em minha opinião, são perigosas: já vi muito orgulho (e ignorância - pasme! - principalmente sobre oração e espiritualidade entre "doutos" que muito lêem mas pouco rezam ou meditam) rolando solto nelas, e até insultos pessoais gratuitos por parte de pessoas ditas mui tradicionalistas (talvez apenas tradicionalmente mal-educados e malcriados)... sem contar que São Bento incentivava a instrução mas não as discussões - as "viagens" são perigosas e descambam para as heresias.

Além de todos os motivos dados no artigo, não é preciso ser nenhum doutor em teologia nem em filosofia para perceber a frivolidade e a futilidade da imensa maioria das postagens no Facebook por parte dos seus autores. O brasileiro adora redes sociais porque é intrinsecamente fútil e gosta de esconder-se da realidade enterrando a cabeça na areia das piadas, das superficialidades, da fantasia e de outros delírios ao invés de encarar e (tentar) superar as adversidades.

Pura perda de tempo! E nós nos achamos "os caras"!

O paradoxo é que, para sermos ativos nas redes sociais, acabamos tornando-nos anti-sociais (sem tempo para os verdadeiros amigos, a família e outros compromissos). Vamos isolando-nos, tornando-nos mais individualistas e alienados. Assim, a sociedade vai desagregando-se, a começar pela sociedade familiar, base de tudo. O estrago que a TV fez e faz já diz tudo. E assim o capeta prossegue em sua tática óbvia: dividir para imperar.

O blog da Confraria de São João Batista já teve um Facebook. Pouquíssimas pessoas se interessavam pelas postagens (estou incluindo membros do clero e religioso[a]s - igualmente campeões de futilidade e superficialidade). Já as besteiras e baboseiras, correm soltas e com grande audiência de um público muito voraz.

Desisti do Facebook: muito tempo perdido para nada. O blog pelo menos atrai alguma leitura ocasional (ou seriam as gravuras bonitas?). Só Deus sabe...só Deus, como diria S. Luis de Montfort...

Com a palavra, o Prof. Carlos Nougué:

Fonte: SPES

Publico abaixo, a pedidos, minha intervenção numa discussão na lista Index Bonorvm sobre o Facebook e similares. Publico-a em sua redação original, sem nenhuma alteração e com todos os defeitos de uma escrita rápida.
* * *
Caros,

Minha (acho) última palavra sobre o assunto.

1) Para saber se algo é intrinsecamente mau, não se trata de saber quem é seu autor (embora isto tenha importância por muitos outros ângulos).

2) O Facebook é intrinsecamente mau porque:

a) Estimula um tipo de “amizade” virtual que não é o amor de amizade cristão nem o amor de amizade político. O primeiro requer contato pessoal; o segundo, um governo ordenado ao bem. Na verdade, trata-se de falsas amizades, que não raro implicam pecados de concupiscência.

b) Estimula o fim do recato, hoje mal chamado privacidade. Este é um mal da modernidade mesmo entre tradicionalistas. Por exemplo, confessam-se publicamente pecados passados ou atuais que podem mexer com a própria concupiscência alheia, além de terem de reservar-se para o confessionário e seus sussurros. O Facebook vai na mesma linha: nele cada um se mostra de forma não recatada, com fotos, com conversas indevidas, e mais: nele, a mulher expõe-se em pé de igualdade com o homem, o que é contra a modéstia feminina. Dizia Santo Tomás que devemos tratar a todos cordialmente, mas não devemos ter familiaridade com ninguém ou só a devemos ter com muito poucos.

c) Estimula a ocupação do tempo com essas coisas em lugar da meditação e do estudo cristãos, em lugar da oração, e em lugar da vida familiar cristã, que deveria rechaçar tudo quanto venha ocupar os momentos da dedicação dos pais aos filhos e dos pais entre si. É o caso da televisão e do Facebook.

2) Recomendo que cada um faça um exame de consciência pensando em duas coisas:

a) Se realmente não incorre nos problemas acima;

b) Que são francamente contrários aos Facebooks da vida os principais sacerdotes da Tradição, alguns com argumentos tão sólidos como os encontrados no artigo italiano já citado nesta lista.

3) Em verdade, o Facebook e similares são instrumentos os mais apropriados para o governo mundial que antecederá o Anticristo. Recomendo, aliás, a leitura atenta do magnífico e profético 1984, de George Orwell; nele se entenderá que tais instrumentos são instrumentos de ”diversão” das massas, em prol, digo, do fim total da influência do verdadeiro Cristianismo.

4) Que alguém tenha conseguido, per accidens, fazer algo bom via Facebook não admira: nada pode ser totalmente mau; algo de bom há de ter. Logo, algo de bom poderá propiciar. Não tira Deus um bem até do demônio e dos que mandam nossos mártires ao cadafalso? Mas cuidado: não somos Deus, e lembremo-nos de que não é lícito praticar um mal para conseguir um bem.

5) Por fim: sinceramente não vejo como o Facebook possa ser tão útil quanto uma lista católica para reunir-nos e aos amigos, nem quanto um blog ou um site para divulgar a doutrina. Acho que muito pelo contrário.

Em comunhão de orações,

Carlos Nougué

P.S.1: Não sei se já se deram conta, mas, excluído o blog da música (que é de minha inteira responsabilidade), nada do que escrevo é senão repetição do que dizem Santo Tomás, D. Lefebvre, o Padre Calderón, etc., se se trata de doutrina; e, se se trata do combate da Tradição, não escrevo nada senão depois de ordenado por D. Tomás ou depois de consultá-lo. Incluído o que digo do Facebook e similares. Há um grave risco nas fileiras laicas da Tradição: como, em defesa da Fé, não podemos hoje seguir a hierarquia da Igreja, acabamos por tender a fazer coisas e a julgar coisas por nossa própria conta. A tendência ao erro é enorme; e digo-o porque sei que errei eu mesmo sempre que não segui a D. Tomás. Por isso, devemos a todo o transe buscar, para nossas ações e julgamentos, aestrita direção de um sacerdote (naturalmente, firme na Fé como uma rocha).

P.S.2: De modo algum quero eu ser diretor de almas. Aliás, logo me retirarei da vida pública (por razões alheias à minha vontade). Mas “que cada um faça o que quer” cheira-me a liberalismo. Que cada um faça o que ditar a doutrina católica e seu diretor particular, isto sim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Infelizmente, devido ao alto grau de estupidez, hostilidade e de ignorância de tantos "comentaristas" (e nossa falta de tempo para refutar tantas imbecilidades), os comentários estão temporariamente suspensos.

Contribuições positivas com boas informações via formulário serão benvindas!

Regras para postagem de comentários:
-
1) Comentários com conteúdo e linguagem ofensivos não serão postados.
-
2) Polêmicas desnecessárias, soberba desmedida e extremos de ignorância serão solenemente ignorados.
-
3) Ataque a mensagem, não o mensageiro - utilize argumentos lógicos (observe o item 1 acima).
-
4) Aguarde a moderação quando houver (pode demorar dias ou semanas). Não espere uma resposta imediata.
-
5) Seu comentário pode ser apagado discricionariamente a qualquer momento.
-
6) Lembre-se da Caridade ao postar comentários.
-
7) Grato por sua visita!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Ocorreu um erro neste gadget

Pesquisar: